-Disclaimer-

Naruto e essa fanfic não me pertencem.

Plug in Baby

Autora:O.o Kaoru-chan o.O

Tradução: LadyScorpion S2

Música: Plug in Baby by Muse


Parte 1

I've exposed your lies, baby
The underneath is no big surprise
Now it's time for changing
And cleaning everything
To forget your love

"Vamos colocar a culpa no álcool" pensou Sakura.

Exatamente. O álcool sempre tem a culpa de tudo. Principalmente nas festas. " O álcool ocasionou o acidente entre dois garotos...", "Uma luta entre duas pessoas alcoolizadas desencadeou o..." ou " É o álcool a causa dos adolescentes..." e assim seguia a lista de notícias de qualquer jornal. Sakura sorriu. Podia culpar o álcool. Era uma desculpa perfeita. Ingênua, simples e nada fora do normal.

O álcool tinha a culpa.

Claro que sua desculpa poderia ser perfeita se não fosse pelos detalhes. Primeiro não ingeria freqüentemente bebidas alcoólicas. Segundo, estava segura que não havia bebido naquela noite.

O sorriso de Sakura se transformou em uma expressão de desgosto. " Culpa do álcool, obviamente".

DROGAS!

As drogas são uma desculpa demasiado tentadora para fazer responsável de qualquer ato. E Sakura sabia – pois havia visto no hospital – como se comportavam os vários adolescentes nas quais eram usuários de drogas. Oh, a droga poderia ser a desculpa perfeita! Todavia Sakura não usava drogas. E mais nenhuma desculpa poderia servir, pois Haruno Sakura, médica do Hospital de Konoha, era demasiado perfeita, sana e disciplinada quando se tratava de coisas proibidas, prejudiciais ou más.

Oh, maldita seja ela, Haruno Sakura, a garota boazinha.

Sakura balançou as mãos no ar, obtendo assim, a atenção de várias pessoas na rua que começaram a mirar com o cenho franzido: "A adolescência de hoje..."

Suspirou derrotada, baixando a cabeça. Mechas rosadas caíram pelo seu rosto. O que iria fazer? Não queria ir. De verdade não queria. Sentia-se tão deslocada no lugar, tão simples e... tão... pequena. Deixou escapar um suspiro. Não queria ir, nunca quis ir a nenhuma daquelas extravagantes festas. Com pessoas tão falsas, tão hipócritas e tão cheias de cirurgias plásticas. Ugh, porém estava segura que acabaria indo. Sempre ia. Sempre. Por que nunca em sua vida poderia dizer que não? Por que era tão boa, tão serviçal, tão generosa, tão...

Sakura sabia que não podia contrariá-lo quando a mirava com aqueles olhos penetrantes e tão escuros que a faziam esquecer-se de respirar.

Era uma estúpida. E isso não era culpa nem do álcool e muito menos das drogas.

Seus pés se detiveram e levantou a cabeça para encontrar-se frente a uma porta demasiado familiar. Engoliu a saliva. Apesar de sua mente encontrar-se em constante atividade ou decidindo agir de forma racional, seu corpo sabia exatamente para onde conduzi-la ou que atitudes seguir.

Isso não a deixava feliz e muito menos era algo novo. O havia comprovado fazia várias semanas. Em uma festa na qual cometeu o pior erro de sua visa.

Sakura grunhiu enquanto abria a porta com o jogo de chaves extras que tinha. Não lhe agradava a idéia de ter que ir a outra festa, onde novamente se veria exposta a sua patética debilidade.

Não, não queria ir a nenhuma outra festa mais. Mesmo a do seu aniversário.

Não depois do que ocorreu na ultima vez.

Imagens voltavam a sua mente, invocando sussurros e gemidos. Recordando como aquele corpo suado roçava no seu, como as duas mãos grandes e ásperas lhe acariciavam no meio das pernas e as abrias e se posicionav...

-Sakura.

A rosada soltou um grito de surpresa e voltou a si quando encontrou a razão de suas insônias parado de frente para ela. E demorou menos de um segundo para notar que aquele problema encontrava-se apenas vestido com uma calça de ginástica e com (sexy) gotas de suor percorrendo seu corpo. E mais, não se passou muito tempo para notar como uma gota de suor caía desde seu pescoço e começava a percorrer seu tórax (desnudo) e sua barriga trabalhada até alcançar sua calça, local onde a gota foi absorvida pelo algodão. Ruborizou ao notar em que sítio se dirigia seu olhar e voltou à realidade – novamente – e miro aqueles olhos negros como à escuridão na qual a estavam deixando louca.

- Olhando algo que te agrade Sakura? – seu tom de voz tinha um timbre de diversão, mas seus olhos sustentavam a vaidade e o desejo contido na voz.

Um vermelhão lhe percorreu o rosto e o pescoço. Estava claro que Haruno Sakura podia morrer mortificada nesse momento.

-Uchiha! – grunhiu ainda ruborizada.

-Sasuke-kun para ti Sakura – disse em um tom baixo e diabolicamente sensual.

Bufou e cruzou os braços enquanto direcionava o seu olhar para o outro lado. Sasuke deu seu típico sorriso de canto diante as táticas infantis da garota. Estava disposto a seguir jogando com ela, pois o enrubescer da moça não era diversão suficiente.

Avançou com passos seguros até ficar bem perto dela e automaticamente inclinou sua cabeça até a orelha da mulher de madeixas rosadas. Notou que o corpo de Sakura ficou rígido. O Uchiha sorriu.

- O que fazes aqui, Sakura?

Oh demônios, ele estava jogando com ela outra vez.

Cerrou os olhos e tentou acumular irritação em sua voz e mente, em vez de pensar que tinha Uchiha Sasuke seminu e suado a sua frente. Entretanto, gemidos de uma noite em especial começaram a circular por sua memória. Esse fato a fez esquecer novamente a razão que a fez ir à residência do Uchiha. Não queria ir à festa. Não podia ir.

Não podia fraquejar diante dele.

Não.

Enquanto tentava reprimir aquelas recordações, decidiu abrir os olhos para fita-lo. Se os olhos do moreno não fossem tão atraentes...

-Ahm…eu… uh… -

"Bom começo Sakura. Agora sim que ele vai te levar a sério." Pensou com sarcasmo.

- O que ocorre Sa-ku-ra? – perguntou Sasuke enfatizando o nome da mulher.

-uhg… eu venho a…

-Sim? – Sasuke se aproximou ainda mais dela.

"Comporta-te Sakura. Sabes por que viestes. Não te comportes como uma garota de quinze anos! ''

-Sasuke-kun, não posso ir à festa essa noite.

Sasuke franziu o cenho e se recompôs. – Por que não?

- Uma pena – Sakura aproveitou esse momento para se separar um paço do moreno. Odiava saber o quanto lhe afetava o seu calor. – Tsunade-sama necessita de mim. Tenho plantão.

- hn. Troque-o. – ordenou o Uchiha obstinadamente.

-Sasuke-kun! Não posso fazer isso. Ela é minha chefa. - Sasuke se comportando como um garoto caprichoso aos olhos de Sakura pareceu encantador, todavia não ia deixar que isso a abala-se.

-Então o farei eu.

-Não podes fazer isso!

-Mas claro que sim, Tsunade me deve vários favores. No mês passado eu dei um cheque ao hospital. Não recordas?

"Obvio que me recordo. Afinal você é Uchiha Sasuke, o famoso cantor que todos se matam para ter" Pensou com amargura Sakura.

- Mas Sasuke-kun, não é correto. Tenho que trabalhar. Eu simplesmente não posso faltar porque tu tens uma festa.

Sasuke a ignoro.

- Ademais, não é bom nós sempre estarmos juntos. Os papparazis vão pensar que temos uma relação. Não é uma boa publicidade para você. Pensa nas tuas fãs. – replico Sakura estupidamente.

Sasuke a miro fixamente. – Não me importa o que eles pensam...Sakura.

Os olhos negros do Uchiha se cravaram em os verdes da Haruno. Um olhar que a mulher de cabelos rosa conhecia muito bem. Caso a situação decorasse dessa maneira iria acabar cedendo. Porém ao notar a profundidade de suas palavras e o seu olhar, acabou percebendo algo diferente. Talvez agora pudesse lhe contar a verdade e tirar aquele peso que a estava consumindo, pois quando via esses olhos que a aborreciam e sufocavam-na, não podia deixar de pensar que talvez...muito no fundo, ele também...podia...Havia esperança.

-Sasuke-kun, eu…

- Tu és minha amiga Sakura. E te quero comigo na festa de meu aniversário. – cortou Sasuke.

E o mundo de Sakura se estilhaçou em pedaços. Prendeu a respiração e sentiu uma ardência em seus olhos, um obstáculo na garganta e uma dor humanamente impossível de sentir em seu peito. Separar seus olhos do seu olhar sincero foi mais doloroso que voltar a respirar. Engoliu a saliva e tentou articular alguma palavra, porém nada saía da sua boca. O que podia dizer? Havia sido rechaçada sem ter se declarado. És patética Sakura, completamente patética.

"Tu és minha amiga Sakura"

Oh por deus, ele havia dito que ela era a amiga. A ardência em seus olhos estava ficando insuportável e se viu piscando várias vezes.

A rosada percebeu como a mão de Sasuke – cálida e masculina – lhe tocava a bochecha. Logo se deu conta que este estava limpando suas lágrimas.

-Sakura… o que-?

E foi quando fitou os olhos negros, quando notou a preocupação neles, preocupação por ela, que sentiu que seu mundo acabara de terminar. Que os dois haviam terminado. O amava. Amava Uchiha Sasuke, mas ele nunca poderia ser dela, pois ela era somente sua amiga.

Essa constatação fez com que seu estado piorasse. Seu corpo tremia incontrolavelmente, mas apesar desse fato, tentou reunir toda a força que lhe restava em seu interior para recompor-se. Necessitava ter controle sobre si mesma. Necessitava recompor-se em esse momento, pois não acreditava poder parar a si mesmo se deixasse que toda a frustração e desolação se alastrarem nesse instant-

E Sasuke a abraçou. Abraçou com tanta força que sentiu o ar lhe escapar dos pulmões. Com tanto desespero que acreditou que ia ser enterrada em seu peito.

O rosto de Sakura encontrava-se no pescoço do Uchiha. Podia sentir seu calor, sua respiração, sua preocupação, seu medo e um pouco de desespero em seu abraço.

-Sakura… O que ocorre?

Fechou os olhos com força, tentando assim, controlar suas incessantes lágrimas. Oh deus, como queria que não fosse ele, qualquer um, menos ele. Juntando forças da onde acreditava ser impossível, regulou sua respiração e se obrigou a deixar de chorar.

- Sinto muito, Sasuke-kun… é somente que… - "tu rompeste meu coração" pensou com tristeza. – É a primeira vez que dizes que sou tua amiga.

Sentiu como Sasuke suspirava e seu corpo tenso relaxava. – Irritante. És demasiado sensível.

Sakura deu um sorriso repleto de dor no pescoço do moreno e deixou que uma lágrima escapasse de seus olhos enquanto se abraçavam com mais força.

- Sinto muito. – respondeu com o coração. – Sinto muito.

-Baka. Do que te desculpas? – Sasuke reforçou o abraço e Sakura desfrutou seu calor pela ultima vez.

- Sinto muito. – Repetiu enterrando seu rosto em seu pescoço. - Sinto muito.

My plug in baby
Crucifies my enemies
When I'm tired of giving
My plug in baby
In unbroken virgin realities
Is tired of living