Lista de Imperfeições, por Bella Swan

Disclaimer: A história pertence a Lambstown, que me autorizou a traduzir, e os personagens a Stephenie Meyer.

Sinopse: Uma proposta simples, a criação de uma lista e um mês para cumprir a sua missão.
"Edward é perfeito!" gritaram por sua vez: "Eu tenho um mês para provar o contrário," respondi com determinação.


Capítulo 9 – Etapa de Negação: Em Andamento

(Traduzido por Julia Spinosa)

6. Malditamente impulsivo: Não pensa, só faz. E isso não é bom, não é bom para a saúde mental e/ou emocional das pessoas; Eh... eu só sei.

Mas você gostou! Oh merda, você gostou!, pensei.

Ah! Cale a boca, cale a boca, cale a boca.

Peguei minha almofada e a coloquei sobre meu rosto. Estava mal, muito, muito mal. Isso não estava acontecendo comigo, claro que não. Pare de mentir Bella, pare de fazer isso. Hmpf é melhor que aceitar a verdade de uma vez.

Na verdade, não sabem como temia a maldita verdade. Bom, não temer. É que era simplesmente absurda! Isso é, nem se quer sei do que estou falando na realidade. Talvez na verdade de que realmente gosto que Edward me beijara; Oh meu Deus! Eu acabo de dizer isso? Enfim, depois do que aconteceu essa tarde, bom, não vi Edward e não é que não queria o ver; sei que quando o visse ele agiria como se não aconteceu nada, assim como "Hey! Como está? Bem, sim e o beijo? Ou, calma campeão, não aconteceu nada!" sim, completamente normal.

Suspirei pela enésima vez antes de colocar-me de pé, caminhei até o espelho de corpo inteiro que estava na porta do meu armário, e me preparei para aceitar a verdade.

— Muito bem Bella, aqui vamos – disse a mim mesma, olhando atentamente meu reflexo no espelho – Inspira, um dois, três, expira – levantei minhas mãos repetindo o processo mais uma vez.

— Você não gosta – disse para a pessoa a minha frente, apontando com meu dedo indicador – É lindo, sim, mas você não gosta! – gritei, o fantástico era que essa pessoa agir igual a mim.

Oh diabos! Agora estou ficando louca.

Voltei a minha antiga posição; de frente para o espelho, e continuei meu monólogo. Precisava fazer isso para obter aquelas estúpidas coisas que vagavam em minha cabeça desde que meu querido amigo; porque isso é, meu amigo, Edward Cullen me beijou em La Push. Beijo, que por coisas impossíveis do destino, correspondi como uma idiota.

— Você não gosta, coloque isso nessa sua cabeça redonda; essa coisa que tem sobre o homem e que segura seu pescoço – separei minhas pernas e coloquei minhas mãos em forma de punho; parecia pronta para bater em alguém. Em mim mesma se preciso.

— Bella! – Emmett gritou entrando em meu quarto, eu tinha um dedo posto sobre meu reflexo no espelho, justo em minha cabeça. Emmett levantou sua cabeça e me olhou sorrindo – O que está fazendo? – perguntou-me, quando minhas bochechas coraram porque ele tinha me encontrado nessa situação embaraçosa.

— Nada que te importa – lhe respondi, colocando minhas mãos sobre meus quadris – O que quer? – perguntei, já que tinha entrado no meu quarto sem bater. Duh, é Emmett.

— Oh, te procuram – respondeu com um sorriso, fechando a porta atrás de si. Lá vem o pânico. E se era certa pessoa pela qual tinha uma estúpida luta interna?

Aqui vamos outra vez; Inspira, um, dois, três, expira.

Não gosta.

Sai tranquilamente de meu quarto, desci tranquilamente as escadas; claro, ignorando o fato de que tremia tudo, as pernas, as mãos... Enfim, eu fiquei calma para ver quem era a pessoa que "me procurava". E ia dizendo, entrei tranquilamente na sala, e definitivamente tinha alguém que me esperava.

Engoli pesadamente, isso era o inferno.

— Você e eu temos que conversar, seriamente – me disse com essa voz de soprano que muitas vezes odiava quando me gritava que tínhamos que mudar meu armário. Suspirei de alivio ao ver Alice parada ao lado do sofá.

— Uh, claro. Vamos para meu quarto? – lhe perguntei, sem saber que era tão sério, no entanto. Merda. Edward não se atreveria ou sim? Alice negou com sua cabeça e se sentou no sofá. Aproximei-me cuidadosamente da pequena, que estranhamente estava séria.

— Esperamos a Rose chegar – me disse, sem olhar-me diretamente. Rolei os olhos. Agora Alice estava zangada comigo? Bah, tudo eu, sempre eu. Assenti e tomei acento ao seu lado. Logo de alguns minutos em silêncio a campainha tocou, levantei-me para abrir para Rose.

Esperava que fosse Rose. Esperava que me tivesse dito "Hey Bella!, decidi ser transexual e me acabo de mudar de sexo. O que parece, hum?" mas não tinha tanta sorte. Nunca tive sorte, hmpf.

— O que faz aqui? – gritei, usando notas mais altas que meu tom de voz natural. Edward estava em frente à porta com um sorriso brincava em seus lábios, e um belo brilho em seus orbes esmeraldas.

— Veja! Que maneira de receber seu amigo Bella, huh? – Estava… radiante. Me empurrou suavemente para entrar em minha casa, sem meu convite. Eu era uma estatua, uma estatua de cimento que tinham colocado como enfeite no umbral.

Lembre-se Bella, normalidade, isso era o que iria fazer; agir com total e completa normalidade na frente de Edward. Isso é o que me lembrava uma e outra vez, mas como iria fazer-lo? Devo admitir que é o que está fazendo de melhor. Bem, seguirei seu exemplo.

— Bella? Bella! – pisquei uma par de vezes antes de focar o olhar, essa sim era Rosalie. Estava em em minha frente e me olhando com uma cara que dizia "O que raios faz aquí como uma idiota?" sorri levemente e corri para deixa-la passar – Veja, está mal – nem me lembre, pensei enquanto suspirava.

— O que está fazendo aqui? – perguntou Rose para Edward, apenas coloquei um pé na sala, o olhava com o cenho franzido. E aí vinham mais coisas que confirmavam a teoria que em minha mente criava. E não pude ter dito! Não pude!

— Isso mesmo que eu estava perguntando – adicionou Alice, colocando-se de pé junto ao seu irmão. Claro, ele estava de o mais divertido com a situação, e eu era um fantasma que perambulava pela casa. Edward me olhou e piscou-me um olho. Raios, raios, raios.

Aja normal Bella, aja normal.

— Tranquilas – disse com parcimônia – Eu só vim por Emmett, não tirarei seu precioso tempo – adicionou rolando seus olhos, enquanto tomava lugar em outro sofá. Alice e Rose passaram imediatamente seu olharam em mim.

— Para seu quarto, agora – ordenou a anã, partindo escada a cima, seguida por Rosalie e por ultimo estava eu.

— Eh, Bella! – deixei de andar quando Edward me chamou, tratei de compor meu rosto; Vamos você pode, dizia a mim mesma e me voltei. Esse me olhava com um sorriso impregnado em seu rosto.

— O que? – o perguntei, agradecendo que saísse a estúpida voz. Edward riu suavemente e se levantou do sofá. Agora teria um ataque do coração e adeus mundo cruel, adeus Bella!

— Um, está bem? – me perguntou cuidadosamente, como temendo minha reação. Rolei meus olhos, estava bem, claro que estava!

— Aham – respondi sorrindo, Edward sorriu de volta e antes que acrescentar nada "agradável" conversa que estávamos compartilhando um grito ensurdecedor o deteve – É melhor que suba. Conhece Alice melhor que eu – Edward riu e assentiu enquanto caminhava de volta para a sala.

Vê, isso tinha sido fácil.

— Como é isso de que Jacob te beijou? – perguntou-me Alice, que ia de um lugar ao outro no quarto. Rose me olhava tentando segurar a risada. Por algum estranho motivo e que minha mente não poderia entender, Alice estava furiosa.

— Um, isso. Saí com ele, em seguida me deixou na porta e pam! Me deu um beijo – respondi encolhendo os ombros. Alice me olhou com seus olhos exorbitantes e Rose rodava de dar risada no chão.

— Então? Assim tão ríspido? Esse Jacob é um tonto! Como que ocorre te beijar dessa forma? Doçura, querida, doçura! Essa é a chave! – Alice começou a falar sozinha pelo quarto, me contive de dizer-lhe "Oh querida, não se preocupe, seu irmão me compensou com isso. E acredite ele sim sabe utilizar a chave".

— Isso era o que tinham que falar "seriamente" comigo? – perguntei, fazendo aspas no ar com os dedos. Alice me olhou e assentiu, Rose parou e tossiu, depois de passar a rir por ver Alice como um leão enjaulado.

— Hum, bom. Eu, Rosalie Lillian Hale vou informar de outra coisa, por ali – Rose sentou na cama, entre Alice e eu, entrelaçando seus dedos e os colocando sobre seu colo – É verdade que Edward descobriu que ele é a lista? – Meu eu interior saltava de felicidade. Ninguém delas duas sabia o que tinha feito! Inconscientemente, claro.

— Oh, isso. Bem, não sei – fiz uma careta de frustração com meus lábios – Não acredito, ou já teria me dito algo – Alice assentiu, ao mesmo tempo que Rose.

— Queremos ver a lista – disseram com uma risada ao mesmo tempo. Girei-me na cama e estendi minha mão para pegar a lista da cabeceira, justo quando Edward e Emmett entraram no quarto.

— Oh, coisas de garotas – disse Emmett, desconfortável, depois de cumprimentar Rose com um beijo. Edward me olhava com o cenho franzido, não para mim, e sim para a folha que seguraza em minhas mãos – É melhor nós irmos – comentou Emmett dando a volta.

— Emmett – disse Edward. Quando Emmett o olhou levantou suas sobrancelhas, como indicando que se esquecera de algo ou é comigo.

— Oh, sim – Emmett sorriu abertamente e se atirou sobre a cama. Ouch, minha cama rangeu sob o enorme corpo de Emmett – Bom garotas, aqui com meu querido amigo Edward, a quem vocês já conhecem – Rolei meus olhos – Nós decidimos fazer uma noite de filmes, já que como sabem, nossos pais nos abandonaram para sair em grupo – Certo, nossos pais com os Cullen e os Hale saíram hoje a noite – Jazz está a caminho para preparar as coisas – finalizou Emmett sorrindo.

— Yay! Finalmente teve um bom plano Emm! – gritou Alice recuperando seu bom humor – Vem grandalhão, esperaremos Jazz na sala, e me dirá os filmes que tem planejando para vermos – Alice arrastando Emmett pelo braço escada abaixo.

— Bem, se não fosse Alice provavelmente... – Rose calou-se e começou a rir.

— Provavelmente a destroçaria por levar Emmett... assim – completei sua frase e que ela assentiu. Rose passou um olhar de Edward para mim e sorriu, agora me dei conta de que tinha outra semelhança com Jasper, e era seu sorriso.

— Irei buscar meu namorado e ver o se a anã não está sobrecarregando seu cérebro – Rose não sorriu e desapareceu do meu quarto. Deixando-me sozinha com Edward.

Raios, por que demônios me fizeram pegar a lista se não a veriam? E eu ainda tinha a lista em minhas mãos.

Lentamente estava fora da cama e fui direto para a gaveta da cabeceira, escondi a lista ente às folhas do meu caderno e o fechei, tudo isso sob o atendo olhar de Edward, que agora se encontrava recostado em minha cama.

— Só para saber, Emmett não escolheu filmes de crianças, certo? Você sabe quanto ele ama O Rei Leão e chora como um bebê cada fez que Mufasa morre – Edward riu e bateu no lado da cama, junto a ele para que eu me sentasse. Assim o fiz, naturalidade, não?

— Mm, não – contestou – Acredito que disse a Jasper que trouxesse alguns de terror, já sabe, acredito que disse algo como – pigarreou, enquanto levantava sua cabeça e se estabeleceu no meu colo, fazendo-me corar como mil demônios – "Você sabe Edward; Terror mais garotas, igual a mais diversão. Rose vai se aconchegar junto a mim cada vez que uma cena de medo e..." Bom, não creio que queira saber o resto – acrescentou, olhando-me com um sorriso em seu rosto – De todo modo eu não terei essa sorte, assim que não importa o que assistimos – comentou com desdém.

— Que sorte? – perguntei lhe, franzindo o cenho. Edward riu e estendeu sua mão, com um de seus dedos alisou a ruga que tinha formado em minha testa.

— A sorte de te abraçar quando tiver medo – rolou os olhos – Você sempre ri dos filmes de terror – acrescentou, desviei o olhar para que não pudesse me ver corar.

— São absurdos, não é minha culpa que são assim – respondi ao que disse. Edward suspirou e fechou seus olhos, fiquei o vendo por um momento.

Você não gosta. Você não gosta. Você não gosta. Oh por favor, tão só acredite em mim. Você não gosta!

— Não vou me desculpar – soltou de repente, abrindo seus olhos que brilhavam com mais intensidade que antes – Porque não me arrependo – sorriu maliciosamente e eu tive que lembrar o que tinha dito anteriormente.

É seu amigo, você não gosta.

— Claro, Bella Swan agora esta na sua lista de garotas – brinquei, rolando os olhos. Tratando de ocultar como me sentia realmente. Nervosa, e oh Deus! Malditamente feliz, por alguma estranha razão.

— Eu não tenho uma lista de garotas – respondeu, franzindo o cenho – Não como você que tem uma lista – Bem Bella, era hora de focar o tema em outra coisa.

— Será melhor descermos – comentei, tentando fazer sua mente desviar da lista. Edward bufou e se levantou e relutantemente. Olhei o relógio pendurado na parede do meu quarto, as seis e trinta. Nossos pais sairiam em torno das oito.

Alice estava sentada junto a Jasper e Emmett conferindo os filmes que tinha trazido; Rose se encostava ajudando a minha mãe com seu penteado para o jantar desta noite. Edward e eu nos aproximamos dos garotos, mas estes esconderam os filmes de vista.

— Ei! Eu também quero ver – o disse, cruzando os braços ao sentir-me excluída – Mostrem! – gritei, olhando por cima do ombro de Emmett para tentar ver algo.

— Nope, é uma surpresa – disse Alice sorrindo – Agora, vá fazer a pipoca com Edward, todas as coisas estão na cozinha – Alice se virou e seguiu falando com os garotos sobre qual que melhor: Comédia ou terror.

— Vão fazer a pipoca – remedei Alice – Como se fosse tão difícil fazer pipocas – soltei aborrecida enquanto entrava na cozinha seguida por Edward.

— É para Alice – comentou, soltando uma pequena risada que me fez estremecer – Qualquer coisa referente à cozinha é difícil para Alice – acrescentou, pegando o milho que estava em uma sacola sobre a bancada. Bufei, pegando uma panela que estava na última gaveta.

— Milho? Não poderia Jazz simplesmente comprar esses pacotes instantâneos? – Perguntei, olhando os pequenos grãos – Claro, mais trabalho para a pobre da Bella – suspirei teatralmente, enchendo uma porção de milho na panela e certa quantidade de açúcar; cobrindo bem para que não saltassem pipocas por toda parte.

— Agora espere – disse Edward, apoiando suas costas no balcão, junto a mim.

Estávamos o tempo todo em silêncio, o único que se ouvia era o som do milho virando pipoca 'Pop, pop, pop' soava cada poucos minutos. Edward movia seus dedos intranquilamente sobre a bancada e eu estava muito perdida vendo uma mancha no teto da cozinha, teria que limpá-la logo.

Oh! Quem eu quero enganar?

Estava apavorada.

Se perguntam, por que está apavorada Bella?

E isso, era o mais simples.

Edward, o mesmo Edward que está ao meu lado, é meu melhor amigo, e não se supõe que eu sinta certos tipos de coisas por ele, porque como disse anteriormente e volto a repetir, é meu amigo. Mas não posso evitar as malditas abelhas, porque não são mariposas. São abelhas! Como dizia, não posso evitar que as abelhas comecem a zunir de um lado para o outro em meu estomago, cada vez que meu amigo sorri, e não posso evitar sentir meu corpo desfalecer cada vez que meu querido amigo diz uma insignificante palavra com essa deliciosa voz que tem.

Oh raios, realmente disse isso?

Mas bem, obviamente todas essas coisas que disse anteriormente, omitindo seria o certo, não me gosta nem nada, porque é meu amigo.

— Estão prontas Bella – a voz de Edward me veio ao longe, tentei me comportar normalmente, como o vinha fazendo, e tirar as coisas que tinham vindo rapidamente em minha retorcida mente.

Viramos a panela em a pipoca em um recipiente que peguei da gaveta. Renée colecionava esse tipo de coisa! Era impressionante a quantidade de recipiente que tinha. Edward mexeu a pipoca para que não ficassem grudadas e levou uma a boca.

— Aah – me disse, segurando uma pipoca em sua mão – Vamos, abra a boca. Aah! – minhas bochechas coraram, abri minha boca e rolei meus olhos. Edward a soprou e a colocou em minha boca. Sorri constrangida – Deliciosa, não é? – me perguntou, pegando o recipiente em suas mãos. Eu só assenti.

~x~

— Já vamos queridos! – Mamãe e Esme gritaram da porta. Esme tinha vindo junto com Carlisle para buscarem meus pais, e assim passariam para buscar Lillian e William, os pais de Rosalie e Jasper, para chegar finalmente ao seu destino. Oh, destino que era desconhecido para todos os outros.

— Garotos – esse era Charlie – Cuidem das nossas princesas – Rolei os olhando quando Charlie fez um gesto de vigilância com seus dedos.

— Senhor, sim senhor! – contestou Emmett colocando-se em pé subitamente e fazendo um cumprimento militar. Charlie e Carlisle riram antes de sair atrás de suas esposas.

Emmett se virou de onde estávamos todos amontoados nos sofás, frente à televisão. O idiota do meu irmão tinha uma expressão assustadora em seu rosto, esfregando suas mãos de forma "macabra" antes de falar com um tom de voz mais grosso que o de costume.

— Bem-vindos à maratona do terror – disse, acrescentando uma dessas risadas que usam os vilões dos filmes. Embora o pobre pareceu mais com a risada do Cérebro, o cara que tinha em O Laboratório do Dexter. (1)

— Bem Emmett, sente-se – disse lhe Alice, movendo sua mão várias vezes para diminuir a importância do que tinha dito o grandalhão – Nossos amigos aqui – a anã apontou para mim e depois para Edward – Fizeram pipoca. Que lindo, não é? Bom, assim que é hora, vão se acomodando. Ei! Esse lugar é meu e do Jazzy! – Gritou Alice quando Emmett e Rose se sentaram no cobertor que estava no chão.

Alice e Jasper ocuparam o sofá pequeno, isso deixava para mim e para Edward o sofá grande. Bem fácil, podia facilmente sentar-me ao outro lado e nem se quer tocá-lo. Arg, Bella, normalidade. Rose pegou o filme em suas mãos e o colocou no DVD, assim começou "O Orfanato", admito, não estava tão mal, mas na realidade o único que fazia era comer pipoca. No segundo filme, me estiquei ao longo do sofá, Edward me imitou e se esticou em minha frente.

E. Como dizia "normalidade".

As primeiras imagens do filme "Arraste-me para o Inferno" se fizeram presentes na tela... Em alguns minutos não pude aguentar mais e rompi em risadas. Deus! Um maldito assassino de pano? Que diabos! O pessoal me mandou ficar quieta e eu tentei com todas minhas forças esquecer aquela cena.

Uns dois filmes a mais, alguns quatro gritos por parte de Alice, Rose e Emmett e claro, uns sorrisos maliciosos de Emmett quando Rose se enrolou nele e cobriu os olhos. Bom, tudo isso e ainda mais foi suficiente para que ficassem exaustos e na metade de "Silent Hill" todos dormiram na sala.

Todos, exceto eu.

E o que vinha negando desde o começo desse dia, ou talvez desde ainda mais atrás. Bom, todos minhas tentativas de negar se foram para o lixo, todos, e só pelo simples fato de vê-lo aqui junto de mim, deitado ao longo do sofá, com seus olhos cerrados, sua respiração rítmica, com seu cabelo mais bagunçado que de costume, e esses pequenos suspiros que soltava enquanto tratava de encontrar uma posição confortável no sofá. Tudo isso foi mais que suficiente para que me deixasse de boba.

— Oh meu Deus! E-eu gosto? – murmurei sob minha respiração, sem que ninguém me escutasse, já que todos dormiam pacificamente. Meus olhos abertos de dois em dois e minha mão cobrindo minha boca pela temida verdade que tinha saído finalmente para luz.

Merda.

Eu, definitivamente Bella você não gosta, para "Note o maldito sarcasmo que estava usando".

Isso se merecia uma página inteira no meu diário. Um, claro; se eu tivesse um. Obrigada aos céus, tive algum progresso no meu estado de negação.

Um grande progresso para mim.


(1) É um cartoon sobre um menino gênio chamado Dexter, que tem seu próprio laboratório, e faz a suas próprias grandes invenções, que são a causa de suas aventuras.


Aqui estou! A Julia vai me ajudar nessa fic também, além de Ficha Número 77 e Sequestro Express, então quero postar uma vez por semana.

Bella se deu conta que gosta do Edward, mas como eles são naturalmente idiotas com os sentimentos, ainda vão fazer muita merda, principalmente o Edward lol

Espero que tenham gostado

Beijos

xx