Capítulo1

Então de repente tudo ficou escuro no platô, parecia que tudo estava perdido, que nossos aventureiros estavam mortos e o platô destruído. Será que a história iria acabar assim, sem Challenger resolvendo todos os mistérios do platô, sem Verônica revendo sua mãe e ter a resposta de todas as suas perguntas, sem Marguerite saber quem ela era realmente, sem Roxton ter ganhado a sua confiança, sem Finn evitando o trágico futuro do mundo, sem saberem o que aconteceu com Summer e Mallone? Esse seria o fim da história?
No meio da escuridão surge um grito ensurdecedor que implora:
_ Verônica, chame Marguerite, ela é a única que pode te ajudar._ o silêncio volta, mas profundo do que antes, quando num sussurro ouvimos.
_Marguerite!_ e na completa escuridão surgem um ponto de luz.
_Ora, mas para onde foram os druidas. Não importa, só espero encontrar o Roxton logo, ele não estava em melhores circunstâncias que a minha. Mas que escuridão.
_ Marguerite é você?_ pergunta Verônica aliviada, ao mesmo tempo preocupada sobre o que Marguerite disse sobre Roxton.
_ Sim Verônica, sou eu, mas onde estamos?
_ Eu não sei tudo ficou escuro de repente, ai eu ouvi a voz da minha mãe dizendo que você era à única que podia me ajudar, gritei por você, e aqui estamos_ disse a loira.
_ É Verônica, mas como eu posso ajudar você?
_ Eu não sei Marguerite, por favor, pense!
De repente Marguerite tem uma visão dela e de Verônica de mãos dadas uma com o Trion e a outra com orobus, e da mão das duas surgindo uma luz que acabava com aquela escuridão. Na mesma hora ela tira o orobus de sua bota e o aperta bem forte em sua mão.

_ Verônica tive uma idéia me de sua mão._ com um pouco de dificuldade ela encontra a mão da protetora e no mesmo instante surge à grandiosa luz que acaba com a escuridão e as duas se caiem no chão da casa da arvore.
_ Será que tudo acabou?_ Verônica pergunta á herdeira enquanto ajudava a herdeira a se levantar.
Marguerite tem outra visão, nessa ela vê uma mulher de aparentemente 50 anos que trajava a roupa de uma Sacerdotisa, porém não se parecia com nada que Marguerite tivesse visto antes, a roupa era linda da mesma forma que a mulher que a vestia Marguerite tinha certeza de já ter visto esse rosto antes, mas onde? Esse rosto lhe inspirava tanta confiança, logo há ela que nunca confiou totalmente em alguém. Marguerite foi tirada de sua avaliação.
_ Ouça meu anjo, vocês ainda não salvaram o platô terão que achar os outros e salva-los. Só assim o platô poderá ser realmente salvo. E não se preocupe com a Garota do Futuro, ela já fez o que era necessário para salvar o mundo.
_ Mas como assim, Zord fugiu com todos os planos e...
_ Não se preocupe com Zord eu já cuidei dele, agora vocês darão o passo final, salvando o platô cuidaram para que aquele futuro nunca aconteça. Agora vocês têm que correr o tempo é curto.
A mulher se aproximou de Marguerite e beijou sua testa na mesma hora ela desapareceu e Marguerite percebeu que Verônica a encarava.
_ O que deu em você Marguerite?
_ Verônica temos que achar os outros, isso é muito importante para salvar o platô.

_ E como você sabe? Pra mim tudo já tinha acabado._ disse Verônica estranho o que Marguerite lhe dizia.
_ Ora Verônica intuição.
_ Então esta bem Marguerite, a sua intuição fez a gente sair daquela escuridão. Então eu confio em você. Mas tem um problema como nós chegaremos até os outros?
Nessa hora Marguerite teve outra visão e viu ela e Verônica segurando mais uma vez o orobus e o Trion juntas. Sem pesar duas vezes ela pegou a mão de Verônica e pensou no Challenger.
Bom, podemos disser que elas chegaram bem a tempo, um humano zumbi controlado por maquinas (ou sei lá como se chamava aquilo) estava à prestes a dissecá-lo ainda vivo. Verônica logo foi pra cima do cara, enquanto Marguerite desamarrava Challenger.
Quando Challenger já tava solto e o cara desacordado mais uma vez Marguerite agarrou o orobus e pegou a mão de Verônica e pensou no seu amando Roxton. E lá estava ele esmurrando a cara do Pierre e em sua volta os outros conquistadores (ou seja qual for o nome) desacordados. Ele deu mais um soco em Pierre, que caiu desmaiado, e só então reparou na presença de todos. Ele saiu correndo na direção de Marguerite, e a abraçou.
_ Onde você estava? E fiquei louco de preocupação..._ mas antes que pudesse terminar a frase Marguerite o cortou.
_ Explicações mais tarde meu amor ainda temos que achar a Finn._ e mais uma vez ela pegou a mão de Verônica e pensou na garota do futuro, mas dessa vez eles foram para em seu tempo na casa da árvore.
_Mas o que aconteceu, onde esta a Finn._ perguntou Verônica angustiada por não saber onde estava sua amiga.

_ Eu acho que posso dar uma explicação, mas antes quero saber o que aconteceu com cada um de vocês hoje, depois q eu e John saímos.
Verônica contou o sobre o aparecimento, do homem de quem Challenger encontrará o diário, dos símbolos que encontraram em torno da casa da arvore, do fato da casa da arvore ser o centro do platô, de com o Challenger desapareceu, da Finn sumindo também da escuridão total e...
_ E quando eu pensei que tudo estava perdido, ouvi minha mãe dizendo que eu tinha que te chamar, pois você era a única que podia me ajudar a salvar o platô. E o resto vocês já sabem.
_ Quando, eu saia para ir ao moinho de vente acabei indo para num futuro onde os seres humanos eram comandados por máquinas, e de disseram que foram as minhas invenções que fizeram esse futuro ser possível._ disse Challenger refletindo, ele criava suas invenções para beneficio dos homens e não para destruí-los.
_Bom depois que você desapareceu Marguerite, eu acabei ficando sem armas e tive que partir para com socos para cima daqueles conquistadores espanhóis.
_ Então só falta eu_ Marguerite travou na hora, como ela iria disser aos seus companheiros que agora estava quase certa de que realmente era a reencarnação de uma sacerdotisa druida, não Challenger e Verônica iam simplesmente pensar que a confundiram com outra pessoa, só Roxton saberia da verdade, e se ela precisasse de alguém para guardar seus segredos ninguém melhor que ele_ Bom depois que eu desapareci acabei indo, indo parar no meio da floresta e sendo confundida com uma sacerdotisa druida, Morgan, os druidas me capturaram, e diziam que se me matasse a tempestade ia embora, e quando o punhal estava descendo ao meu encontro, eu vim para no meio da escuridão com a Verônica._ e continuou o resto da história.
Todos ficaram impressionados com o que acabaram de ouvir.
_ Mas Marguerite você acha que essa mulher disse a verdade sobre a Finn?

_ Não tenho dúvidas. Não sei os motivos, mas confio sem por cento nela.
_ Bom acho melhor irmos dormir. Não sei se vocês perceberam, mas já está tarde._ disse Challenger.
Todos foram se deitar menos Marguerite e Roxton.
_ Como você esta?
_ Bem se é que se pode dizer isso.
_Então você realmente é...
_ Sim, pelo o que eu vi eu realmente sou a reencarnação de Morgan.
_ Você sabe que pode contar comigo para o que for não é?
_ É lógico meu cavaleiro de armadura prateada. _ e dizendo isso ela lhe deu um selinho foi dormir.
Mal sabiam os nossos aventureiros, que aquele dia seria o começo de todas as respostas para suas perguntas. E que o simples fato de estarem vivos era o principal fator para que Zord não conseguisse realizar o seu plano.
Em algum lugar no futuro, no meio da nova Amazônia:
Finn acorda e olha a sua volta não sabendo o que aconteceu, ela estava em um quarto cor de rosa cheios de porta retratos, ela não conhecia aquelas pessoas, onde será que estava. Foi então que ela viu uma foto sua pequena com seus pais. Então soube onde ela estava. Sai correndo do quarto desceu as escadas e deu de cara com sua mãe sorrindo para ela, a única coisa que conseguiu pensar foi em agradecer aos seus amigos, por eles terem salvado o seu futuro, mesmo não sabendo como, mas tinha certeza de que foram eles.

Continua...