Autora original: INMH

Tradutor: Ross House


Desgosto

Classificação: PG-13 / T

Gênero: Drama / Angústia

Resumo: Compania-ish à especulação. Diana odeia ser tocada.

Nota do Autor: ... eu não sei. Não vai acabar.

Aviso: Rule Rose não me pertence (Dane-se tudo ...).Pertence a Atlus.

Odiava as mãos dele.

Odiava a forma de como ele colocava as mãos onde não deveriam. Odiou como as mãos dele deslizaram sobre os ombros e os braços para baixo e sobre as mãos dela. Ele ficava tocando, onde os velhos não deviam ficar tocando em meninas de doze anos de idade.

Esta era o suporte principal de seu ódio intenso para adultos.

Sua atitude, em geral, deixou muito a desejar: ele era desagradável, injusto e, pior e mais irritante de todos os hipócritas. Meninas no passado, aqueles que há muito haviam crescidos e escapado do inferno que foi o Orfanato Rose Garden, foram espancada dentro de uma polegada de suas vidas por serem ser pegas com os meninos.

Mas nenhum barulho foi feito quando um homem de cinqüenta ou sessenta e poucos anos, foi tocar em alguém com quase um quarto de sua idade.

Previsível, mas não menos irritante.

Ela sempre se sentiu viscosa quando ele deixava ela ir, viscosa e imunda. Ela iria tremer por horas, puxando e limpando suas roupas como se ela estivesse coberta de formigas e desesperadamente tentasse tirá-los.

Esta foi a única, a única situação que poderia se tornar grande, difícil, assustador para fazer a própria Diana chorar. Ela não podia se ajudá-la, ela estava assustada e envergonhada e constrangida com a situação. Ela foi maior do que isso. Ela era mais resistente do que isso. Então, por que estava acontecendo? E por que ela estava permitindo que isso acontecesse?

E enquanto isso, no fundo da sua mente, ela ficou petrificada com a idéia de que ela iria acabar como Clara.

Hoffman não sabia que Diana sabia. Se descobrisse isso, ele iria realmente teria machucar ela (não que ele não tivesse fazendo um bom trabalho). Talvez ele fosse matá-la, já que ela não era do tipo que mantinha a boca fechada sobre muitos assuntos, se não adequar-se a ela. Se ela tivesse uma chance, uma oportunidade brilhando, ela iria dizer, e com credibilidade ou nenhuma credibilidade, era um risco que Hoffman não estaria disposto a assumir.

Mas nesse ínterim, Diana não podia fazer nada. Nada além de rezar para que ela não acabe como a pobre Clara: Quebrada, derrotada, com dores agonizantes e contemplando esticando as vigas do sótão.