Capítulo I

_Tony? Jeannie? Tem alguém aí? _perguntou Roger, entrando sem bater, como de costume.

Olhou por todos os lados da sala e também da cozinha, revirando alguns objetos pelo caminho. Mas Jeannie e Tony não estavam; haviam saído para um passeio após a calorosa insistência da gênia.

_Não estão aqui... Já sei! Devem estar lá em cima.

Enquanto Roger subia as escadas, afobado, um conhecido barulhinho ecoou pela sala:

*Pirrrrrrrim!* E Jeannie Segunda, a invejosa irmã gênia de Jeannie, surgiu com seu olhar malicioso.

A gênia má sempre sonhara em roubar Tony para si mesma. Tentara fazer isso várias vezes, mas sempre sem sucesso. Não achava justo que a idiotinha da irmã tivesse um amo jovem, lindo e maravilhoso como aquele (o pior era que ela não aproveitava!), enquanto ela mesma era escrava de um marajá gordo e feio, que sempre a atormentava com pedidos tolos e inúteis. Precisava se livrar daquele inferno em que vivia, por isso voltou a Cocoa Beach disposta a separá-los. Não importava como, iria conseguir.

_Preciso pensar em alguma coisa... Como posso fazer o meu querido Anthony cair aos meus pés?

Ouviu um ruído vindo do segundo andar e piscou-se para o quarto de Tony e para dentro do porta-lápis na escrivaninha. Viu o amigo bobo deles andando de um lado para o outro, obviamente procurando por algo.

_Jeannie? Procurei por você dentro dos armários da cozinha, no pote de doces da sala, na sua garrafa... Apareça, sou eu, Roger!

Como não ouviu nada, continuou:

_Olha, sei que o Tony ficou bravo por você ter hipnotizado aquela garota para me ajudar, mas já falei para ele que a idéia foi toda minha! E... Eu preciso que você me ajude com uma outra garota com quem eu quero sair... Não precisa hipnotizá-la, é só piscar o número do telefone dela e pronto!

De dentro do porta-lápis, Jeannie Segunda ria baixinho: "Como esse Major é idiota!" Lembrou-se da vez em que ele se apaixonou por ela. Enquanto se lembrava de como o abandonara no altar, não aguentou e desatou a rir, desta vez bem alto.

_Jeannie? Você está aí? _perguntou Roger olhando diretamente para o porta-lápis.

"Ops!" pensou a gênia e imediatamente se transformou em Jeannie, saindo de seu esconderijo na familiar fumacinha rosa.

_Sim Major Healey, eu estava aqui o tempo todo.

_Oh, rapaz!... Ainda bem, pois estou mesmo precisando de um favorzinho seu. Ouviu o que eu disse quando entrei aqui?

_Não, não ouvi direito. Pode dizer outra vez? _respondeu ela, tentando segurar o riso.

_É que estou precisando do telefone de uma garota. Ela é linda, trabalha lá na base e já tentei de tudo para sair com ela, mas... É noiva e não quer me ver nem pintado de ouro. _quando ela ia responder, Roger a interrompeu com a mão, como fazia quando queria enrolar alguém_ Não, não... Não me olhe assim, pois eu sei que Tony a proibiu de me conceder desejos, mas esse não é necessariamente um desejo... E sim um favor. Não quero que a hipnotize como fez com Stella, apenas pisque o número do telefone da moça e não me verá tão cedo!

Jeannie Segunda pensou por um instante e de repente seus olhos brilharam como se tivesse tido a ideia mais brilhante do mundo: "Hipnotizar... É isso!"

_Está bem, Major Healey. Mas só farei isso porque somos amigos, certo? Meu amo não poderá ficar sabendo que lhe darei o número dessa moça.

Piscou um pedaço de papel com o número da jovem anotado, que entregou a ele.

_Oh, não, não! Ele não ficará sabendo nunca! Obrigado, Jeannie! Ficarei lhe devendo esta! _e desceu as escadas correndo, como se o telefone fosse sair do lugar.

_Oh, daarrling! Logo você me pagará essa dívida! Ha, ha, ha!