Estavam no meio do deserto, a lua de brilho eterno da meia lua que enfeitava o Hueco Mundo iluminava ambos. Ulquiorra estava sentado de costas para a ruiva, ela curava sua asa esquerda em silêncio, um silêncio perturbador.

Estar ali, para ambos, era confuso. Para Orihime poderia corresponder a uma traição para com seus amigos - mesmo que ela acreditasse no Ulquiorra, o humano - e para Schiffer era a dúvida e o medo de perguntar do que e como ela havia se lembrado.

Ela havia terminado, cuidar do moreno era fácil. Como ele já tinha a habilidade de regeneração, juntamente com a dela de renegar era simples. Sentiu a dor nas asas cessar. Olhou para trás, por sobre os ombros, os olhos dele estavam marcados pela velha melancolia das marcas escuras descendo pelo rosto. Orihime encontrou seus olhos nos dele, era tão pesado vê-lo daquela forma que a fez cair para trás, sentada nas areias do deserto.

Mais uma vez o morcego se virava para frente, fitando a imensidão do Hueco Mundo. O som o vento era alto, mas sentia a presença feminina atrás de si. Inoue tremia.

_Você tem medo de mim... Mulher? - Ele disse ainda virado.

_Eu... - Inoue levou a mão ao seu próprio peito, tentando, em vão, fazer com que seu coração parasse de bater tão forte. - Eu não tenho medo.

Era como um flashback, as mesmas palavras ditas naquele dia.

_Então... - Ulquiorra soltou um suspiro longo. - Por que treme?

_É um deserto na noite. - Ela disse. - É frio.

Aquelas palavras fizeram o Arrankar virar-se de uma vez. Olhou a ruiva sentada no chão, abraçando a si mesma enquanto ainda tremia. O uniforme de colegial estava rasgado deixando a mostra boa parte do corpo dela, enquanto alguns pequenos cortes coloriam a pele branca de vermelho. Entendeu porquê ela tremia e adiantou-se para cobrir a ruiva com um abraço. Abriu as asas e levantou vôo, seguindo para as torres destruídas de Las Noches.

Entrou por entre as ruínas, com a ruiva nos braços, conhecia bem aquele lugar, era onde Aizen o mandava cuidar dela, sempre. Seguiu parar o quarto que dava vista direta para a lua na janela alta, colocando-a no sofá branco, que ela conhecia muito bem.

Buscou uma velha roupa feita especialmente para ela no armário, ainda estavam lá, embora um pouco coberta de areia, seria melhor que as roupas rasgadas. Entregou a ela esperando que se vestisse. Virou-se, vendo-a vestida no traje branco, o mesmo do passado, pensando se aquilo a fazia sofrer e fazia, podia ver em seus olhos, abraçou-a mais uma vez, afim de reconfortá-la, como nunca havia feito antes. Pela primeira vez ele fazia aquilo por vontade própria. Sentia o coração dela acelerado, mas ao mesmo tempo sentia a jovem aninhar-se sobre seu peito. Se ele também tivesse um coração, no lugar daquele buraco, estaria disparado.

Ichigo voltou a Soul Society. Estava visivelmente irritado, Ulquiorra havia sumido.

_Ichigo! - Rukia correu até ele.

_Ele fugiu. - Disse o substituto shinigami. - Deve ter voltado ao Hueco Mundo!

_Ichigo, Ulquiorra não importa, agora. - Rukia parou em frente a ele. - Inoue desapareceu.

Kurosaki olhou em volta, estava muito mais tenso. De novo, havia deixado a amiga ser levada por Ulquiorra. Para ele os pensamentos só se focavam no descuido de deixarem que a ruiva se lembrasse de tudo.

_Não pode ser... - A reiatsu de Ichigo oscilou.

_Calma! - Renji apareceu. - Ichigo, ele vai voltar, se realmente ele pegou Orihime... Vai querer negociá-la.

_Ele não pode matá-la. - Rukia confirmou. - Temos o que ele quer.

Era quente e aconchegante o colo dele. Dessa vez ela não deixaria que ele escapasse. Não, ele não se tornaria pó quando ele a permitisse tocá-lo, não dessa vez. Tudo seria diferente.

_Ulquiorra... - Ela disse baixo, enquanto ele buscou com as mãos o rosto dela fazendo-a olhar para si. - Por que você voltou?

O moreno ficou em silêncio olhando nos olhos cheios de dúvida dela, lembrando do dia em que se encontrara com Deus.

"Não há nada que queira descobrir ou sentir?"

As palavras ditas pelo ser poderoso, ecoaram em sua mente. Sim, haviam coisas que queria descobrir e sentir. Encarou a lua pela janela, não havia nada e ela fazia parte daquele nada.

Não havia nada ali. Felicidade. Se felicidade existe nesse mundo então ela deve ser algo que se assemelha ao completo vazio. O vazio significa não ter nada, e não ter nada a perder. Se isso não é ser feliz, então o que é? Não há nada... em você * – Ele pensava para si, como se falasse com ela.

Schiffer abaixou-se novamente, procurando olhar para ela mais uma vez. Soltou-a, afastando-se. Um brilho forte na cor verde rodeou o arrankar e cessou. O colar, conseguido por ele com Urahara guardava os poderes Hollows, e este pousava em seu peito. Era humano outra vez, o humano que Inoue havia conhecido "de novo". Sentia dor, frio, medo, calor, ciúmes, inveja... amor.

Chegou perto dela daquela forma, a camisa estava aberta na altura do peito, mostrando a cicatriz redonda onde havia um buraco. Orihime aproximou-se dele tocando-o ali. Algo pulsava e pulsava cada vez mais rápido. A ruiva sentiu ser envolvida pela cintura e trazida para perto. Ambos aproximaram os rostos, mantiam as bocas entreabertas fazendo menção de conseguir mais ar, graças a respiração desenfreada.

Ulquiorra permitiu-se chegar mais perto, encostando sua testa na dela. As respirações descompassadas se mesclaram.
Felicidade é não ter nada a perder. - Pensou só, novamente. - Eu não tenho. Se ela me recusar, eu apenas seguirei em frente.
Ulquiorra apertou as mãos na cintura dela, fazendo-a envolver as mãos no pescoço do rapaz, trazendo a boca do moreno para o mais próxima da sua, mesmo diante de sua vergonha e visível rubor.

Os lábios, enfim, estavam colados em um beijo, simples e cálido, fazendo ambos provarem o sabor do outro. Ele a abraçava forte, procurando sentir cada vez mais forte a pressão dos lábios dela sobre os seus. A língua abrira passagem e o que começara com um simples toque dos lábios, havia se tornado um beijo urgente, beijavam-se como se fosse a última vez que estariam juntos e talvez fosse. Orihime sentiu Ulquiorra empurrá-la contra uma parede e cravar uma das mãos nas raízes do cabelo ruivo, puxando de leve e deixando o pescoço dela completamente entregue aos beijos e mordidas leves que faziam arquear o corpo e morder os lábios a cada toque. O moreno parou olhando diretamente para ela, buscando algum sinal de que ela não estaria relutante. Ulquiorra a deitou no sofá, subindo a barra do seu vestido, acariciando as coxas, beijando-a por cada centímetro que podia, vendo-a arquear e suspirar de prazer. Sentiu-se feliz e pela primeira vez permitiu-se sorrir, sorrir unicamentepara ela.
Ela o puxou de novo para mais um beijo demorado, sentindo seu coração encher-se daquele sorriso maravilhoso, sem pudor. Por um instante Orihime pensou em Ichigo e como um dia desejara que aquilo, tudo aquilo, fosse com ele. Lembrou-se de prometer que se tivesse cinco vidas se apaixonaria pela mesma pessoa. E lembrou-se de que nunca Ichigo a fizera se sentir tão desejada e especial como Ulquiorra fizera. Sim, Ichigo não era nada diante do que sentia por Ulquiorra e se pudesse ter cinco vidas, em todas elas Ulquiorra Schiffer seria seu e ela, sempre seria ele.

_Deveríamos ir ao Hueco Mundo? - Perguntava Rukia.

_Seria melhor do que correr o risco de deixá-lo aparecer em rukongai! Pense, quantos aqui se machucariam com a presença dele! - Ichigo ainda estava nervoso.

_Ichigo tem razão, Yamamoto-sama. - Renji mantinha reverência. - Juntos iríamos tranquilos, é apenas um arrankar.

_Senhor. - Ishida aproximava-se. - Pedimos permissão para usar um de seus portais para irmos.

O velho Yamamoto levantou-se da cadeira de General. Apoiando-se na bengala olhando um por um.

_Essa jovenzinha, Inoue, sempre trás vários problemas... - Disse sério. - Mas não vejo porque vetá-los de ir ao Hueco Mundo. Evita, também, vários problemas por aqui. Vão, mas cuidado, o Las Noches ainda se ergue e Fráccions antigos ainda vivem por lá.

Concentiram. O General abria, gentilmente, a passagem para o mundo dos Hollows.

*Trecho dito por Ulquiorra no mangá, capítulo "Not be, but be"

N/A: Atualizar trocentos capítulos atrados no é dose hueuhehue...
Desculpa a demora para atualizar a fic aqui, gente.

Mas vamos a descrição desse capítulo:
Eu queria que fosse especial, que tivesse a descrição mais incrível que eu conseguisse fazer.
Enfim, esse foi presente pra todos os fãs de UlquixHime *-*
Espero que tenham gostado! ;*