What are you trying to hide?

(O que está tentando se esconder?)

You won't let me inside

(Você não vai me deixar entrar)

The fear's only in your mind

(O medo está apenas na sua mente)

I can see it in your eyes

(Eu posso ver nos seus olhos)

Kennedy High era uma escola de ensino médio americana como qualquer outra. Jovens cheios de energia, cheerleaders, time de futebol, de basquete, festas, casais em conflito, casais quebrando as regras da escola enquanto se agarram pelos corredores dos armários antes de entrar pra aula.

Era a terceira vez em menos de uma semana que Jared Padalecki fora chamado na escola porque seu filho de 16 anos, Mark, tinha, novamente entrado em sério conflito com o mesmo garoto de sempre: Nicholas Ackles.

O moreno alto de olhos verde azulados entrou na sala do diretor bufando. Ele não era de se irritar com o filho e nem com nada, tinha um temperamento bastante agradável, mas três vezes na mesma semana era demais pra qualquer pai tolerar. Mark estava com o uniforme do time de futebol americano da escola, azul e branco, com seu capacete em mãos, sentado em frente à mesa do diretor com o menino loiro, seu colega de time, ao lado. Nick tinha um corte no canto da boca e Mark estava estancando sangue do próprio nariz.

- O que foi dessa vez? – Jared perguntou ao ver ambos adolescentes naquele estado, como se tivessem quase se degladiado.

- Senhor Padalecki, nos desculpe ter que chamá-lo novamente. – O diretor começou e os dois alunos apenas baixaram a cabeça. – Mas como o senhor pode ver a situação está insustentável.

- Mark. – Jared nem olhou o diretor, apenas encarava o filho que não tinha coragem de retribuir o olhar. – Não foi assim que eu te criei. Que está pensando, moleque? – Ele fez uma pausa e o garoto apenas deixou os cabelos escuros, iguais os do pai, lhe caírem sobre o rosto. – E olhe pra mim quando estou falando com você!

- Não foi minha culpa, pai! – Mark se defendeu enquanto tirava um pedaço de algodão ensanguentado do nariz. – Foi esse imbecil... – Ele apontou para Nicholas ao seu lado que apenas sorriu sarcasticamente.

- Quer chamar o treinador Morgan aqui? – Nick rebateu. – O time todo? Todos viram que foi você quem começou, Padalecki!

- Se você não tivesse jogando feito uma menina, Ackles, nada disso teria acontecido. – Mark respondeu e logo a discussão se iniciara.

- Lógico, você lança a bola mal e a culpa é minha por não pegar?

- Olha aqui vocês dois, já chega. – O diretor Jim Beaver interrompeu os dois. – Não importa de quem foi a culpa a essa altura da história.

- Qual é o problema de vocês dois? – Jared perguntou. – Onde estão seus pais, Nick?

- Minha mãe está morta. – Nicholas respondeu ironicamente de propósito, para fazer Jared se sentir mal pela impertinência da pergunta.

- Sinto muito. – Jared respondeu sério.

- Morreu depois de olhar pra sua cara! – Mark provocou extremamente exaltado e Nick saltou de sua cadeira avançando no colega novamente.

Jim e Jared separaram os dois alunos que pareciam a ponto de se matar a qualquer momento.

- Seu filho da puta! – Nick gritou com Mark enquanto era segurado por Jim.

- Cala a boca, cara, você não passa de uma bicha fresca que não consegue nem ser um recebedor de bola decente! – Mark revidou enquanto lutava nos braços do pai pra se desvencilhar.

- Mark! – Jared chamou a atenção do filho severamente.

- Já chega! – Jim gritou dessa vez e os dois se acalmaram.

Fez-se silêncio na sala e Jared simplesmente segurou Mark pelo braço o colocando de volta na cadeira.

- Quando chegarmos em casa nós vamos ter uma conversinha. – Ele tinha um tom raro ameaçador enquanto falava apenas para Mark ouvir. O garoto sabia muito bem o que estava por vir e simplesmente acomodou-se de volta em sua cadeira.

- Enfim. – Jim Beaver voltou a seu posto de diretor atrás da mesa e continuou. – Isso precisa acabar.

Um estrondo na porta e um loiro alto acabara de entrar. Ele era incrivelmente parecido com Nicholas. Tinha a mesma boca e o mesmo tom e corte de cabelo. Jared já o conhecia das outras duas vezes em que ambos foram chamados à escola por confusão de seus filhos. Jensen Ackles era médico e ainda estava de branco quando entrou na sala, obviamente saiu com pressa de onde estava.

- Desculpe o atraso. – Ele disse cumprimentando Jared apenas com os olhos, o moreno alto retribuiu com um aceno de cabeça. A antipatia não era só dos filhos. Os pais igualmente pareciam não ter se gostado muito também.

And I try to get through to you but I don't know what to do

(Tento atingir você, mas não sei o que fazer)

You're making it hard to get to your heart

(Você está tornando difícil entrar em seu coração)

And it seems these days that everybody wears a bullet proof vest

(Parece que nos dias de hoje todo mundo usa um colete a prova de balas)

- Bom dia, senhor Ackles. – Jim levantou-se e cumprimentou Jensen. – Desculpa por isso, sei que o senhor trabalha bastante.

- Não tem problema. – Ackles respondeu olhando o filho agora. – O que você fez, Nicholas? – Ele agora tinha a mesma postura de Jared, ao lado de filho e com os braços cruzados.

- Pai, esse lunático veio pra cima de mim em pleno treino. – Nick respondeu tentando ficar calmo, muito convicto da sua razão.

- Ei... – Mark tentou recomeçar a discussão levantando-se da cadeira, mas Jared o puxou de volta pra que se sentasse.

- Você cala a boca. – Ele disse baixinho, sem olhar Mark, que apenas sentou de volta em seu lugar.

- Mas eu...

- Mandei ficar quieto, Mark Louis Padalecki. – Jared repetiu com mais ênfase desta vez.

- Acho bom controlar o troll que está criando em casa, Padalecki. – Jensen disse com um sorrisinho de canto e Jared arregalou os olhos.

- Como é que é, senhor Ackles? – Jared mal acreditou no que ouvira.

- Pois é, deu pra perceber o temperamento do seu filho. – Jensen respondeu iniciando uma nova discussão, entre os pais agora.

- Caso você não tenha visto, meu filho está com nariz sangrando! – Jared tentava se controlar.

- Senhores, por favor. – Jim Beaver levantou-se de sua cadeira extremamente sem paciência. Pelo menos ele sabia agora que a genética estava falando alto ali. – Eu sinto muito, mas se Mark e Nicholas não resolverem seus problemas agora mesmo, não haverá uma próxima vez, porque a escola vai expulsá-los.

- Está feliz agora? – Jensen repreendeu o filho.

- Certo, o que vocês dois têm? – Jared se colocou em frente aos dois garotos agora. – Por que se odeiam? Qual é o problema? Nicholas... – Jared virou-se para o garoto loiro que agora o encarou de volta um pouco surpreso. – Por que odeia o meu filho?

- Eu não odeio ele. – Nick respondeu com um sorriso sarcástico. – Eu não ligo pra ele. É ele quem tá sempre me provocando.

- Eu? Você é que... – Mark tentou, mas Jared o impediu.

- Depois você fala. – Era a frase que mais irritava Mark.

- O que aconteceu hoje? – Jensen agora foi quem perguntou ao filho.

- Esse imbecil jogou mal a bola, não consegui pegar. A gente... começou a discutir e ele veio pra cima de mim e... bom eu bati nele também, é claro.

- Mark, por causa de um treino? – Jared olhou incrédulo para o filho.

- Pai, ele disse que a culpa foi minha, mas não foi, a bola foi perfeita! – Mark sentia-se cheio de razão.

- Certo, estão irritados um com o outro por causa das outras brigas e essa só foi mais uma resultado das outras vezes. – Jensen respondeu e Jared concordou. – Mark, peça desculpas ao Nick.

- Tá zoando, né tio? – Mark respondeu rindo olhando Jensen.

- Seu filho é quem deve pedir desculpas. – Jared defendeu Mark.

- Não vou pedir porra de desculpas nenhuma. – Nick respondeu decidido.

- Olha essa boca, garoto! – Jensen chamou atenção do filho.

If love is a blank dart shot from a heart-shaped gun

(Se o amor é um dardo para o coração)

It only hurts you when you try to turn and run

(Apenas dói quando você tenta fugir)

When will you see that you don't need a bullet proof vest?

(Quando você vai ver que não precisa de um colete a prova de balas?)

Jim Beaver apenas observava incrédulo o que via. Não sabia quem era pior, se os pais ou os filhos. Na realidade, era a segunda vez que ele percebia que Jared e Jensen quase que pioravam as coisas ao invés de melhorarem. Era típico de pai defender o filho mesmo quando eles estavam errados, mas esses dois tomavam proporções que excediam a lógica e o bom senso.

- Vocês dois vão se desculpar. – Jim finalmente disse. – Deem as mãos e façam as pazes.

- Mas... – Mark e Nick tentaram argumentar, mas Jim imediatamente os interrompe.

- Ou vão ser expulsos. – Ele complementou. – Não vou mais tolerar essas intrigas ridículas de vocês dois.

Os dois garotos encostaram-se na cadeira, como se afundassem e quisessem sumir dali. Não conseguiam nem se olhar mesmo estando lado a lado. Não fizeram nenhum movimento indicando que iriam cumprir o que lhes foi dito.

- Vamos, anda logo. – Jensen disse a Nick, que bufou e bastante a contragosto levantou-se da cadeira.

- Está esperando o que, moleque? – Mark ouviu a voz de Jared e percebeu que não teria escolha. Imitou o movimento de Nick e estendeu a mão.

- Foi mal. – O moreno quase da altura do pai disse, sem muita verdade.

- De boa. – Nick respondeu no mesmo tom enquanto retribuía o cumprimento. – Desculpe pelo seu nariz.

- Tudo bem. – Mark respondeu soltando a mão do outro garoto. – Desculpa pela sua boca.

- E...? – Jared cutucou o filho no ombro.

- Por falar da sua mãe. – Mark revirou os olhos realmente envergonhado por aquilo.

- Falou sobre a minha mulher? – Jensen estava pronto para avançar em Mark agora.

- Ok, certo, resolvido. – Jim Beaver mais uma vez bloqueou a tensão que se formava. – Senhor Ackles, senhor Padalecki... Espero que não nos encontremos mais nessas situações.

- Garanto que Mark não vai mais arrumar problema, diretor. – Jared apertou a mão de Jim, que em seguida, cumprimentou Jensen também.

- Digo o mesmo sobre o Nick. – Jensen respondeu tranquilo e confiante.

- Vocês dois, voltem para o treino. – Jim disse aos dois garotos que se dirigiram para a porta. – Mas antes vão até a enfermaria, pelo amor de Deus. – O diretor complementou ficando agora apenas com Jensen e Jared na sala.

Ambos pareciam bastante desconfortáveis na presença um do outro. Jared sentiu isso desde a primeira vez que viu Jensen entrar na sala de reunião dos pais, quando Mark e Nick brigaram a manhã toda numa aula de literatura. Jensen pensou que definitivamente aquele homem gigante não deveria lá ser um pai muito bom. A verdade é que ambos tinham algo em comum: eram pais muito jovens que já haviam perdido as esposas.

- Por favor, não quero me meter na forma como educam seus filhos, mas... – Jim começou escolhendo as palavras. – Façam alguma coisa a respeito, certo? Eu realmente não consigo entender o que há de errado com esses dois.

- São adolescentes, diretor. – Jared começou. – Estão confusos e cheios de hormônios. Não precisam de um motivo pra extrapolar.

- Não, não. – Jensen resolveu opinar. – Nick é um garoto muito calmo.

- Claro. – Jared respondeu num tom irônico. – Tenho certeza que foi meu filho quem caiu em cima do punho do seu garotinho.

- Ele não faria isso se não tivesse motivo. – Jensen tentava se controlar, mas agora olhava Jared e se irritava ainda mais por vê-lo com aquele sorrisinho na cara.

- Meu filho é ótimo jogador, de certo apenas exige o mesmo dos outros. – Jared continuava sarcástico. – E se ele tem um problema é apenas pra entender que nem todo mundo é tão bom quanto ele.

- Nicholas é um ótimo jogador! – Jensen aproximou-se do moreno alto.

- Senhores! – Jim Beaver chamou a atenção de ambos. – È disso que estou falando. Olhem o exemplo que estão dando.

Jensen revirou os olhos igual Nick e Jared bufou igual Mark. Jim Beaver não queria nem mais saber.

- Muito obrigado por terem vindo, vocês já podem ir agora. – Ele disse num tom cansado, como se aquela maratona escolar o estivesse incrivelmente fazendo perder qualquer apreço pela vida. – Eu definitivamente espero não ter que falar mais com vocês.

Padalecki e Ackles acenaram com a cabeça para o diretor e deixaram a sala.

O corredor da escola já estava vazio por conta dos alunos estarem em aulas. Aquele ar frio vindo das paredes solitárias e dos armários agora silenciosos pareciam não fazer efeito em nenhum dos dois homens que andavam lado a lado sem dizer nada.

Parecia que eles tentavam competir até no andar. Jensen segurava um casaco preto em mãos, que contrastava com o branco de toda a sua roupa, e Jared pareceu começar a se incomodar com o barulho que os sapatos de Jensen faziam conforme ele andava. Padalecki vestia uma roupa comum, nada de grandes marcas, apenas um suéter azul e jeans da mesma cor. Ackles olhou pro lado e viu que escorria suor do pescoço do outro, mesmo com o frio que fazia naquele corredor.

Depois que Jensen tirou seus olhos daquela parte específica do corpo do outro, foi a vez de Jared olhar com o canto dos olhos para o loiro ao seu lado. Ele percebeu que ele tinha cílios longos e uma boca que... Enfim.

Ele voltou a olhar em frente e abriu a porta para deixar a escola, deixando-a aberta para Jensen passar. Era a terceira vez que estavam se encontrando e não conseguiam sequer pronunciar uma palavra um pro outro quando estavam sozinhos.

Desceram a longa escadaria pós saírem do prédio da escola divididos apenas pelo corrimão que passava em meio à escada.

Ao chegarem no pé da escada, pareceram hesitar antes de tomarem caminhos opostos. Jared desacelerou o passo, Jensen fez o mesmo. Viraram-se ao mesmo tempo.

- Até logo. – Jensen foi quem disse primeiro, num tom formal, inflando o peito meio que sem querer.

- Até. – Jared respondeu, andando de costas vagarosamente. O tom era ainda mais formal que o de Jensen.

Ambos se deram as costas e seguiram até onde haviam estacionado seus carros. Padalecki olhou de longe e viu que Jensen dirigia um imenso Toyota Tundra preto. Ele riu para si mesmo ao lembrar do quanto carros diziam sobre a personalidade de seus donos. Deve ser um esnobe arrogante. Chefe de algum departamento médico. Daqueles que todo mundo odeia e tem medo. Ele entrou no carro e colocou o cinto.

Jensen, do seu lado do estacionamento, percebeu o carro de Jared deixar o local. Um Corvette preto '67? Quantos anos esse cara tem? Quinze? Jensen riu ao ver Jared deixar o pátio parecendo um adolescente com os cabelos ao vento. Parecia uma típica cena de filme.

O loiro entrou em seu carro e também deixou o estacionamento da escola. Tinha que voltar para o hospital. Olhou o celular enquanto manobrava até a rua e viu 5 chamadas não atendidas vindas do hospital. Praguejou mentalmente enquanto pensava no castigo de Nick e dirigia em alta velocidade até seu trabalho.

Jared pôs os óculos escuros e, em poucos minutos dirigia até o outro lado da cidade, onde tinha o bar em que tocava todas as noites. O violão estava no banco de trás, coberto por uma capa preta com adesivos de algumas bandas clássicas de rock. A vida não lhe fora muito generosa em termos financeiros, mas fazia o que amava e, graças a isso, nunca passou necessidade e muito menos Mark. Não tinha uma vida de luxo, mas isso não lhe fazia falta. O dinheiro sempre dera pra ele se manter e sustentar seu filho.

Talvez fosse esse o problema do tal Nicholas. Com certeza tinha muito dinheiro e não sabia dar valor pras coisas, por isso era daquele jeito. Não, ele não ia culpar o menino, certamente a criação dele é que o tornara daquele jeito.

Não que Mark fosse perfeito, era rebelde demais, Jared admitia. Muitas vezes não podia ter as roupas que queria ou ir a festas que o convidavam porque não podia gastar dinheiro. Jared havia prometido um carro a ele quando ele saísse da escola.

O que ele tinha percebido hoje é algo que não tinha notado nos dois primeiros encontros com Jensen: o quanto viviam em mundos diferentes e ainda assim parecia que a vida estava fazendo com que eles se cruzassem o tempo todo. Ou melhor, eram aqueles garotos quem estavam fazendo com que se vissem mais do que o destino permitiria.

Please take it off for me

(Por favor, tire-o pra mim)

I won't shoot, I'll let you breathe

(Não vou atirar, vou deixar você respirar)

I wanna feel you feeling me

(Quero sentir você me sentindo)

Oh, baby, love don't bleed

(Oh, baby, o amor não sangra)