Ficha Número 77

Disclaimer: A história pertence a chubieta, os personagens a Stephenie, e a mim somente a tradução.

Sinopse: Edward Masen é um garoto convencido que se vê obrigado a passar um verão com seus tios em Forks, onde conhecerá Bella Swan, uma garota tímida, mas Edward se empenhara em conquistá-la para ter algo de diversão em seu verão.


Capítulo 8 - Revelações

(Traduzido por Julia Spinosa)


Estava trancado em meu quarto, enquanto ouvia os gritos provenientes do jardim, todos estavam desfrutando um almoço ao ar livre, exceto eu, que tinha me desculpado por ter uma dor de cabeça terrível, ainda que a verdade era que queria estar sozinho, necessitava estar sozinho, tinha muitas coisas em que pensar. E estar perto de Bella, servia unicamente para aumentar meu nível de confusão.

Deitei-me na cama e fechei os olhos, esperando que os pensamentos que zumbiam dentro de minha cabeça desaparecessem, quando ouvi o toque de meu celular. O peguei e atendi sem olhar quem era.

- Alô? – perguntei um pouco sonolento.

- Edward? – disse minha mãe do outro lado da linha.

- Mãe. – "Aqui vamos de novo com a grande conversa de mãe e filho..." pensei ironicamente.

- Como está? – perguntou.

- Bem – disse cansadamente, ainda que minha não o notou, como sempre.

- Como estão todos?

- Bem – disse de novo.

- Como está o tempo?

- Frio.

- Precisa de dinheiro? – minha mãe disparava as perguntas tão rápido, comecei a suspeitar de que lia um questionário.

- Não.

- Como está funcionando o Volvo?

- Bem.

- Tem algum problema de localização? Podemos te enviar um GPS e fazer que o instalem lá.

- Não é necessário.

- Se sente confortável na casa de Esme?

- Sim.

- Tem certeza? Sua casa não é muito grande.

- Tenho – "É uma casa grande, o detalhe é que nossa casa é desproporcionadamente enorme".

- Perfeito – concluiu minha mãe – Acabo de falar com Madeleine.

- E? – perguntei exasperando, não podia me acostumar a sua maneira tão telegráfica de falar.

- Volta na próxima semana para casa, deve estar tudo em ordem quando voltarmos. Também é seu dever estar aqui para receber o correio.

- O correio... – sussurrei.

- Exato, Madeleine deve estar lá quando chegar sua carta de aceitação de Harvard – disse em tom seguro.

- Mamãe... – comecei a dizer.

- Edward – me interrompeu utilizando meu nome como sempre, não lembrava nem sequer uma só ocasião em que tivesse me chamado de filho – seu pai e eu fomos para a Universidade de Direito em Harvard, tal como fizeram nossos pais e os pais deles, assim que você tem a obrigação de estudar lá, ao contrário jogará na lata do lixo gerações de tradição em...

- Já sei, tem me repedido inúmeras vezes – disse rapidamente – assim que não é necessário que o faça de novo.

- Bem, pedi expressamente para Madeleine que cuidasse com sua vida a carta de aceitação de Harvard para que a abrisse quando voltássemos, as outras realmente não tem importância – rolei os olhos – Com seu pai tivemos a alegria de encontrarmos os Geller ontem à noite na hora do jantar – disse minha mãe mudando de assunto – Katherine continua tão encantadora como sempre, sabia que está pensando em estudar Direito em Harvard?

- Não. – Era obvio que não sabia, nunca tinha trocado mais de duas palavras com Katie, ainda que era evidente que estudasse isso. Sua liberdade na escolha de sua carreira era tão grande quanto a minha.

- E também tiveram a bondade de nos convidar para passar uns dias junto a eles na Florida antes que termine o verão.

- Oh. – consegui dizer. Os Geller eram outra família com várias gerações de Harvard para seu crédito, e como Katie, sua filha, era um ano mais nova que eu, meus pais me pediram que tratasse de conhecê-la melhor. Eu também sabia, que sob essa camada de desinteresse, ambas as famílias desejavam continuar com a tradição e também, através de uma relação potencial entre Katie e eu, para garantir uma aliança entre seus escritórios. Mas, para a má sorte de meus pais, a filha dos Geller não me atraia no mais mínimo e não era porque pensava que era feia ou algo assim, tem mais, ela era muito bonita, tinha olhos das mesmas cores que os meus (internamente suspeitava que minha mãe estaria feliz com esse detalhe, eu tinha herdado a cor verde esmeralda dela e sabia que estaria satisfeita se seus futuros netos tivesse a mesma cor) e um longo cabelo negro que lhe caia em forma de ondas. Talvez se não me obrigassem a conhecê-la, poderia estar disposto em conversar com ela, mas dado que era um desejo do Sr. Masen gastava todas minhas energias em levar contra.

- Continua aí? – perguntou minha mãe com a voz exasperada. Ao que parece tinha estado muito preocupado pensando.

- Sim – respondi recuperando-me rapidamente de minha falta de atenção – como vão com o caso?

- Bem, se tudo sair como esperamos devemos terminar em duas semanas.

- Brilhante.

- Sim. Devo ir.

- Está bem.

- Tchau, Edward.

- Tchau, mamãe.

Depois de desligar o telefone, decidir ir tomar ar fresco para relaxar. Conversar com minha mãe, sempre me deixava tenso. Assim que caminhei até o jardim onde todos conversavam alegremente.

- Edward! – exclamou Jasper quando me viu, estava sentado justo de frente à janela da qual entrei.

- Edward Anthony! Dignou a nos agraciar com sua presença – disse Emmett teatralmente. Com esse comentário, agora todos tinham se dado conta que estava ali.

- Sim, querido Emmett – respondi continuando o jogo – depois de pensar durando um bom tempo sobre a forma de alcançar a paz mundial, decidi descer para compartilhar com a família.

- Que sorte temos! – continuou Emmett e ia continuar falando quando Esme o interrompeu:

- Se sente melhor, querido? – me perguntou.

- Claro – sorri e me sentei perto de Bella, quem sorriu para mim e me aproximei para dar-lhe um rápido beijo nos lábios – agora estou muito melhor. - Esme, Rosalie e Alice exclamaram "awww" e sorriram, enquanto que Carlisle e Jasper riram entre dentes. Por outro lado, Emmett rolou os olhos e disse:

- Você está frito.

- Espero que tivesse um décimo da doçura de Edward – queixou-se Rosalie.

- Para que? Seria diabética – soltou Emmett.

- Tem sorte de ter Edward, Bella- disse Rosalie.

- É tão romântico... – adicionou Alice sonhadoramente.

- É todo um cavalheiro – terminou Esme.

- Obrigada, Edward, por você nos faz parecer como trogloditas – brincou Jasper.

- Mas isso é bom, certo? – perguntou Emmett – para as mulheres que gostam de um selvagem – disse com um encolher de ombros.

- Emmett! – exclamou todos.

- O que? – perguntou confuso.

- Mamãe? Está certa de que é meu irmão? – perguntou Alice – é impossível que seja mais idiota.

- Ei! – reclamou ao que foi mencionado – O que há de errado comigo? Estávamos falando de Edward!

- Sim, estavam falando de mim, mas sou tão certo que de que existe muito material para falar sobre mim – sorri ironicamente – ao contrario, você...

- Já chega! – exclamou Alice – parem de brigar, queremos passar um tempo agradável em família, assim que se vão discutir, vão para outro lugar.

- Vamos dar uma volta? – perguntei para Bella enquanto me colocava de pé – assim não tentarmos contra a harmonia familiar que tanto quer Alice – adicionei em tom irônico, estendendo-lhe minha mão.

- Está bem – sorriu ela, pegando minha mão – Fico feliz que se sinta melhor – disse depois de andar durante alguns minutos na beira da floresta.

- Eu também, realmente minha cabeça doía muito – menti.

- Tem problemas? – perguntou em tom preocupado, parando – Sabe que pode contar comigo para o que precisar.

- Eu sei... – lhe sorri suavemente – é só que... – fiz uma careta. Bella me olhava atentamente e soltei um suspiro de resignação. Sentei-me e fiz um gesto para que ela fizesse o mesmo, depois que se sentou perto de mim, comecei a explicar o que me atormentava, depois de tudo, que risco corria? Bella era uma garota boa e era minha namorada... – meus pais estão... me obrigando para que estude Direito em Harvard para manter a tradição da família.

- Tradição de família? – perguntou franzindo o cenho – mas Esme é sua tia e ela não é...

- Eu sei, mas em cada geração tem alguém que estuda Direito, é o caso da família materna, minha mãe foi a que decidiu fazer, portanto, minha tia ficou livre para estudar o que quisesse e liberou assim Emmett e Alice de continuar com a tradição. Mas... no meu caso... dado que sou filho único, sou obrigado a estudar Direito.

- Mas... você quer estudar isso? – perguntou.

- Não sei... reconheço que me chama atenção, mas me provoca certa... rejeição, saber que se estudo Direito... pensaram que o faço unicamente para continuar com a tradição e honrar meus antepassados, não porque o escolhi a partir de um grande raio de possibilidades.

- Edward... – disse Bella pegando minha mão – você é uma pessoa forte, sei que será capaz de enfrentar as conseqüências da decisão que tomar – dirigiu-me uma olhada cheia de confiança.

- Obrigado – respondi com toda sinceridade – fico feliz em conhecê-la, Bella, é uma garota especial – lhe sorri e ela abaixou o olhar envergonhada. Coloquei-me rapidamente de pé e peguei sua mão para ajudar a levantar – vamos voltar ao jardim antes que estranhem – Ela sorriu e me beijou apenas se colocou de pé. Estávamos nos beijando por um longo tempo, até que ouvimos alguns gritos perto dos outros.

- Esse não é o Emmett? – perguntou Bella confusa.

- Sim, e é perseguido por...

- Alice?

- Você me paga, Emmett Cullen! – gritava Alice enquanto corria atrás dele.

- Já basta! – gritava Esme – Voltem aqui!

- Alice! – gritava Jasper tentando pegá-la, enquanto Carlisle e Rosalie olhavam divertidos por toda a cena.

- O que terá acontecido? – perguntou Bella.

- Emmett deve ter feito algum dano em algum de seus sapatos favoritos ou algo assim – respondi e comecei a beijar seu pescoço, Bella era muito mais interessante de ver como meus primos lutavam.

- Como pôde, Emmett? – continuava reclamando Alice e Emmett tentava escapar das garras do pequeno demônio, virei lentamente minha cabeça para notar que ele estava indo para a ladeira da estrada que tinha em frente, mas estava mais preocupado com o que estava acontecendo atrás dele do que na frente.

- É bonito ver que alguém tão grande sendo perseguido por alguém tão minúsculo – riu Bella enquanto eu continuava beijando seu pescoço – Embora Alice desse medo, tem os olhos desorbitantes – ergui os olhos para dar um suave beijo nos lábios de Bella e voltei para ver o rosto de minha prima, mas o único que vi foi uma grande massa que veio sobre mim e então o impacto de algo duro contra a minha cabeça, até que ficou tudo escuro...

~x~

- Edward...

Escutava que alguém dizia meu nome em algum lugar muito longe, mas não conseguia identificar a quem pertencia à voz.

- Edward...

Voltei a ouvir que alguém me chamava, embora desta vez o ouvia mais perto.

- Edward...

Agora ouvi que alguém falava em meu ouvido, enquanto acariciava-me suavemente o rosto. Suspirei feliz e abri os olhos. Bella sorria-me angelicamente.

- Como se sente? – perguntou-me. A olhei confuso e tentei me sentar na cama, quando uma forte dor de cabeça fez que voltasse a deitar – Não tente sentar – ao ver minha cara de confusão, continuou – Estávamos voltando ao jardim, quando Emmett passou por nosso lado sem vermos e bateu em você, você caiu no chão e teve o azar de bater a cabeça em uma pedra que estava perto.

- Emmett – franzi o cenho – por que fugia de Alice?

- Por que Emmett manchou seus sapatos com ketchup e quando tentou limpá-los...

- Piorou – completei a frase.

- Isso mesmo – sorriu – ficamos muito preocupados – disse em tom sério.

- Se estão tão preocupados, onde estão os outros?

- Carlisle te deu alguns calmantes e disse que precisava descansar. Mas eu insisti em ficar com você – sorriu.

- Fico feliz que insistiu. Não há melhor remédio que abrir os olhos e ver a pessoa mais linda do mundo sorrindo – lhe sorri e ela corou.

- Irei avisar Carlisle que já acordou – disse levantando-se da cama.

- Não... não vá – fiz beicinho quando pegava sua mão – não me sinto bem – mordi o lábio. Ela parecia ter uma luta interna entre ir para Carlisle e ficar comigo.

- Vou avisar Carlisle, precisa te examinar – sorriu.

- Bella! – gritei enquanto ela me abandonava no quarto. Bufei irritado. Quem ia acreditar? Praticamente lhe tinha suplicado que ficasse comigo e ainda assim me recusou. Alguma coisa não estava bem. Talvez Forks esteja matando meu encanto natural. Não. Acredito que bati tão forte com a cabeça que não estou pensando bem. Sim, isso sim. Se não tivesse caído, meu cérebro estaria funcionando perfeitamente e Bella não teria resistido ao meu pedido.

- Edward! Que bom que acordou! – exclamou Carlisle aliviado enquanto entrava no quarto, seguido por Bella.

- Estive muito tempo inconsciente? – perguntei confuso.

- Umas três horas e meia – respondeu ele – Como se sente? – perguntou se aproximando para me examinar.

- Bem, apesar de não poder me mover, se me mexer só um pouco, tudo dá voltas e dói minha cabeça.

- Não é para menos, você bateu a cabeça muito forte – Bella disse, sentando-se na cama.

- E tudo por culpa de Emmett... – resmunguei.

- Não se preocupe com ele, todos se encarregaram de dar um sermão durante todo o tempo que ficou inconsciente – sorriu Bella.

- Ele mesmo queria vir se desculpar, mas lhe disse que o fizesse amanhã quando estivesse melhor – contou-me Carlisle – ao que parece... – fez uma careta – só faria com que sua dor de cabeça aumentasse.

- Obrigado por ser tão atencioso – agradeci.

- De nada, seus sinais vitais estão estáveis, mas de todas as formas, hoje deve permanecer na cama e descansar – abri a boca para protestar, mas Bella me interrompeu antes que pudesse dizer algo:

- Me encarregarei disso, Carlisle – lhe sorriu enquanto pegava minha mão com firmeza.

- Está bem – ele respondeu – direi aos outros que já está melhor, Edward, descanse – e dito isso saiu do quarto. Apenas fechou a porta, grunhi.

- Edward... – disse Bella suavemente – você bateu muito forte com a cabeça e Carlisle disse que devia descansar, é para fazê-lo.

- Mas...

- Nada de mas, simplesmente descanse, faça isso por mim, sim? – me disse olhando-me nos olhos. Como podia negar se me pedia assim? Ah... Bella... Tinha uns olhos tão lindos, tão profundos... – Edward? – me perguntou.

- Sim? – perguntei ainda atordoado.

- Fará o que Carlisle disse? O fará por mim?

- Sim... – sussurrei.

- Obrigada – se aproximou e me deu um suave beijo no rosto.

- Mas Bella...

- Sim, Edward?

- Não saia... – disse em uma voz audível.

- Eu não vou – murmurou acomodando-se junto a mim – agora durma – Fechei os olhos enquanto Bella acariciava meu rosto e brincava com meu cabelo, tê-la por perto me dava uma tranqüilidade que nunca antes tinha sentido. Enquanto adormecia pude ouvi-la sussurrar "Te amo, Edward", sorri contente e meu último pensamento antes de cair em um sono profundo foi "Eu também, Bella, eu também".


Os pais do Edward são tão bleh... não acho certo quando os pais querem impor aos filhos seus desejos com relação a carreira, tanto quando fazem isso para seguir tradição, ou quando espelham nos filhos seus desejos de carreira que não foram realizados.

E o final hein? É, Edward caiu na sua armadilha, no caminho não percebeu que estar com alguém como Bella o faria se apaixonar, e ai está o resultado. Mas será que as coisas vão acabar bem?

Diga o que vocês pensam e eu posto o 9 na semana que vem

Beijos

xx