Blizzard of Oz

haven't escape.


Naquela terra há um louco. Um louco que brinca de mágico. Nunca discuta este fato. O louco é o mágico.

Naquela terra há uma criança. Uma criança pequena que pensa como um adulto. Nunca discuta este fato. Porque, naquele lugar, não se questionam comportamentos.

-x-

O (louco) mágico é o exemplo a ser seguido. Seguem-no por estradas de tijolos amarelos e cidades de esmeralda.

O (pequeno) adulto deseja alcançá-lo. Não, deseja superá-lo. Sem se importar com o quão incomum seja tudo à sua volta. De algum modo, a criança sempre pertenceu a esse mundo.

-x-

Havia outro louco, e esse brincava de rei. Mas nossa história não precisa do rei dos Tolos.

Havia outras crianças recheadas de peculiaridades. Mas nossa história não precisa de inúmeras mentes necessitadas.

-x-

O (louco) mágico chama-se L. Seu nome é uma letra e ele nunca viveu nenhuma realidade.

O (pequeno) adulto chama-se Mihael. Seus conceitos sempre estiveram nublados por equívocos e ele não confia em estranhos por vezes apelidados de amigos.

-x-

Toparam-se uma vez. O milharal daquela terra estava esbranquiçado. Nevava. Estivesse em diferente clima, L teria confundido as madeixas loiras de Mihael com a plantação.

Desta vez, o (pequeno) adulto não o encarava diretamente nos olhos. Os dentes cerrados pareciam retravar muitos comentários. O (louco) mágico tinha um sorriso perdido e íris inexpressivas.

-x-

Toparam-se outra vez. A floresta daquela terra estava úmida. A chuva mostrou a Mihael como a maquiagem da insanidade devia ser lavada da alma de L.

Desta vez, palavras alheias caíram dos lábios do (pequeno) adulto. Sentia-se leve, e, como alguns denominam, seguro. Sorrisos sinceros pintavam o rosto do (louco) mágico.

-x-

Como você poderia prever, houve a terceira topada. Pelas janelas do palácio daquela terra, uma nevasca inundava L.

Desta (última) vez, a boca do (louco) mágico tomava a do (pequeno) adulto e aquilo significava muito e nada. Respostas exatas era a preferência de Mihael. Talvez você não entenda. Agora o (pequeno) adulto precisa ir embora. Talvez você (nunca) entenda.

-x-

Não adianta bater os sapatinhos, criança.

Elle não te deixará sair desse delírio.

(Não há lugar melhor do que a nossa casa)

-x-

Essa história é sobre uma nevasca em Oz.

E delas, não há escape.


N/A – Primeiro, eu me inspirei pro título descaradamente no álbum do Ozzy Osbourne. Então, my master, amo-te.

Depois veio o próprio Mágico de Oz, que salvou meu plot e encheu ele com suas graças. Espero que tenha deixado bem amor assim como a história original.

Não citei o B, Raito, Near ou Matt porque, honestly, achei desnecessário no contexto.

E o L ficou OC. Perdoem-me, mas se não tivesse essa caracterização não daria o mesmo efeito.

Obrigada a Luh M., que mesmo me ignorando sobre punks e shotacon, disse que tinha gostado bastante. Sempre posso contar com você, Moony.

Galerë, já que leram, mandem a porra da review, ok? A família agradece.