VICIOUS CIRCLE

Disclaimer: A história pertence a mim e a maioria dos personagens a Stephenie Meyer. Essa não é uma história bonitinha, então fique preparado para tudo.

Sinopse: Ele queria que ela demonstrasse sentimentos, mas estava cada vez mais certo de que a garota era completamente seca. Isso não o impedia de amar Bella até o fundo da sua alma. Amava alguém que apenas pisava e desprezava o que ele sentia, usando-o como um objeto. Edward não sabia como acabar com essa obsessão por ela, mas será que isso seria possível, quando ela sempre estava assombrando seus pensamentos e sua vida?


Capítulo XI – Um pouco de amor?

You know I'll fight my corner, and that tonight I'll call ya,

After my blood is drowning in alcohol, no I just wanna hold ya.

Give a little time to me or burn this out, we'll play hide and seek to turn this around,

All I want is the taste that your lips allow, my, my, my, my, oh give me love

Give Me Love – Ed Sheeran

~x~

Eu tinha repassado essa conversa infinitas vezes na minha cabeça, mas nada me preparava para a realidade. Porque enquanto eu estava aqui olhando para ela, as palavras lutavam dentro de mim e parecia que tudo ia sair errado.

Os grandes olhos castanhos me observavam com atenção esperando que eu falasse logo o que queria. Torci as mãos juntas, sentindo falta d'aquele olhar que ela tinha alguns minutos atrás, era tão caloroso e quase carinhoso, algo que tinha me vibrado por dentro. Atenção, nervosismo, curiosidade… tudo estava ali; apenas sensações do momento, nenhum sentimento mais profundo em que eu pudesse me agarrar.

Passei meus dedos pelo meu cabelo extremamente bagunçado e decidi parar de ser um covarde de merda. Atravessei o oceano para poder falar o que eu queria, agora eu tinha que colocar isso para fora.

- Quando você foi embora, os meus dias não foram os mais fáceis. Deixei que a tristeza me rodeasse – tentei não falar exatamente como fiquei, primeiro por vergonha da fraqueza e segundo porque não queria que ela se sentisse culpada, isso se ela se sentisse assim por alguma coisa na vida. – Pensei muito em tudo que vivemos, desde os bons até os maus momentos e percebi que fui muito egoísta com algumas coisas.

- Egoísta sobre o que exatamente? – perguntou inclinando um pouco a cabeça. Observei seus cabelos caindo um pouco para o lado que ela estava inclinada, cocei as palmas das mãos para segurar a vontade de passar os dedos por eles.

- Digo egoísta porque eu queria você comigo, mas queria você lá, do meu lado em New York onde era seguro e conhecido para mim – encolhi os ombros – lembro de dizer que eu deixaria tudo por você, mas nunca falei que poderia vir com você pra cá e-

- Jamais pediria isso a você – ela soltou no meio da minha frase. – Sua vida é lá, sua família está lá. É onde está o seu trabalho, o qual você ama muito.

- Não disse que você pediria, mas se eu tivesse falado sério sobre vir, você teria aceitado? – Bella mordeu o lábio e olhou um ponto fixo na sala antes de responder.

- Não. – Sua voz era clara e seus olhos agora estavam em mim. – Eu não teria permitido que você viesse atrás de mim

- Por quê? – senti a esperança que crescia em meu interior ser quebrada aos poucos.

- Porque essa é a minha vida, Edward, o meu plano desde adolescente e você não está nele – ela apertou os lábios e voltou a falar – Eu lutei por isso sozinha durante muito tempo. Minha mãe fazia planos comigo, ela sabia o que eu tanto queria ser na vida. Ela montou o meu primeiro portfólio escondida, tirando fotos das minhas peças prontas e copiando os meus desenhos. Essa é a vida que eu planejei e é só isso que eu quero.

- Não acredito nessa história de que sua vida não tem espaço para mim, Bella. Nada é concreto, existem espaços entre os planos que são as exceções, pessoas e situações que aparecem no nosso caminho. Meu plano não era conhecer uma garota linda que ia virar minha vida. Meu plano era estudar, trabalhar muito para daqui uns anos substituir meu pai, mas eu sabia que existia a possibilidade de no meio do caminho eu conhecer alguém. Claro que eu imaginei que amar e ser amado seria mais simples – encolhi os ombros.

- Amor, amor, amor. Você só sabe falar sobre isso? – soltou entredentes levantando do sofá e caminhando pela sala. – Só isso que você pensa, nessa porcaria do seu sentimento. É a única coisa que está na frente dos seus olhos, isso está te enlouquecendo, Edward. Sua obsessão maluca de me fazer te amar está virando uma doença.

- Não estou cego e nem maluco, Bella – levantei também, mas não a segui, fiquei parado olhando para ela bufando de nervoso.

- Não, Edward? – ela riu secamente. – Olha tudo o que você fez hoje. Ficou na frente da IFM, me seguiu até aqui, ficou gritando o meu nome na janela como um maldito perseguidor.

- Se você não queria falar comigo, era só ter dito na hora que me viu, Bella. Mas você me deixou subir.

- Eu nem sei porque diabos eu fiz isso, mas se nessa sua cabecinha maluca está passando que é por amor, você está louco pra caralho. Porque eu não te amo. Eu não amo nada além do meu trabalho.

- Nem esse Henry? – cuspi o nome desse idiota que eu nem sabia quem era. Ele não tinha o direito de chegar aqui e pegar o que é meu. O amor da Bella.

- Oh pelo amor de Deus – ela jogou as mãos em sinal de frustração – Henry é um amigo, alguém que me ajudou desde que eu cheguei aqui. Gosto muito dele, mas isso não quer dizer que eu o ame. Eu não sei amar, Edward, entenda. Essa parte de mim morreu junto com os meus pais.

- Você poderia ser mais clara, Bella, ao invés de simplesmente dizer que você não sabe amar. Isso não pode ser verdade, qualquer pessoa nesse universo sabe o que é amor.

- Talvez eu simplesmente não queira me jogar nos braços do romantismo, Edward. Talvez eu tenha bons motivos para isso – seu rosto estava vermelho de raiva, seus olhos escuros e os lábios franzidos.

- Então me diz: quais são os seus motivos? Você me deve isso – tentei não gritar, mas minha voz já estava mais alta. Ela me olhou com as mãos fechadas em punhos e tomou uma longa respiração.

- Eu não te devo nada, Edward. Nós não somos nada. Nada – sua voz era baixa, mas demonstrava toda a sua fúria no momento.

Ficamos calados por alguns minutos, eu conseguia ver que algo estava querendo sair, um desabafo, uma dor, uma tristeza. Seus olhos vibravam com um sentimento que fervia dentro dela, e tudo o que eu queria era que ela colocasse isso para fora.

- Por que você não deixa que eu veja mais além do que seus olhos escondem, Bella? Fale, grite, esbraveje, mas pare de segurar isso dentro de você. Você é uma bomba relógio, a qualquer hora vai explodir com tanta coisa que guarda nessa sua casca dura sem sentimentos – grunhi puxando meu cabelo em frustração. – Você não se abre nunca, Bella. Eu vim aqui tentando resolver o que deixamos pendente, mas eu vou sair mais confuso do que quando cheguei. O que te machucou tanto? Não foi somente a morte dos seus pais, tem alguma coisa ai. Fala.

- Foi você que veio atrás de mim, Edward, eu não prometi sair dessa minha casca para você. Não fiz isso em tantos anos e não vou fazer isso agora – seus olhos fecharam e suas mãos apertavam sua testa. – Tudo o que você conseguiu hoje foi acabar com o meu dia e me dar uma dor de cabeça.

- Não era isso que queria. Não é isso que eu quero – me aproximei dela até que eu estava na sua frente, separado por poucos centímetros do seu corpo. Fiz o que tanto queria, tocando suas mãos e tirando do seu rosto. – Eu quero tanta coisa, Bella, mas o que eu mais quero, creio que nunca vou ter.

Ela levantou o rosto e seu olhar estava perdido, ainda com aqueles sentimentos e mais alguma coisa que eu não conseguia definir, mas o que dominava era a sua tristeza, que parecia um poço em que eu poderia me jogar.

- Eu não posso te dar o que você quer – ela sussurrou piscando algumas vezes antes de continuar. – Eu não posso te dar amor. Eu não consigo.

- Você consegue, Bella – escovei sua bochecha suavemente, deslizando os dedos até o seu pescoço, seguindo para sua nuca onde dei um aperto suave e fiz círculos com o dedão. – Deixa eu curar você, deixa eu te mostrar que amar é bom quando se é amado.

- Eu... não... – ela deixou suas palavras no ar. Estava cada vez mais perto dela, podendo sentir sua respiração no meu queixo enquanto eu me inclinava.

- Deixa, Bella – minha voz era tão baixa que se não estivéssemos tão próximos, ela não teria escutado.

Suas pálpebras estavam pesadas, seu olhar seguia dos meus lábios até os meus olhos. Senti algo segurar na frente da minha camisa, eram os seus dedos se fechando ali, forte, como se ela estivesse caindo e eu era o que a segurava.

- Não segure mais minha linda, Bella, faça. Eu sei que você quer isso tanto quanto eu – e ela fez.

O quente inundou minha boca, aqueles lábios lindos e vermelhos, o seu sabor misturado com o salgado. Tudo dentro de mim tremeu com a sensação de ter essa mulher em meus braços novamente, era tão bom. Poderia parecer maricas, mas eu me sentia como em um sonho sentindo o calor vindo dela.

Um barulho parecendo um gemido veio da sua garganta quando minha mão desceu pelas suas costas até empurrar seu corpo mais em mim. Tão macia, tão suave, tão quente como eu sempre me lembraria. Esse perfume gostoso que eu queria sentir para sempre. Ela era tudo o que eu via no meu futuro, era tudo o que eu desejava. Bella. Bella. Bella. Eu estava embriagado por Bella Swan.

O ar começava a faltar, mas eu pouco me importava. Eu poderia desmaiar por falta de oxigênio, se isso queria dizer que eu continuaria beijando Bella até a inconsciência. Mas ela não pensava assim, então aos poucos se afastou respirando forte e de olhos fechados. Ela me soltou, mas eu não estava pronto para deixá-la ir, apertando mais seu corpo no meu, afundando meu rosto no seu pescoço enquanto respirava pesadamente. Não sei se passaram segundos, minutos, horas, eu perdi a noção do tempo com essa pequena mulher em mim.

- Edward – ela disse tentando se afastar e resignadamente eu me afastei dela.

Ela olhava para baixo, se afastando alguns passos. Oh não... algo me dizia que isso não era bom.

- Bella – sussurrei dando um passo para frente.

- Não – gritou olhando para mim, afastando-se mais. Com os olhos assustados, tristes e novamente aquilo que me deixava tão intrigado, pegou o celular que estava em cima do sofá – Não. Eu só... preciso de uns minutos – disse correndo para o que eu sabia ser o seu quarto.

Respirei fundo e senti que ela me escapava novamente entre os dedos. Eu poderia ir atrás dela, mas ela realmente precisava do seu tempo. Sentei novamente apoiando os cotovelos no joelho e meu rosto nas mãos. Não posso estar louco, ela se entregou tanto, podia sentir seu coração contra mim, forte, acelerado. Um arrepio percorreu minha pele enquanto lembrava o que estávamos fazendo à tão pouco tempo, eu queria mais, eu precisava de mais.

Minutos depois ela saiu com o rosto recomposto e um pouco corado. Ela me olhou por uns segundos sem dizer nada, o beijo tinha nos tirado da conversa, ainda precisávamos falar. Bella olhou para a porta e novamente focou em mim. Eu acho que estava entendendo.

- Vá embora, Edward, por favor – pediu um pouco séria. – Henry vai chegar logo e eu não quero você aqui.

- Mas, Bella, nós precisamos... – tentei argumentar. Nós precisávamos terminar a conversa que estávamos tendo.

- Não precisamos nada – me interrompeu – Um beijo não vai mudar o que eu penso. Por favor – indicou com a mão para a porta. Fechei os olhos por uns instantes e levantei pegando meu casaco e o vestindo.

Caminhei até ela e tentei dar um beijo em sua bochecha, mas ela me parou com sua mão.

- Saia e, por favor, não volte aqui – assenti para o seu pedido.

- Tudo bem – ela abriu a porta e passei por ela, mas antes de ir eu tinha que deixar a escolha de me ver novamente nas mãos dela; Mesmo que ela tivesse me pedido para não voltar aqui, queria colocar uma porta aberta pra ela querer me ver. Se despedir de uma forma mais calma – Eu vou embora depois de amanhã logo cedo, se quiser me ver antes disso estou no De Crillon. Meu quarto é o 506, deixarei seu nome na recepção, se você aparecer não precisam me avisar. E caso você não vá, cuide-se e adeus, Bella – falei com o nó começando a se formar na minha garganta. Eu não queria pensar que essa seria a ultima vez que eu a veria.

- Você também, se cuide. E adeus, Edward – um pequeno sorriso, nada alegre, se formou em seus lábios antes que ela fechasse a porta.

Fiquei ali por alguns minutos com a testa colada em sua porta, respirando suavemente para que ela não me ouvisse. Juntei o resto da minha dignidade, se é que eu ainda tinha alguma, para caminhar até o elevador. Estava tão distraído que não percebi alguém saindo dele quando abriu e sem querer trombei com um cara.

- Desculpe – murmurei um pouco atordoado ainda pelas emoções.

- Sem problemas. Hey, você está bem? – seu inglês estava carregado com sotaque francês.

- Sim, apenas coisas da vida – respondi. – Obrigado – levantei meu rosto a tempo de ver o cara assentindo. Vi seus olhos se arregalarem um pouco, mas no segundo seguinte ele voltou ao normal. Não dei importância e entrei no elevador, tudo o que eu queria agora era me enfiar na cama do hotel e dormir até a hora da minha viagem.

~x~

O dia seguinte a minha visita a Bella foi gasto dentro do quarto, fiquei entre um cochilo e outro, sempre a espera dela aparecer. Eu fiquei esperando que ela viesse pelo menos para o adeus fosse em um clima melhor. Mas quando a noite chegou e avançou, percebi que seria inútil esperar que ela aparecesse hoje.

Eu iria embora de manhã e ela não tinha aparecido, qualquer esperança de que ela viesse se despedir de mim já tinha sumido. Pensei em deitar para dormir logo e deixar essa agonia para trás, mas quando o fui fazer uma batida na porta chamou a minha atenção.

Já passava das 10 da noite e secretamente eu não estava preparado para o que eu vi ao abrir a porta. Quando abri a porta meu maior sonho, e pior pesadelo, estava ali.

Ela veio.

- Oi – Bella disse, piscando seus lindos olhos castanhos e movendo os lábios completamente vermelhos.

- Oi, entre – forcei-me a sair do caminho para que ela passasse. Observei que ela vestia um sobretudo preto, meias pretas e sapatos altos, uma pequena bolsa na mão, a qual ela deixou na mesa no seu caminho. (look: /W2zXHJ)

Ela olhou pela janela por um momento, antes de virar para mim, o silêncio pesando entre nós permanecendo assim por um par de minutos. Até que ela caminhou em minha direção a passos lentos, abrindo com delicadeza o sobretudo. Engoli em seco ao notar que a primeira coisa que apareceu foi pele, muita pele.

- Eu pensei que depois de tudo, nós merecemos uma despedida descente – murmurou terminando de abrir o sobretudo, o fazendo cair no chão.

Meus joelhos ficaram um pouco fracos, quando vi que Bella tinha apenas uma lingerie por baixo do sobretudo. Rendado e preto, no estilo que ela sabia que eu adorava. Não resisti, envolvendo minhas mãos na lateral do seu corpo e costas, ela se inclinou para mais perto, com as mãos apoiadas nos meus ombros. Seus saltos a deixavam na altura perfeita para aqueles lábios vermelhos alcançarem os meus com facilidade.

Um beijo de boca fechada levou o meu coração a mil por hora com uma facilidade incrível. Era apenas tocá-la para que tudo em mim se acendesse, nunca seria possível explicar tudo o que ela fazia comigo. Ela estava dando a mim uma parte do que eu queria, seu carinho, seu corpo, seu calor, seu cheiro. E mesmo sabendo que não seria o suficiente para viver, eu aceitei de bom grado.

Afastando o meus lábios dos dela, tomei um tempo para acariciar sua pele, olhando-a fixamente. Bella sustentou o meu olhar no seu, um sorriso misterioso brincando nos lábios, os seus dedos entrando pela barra da minha camisa, puxando-a rapidamente para cima. Logo estávamos apenas nos olhando e nos acariciando, meus dedos percorriam suas costas, barriga, lateral, colo, pescoço, nuca, e ela fazia o mesmo comigo, acrescentando um pouco de suas unhas. Não resisti mais, tirando seu sutiã e segurando seus seios, gemendo baixo ao sentir sua textura suave e a firmeza.

- Você é tão linda– sussurrei apertando seus mamilos e os puxando. Ela suspirou mordendo os lábios e fechando os olhos. – Eu não consigo imaginar ficar sem isso – falei sem perceber que pensei em voz alta.

- Shii, Edward, esqueça tudo, vamos ser apenas eu e você nessa noite, sim? – Bella segurou-me pela nuca, os olhos agora abertos e puxou-me em direção a cama.

Caindo na mesma, beijei-a agora com língua, mordidas, vontade. Ter seus seios apertados no meu peito era um sentimento simplesmente delicioso, igualmente com suas unhas deslizando pela minha pele. Apertei minhas mãos em sua cintura, a fazendo arquear um pouco em minha direção, os lábios soltando-se dos meus. Olhei rapidamente para eles, vendo que o vermelho estava espalhado e sabia que minha boca também deveria ser uma mistura de batom.

Lambi meus lábios descendo pelo seu pescoço, sugando ali, beijando. Subi uma mão até seu seio direito, apertando levemente enquanto distribuía beijos pelo seu colo até seu outro seio, tomando a carne firme e quente em minha boca. Desfrutei de cada centímetro dessa maciez antes de dar atenção ao seu mamilo que exigia isso de mim.

O rodeei com a língua, espiando sob os cílios a expressão dela. Olhos focados em mim, lábios entre os dentes e mechas de cabelo nos ombros, tão linda que dava vontade de tirar uma foto para ter essa imagem imortalizada. Voltei ao que estava fazendo antes, mordiscando a pontinha do seu mamilo, o que a fez gemer e suspirar o meu nome.

Depois de fazer o que eu queria, movi minha boca para seu seio que eu mantive estimulando, fazendo nele o mesmo processo que no outro. Bella gemeu mais, tirando o corpo um pouco do colchão e apertando suas pernas em torno das minhas. Beijei o espaço entre os seios, apertando-os juntos e mordiscando sua pele.

Levantei-me apenas o suficiente para poder beijá-la novamente, minhas mãos ainda apertando os montes macios. Afastei para olhá-la, um sorriso desenhando em seus lábios um pouco inchados pela intensidade dos beijos. Correspondi, voltando a descer pelo seu corpo, agora até suas pernas cobertas pelas meias. Ela ainda calçava os sapatos, os tirei cuidadosamente e apertei seus tornozelos. Minhas mãos percorreram as duas pernas juntas, até sua calcinha a qual retirei rapidamente pelas suas pernas.

Passei os dedos por seus grandes lábios molhados até seu clitóris, pressionando-o antes de voltar a explorar sua humidade e calor. Grunhi colocando dois dedos dentro dela, sentindo sua carne apertá-los, soltando a respiração forte entre os lábios subi em seu corpo para beijá-la enquanto meus dedos iam e vinham lentamente.

Puxando meus cabelos, Bella pediu por mais e dei a ela, colocando um terceiro dedo, girando e aumentando a velocidade deles. Os curvei um pouco para tocar naquele ponto que a fazia tremer, e certamente o resultado foi esse, meus dedos apertados pelo prazer dela e os dentes mordendo fortemente meu lábio inferior.

Esfreguei seu clitóris com o polegar fortemente, provocando um gemido forte e pressão em meus dedos, que voltei a tocar naquele ponto dela causando seu orgasmo.

- Edward... oh... – sua voz falhou quando seus olhos fecharam e meus cabelos foram puxados com mais força do que antes. Eu não reclamei, adorava vê-la se desfazer com meu toque.

- Isso, linda – sussurrei deixando beijos em sua clavícula.

Quando seu orgasmo terminou, retirei meus dedos dela e os levei para a boca, gemendo enquanto provava da sua essência. Seu peito subia e descia com a respiração ofegante, aproveitei enquanto ela se recuperava para tirar a calça de moletom que usava e a boxer, para logo voltar a deitar meu corpo no dela. Mas parece que esses não eram os planos de Bella que empurrou meus ombros até que eu estivesse deitado.

- Tem alguma camisinha por aqui? – perguntou quando segurou meu pau, subindo e descendo sua mão de forma calma.

- Creio que tenha no banheiro – respondi, ela logo saiu da cama caminhando até o cômodo, sorri observando sua bunda redonda e firme, rebolar com seus quadris. Ela era tão sexy e não precisava forçar.

Voltou com alguns pacotinhos na mão, deixou uns em cima do criado mudo e abriu um já sentando em minhas pernas para envolver o material em mim. Logo ela estava descendo seu corpo e meu pau estava dentro dela. Suspirei pela maravilhosa sensação, nunca iria sentir algo assim na vida, a impressão de que eu estava me encaixando com a pessoa certa.

Suas mãos apoiavam em meus ombros, enquanto seus quadris subiam e desciam, suspiros e gemidos preenchendo o quarto junto com o som dos nossos corpos. Agarrei seus seios que suavemente balançavam enquanto ela se movimentava, apertando as pontas e fazendo-a descer mais. Com a vontade de tê-los em minha boca, coloquei uma mão em sua cintura a fazendo parar de se movimentar. Bella franziu a testa para mim, e sorri posicionando-me sentado na cama sem sair de dentro dela.

Ela sorriu entendendo minha intensão e voltou a comandar os movimentos. Eu foquei em saborear da sua pele e carne macia, que eram seus seios. Nossos corpos estavam cobertos com um pouco de suor, senti o gosto salgado na língua sugando a pontinha deliciosa e que lhe daria ainda mais prazer. Fiquei feliz quando ela gemeu alto aumentando a velocidade. Dificultava um pouco manter seu seio em minha boca então movi meus lábios para seu pescoço.

Eu queria deixar uma marca para que ela se lembrasse de mim quando eu fosse embora. E assim o fiz, sugando forte e repetidas vezes a pele pálida ali, deixando uma grande marca vermelha, que com sorte estaria roxa amanhã. Usei também meus dentes, não de modo forte, apenas para mordiscar. Ela apertou sua boceta forte em torno de mim, dando uma sensação incrível quando ela desceu. Ambos gememos alto.

- Tão bom – Bella suspirou, enrolando seus dedos no meu cabelo.

- Eu sei – murmurei contra sua pele apertando meus dedos em suas laterais.

Os movimentos continuavam mais e mais rápidos por alguns minutos, ela sussurrou que iria gozar. Eu não estava longe e com suas unhas cavando em minha nuca, acompanhei seu orgasmo segundos depois. Seu corpo tremeu sobre o meu, segurei em seu queixo puxando seu rosto para o meu e beijando-a. Ela enrolou os braços em meu pescoço e nos beijamos lentamente, até que eu a deitei na cama. Afastei-me um pouco dela, tirando seus cabelos do seu rosto sorridente e seus olhos dilatados fixaram em mim. Sorri dando leves beijos nela, acariciando sua bochecha e sentindo seu perfume misturado com o cheiro de sexo.

- Isso foi incrível – falei enquanto ela brincava com meu cabelo.

- Sim, mas ainda não acabou – respondeu arranhando meu couro cabeludo. – Vamos apenas descansar um pouco, e continuar.

Por mais cinco horas fizemos sexo mais três vezes, além de sexo oral no banheiro. Nunca me cansaria de estar dentro dela e ter seu sabor em minha língua, com ela não importava se precisava comer ou dormir, os dias poderiam virar meses se eu estivesse com ela. Depois do banho nos enrolamos na cama, Bella me beijou lentamente, um beijo que sem palavras, sabíamos que era a despedida. Queria que isso durasse para sempre, mas eu sabia que isso era mesmo uma despedida.

Ela se aconchegou em mim depois, os braços envolvendo meu corpo. Suspirei contente adormecendo com seu calor e maciez contra meu corpo.Tão cedo meu celular despertou por causa do meu voo e antes de abrir os olhos senti que ela não estava mais aqui. Meu corpo estava frio sem seu calor e a cama também.

Abri os olhos para o quarto iluminado por poucos raios solares, suspirei sentando e mexendo nos meus cabelos. Ela tinha ido embora sem falar comigo, mas eu poderia imaginar que seria assim. Talvez ela achasse que eu daria algum tipo de show para que ela me aceitasse em sua vida. Encolhi os ombros e me arrastei para o banheiro, tomando um banho longo.

Saí me secando e peguei a roupa que eu tinha separado para viajar. Quando estava fechando o cinto da minha calça notei um envelope bege em cima da mesa, franzi a testa já sabendo que isso não estava lá antes. Peguei minha camisa, colocando sobre o ombro, peguei o envelope que com uma caligrafia que conhecia bem dizia: Para Edward.

Meu coração saltou em me peito e ponderei se abria o envelope agora ou em New York. Decidi abrir em casa, pois dependendo do que estivesse aqui dentro a minha loucura poderia me fazer ir atrás dela, mas eu sabia que era perda de tempo. Coloquei a camisa, pegando as peças de roupas largadas na noite interior e coloquei na mala.

Peguei a chave do quarto, minha mala e saí. Na recepção pedi para fechar minha conta e um táxi para daqui a 40 minutos e fui para o restaurante do hotel servir de café da manhã. Tomei um café sem açúcar para acordar e comi alguns bolinhos de chocolate, antes de um funcionário avisar que minha conta estava fechada. Paguei o café da manhã, indo para a recepção. Logo depois de tudo estar acertado, meu táxi chegou e pedi para ir ao aeroporto.

Um pedaço do meu coração estava ficando nessa cidade, quando entrei no meu avião quase uma hora depois. Peguei o envelope que estava no meu casaco, pensando se abria agora. Dentro do avião não tinha mais como voltar e eu estava curioso para saber o que Bella tinha para dizer. Tomei uma grande respiração abrindo e retirando o papel lá de dentro.

Querido Edward,

Parte dessa carta escrevi em minha casa, pois talvez eu não tivesse tempo de escrever quando acordasse, isso se eu passar essa última noite com você. Eu lhe devia essa despedida por tudo que te fiz passar, sei que não sou o tipo de pessoa que pede desculpas, mas as coisas não deveriam ter acontecido da forma que aconteceram.

Posso não o amar, mas gosto de você, Edward, e desejo a você uma vida feliz. Não me procure e eu não vou lhe procurar, pelo menos não em alguns anos. Esqueça o que eu disse em NY quando me despedi, eu não vou voltar. Não é justo segurar o seu coração e lhe impedir de ter felicidade, quando não estou disposta a lhe dar o que você merece.

Você é um homem doce, educado, bonito, inteligente, que tem amor pelo o que faz. Uma pessoa como você tem que encontrar um amor, alguém que vai lhe amar de corpo e alma, lhe fazer completamente feliz. Por mais que você queira, essa mulher não sou eu. Confesso que parte de mim queria que meu coração estivesse inteiro para que eu pudesse lhe entregar, mas sabemos da realidade. Eu sei que em algum lugar existe uma mulher que o merece.

Minha vida não tem espaço para você, eu estou completamente focada em minha vida profissional e talvez me torne uma dessas mulheres que nunca se casam, envelhecem sozinhas, mas que o Mundo saberá que existo através das minhas criações. Não se pode ter tudo.

Volte para o seu lar, volte para sua família, apesar deles não gostarem de mim (e de nunca ter feito nada para eles gostarem), eles te amam e são tudo na sua vida. Eu queria ter a minha família ainda, mas não vou seguir com esse assunto, apenas quero que a felicidade seja algo possível para você, em todos os campos da vida, pessoal e profissional.

Estou lhe dizendo adeus, mas pode não ser para sempre, quem sabe em algum momento no futuro nossos caminhos se cruzem e eu comprove que você é feliz?

Beijos,

Bella Swan

PS.: Acordei agora e só quero agradecer pela noite maravilhosa. Seja feliz.

Agradeci por não ter ninguém sentado perto de mim e olhando para a janela, limpei algumas lágrimas que caíram enquanto a lia. Bella me mostrava que existia um coração ali dentro dela, sentimentos sinceros e desejos bons.

Diferente de antes, Bella não quebrou o meu coração, ela o libertou, mesmo sabendo que ela sempre estará dentro dele. Estava voltando para casa, decidido a viver e ser feliz, ainda que meu desejo de felicidade agora fosse outro, com o tempo as coisas poderiam mudar. Sorri pensando nela e desejando felicidade para sua vida também, pois apesar de tudo, ela era uma pessoa que sofreu o suficiente na vida e que merecia todo e qualquer sentimento bom.

Eu vou viver, Bella, serei feliz, por você e por mim, disse em pensamento enquanto olhava as nuvens através das janelas do avião.

Quem sabia o que o futuro teria para mim?


N/B: Ai ai, esses dois! Apesar de tudo, eu não consigo odiar a Bella... Ela nunca iludiu o Edward, então ela não tem culpa se ele corre atrás dela ou tem essa ilusão sobre ela amá-lo, né? *esconde das pedras* Enfim, agora a Bella ~libertou~ nosso menino com essa carta, mas será que ele vai mesmo seguir em frente, uh? Dúvidas, dúvidas... Deixem comentários, seus lindos, para deixarem a Leili e eu felizes. bjbj Friida C


YAY! Aqui encerramos essa fase da fic, no próximo terá uma passagem de anos, e é a parte que eu mais esperava para escrever. Não vou deixar buracos, o que for essencial sobre o que aconteceu nesse período será narrado.

Bella não é tão má quando parece, ela tem um coração, em algum lugar... mas esses anos realmente serão longe um do outro, ela não mentiu sobre se focar em sua carreira, mas será que isso será suficiente para afastar Edward dos pensamentos de Bella? Vamos descobrir.

Eu vou postar no mês que vem, espero que entendam que escrever não é fácil, queria ser como algumas autoras que os capítulos saem feito água, mas comigo são inspirações que baixam do nada e eu aproveito para escrever.

Fiquem ligados no meu group no facebook, o link está no meu perfil, vou postar alguns spoilers de #VC e outras fanfics por lá. Enfim nos encontramos em fevereiro ;)

Beijos

xx