N/A:Começando a segunda parte da Série "Away" que começou com "Breaking Away"! Esse capitulo começa exatamente onde terminou o Epílogo de BA, então é necessário ler a outra antes!

Atualização vão acontecer de forma irregular... pelo menos pelas próximas semanas. Férias são uma benção, mas nem sempre da tempo de escrever como eu queria...

DISCLAIMERS: Eu NÃO sou dona de Harry e sua turma, infelizmente. Escrevo única e exclusivamente para a minha diversão e daqueles que leem o que escrevo.

Avisos: Parte do cap foi tirado de Harry Potter e o Cálice de Fogo, essa história se baseia nos acontecimentos deste livro e, portanto, existirão passagens que são idênticas aquelas do original. Eu espero fazer mudanças o suficiente para que a história não fique chata e/ou repetitiva.

E agora...

Walking Away

Capitulo 1 – Uma Nova Fase Começa.

E, então, a poltrona ficou de frente para o velho e ele e Harry viram o que havia nela.

A bengala caiu no chão com estrépito. Ele abriu a boca e soltou um grito. Gritou tão alto que nunca ouviu as palavras que a coisa na poltrona disse ao erguer a varinha. Houve um relâmpago de luz verde, um ruído farfalhante e Franco Bryce desabou. Morreu antes de bater no chão.

A trezentos quilômetros dali, o garoto chamado Harry Potter acordou assustado. E o primeiro pensamento que se passou pela mente dele foi:

-Maldito Wormtail! Conseguiu fugir sem que ninguém ficasse sabendo!

Harry aproveitou-se do fato de que se lembrava perfeitamente do sonho, e anotou tudo num pedaço de pergaminho. Afinal, saber pelo menos parte dos planos de Voldemort com certeza o ajudaria a planejar seus próprios planos de atrapalhar a volta do monstro de cara de cobra.

No dia seguinte, ao entrar na cozinha para tomar café da manhã na companhia de Sirius e Remus, Harry notou um comportamento estranho nos dois marotos. Eles estavam estranhamente quietos, e se os rápidos movimentos que Harry ainda conseguiu perceber antes de entrar completamente na cozinha queria dizer alguma coisa, eles estavam escondendo alguma coisa do moreno.

-Se vocês estão tentando esconder o Profeta, porque ele anuncia a fuga de Pettigrew, vocês estão atrasados. Eu já sei dela. - disse Harry se sentando à mesa e se servindo de chá.

-Como... - Sirius tentou se segurar para não dizer nada, mas não conseguiu – como você sabe disso?

-Eu tenho minhas fontes, Siri-Biri. - respondeu o de olhos verdes – a questão agora é, o que fazer com as informações que eu tenho.

-E, que informações são essas, Harry? - perguntou Remus se pronunciando pela primeira vez, o jornal novamente em cima da mesa.

-Você se lembra da conversa que tivemos, Remus... sobre... eu saber de coisas que não deveria...

-É claro! Foram... as tais deusas que te avisaram sobre a fuga? - perguntou o lobisomem.

-Sim... e não. Elas tinham me avisado a algum tempo que isso iria acontecer. Mas eu soube que Peter estava solto essa noite. Eu tive uma visão. Uma visão sobre Voldemort.

-Que tipo de visão? - perguntou Remus se inclinando para se aproximar do adolescente.

-Eu... sonhei. Mas não foi um sonho comum, Remus. Nem um pesadelo. Eu estava lá, de verdade. Isso também aconteceu... da primeira vez.

-Ok. - disse Sirius – eu acredito em você. Mas... o que você viu?

-Peter e Voldy estavam conversando. Falando sobre os planos deles para esse ano.

-Você diz... o torneio tribruxo e o tal espião em Hogwarts? - perguntou Remus se lembrando da conversa que tiveram com Harry há algum tempo.

-Isso. - respondeu Harry – eu preciso da ajuda de vocês. Pra descobrir o que fazer sobre o torneio. Existe algum jeito de impedir que o meu nome saia do cálice?

Remus, Sirius e Harry ficaram jogando ideia de como impedir que um nome específico saísse do Cálice de Fogo, e por mais que eles tivessem algumas ideias realmente interessantes, eram todas impraticáveis, quando levavam em conta que eles não faziam a menor ideia de COMO Crouch Jr. Tinha confundido o objeto. Por fim, Remus percebeu uma outra grande falha nos planos.

-Humm... mas Harry. - disse o licantropo – o que acontece se nós conseguirmos tirar você do torneio?

-Eu não participo. - respondeu o de olhos verdes sem entender.

-Eu sei disso. Eu estou falando dos planos de Voldemort. Se você não participar do torneio, nós não vamos ter mais nenhuma ideia do que ele está planejando.

-Como assim, Moony? Se eu não participar, os planos dele simplesmente deixam de funcionar. - argumentou Harry.

-Acho que não é assim tão simples, Prongslet. - disse Sirius seriamente – Remus tem razão. Nós temos uma grande vantagem sobre Voldy (aliás, nome magnífico pra ele!) porque nós sabemos quais são os planos dele para esse e o próximo ano. Mas se o plano dele falhar, nós perdemos essa vantagem e voltamos a ficar no escuro.

-Eu... não tinha pensado nisso... isso quer dizer que não tem nada que a gente possa fazer? Que tudo tem que acontecer exatamente da mesma forma?

-Não necessariamente. - falou Remus com um brilho maroto nos olhos – o que nós realmente queremos mudar são as mortes e a volta com toda a força de Voldemort, certo? Então tudo o que temos que fazer é mudar os acontecimentos para impedir que Cedrico e Barty Crouch senior morram.

-E talvez de quebra ainda podemos conseguir capturar o traidor do Peter e enfraquecer o Voldy! - exclamou Sirius entendendo onde Remus queria chegar.

-E como nós vamos fazer tudo isso? - perguntou Harry.

-Começando por fazer de você o campeão de Hogwarts no lugar de Cedrico. - respondeu Sirius – se você for o campeão, isso quer dizer que não precisamos nos preocupar de Cedrico acabar estando no lugar errado na hora errada.

-Qual foram mesmo as medidas tomadas pra impedir os alunos menores de se inscreverem? - perguntou Remus.

-Dumbledore desenhou uma linha etária em volta do Cálice. E até onde eu sei, foi só isso. Deve ter sido uma linha poderosa, Fred e George tentaram usar uma poção para envelhecer, e eles só precisavam de alguns meses pra completar dezessete anos... mas eles acabaram com longas barbas brancas. - respondeu Harry tentando se lembrar se mais alguma coisa tinha sido feita.

-Eu vou ter que pesquisar um pouco... mas eu acho que tenho uma ideia de como fazer você ser o único campeão de Hogwarts. - disse Remus – o que mais temos que mudar?

-O que fazemos com Barty Croch Júnior? - perguntou Harry – ele vai impersonalizar o professor de Defesa.

-Que você, por algum motivo, ainda não nos disse quem vai ser! - reclamou Sirius.

-Vocês vão descobrir em algum momento. - respondeu Harry – o que eu quero saber é se vamos fazer alguma coisa pra impedir isso ou não.

-Harry... - disse Remus – nós precisamos dele, pelo menos até você ser nomeado campeão de Hogwarts no torneio.

-Mas e depois disso? - perguntou o garoto – nós realmente precisamos e podemos deixar ele ter liberdade pra fazer o que quiser em Hogwarts o ano inteiro? E depois, se nós o desmascararmos antes, talvez a gente consiga prender Peter e salvar a vida do Crouch Senior.

-Mas como nós vamos saber que Voldemort não usou ele pra mais alguma coisa durante o ano? E se atrapalharmos demais os planos? - perguntou Sirius.

-Até onde eu sei, tudo o que ele fez foi me colocar no torneio e transformar a taça numa chave de portal. Se eu entrar no torneio, e ele for preso, a taça não vai ser transformada e Voldy vai demorar mais um tempo pra recuperar o corpo. Se eu conheço Voldy como acho que conheço, a prisão de Crouch Jr. Vai no máximo atrasar os planos dele. Eu vou continuar a participar do torneio, então ele só vai dar um jeito de fazer os planos continuarem como eram pra ser. Provavelmente dando uma nova chance pro Karkaroff ou chamando o Snape mais cedo.

-Eu não sei não, Harry... - disse Remus.

-Bom... ainda temos tempo pra decidir o que fazer a respeito do júnior... - disse Harry – agora...

Batidas na janela da cozinha atraíram a atenção dos três. Uma pequena coruja entrou assim que uma fresta da janela foi aberta, voando descontroladamente com uma carta presa nas garras.

Harry, que tinha já uma certa experiência com corujar hiper-ativas, conseguiu acalmar a coruja por tempo suficiente para tirar a carta dela.

"Harry,

PAPAI CONSEGUIU AS ENTRADAS — Irlanda contra a Bulgária. Na noite de segunda. Mamãe vai mandar uma carta com Errol para Moony e Paddy perguntando se você pode vir com a gente!

Pensei em lhe mandar este bilhete pela Píchi.

Harry olhou bem para a palavra "Píchi", depois para a minúscula coruja que voava velozmente em volta da luz no teto. Que nome mais esquisito para uma coruja. Talvez ele não tivesse entendido a letra de Rony. Voltou ao bilhete.

Já que Errol vai demorar séculos pra chegar até aí! Se você puder vir, passamos pra te buscar domingo as 5! Mas é claro que Sirius vai deixar você vir, ele não vai deixar você perder o acontecimento do ano! então nos veremos domingo! É só mandar sua confirmação por Píchi!

Hermione está chegando hoje à tarde. Percy começou a trabalhar no Departamento de Cooperação Internacional em Magia. Não fale em ir para o exterior enquanto estiver aqui a não ser que queira que ele lhe arranque as calças pela cabeça.

Até é mais. Rony."

Mostrando a carta a Sirius e Remus, Harry olhou para eles com os olhos brilhando e perguntou:

-Posso ir?

-Fazer essa carinha de cachorro abandonado não vai funcionar com a gente, Harry. - avisou Remus severamente. Mas depois sorriu – mas é claro que você pode ir. Apesar de que já sabe como vai terminar o jogo.

-Eu adoraria poder ir junto... - resmungou Sirius emburrado.

-Não se preocupe, Siri. Eu prometo que gravo tudo num onióculo pra você!

N/a: AH! Reviews são SEMPRE bem-vindos!

Até o próximo cap.