J. K Rowling© teve a ideia maravilhosa de inventar a Pansy.

Escutem You now I'm no Good da Amy Winehouse enquanto lêem.


Ela deu as costas, os passos eram densos e demoraram anos para incidir na minha mente. Só se desenrolariam normalmente quando eu aceitasse que ela me deixou, que ela estava dando as costas pra mim e indo embora.

Para sempre.

Ela voltaria para a sua vidinha normal, para os seus amigos fúteis e saídas constantes, ele voltaria para o luto verde lodo que ela já gostou de ter um dia – nunca vai ter o mesmo sabor depois de mim, mas ela quer – ela quer se ver livre de mim e eu apenas não sei aceitar em meu constrangedor silêncio.

Eu sei que ela não é boa, nunca foi – além de uma droga nociva que eu mesmo procurei, que eu mesmo fui atrás.

Ela como sempre está por cima, mais alta do que seus saltos podem mostrar, ela é bonita, elegante e isso é estranho. É estranho eu admirá-la depois de dois tapas doloridos e avermelhados no meu rosto e sem eu sequer saber o maldito motivo. Os óculos estão tortos e eu ainda estou aqui, com o coração apertando, gritando internamente para que ela retroceda.

Isso dói e vai ser para sempre.

Morto por centenas de vezes, as mesmas centenas que ela quis me deixar, que ela disse acabou, que ela me humilhou, que o sorriso cínico dançou em seus lábios carnudos – os mesmo que beijam o outro e sussurram obscenidades enquanto ela goza até o fim.

Minha gana é de socá-la; mas a vontade de lhe tomar, segurar sua cintura, sentir a quentura da sua pele, de dizer que eu estou errado, mesmo não estando, sobrepuja tudo – até mesmo a minha respiração.

O tempo está lento, talvez tenham se passado 30 anos, ou apenas trinta segundos. Eu não sei. Mas ela continua bela, maligna, sarcástica, mesquinha e egoísta.

Ela disse adeus e passou pela porta já entreaberta – com certeza sabendo que eu correria segundos depois em seu encalço.

O adeus é uma palavra fútil e sem significado nenhum pra mim, eu apenas corri escada afora quando não senti mais o seu cheiro entre aquelas quatro paredes.

Pisaria no meu orgulho manchado de vermelho outra vez e tantas outras que fosse preciso.

Sempre.

Fim.


Tá, essa fic é um fato verídico, ok? Não vou dar mais detalhes =D a única coisa que direi que esse ship é foda e que a Pansy é linda *-* (imaginam a morena! - nada contra loiras, mas o gosto é meu).

Review.