Chamando Todos os Anjos – Esme Pov

O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O

Eu preciso de um sinal para me deixar saber que você esteve aqui
Todas essas fronteiras estão sendo cruzadas sobre a atmosfera
Eu preciso saber que as coisas vão olhar para cima

Porque eu sinto que nós estamos nos afogando em uma tempestade num copo d'agua

Quando não existe lugar seguro e não há lugar seguro para colocar a minha cabeça
Quando você sente que o mundo vibra com as palavras que são ditas

E eu estou chamando por todos os anjos
Eu estou chamando todos por os anjos que

...

Calling All Angels por Train

O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O_o_O
.

22 de junho de 1984
..

Esme POV
..

Este tinha sido o dia mais longo na história do tempo. Estiquei e estralei minhas costas enquanto estava no meu pequeno cubículo fazendo os projetos da Mann & Perkins. Eu estive trabalhando aqui nos últimos dois anos, ajudando a pagar as nossas contas enquanto o meu marido faz o seu caminho através da escola médica. Nós mal nos víamos por causa de nossas agendas e as coisas estavam apertadas no momento, mas algum dia, espero que mais cedo ou mais tarde, nós iremos olhar para trás e sabermos que valeu a pena.

Peguei minha bolsa e corri até meu carro, esperando chegar em casa antes de Carlisle e começar o jantar. O tráfego na Kennedy estava calmo, por isso cheguei em casa dentro de 20 minutos, o que era uma boa meia hora antes do que o Car normalmente chegava. Enquanto me debatia com as minhas chaves no nosso apartamento de dois quartos, pude ouvir o telefone tocar. E assim que a porta se abriu, a secretária eletrônica clicou.

Oi! Você ligou para Esme e Carlisle! Nós não estamos aqui para pegar o telefone, mas deixe um recado e vamos chamá-lo de volta!

"Olá, Sra. Platt. Aqui é Georgiana do Rockford Memorial Hospital. Estamos tentando entrar em contato com você-"

"Olá?" Eu respondi sem fôlego, arrancando o telefone do gancho.

"Oh!" uma voz guinchou surpresa. "Olá, eu estou tentando encontrar Esme Platt, ela está disponível?"

"Eu sou, quero dizer, sou eu. Sou Esme Platt, bem Esme Cullen, agora que estou casada." Respirando fundo, tentei acalmar meus nervos. Carlisle estava no Noroeste, e não em Rockford, a quase duas horas de distância. Não havia nada para me preocupar. "Me desculpe, eu estou incoerente. Em que posso ajudá-la, senhora?"

A mulher do outro lado da linha riu. "Está tudo bem, Sra. Platt, quero dizer Sra. Cullen." Ela suspirou e rapidamente seu humor ficou sombrio.

"Sinto muito, querida, mas eu estou ligando para informar que o Sr. e a Sra. Edward Masen foram mortos em um acidente ontem à noite. Você foi listada como a parente mais próxima da Sra. Masen, mas demorou um pouco para encontrá-la. "

Confusão imediatamente tomou conta de mim. Eu nunca tinha ouvido falar de alguém chamado Masen. Quando eu disse isso a Georgiana, a outra mulher também ficou confusa.

"Sinto muito, Sra. Cullen, mas você está listada como filha de Elizabeth Masen."

Todo o meu fôlego saiu de uma vez dos meus pulmões e eu desmoronei de joelhos. "Está", comecei, então tive que parar para engolir o nó na garganta. "Seu nome de solteira é Parker?"

"Sim, é! Você a conhece, afinal?"

"Sim", eu respondi em um sussurro. "Ela é a minha mãe biológica, que me deu para adoção. Eu nunca a conheci, então eu não sei porque ela me listou como seu parente mais próximo."

"Oh claro," a mulher murmurou. "Isso complica as coisas", ela suspirou.

"Por quê? Qual a complicação?" Confusão não era uma emoção com a qual eu me dava bem.

"A Sra. Masen estava grávida de nove meses. Os médicos foram capazes de salvar a vida do bebê, mas não dos pais, infelizmente. Desde que você é a única parente próxima listada, precisávamos de entrar em contato com você sobre o futuro do bebê".

"Eu? Como eu posso decidir sobre o seu futuro? Eu não sei nada sobre ele."

A ansiedade começou a subir na minha espinha. Essas pessoas eram loucas? Esse garoto não era minha responsabilidade.

"Bem, nós normalmente não falamos com tanta franqueza sobre o telefone sobre esses tipos de assuntos, mas eu sei que você está longe e que isso está sendo um choque para você, Sra. Cullen. Suas opções são bem curtas e secas. Você pode optar por assumir a custódia do bebê ou assinar largar mão de seus direitos. De qualquer maneira, nós precisamos que você venha aqui para o hospital. "

Meu coração começou a doer por este menino que tinha acabado de perder toda a sua família de uma vez só. "O que acontece com ele se eu não ficar com ele?"

"Ele vai ser colocado em custódia da justiça e em um orfanato até que uma adoção possa ser arranjada."

Eu sentei no sofá, correndo a mão pelo meu cabelo.

"Vou precisar de discutir este assunto com meu marido quando ele chegar em casa, mas já que amanhã é sábado, vamos ser capazes de ir ai de manhã. Tudo bem? Posso lhe dar a nossa decisão, então?"

"É claro que sim Sra. Cullen. Eu sei que isto não é uma decisão que você pode fazer de ânimo leve."

"Ok, eu vou estar aí amanhã."

"Tenha uma boa noite, senhora."

"Obrigado, adeus."

Estendi a mão e pendurei o telefone na sua base, me sentando, na mesa ao lado do sofá.

"Então, para onde estamos indo amanhã, Es?"

Olhei para a porta, e vi meu lindo marido, parecendo exausto, mas felizes em me ver como sempre. Culpa imediatamente me atormentou por todos os lados. Eu me senti mal por esse garotinho, meu irmão, mas não havia nenhuma maneira que pudéssemos lidar com um bebê agora. Percebendo minha angústia, Carlisle rapidamente caminhou e se sentou perto de mim, me levando em seus braços.

"Oh, Essy", ele murmurou. "O que está errado, baby?"

Enquanto eu derramei meu coração, compartilhando todos os detalhes do telefonema, ele ouviu atentamente e pacientemente.

"O que você quer fazer, amor?" ele respondeu suavemente. "A escolha é sua e eu vou apoiá-la em tudo o que você escolher."

Revirei os olhos e me afastei em aborrecimento. "Não, Car. Esta é a nossa decisão. Somos um casal. Eu não posso fazer esse tipo de escolha, sem a sua opinião."

Ele sorriu tristemente e gentilmente colocou uma mecha de cabelo atrás da minha orelha. "Essy, será difícil, mas nós temos que procurar uma maneira de gerenciar isso. Sinceramente, eu ficaria muito bem com qualquer decisão que você tomar. Se você quer trazer ele de volta para casa com a gente, eu vou amá-lo como se ele fosse meu. Se você optar por mandá-lo para o estado, eu vou segurar sua mão."

Pisquei as lágrimas e segurei seu rosto em concha. "Por que você sempre tem que ser tão perfeito?"

Ele me beijou suavemente. "É porque você tira o melhor de mim, meu amor. É fácil de ser tudo para você."

Eu descansei minha cabeça contra sua em agonia, rasgando minha alma para longe. "Nós não podemos", eu sussurrei entrecortada. "Estamos juntos há pouco tempo não temos o suficiente. Entre o meu trabalho e sua graduação, já estamos fora dos limites. Um bebê seria desastroso."

Quando eu quebrei em soluços, ele passou os braços em volta de mim e acariciou minhas costas em conforto.

"Ssh, está tudo bem, baby. Tudo vai ficar bem."

"Então, por que me sinto tão mal?"

Seu peito se moveu quando ele riu um pouco. "Você tem um dos maiores, e mais compassivos corações que eu já vi, Esme. É uma das coisas que me fez apaixonar por você. Você não seria você, se isso não estiver fazendo o seu coração doer . É uma escolha difícil, mas como eu disse, eu estarei ao seu lado. "

"Eu te amo, Car," eu sussurrei, colocando meus lábios contra seu pescoço.

"Eu também te amo, Es."

.
O _ o _ O _ _ o _ o _ O _ O _ O _ o _ o _ o _ O _ O _ O _ o _ o _ o _ O _ O _ O _ o _ o _ O _ O _ o o _ O
.

Carlisle me olhava com diversão enquanto eu andava para lá e para cá na sala de espera da UTI Neo-Natal de Rockford.

"Es, acalme-se. O assistente social estará aqui em breve," ele falou com uma voz suave.

"Eu sei, eu sei", eu respondi em agitação. "Eu só quero terminar isso logo."

Uma mulher Afro-Americana alta virou a esquina e se caminhou direto na nossa direção. Ela sorriu gentilmente e estendeu a mão.

"Sr. and Sra. Cullen? Sou Elaine Smith, a assistente social aqui no Rockford Memorial".

Carlisle sorriu e abanou a mão, enquanto o meu olhar deslizou até as portas de correr que nos separavam da UTI Neo-Natal. Alguma coisa estava me puxando para lá, como uma corrente invisível.

"Es?" Carlisle chamou, me quebrando dos meus pensamentos.

"Desculpe, sim?"

A Sra. Smith sorriu. "Eu só estava perguntando se você tem a sua decisão?"

"Sim, Eu-" A minha voz congelou na minha garganta e eu era incapaz de continuar, todo o meu corpo estava sendo puxado em direção ao quarto com todos os bebês pequenos. Comecei a me perguntar se isso era algum tipo de sinal.

Como se ela pudesse sentir o meu dilema, a assistente social fez um sinal para as portas. "Você gostaria de conhecê-lo primeiro?"

Alguma emoção desconhecida deflagrou no peito e por uma fração de segundo, eu queria virar e fugir. Como se de alguma forma eu soubesse que esse era o momento que iria mudar minha vida. Olhei para meu marido em busca de apoio e ele assentiu. Nervosamente brincando com meus dedos, eu segui a mulher para o quarto, branco estéril.

Toquei sua mão pequena com meu dedo, antes de levantá-lo delicadamente de seu bercinho. O coloquei em meus braços e os nossos olhos se conectaram.

Há momentos em que você lê nos livros, e coisas que você acha que só acontecem em filmes, mas quando meus olhos pousaram sobre os pequenos olhos de azuis*, meu mundo se moveu em sua orbita. Lágrimas escorreram pelo meu rosto e eu sabia, eu sabia, que eu não podia ficar longe dele.

Ouvi a voz alegre do meu marido da porta e olhei para cima, certo de que a admiração e reverência estavam emanando do meu rosto.

"Eu acredito que nós somos seus novos pais?" ele brincou, andando para olhar para a criança em meus braços. Ele estendeu a mão e acariciou suavemente a bochecha do bebê, fazendo ele dar um bocejo largo.

"Olá, filho," ele murmurou, envolvendo um braço na minha cintura.

"Filho", eu repeti, testando a palavra na minha língua. Nada jamais pareceu mais certo.

Eu olhei para Carlisle, meu coração pronto para estourar de amor e alegria. "O que eu estava pensando, Car? Podemos fazer isso. Nós vamos lhe dar uma vida boa."

Meu marido, minha rocha e maior defensor, simplesmente sorriu e beijou minha testa. "Sim, nós vamos, Esme."

"Como vamos chamá-lo?" Eu perguntei, mais para mim mesma.

"Bem, por que não o nomeamos em homenagem ao seu pai?"

"Edward Anthony Masen Cullen." Sussurrei. "Isso é grande, mas eu acho que é perfeito para ele."

Os olhos azuis de Edward lentamente se fecharam, e pequenino de adormeceu nos meus braços.

"Este é apenas um novo começo, Esme."

Eu olhei para meu marido e sorri, com lágrimas de felicidade escapando dos meus olhos, ele balançou a cabeça.

"Um novo começo para o nosso anjinho."

.
O _ o _ O _ _ o _ o _ O _ O _ O _ o _ o _ o _ O _ O _ O _ o _ o _ o _ O _ O _ O _ o _ o _ O _ O _ o o _ O
.

N/A:

*Para o caso de alguém questionar que o Edward tem olho verde não azul, quase todo bebê de olho claro nasce com ele azul e depois de uns 3 meses é que toma a cor real. Não sou geneticista então não me perguntem rs!

Obrigado a IAmTheAlleyCat fez um banner muito para o nosso bem outtake http: / / tinyurl. / 3gorees (Apenas remova os espaços do link)

N/T: Estou tão emocional. Ahhhhhhhh chorei litros ºwº

Quem me conhece sabe que eu sou TOTALMENTE Team Esme e Carlisle *-*

E esse outakke, sem palavras, eu não mandei nota na maioria dos outros, mas eu amei traduzi-los para vocês, se a autora postar mais algum, com certeza traduzirei e mandarei para a Leili postar. Babyward não merece muitas reviews?

Beijos Lary Reeden


Bem tecnicamente os Outtakes acabaram, a autora não postou mais nada então encerramos por aqui. Caso a autora poste mais algum iremos postar aqui.

Quem estiver interessado em uma fanfic Dadward, eu a Lary e a Ju estamos traduzindo uma: Waiting for Dr. Right www(.)fanfiction(.)net/ s/7591748/1/

Passem lá! A fic é linda :)

Beijos

xx