Disclaimer: X-Man – First Class não me pertence... dãh.

Shippers: Charles x Erik

Categoria: Romance, Humor, Yaoi (Slash)

Classificação: +14

Beta Reader: Nope!

Sinopse: Erik continua se esquecendo de vigiar os próprios pensamentos perto de Charles.

Notas: Eu não devia estar postando isso. Eu não devia nem ter escrito isso, devia estar fazendo um trabalho que é pra ontem! Mas aí eu li um quadrinho e, hum, instinto yaoi aflorou subitamente e foda-se também. *sente falta de escrever*

Sorry Maçã! Eu juro que estou tentando de verdade!

There's a First for Everything

- Você sabe que isso é ilegal na maioria dos estados americanos, não sabe?

Erik engoliu em seco e virou o rosto rosado para o belíssimo jardim da mansão Xavier. Era difícil conseguir controlar os próprios pensamentos o tempo todo, e quando Charles começava a explicar todas as teorias geneticochatomoleculares por trás de suas descobertas sobre mutantes, era quase impossível impedir a mente de vagar por lugares onde ele costumava ir, digamos, sozinho.

- Não sei como a pobre Raven pode ter uma vida com você por perto. – respondeu com a voz arrastada, fingindo que não se importava com o fato de Charles ter visto todas as coisas que estava imaginando a poucos minutos atrás.

- Eu prometi a Raven que nunca leria a mente dela.

- Seria bom se me prometesse a mesma coisa.

- Sabe que não posso fazer isso.

Erik apenas ficou calado, ainda olhando os jardins. É claro que Charles não tinha nenhum motivo para confiar nele. Ainda assim, eles eram... bem, eles eram iguais! Mutantes, poderosos e... abertos a novas experiências.

- De qualquer modo eu me sinto lisonjeado. – disse Charles, quebrando o silencio desconfortável. Erik virou a cabeça apenas para ver que agora era Charles que tinha as bochechas rosadas. – Mas não acho que eu consiga dobrar as costas deste jeito.

- Nunca saberemos, não é mesmo? – respondeu Erik, com um meio sorriso, e afastou-se lentamente em direção as portas de entrada da mansão, mas parou no meio do caminho e virou o rosto.

Charles levou um susto quando algo gelado encostou no interior de suas coxas, perto da virilha. Ao olhar para baixo viu uma das barras de metal da sacada onde estava apoiado se enroscando e se retorcendo perto de suas partes baixas. Tocando. Seu rosto assumiu um profundo tom de vermelho e Erik riu, enquanto deixava sua mente se inundar de pensamentos bem pecaminosos, que ele tinha certeza, Charles podia ver.

- Ah sim, a propósito, eu consigo dobrar as costas desse jeito. – disse casualmente, e no segundo seguinte estava caminhando inocentemente de volta para a mansão, a barra de ferro tão imóvel e inofensiva quanto sempre fora.

Mais tarde, quando tomava banho e se preparava para o jantar, Erik descobriu novos e incríveis significados para as palavras "mentalmente fodido", e ninguém realmente entendeu porque ele estava com um humor tão bom naquela noite.

Bem, quase ninguém.