Victoire enrolou os dedos no cabelo azul e arrepiado. Acariciou a cabeça que descansava no seu colo. Mirou os olhos que encontravam os seus e sorriu.

Eles eram escuros e azuis, cerrados por um sorriso. Em um segundo fechados.

Mas nem sempre fora assim.

Ela se lembrava muito bem de sua infância e se perguntava sempre o motivo por trás das constantes mudanças. Muitas vezes Ted pendia todo para uma cor, duas ou três.

O direito verde e o outro castanho, metade de seus olhos roxos e a outra negra. Era estranho. Era inesperado. Talvez fossem só testes.

O cabelo variava. Certos dias era até mesmo castanho. Mas nos outros era de todas as cores e nenhuma.

Era tão volúvel. Quando ela olhava Ted nunca sabia se o veria daquela mesma forma ou se da próxima vez ele seria em todas as cores diferentes.

Certa vez, quando ele ainda tinha cinco anos -há mais de dez anos- , Victoire lhe perguntara se quando ele se olhava no espelho se reconhecia. Perguntara qual entre tantas tantas era a sua cor preferida. Se ele não seria fiel à uma única por mais de uma vez.

Ted sorrira. As cores lentamente correndo por sua palheta pessoal.

Turquesa. Brilhante sob a luz do sol daquele verão.

Depois ele a puxara pelo pequeno pulso e correram pela areia até a casinha na beira da praia. Pararam somente quando alcançaram o pai de Victoire, bem à frente deles. A face decidida emanava brilho dos olhos escuros quando Ted pediu permissão para Victoire ser sua noiva. Porque segundo as novelas da vovó Andy a noiva era sempre a mais feliz. Porque Ted Remus Lupin só queria que Victoire Wesley fosse a mais feliz.

A mãe e o pai riram. E acharam que era muito cedo para decisões desse tipo.

Infantil. Impensado.

Entretanto, desde aquele dia Ted não mudara. Era sempre o mesmo e Vic poderia dizer cada detalhe do seu rosto, cada sombra em seus orbes.

Victoire enrolou os dedos no cabelo azul."Por que desde aquele dia você nunca mais mudou as cores?"

Ela sussurrou, permitindo que a sentença deixa-se sua mente.

Abriu os olhos escuros e intensamente azuis. Como os seus. Nossos.

Ted sorriu para logo depois levantar um pouco o rosto e beijá-la.

E Victoire ouviu a resposta.

É porque sou seu.

N/A: Curtinha e apareceu do nada. Mentira, apareceu da maldita pré-estréia que não tem previsão de vendas...

Reviews?