Só uma coisinha que criei enquanto brigava com um carrinho na biblioteca onde trabalho...


Porque carrinhos têm vida própria ( capítulo único )


Bufou pela enésima vez nas poucas horas em que estava guardando livros, enquanto tentava fazer o carrinho andar direito, sem enguiçar ou bater nas paredes da biblioteca. Alguns usuários estavam começando a encará-la, pensando no absurdo que era uma bibliotecária fazer barulho dentro da biblioteca.

"Vão se ferrar todos vocês!", pensou, enquanto brigava com o carrinho. Nunca pensou que na sua vida profissional fosse encontrar ferramenta tão teimosa e desafiadora quanto aquele carrinho de livros.

"Vamos, vira pra direeeeeita!".

Enquanto tentava de todas as formas - controle de mentes e vudu inclusos - movimentar o carrinho de maneira satisfatória, Iku viu o salvador do seu dia (na figura de seu namorado) se aproximar com um olhar curioso, perguntando:

- Problemas com o carrinho?

- Sim, consigo fazer com que ele vire... Acho que enguiçou!

Não, ela não iria trocar de carrinho. Botar todos aqueles livros em ordem foi um martírio grande demais devido ao fato de que todos os autores se chamavam Kishimoto, e estranhamente quase todas as suas obras começavam com "Ru". Observou como Dojo analisava o carrinho e se surpreendeu quando ele simplesmente começou a girar o carrinho, terminando em um ângulo de cento e oitenta graus.

- Da próxima vez, verifique se as rodinhas da frente são as que se movem para os lados. - concluiu o bibliotecário mais velho, sorrindo.

Iku ficou olhando-o ir embora, enquanto se repreendia.

"COMO EU NÃO PENSEI NISSO ANTES?".

É. Essa é uma das grandes questões da Humanidade...


WeaselKisses
;****