Disclaimer: Como todos sabem esses personagens são da tia Steph, menos os vários filhotinhos de Bella, que pertencem a Nihal Riddle que me permitiu gentilmente que traduzisse essa fic.


Quero agradecer a todos que leram, deixaram review, colocaram em alertas e nos favoritos. MUITO OBRIGADA! Esse é o final desta delícia aqui e promete surpresas. Estou pedindo pelo menos um outtake à autora, vamos esperar. Obrigada e sem mais delongas, vamos ao capítulo final.

Epílogo: Mais cachorrinhos!

Um dia normal como todos os outros na vida da família Black, como sempre há um ano. Três comiam como se nunca tivesse comido na vida, isso incluía Jacob, Libem com oito anos e o pequeno Scott de três anos que apesar de sua pouca idade, comia por três. Era um menino de pele branca e olhos chocolate como sua mãe, tinha o cabelo castanho acobreado como sua irmã, mas claro que coberto por um boné virado para trás. Também estava uma menina de uns dois anos sentada na cadeira de bebês sujando seu pai com purê de cenouras, essa pequena era exatamente igual a sua mãe, cabelo castanho e olhos chocolate, mas seu vestido já parecia uma obra de arte com toda a comida. Além de Bella, era a única pessoa normal na casa por assim dizer.

Libel olhava sua tarefa enquanto comia, como odiava matemática, nunca iria entender. Olhava para seu irmão que ao invés de comer, brincava de fazer bolas de metal manipulando os talheres, catapultando os brócolis para fora da janela atravessando círculos de água que ele sustentava no ar.

Papai, Scott está jogando comida pela janela com a mente outra vez- disse Livel enquanto guardava a folha em sua mochila.

- Scott para de brincar com a comida- repreendeu Jacob enquanto continuava a tentar alimentar Nicole.

- Não gosto de brócolis puro, quero com queijo derretido- disse Scott com uma expressão de nojo. Tinha o dom da telecinésia (capacidade de mover fisicamente um objeto com a força da mente, fazendo-o levitar, mover-se ou apenas ser abalado pela mente) e o mesmo poder de manipular ou criar como sua irmã, mas ele só podia com a água.

- Sim eu sei mas sua mãe não está em casa agora.

- Já sabemos, foi ao hospital fazer alguns exames- repetiram os dois irmãos voltando a brincar cada um com sua comida mas não demoraram muito em brincar com eles fazendo animais com água e fogo. Se olharam comum sorriso travesso e se colocaram em estremos opostos, começando a jogar baseball com uma bola de água e taco de fogo, tendo a mesa como campo. De vez enquando faziam a vida de seus pais praticamente impossível, quando estavam entediados.

- Outra vez não- disse Jake já cansado das travessuras destes dois e em soma a bagunça com a comida de Nicole, isso era um caos. Se Jasper ou Emmett estivesse aqui, poderiam detê- los com mais facilidade, mas os Cullen tinham se mudado para o Alaska por alguns anos, mas pensavam em voltar logo.- Scott! Libel! É hora de comer e não de brincar- mas parecia que se faziam de surdos até que escutaram o assobio da boca de Bella que acabara de chegar.

- Três strikes para cada equipe, os dois estão de castigo pelas próximas três horas- exclamou Bella já acostumada com essas coisas. Atrás dela entravam Paul e Leah sentando- se nas cadeiras livres. Leah tinha tido um imprintting com Scott há três anos, algo que havia deixado a quase todos felizes; Jake tinha ficado nervoso por que seu filho agora estava marcado, mas quando soube que Nicole iria nascer e não tinha o gene ficou um pouco aliviado- Isso é o cúmulo, não posso sair nem para ir ao médico que já aprontam.

- Sinto muito mamãe- disseram ambos os irmãos. Mas Scott notou algo que os outros não tinham visto.

- Por que está mais gordinha mamãe?- disse o pequeno apontando para ela, Jake parecia gritar algo mentalmente.

-São seus novos irmãozinhos- se escutou como se algo caísse no chão, Jake tinha desmaiado e estava no chão.

-Morreu? – perguntou Nicole olhando seu pai.

- Como? Que irmãos?- exclamaram os dois maiores.

- Não sabia que Jake era tão fraco.- disse Paul com um sorriso debochado.

- Não Nicole, não morreu e vocês dois, quero que amadureçam, vão ter três irmão mais novos agora, assim se comportem como tal.

-Mas...

-Mas nada- disse Bella se aproximando de Jake, realmente seus filhos eram um caos completo mas os amava de todo o coração. Todos eram diferentes em sua forma de ser, Libel é entusiasmada e brincalhona, Scott era tímido, mas inteligente e Nicole ainda que gostasse de ser o centro das atenções dos mais velhos, ainda era uma menina educada como seus irmãos. Esperava que agora seus novos filhos também fossem lobos tão únicos como eles.- Jacob Black, acorde!- o sacudindo um pouco para que se levantasse.- Paul o leve até o banheiro e ligue a água fria que isso o acordará.

- Sim capitão- disse ele e o arrastou escadas à cima com a ajuda de Leah seguidos dos dois maiores que queriam ver a cena.

- Olha como ficou Nicole- carregou Nicole a tirando da cadeira- parece uma cenoura ambulante- provocando a risada da pequena e foram para o quarto desta para lhe dar um banho. Isso a fez recordar de quando Nicole nasceu e a primeira vez que viu a natureza suave e terna de sua filha.

Era quatorze de março, o dia que Nicole tinha nascido.

Paul e Leah levavam os irmãos Black para ver sua irmãzinha no hospital; Leah levava Scott de um ano, nos braços e Paul levava Libel nos ombros. Quando chegaram a seu quarto tiveram que esperar um pouco para que terminasse de arrumar Bella, deixaram os irmãos no chão e Scott correu um pouco pelo corredor até para na frente de outro quarto ficando no quarto da avozinha.

-Olá pequeno- sorriu a vovozinha prostrada em uma cama e conectada a muitos aparelhos, tinha o aspecto frágil e débil.

-Ao- disse com a mão na boca.

-Sabe? É o primeiro que veio me visitar em muito tempo, com certeza é um anjinho caído do céu- acariciou debilmente a cabeça do pequeno.

- Por que está cansada?- perguntou o menino enquanto Leah que o havia encontrado o agarrou pelo braço-Aqui está você, Scott- sorriu a garota- não incomode a senhora.

- Não se preocupe, não me incomodou. Agradeço que tenha vindo me ver uma criatura tão doce, como se fosse um anjo. Obrigada aos dois- antes que Scott e Leah se fossem, o pequeno pegou uma flor que tinha trazido para sua mãe e a deixou na mesinha de cabeceira da vovozinha.

-Nos veremos outra vez- disse o menino e ambos se foram.

Nesta mesma noite a vovozinha morreu mas com um sorriso no rosto. Scott a tinha feito feliz só por tê- la visitado aquele dia. Demostrando o calor e a esperança que emanava de seu coração. Muitas vezes esse calor fazia Bella se lembrar do mesmo que emanava de Jacob, alegria como se fosse um sol particular e unicamente dela. Agora estava naquele pequeno, herdado de seu pai.

Os meses se passaram e os gêmeos já tinham seis meses completos, o pior de tudo é que a casa voltaria a ser seu caos habitual mas os irmãos mais velhos já estavam acostumados aos gritos contínuos e choro de seus irmãos. Nicole ainda lhe dava um pouco de trabalho, mas com Lilen de seis anos e Emily com o pequeno Tobias de três sempre ajudavam Bella com seus filhos. Ter cinco filhos e cuidar de cinco garotos da alcateia não era algo fácil pelo visto, com os vampiros ainda rondando ficava ainda mais difícil o trabalho do pai de família de Jake mas ainda assim gastava cada segundo de seu tempo livre com sua família.

Um dia, Libel saia da escola depois das aulas, já estava com nove anos, podia manejar melhor seus dons mas fazia pouco mais de três anos que Alec e Jane voltaram para Volterra para dar informações a Aro. Esse sai sua mãe lhe disse que Alec iria por ela e que nesse mesmo dia voltaria a Forks. Enquanto caminhava reconheceu a figura de Alec e Jane perto de um carro que a esperavam.

- Olá pequena- disse Alec abrindo a porta para Libel, como sempre cavalheiro e já entravam com sua irmã. Ainda que fossem professores e aluna tinham uma relação um pouco amistosa e com seus pais um tanto cordial mas, ainda não gostava da presença deles.

- Olá Alec e Jane- sorriu enquanto arrancavam com o carro e começavam a voltar para a reserva.

- É verdade que sua mãe teve mais três filhos?- Jane disse sem nenhuma emoção na voz.

- Sim, Nicole é uma menina normal, Alexandre é um lobo também que pode criar escudos mentais e seu irmão gêmeo Andrés pode sentir os sentimentos das pessoas através de sua voz.

-Interessante- disse Alec enquanto descia do carro depois de abrir lhe a porta. Entraram na casa onde havia um silêncio pouco habitual a exceção de uma menina de três anos que corria seguida de um menino de cabelo preto engatinhava a seguindo pela casa. Nicole acabou batendo na perna de Alec.

- Ai dói!- se queixou apequena olhando para cima e ruborizando ao ver Alec. Ela sentiu como seu coração acelerava rapidamente e seu rosto ficava de um vermelho tomate. Em cambio Alec sentia por uns segundos como se seu coração voltasse a bater, como se essa menina o tivesse trazido de volta à vida só em ver- la; seu cheiro, seu sangue isso era insuportavelmente delicioso a pesar de haver se acostumado a beber o sangue de animais- Oi, sou Nicole Marie- sorriu.

- Alec- a voz também era uma tortura.

- Está bem Alec?- disse Jane olhando para seu irmão e a menina sem entender o que estava acontecendo, quando sentiu que alguém agarrava sua perna direita. Baixou o olhar encontrando com o pequeno Andrés agarrado a sua perna de manheira carinhosa, este a olhou diretamente nos olhos e neste instante sentiu o mesmo que Alec com esse menino. Mas parecia não entende- la e se sentiu estranha assim que não aceitava facilmente – Ah! Que coisa é essa?

- É meu irmão mais novo, Andrés- respondeu Libel.

- Parece que já tem um namorado Jane- brincou Alec.

- Jane! Jane! – dizia o pequeno abraçando ainda com mais força a perna de Jane.

-Sou Jane !- o soltou e começou a caminhar rapidamente para que a deixassem paz, mas ele tinha se enganchado a sua capa assim como Alexandre que era idêntico a ele, eles só riram ainda grudados em sua capa.- "Chega, me soltem" Diante da risada da família que via a cena ainda havia alguém receoso com o que acabara de acontecer.

- Jake querido, está bem?

-Sim, só não gosto disso- olhando com ciúmes para Nicole e Alec- sempre pensei que ela poderia ser normal e feliz, mas olha agora.

- Aceite, não somos normais- dando um beijo cálido em Jake- somos felizes tal como agora.

FIM


N/T: Eu sei, também fiquei assim. Mas estou no pé da autora para ver se teremos um outtake.

Quem gostou levanta a mão o/.

Beijos , LU.