Silvershine, thank you so very much for letting me translate your (second) work. They always amaze me, I can read them over and over again and never have enough :D


Amoras!

Hime está tão feliz em trazer essa fanfic para o Português!

Há meses estou pra postar o primeiro cpt, no entanto, queria terminar a tradução de "Apenas Persuasão" que por sinal também é da autora Silvershine.

Lembro-me que quando tive a oportunidade de conhecer os escritos dela fiquei encantada. A moçoila sabe como atrair o leitor.

Pedi à autora autorização para traduzir alguns de seus trabalhos logo no início de 2011 e vejam só, cá está o primeiro capítulo prontinho :D

.

Essa tradução dedico à Anju Hime/ Minto-chan. Leitora fofa que adoro desde o nyah :)

.

Espero que curtam e deixem recadinhos pra motivar a tradutora :D

E fiquem com o 1º cpt de The Window (A janela.)


Para Anju Hime

.

The Window

.

Tradu-adaptação por Kahli Hime.

Uma tradução autorizada pela autora SilverShine.

.

Primeiro capítulo.

A importância de ser pontual.

.


Foi decidido no dia anterior que todos eles se encontrariam na ponte, às nove horas da manhã antes de sair juntos em sua missão ranking-A.

Às dez horas, três dos quatro membros da equipe chegaram de três direções diferentes. O quarto estava desaparecido, mas já era de se esperar. Seu nome era Hatake Kakashi, embora a maioria das pessoas simplesmente o conhecesse como o Ninja Copiador. Seus companheiros de equipe só se referem a ele como 'o atrasado'.

- Ele está atrasado de novo, sabia.

- Eu sei.

- Ele está sempre atrasado.

Onze horas soou e Kakashi ainda estava atrasado.

Sakura encostou-se nos trilhos de madeira ao longo da ponte, observando os reflexos das nuvens escassas pouco acima de si, à superfície do rio. Sasuke apoiou-se ao longo dos trilhos ao seu lado, de frente para ela, mantinha os olhos fechados e os braços cruzados. Sakura estimou que a paciência do Uchiha duraria por uma hora, pelo menos, antes que ele começasse a explodir em frustração, sentimento que provavelmente estaria tendo no momento. Então, começaria a reclamar que estavam perdendo um tempo precioso à espera de seu líder quando poderiam estar aprimorando suas habilidades como ninja.

Naruto, por outro lado, não teve escrúpulos em tentar manter sua impaciência para si mesmo. - Onde ele está? - gemeu, indo para as grades do lado oposto ao de Sakura, martelando-os com os punhos. - Ele nunca chega tão atrasado!

Sakura suspirou, um pouco preocupada com a missão, o suficiente para sentir-se indignada tal qual Naruto. Honestamente, ela estava mais irritada com o seu ritmo constante e a incapacidade de ficar parado por mais de dois minutos. - Ele provavelmente esqueceu de novo. - Sakura disse sem rodeios, o queixo apoiado em uma palma virada para cima.

- Provavelmente adormeceu lendo seu livro como da última vez.

- Alguém deveria ir dar uma olhada nele.

Foi uma sugestão e não particularmente sutil. Naruto, de repente, ficou estranhamente quieto enquanto seus olhos percorriam pelas sombras das casas ao longo da margem, aparentemente preocupado demais com seus pensamentos para tê-la ouvido. Sasuke simplesmente não se moveu ou emitiu qualquer som, ignorando-a completamente.

- Ótimo. - a kunoichi disse com um grunhido irritado. - Eu vou.

- Obrigado, Sakura-chan! - Naruto aplaudiu quando ela o empurrou para longe dos trilhos e começou a se afastar.

- Verifique o apartamento dele, Sakura. - Sasuke instruiu.

Garotos! Foram os primeiros a ficar impacientes quando Kakashi não apareceu, mas preferem se sentar na ponte e não fazer nada do que ir buscá-lo eles mesmos.

Sakura revirou os olhos em desgosto, irritada com a totalidade do sexo masculino. Confiar que Kakashi não se atrasaria numa missão simples ranking-A. O homem era um baita de um preguiçoso!


O apartamento de Kakashi ficava em um dos bairros mais antigos de Konoha, onde as casas eram velhas e baratas e remendadas com todos os tipos de materiais estranhos. Tudo parecia uma manta de retalhos. O novo colidia com o velho conglomerado de peças de reposição, mas o efeito era singular. Parecia agradável e acolhedor. Tudo foi construído juntinho e em cima um do outro, com pequenos jardins cercados com bambu - e se não havia espaço para um jardim, havia vasos de plantas simplesmente adornando as portas. Todos pareciam ter um gato deste lado de Konoha, que podiam ser vistos tanto vagando constantemente ou drapejando sobre pórtico de alguém ou o peitoril da janela, tomando sol sob os raios de luz que vinham quebrados pelas frestas da parte superior dos edifícios.

Kakashi não tinha um gato, pelo que Sakura sabia, e apesar de sua afinidade natural com os caninos, Sakura imaginou que ele se daria muito bem com um felino. Eles eram muito parecidos; preguiçosos, independentes, limpos e passíveis de dormir o dia inteiro se tivessem a oportunidade.


Não sentindo a necessidade de apressar-se, Sakura parou numa máquina de Capuccino no final da rua de Kakashi. Apertou o botão indicado de sua bebida preferida, chocolate quente e encostou-se no painel de vidro para beber e olhar para a rua do complexo onde o apartamento de Kakashi estava localizado. Ela já havia visitado algumas vezes num passado distante, então sabia qual era a sua janela. Estava um pouco escura por causa do varal e de alguns cabos de eletricidade, mas ela viu que naquele momento a janela estava aberta, o que significava que ele provavelmente estava em casa.

- Inacreditável. - murmurou para si mesma, tomando mais um gole e fechando os olhos. O dia quente e a noite mal dormida a tinha deixado um pouco cansada e facilmente irritável. Ela não tinha qualquer dúvida de que quando chegasse lá encontraria Kakashi dormindo em seu sofá com um livro sobre o rosto. Se tivesse sorte, poderia até pegá-lo sem sua máscara.

Mas não era esse tipo de dia. Sakura sabia desde o momento em que bateu com o cotovelo no batente da porta quando saiu de seu apartamento naquela manhã. Sabia que seria um dia ruim. Em todo caso, ela simplesmente não estava com vontade de ver qualquer coisa sob uma perspectiva positiva, até que tivesse uma noite de sono decente.

Finalizando sua bebida, esmagou a lata e a jogou no lixo ao lado da máquina, em seguida, começou a subir a encosta suave em direção ao ap de Kakashi. Ela não se preocupou em tocar a campainha. A campainha tinha permanecido quebrada pelos últimos três anos e ele nem sequer se preocupou em consertá-la. Se alguém quisesse vê-lo, teria que subir pela escada de incêndio e bater em sua janela.

Sakura não se importou de tomar as escadas. Simplesmente transportou-se para cima em seu esplendoroso estilo ninja e atravessou a grade de metal diretamente para a janela de Kakashi. Sua mão agarrou sobre metal e ela abriu a boca, prestes a chamar por ele.

Mas o coração dela parou e sua voz morreu.


Ela não precisava chamá-lo porque ele estava bem ali, na frente dela, em sua cama logo abaixo da janela.

E ele não estava sozinho.

De joelhos diante dele com o rosto pressionado contra o travesseiro havia uma mulher, gemendo alto toda vez que os quadris masculinos eram empurrados contra os ela. Ambos estavam completamente nus e muito envolvidos em sua atividade para terem notado a presença de Sakura, o que foi uma grande bênção, pois a Kunoichi não achou que poderia se mover de onde estava.

Seus olhos estavam fixos nos de Kakashi, em sua estrutura magra e definida - nos quadris flexionados que languidamente chocavam-se contra a mulher. Varias e varias vezes empurrando-a em seu travesseiro, estocando e voltando num vai-e-vem incessante. A mulher aproveitava de todo aquele corpo firme e masculino. Era preocupante, assistir algo tão cru e intimista como isso, mas Sakura não podia dizer que não era hipnotizante.

Kakashi só precisava levantar sua cabeça para vê-la, mas seus olhos estavam fechados em concentração e prazer.


E como se uma onda de choque a tocasse, Sakura percebeu que ele não estava usando sua máscara. Seu rosto estava exposto ao olhar faminto de Haruno e ela foi tomada pela visão de um nariz reto e pálido, lábios que se separaram um pouco para permitirem uma respiração que provavelmente não partia dos pulmões (talvez de suas calças).

E depois de outra onda de choque, Sakura percebeu algo mais. Ela conhecia aquela mulher. Kimura Yoshi. Senhora Kimura Yoshi, esposa de um dos mais renomados membros do clã Kimura. Não é um clã poderoso, mas ainda assim bastante rico. Todo mundo sabia que o integrantes do clã se casavam mais para a aparência e por dinheiro do que por amor ou outras qualidades, e Kimura Yoshi não foi uma exceção à esta regra.

Sakura sabia que deveria sair, mas agora estava com muito medo de se mover. Ela só teria de dar um passo em falso e toda a plataforma em que estava começaria a ranger, alertando Kakashi de sua presença. Não importa o quão despreocupado parecia, ainda assim ele era um ninja.


Seus movimentos foram acelerando. Os suspiros da mulher estavam se transformando em gritos altos. Kakashi jogou a cabeça para trás e estocou de forma mais rápida e implacável do que antes.

Aquilo era demais para Sakura assistir. Inconscientemente, deu um passo para trás, sua mão segura firmemente na grade de ferro atrás de si. A alça de metal de seu anel bateu contra o trilho provocando um som audível.

Os olhos de Kakashi se abriram e fixaram diretamente em seu rosto.

Sakura não conseguia se mover.

De repente, a mulher estava gritando, contorcendo-se e estremecendo e arranhando o travesseiro embaixo de si. Quase no mesmo instante os olhos de Kakashi se fecharam e sua boca abriu para deixar um suspiro rápido escapar, dando-lhe um vislumbre numa fração de segundo de um canino saliente. Suas costas arquearam e ele se inclinou sobre a mulher, segurando os quadris dela com tanta força que deixou marcas brancas na pele, enquanto a estocava num ritmo de praticamente finalização.


Os sentidos retornaram ao corpo de Sakura em uma onda de calor, rubor em seu rosto e ondas de calor irradiavam pelo ventre. Ela se virou imediatamente e pulou a grade para chegar ao chão com um baque desajeitado, teve de utilizar uma de suas mãos para que não caísse. Então correu, sem parar, até que derrapou em uma curva e acabou caindo deixando suas costas repousarem em uma porta fechada. Levou uma mão à boca e manteve os olhos bem fechados.

Um aparelho de ar condicionado zumbia diretamente sobre sua cabeça, soprando calor ao redor de seus ombros, mas Sakura ainda sentia o frio intenso da humilhação e do choque que aquela situação lhe causara. Kakashi viu que Sakura o viu fazendo aquilo

Tudo o que Sakura poderia fazer agora era sair correndo para casa para arrumar suas malas e ir para outro continente. Talvez fosse apenas a perplexidade total e absoluta que a impedia de não fazer nada mais do que inclinar-se contra o batente da porta de madeira podre, deixando sua mente entrar em um vai e vem como se fosse um disco quebrado, repetindo o que tinha acabado de assistir, de novo e de novo e de novo.


Forçou-se a respirar, tentando expulsar as imagens de sua mente. Aquilo não lhe dava nojo. Só era apenas confuso. Era estranho ver Kakashi com a guarda completamente baixa, esse definitivamente não era o jeito kakashi-de-ser. Sempre se perguntou se aquele homem tinha uma vida sexual, mas normalmente chegava à conclusão de que era eforço demasiado para um homem tão lento, apático e preguiçoso como ele.

Mas até mesmo os gatos podiam ser ouvidos uivando em paixão durante à noite. Não deveria tê-la chocado tanto saber que Kakashi realmente tem uma vida sexual. Ele era humano também, afinal.

Mesmo assim, Sakura desejava que não tivesse sido estúpida o suficiente para tentar entrar pela janela do quarto de um homem adulto, pensando que ele estaria inocentemente dormindo em seu sofá e tivesse mesmo que remotamente, considerado a possibilidade de que ele estivesse transando com uma mulher em sua cama. Sakura pode até não ter sido aquela a ser vista completamente nua e no auge do orgasmo, mas ela tinha a sensação de que tinha saído mais envergonhada dessa historia do que qualquer um ali.


Por que isso não saía de sua cabeça?

Não importa o para onde ela olhasse - as árvores, as casas, as pessoas passando pela rua ou o céu azul - sua mente estava focalizada atentamente no que tinha acabado de ver. Ela podia ver dois corpos em movimento, em uníssono, ouvia os gritos de uma mulher feliz e sim o gemido suave de seu sensei enquanto a estocava bem fundo. A boca de seu estomago arrepiou de forma alarmante, fazendo-a tremer todo o corpo inconscientemente. Sakura colocou os braços ao redor de si, tentando expulsar todos os pensamentos e sentimentos para fora de sua mente com força física pura.

- Ele vai me matar. - sussurrou mortificada com ninguém mais a nao ser ela mesma. Se ele não a matasse por tê-lo surpreendido no ato, ele certamente desejaria ter uma conversa com ela sobre o assunto Kimura Yoshi. Até cinco minutos atrás, Sakura tinha pensado que aquela mulher era uma respeitável senhora casada com um dos homens mais ricos da Vila. Se Sakura deixasse uma só palavra escapar sobre Kakashi estar tratando-a no estilo cachorrinho oh os dois estariam com problemas. É claro que, Sakura não tinha a menor intenção de fazê-lo, mas Kakashi não saberia disso, não é mesmo?

Ainda assim, a perspectiva de fugir de Konoha para não ter de ficar frente à frente a ele era mais do que tentadora (e obviamente muito tola). Ela sabia que não podia fugir e sabia que teria que enfrentá-lo em algum momento. Seria melhor se só voltasse à ponte e fingisse que nada tivera acontecido. Se ele dissesse alguma coisa, ela simplesmente desconversaria com um sorriso e pediria desculpas, dizendo que a culpa fora dela mesma por invadir a casa dele e que nunca isso prejududicaria a sua relação de amizade deles dois.

.

Entorpecida, apesar do dia quente, Sakura começou a fazer o caminho de volta para onde havia deixado os garotos. Ela não podia tirar a imagem de um Kakashi nu de sua cabeça, mas o que podia esperar... assim parou de se preocupar em reprimir as imagens. Mas o mais importante, ela não conseguia evitar lembrar do quão feliz a mulher Kimura tinha soado.

Francamente, isso não era justo. Sakura nunca tinha chegado a esse ponto com qualquer um de seus namorados anteriores, no ponto em que teria vontade de gritar - Deus Oh, oh Deus! - Certamente de forma alguma com o seu namorado atual. O máximo que ela já fizera era um suspiro e...: - É só isso?

Ou Kimura Yoshi era uma mulher fácil de se dar prazer ou Hatake Kakashi sabia como agradar. E por um breve e perturbador momento, Sakura imaginou estar no lugar daquela mulher, sentindo Kakashi a estocando forte e fundo apenas para fazê-la gritar de prazer.


Sakura não percebeu que já havia chegado à ponte até que a mão de Naruto acenou em frente a seu rosto e ela começou a sentir-se culpada, como se estivesse preocupada que ele pudesse ler seus pensamentos. - Hellooo? Sakura-chan? Você está aí?

- Pára com isso. - empurrou a mão dele, o estresse e choque tornando-a mal-humorada. - O quê?

- Eu perguntei, você conseguiu encontrá-lo? - Naruto repetiu lentamente, fitando-a preocupado.

– Si… - Não… Quero dizer, sim. - Sakura balbuciou impotente, não sabia o que dizer, não queria que eles suspeitassem. Até agora, sua tentativa fora péssima. - Quero dizer, eu o encontrei. Ele estava em casa.

- Deixe-me adivinhar. - Sasuke pensou um pouco e prosseguiu. - Ele ficou temporariamente cego quando acordou esta manhã e decidiu que era melhor apenas permanecer na cama e esperar por ajuda, mas sua visão misteriosamente voltou até momentos antes de você bater na porta?

Esta suposição foi, provavelmente, baseada no fato de que na semana passada Kakashi tinha dito algo sobre 'surdez momentânea' ser a razão pela qual seu despertador não conseguiu acordá-lo.

- S-sim. - Sakura disse, forçando uma risada. - Algo do tipo.

- Bem, ele está vindo? - Naruto perguntou à Sakura na intenção de que ela elaborasse.

- Deve estar. Eu acho. - murmurou, movendo-se para inclinar-se sobre as grades da ponte para ocultar o rubor ardente de sua face.

- Ele já deveria estar aqui, você não acha? - Sasuke repetiu. – Você disse a ele que estávamos esperando ou não?

Sakura ficou momentaneamente sem palavras. Se ela contasse a verdade, não, ela não tinha realmente dito nada a eles, então Sakura sabia que logo eles exigiriam saber o porquê dela não ter sido franca sobre o atraso de seu sensei. Se ela dissesse que sim, e Kakashi não aparecesse, seria apenas mais um motivo para meninos se chatearem com Kakashi, não só por esquecer sua missão, mas por esquecer o lembrete de Sakura.

A mente de Sakura não estava firme o suficiente no momento para lidar com um conjunto de tão complexas probabilidades de encontrar uma resposta, pelo menos a menos incriminatória, por isso foi quase um alívio ouvir a voz de Kakashi.

- Yo.

Um alívio do tipo que faz seu sangue gelar.


- Kakashi-sensei! - Naruto uivou. - Onde você estava?

- Bem, eu estava vindo pra cá por volta das oito e meia, mas me deparei com uma gatinha faminta e achei melhor levá-la de volta pra casa para alimentá-la. - disse Kakashi de uma forma nada convincente.

- Mentiroso! - Naruto gritou, então, lançou um olhar confuso para Sakura, quando percebeu que ela não se uniu ao coro de acusação.

Mas Sakura não podia chamar Kakashi de mentiroso ... porque ele não estava exatamente mentindo, na verdade - apenas falando metaforicamente. Além disso, Sakura não conseguia nem olhar para o seu sensei e muito menos falar ou gritar com ele. Ela precisava de terapia intensiva, pelo menos, três anos, antes que pudesse lidar com ele novamente.

- Tão desconfiado. - Kakashi suspirou. - Bem, nós vamos finalizar a missão ou não? O que vocês estão esperando?


Os meninos começaram a se queixar da injustiça de tudo isso e tomaram posição de liderança. Kakashi seguiu depois deles. Assim que passou por ela, Sakura arriscou um olhar para ele, certa de que sua atenção estaria em seu caminho.

Mas não.

Ele estava olhando para ela. O coração da kunoichi parou pela segunda vez naquele dia tão logo. Então, o breve olhar de seu sensei pousou sobre si. Ele não parecia estar com raiva ou vergonha ou até se divertindo às suas custas. Só curioso. Sakura engoliu em seco, sentindo-se mais nua e exposta do que tinha sido anteriormente. Então o olhar de Kakashi mudou e ele estava chamando-a por cima do ombro. - Você vem?

Realmente ela não poderia ter ido procurá-lo em pior hora, Sakura choramingou mentalmente enquanto se arrastava logo atrás de sua equipe.

.

.

Continua.

Cenas do Próximo Cpt: Envio por email/Pm para os leitores que deixarem reviews.


Oi, amores!

O que acharam do início hein?

Lembro que me apaixonei por essa fanfic, tenho certeza que vai ter o mesmo efeito sobre vocês :D

Como perceberam, o lance é caliente!

E, claro, vai ficar muitoooo mais quente ao longo do enredo.

A fic The Window é uma longshot, Humor/Romance, e tem cpts extensos, portanto irei traduzir aos pouquinhos, ok.

Bom, agradeço novamente à Silvershine por ter cedido a mim o direito de tradução, e agradeço a quem leu, principalmente se deixarem reviews expressando tal :D

Até mais, gente! Novembro posto mais um :D

Beijitos,

Hime-chan.