Gente! Ultimo capitulo da fanfic, eu estou muito feliz por ter terminado esse projeto que eu comecei pensando que ninguém leria e, no entanto, eu tive uma feliz surpresa com o tanto de leitores e o carinho que eles tiverem com a fic e comigo. Agradeço a vocês por isso. Agradeço as leitores do Nyah que estavam comigo desde o começo e que não me abandonaram quando a fic foi deletada na primeira vez e agora quando o site a deletou pela segunda vez e vieram ler aqui no fanfiction net e também aos leitores daqui do fanfictin net, claro que tenho muito a agradecer. Quero agradecer a todos, aqueles que leram e comentaram e depois sumiram, aos que ficaram e até mesmo aos que leem no anonimato, sem comentar nada. Muito abrigada a todos vocês.

Quero agradecer especialmente a Perola, por que como sempre digo foi ela que me incentivou a postar a minha primeira fanfic e essa é a minha primeira fanfic postada. Essa fic é muito especial pra mim por causa disso e por que ela é dedicada a Perola que além de ser uma grande autora, uma mentora pra mim é também é uma grande amiga que eu prezo muito e quero bem. Muito obrigada, linda. Esse capitulo é o ultimo e nada mais certo que dedicá-lo a você Perola, que me incentivou a postar a fic e que é a dona dela.

Sem mais momento "ganhei o Oscar agora vou agradecer" e vamos ao capitulo. Espero que gostem.

Beta: Miss

Boa Leitura!


O dia da viagem de Jared finalmente chegou, ele teria que voltar para a faculdade e terminar o ultimo semestre de estudos. Os dias antecedentes à viagem foram aproveitados por Jensen e Jared apenas para curtirem o máximo de tempo que ainda tinham juntos. Saiam para jantar, ir ao cinema ou apenas ficavam juntos curtindo a companhia do outro em seu apartamento, ambos abraçados trocando carinhos e juras de amor em baixo dos lençóis.

Agora estavam os dois no aeroporto esperando o embarque de Jared, já que Chad voltou de carro junto com James. Jared não quis atrapalhá-los, sabia que eles mereciam ter esse tempo juntos, assim como aproveitaria bem o mínimo de tempo possível que pudesse ter ao lado de Jensen.

- Eu vou sentir tanta saudade de vocês durante esses meses, Jared. – Jensen falou abraçado ao moreno e despedindo-se dele quando o vôo do mais novo foi anunciado.

- Eu também vou, muito. Depois de tudo o que vivemos durante esse tempo em que estivemos juntos... Eu não sei como vou suportar ficar longe de você por tanto tempo.

- Eu também não sei como irei suportar essa distância e o tempo que iremos ficar separados, mas temos que passar por isso. Pense que será o ultimo obstáculo para podermos ficar juntos. – Jensen sorriu ao terminar de falar.

- Você tem razão. – Jared também sorriu e acariciou o rosto do loiro. Ouviram o vôo ser anunciado mais uma vez.

- Você tem que ir agora, Jay...

- Sim... Eu só queria dizer que...

Mas Jared não pode terminar de falar, pois sentiu os lábios de Jensen colarem-se aos seus, beijando-lhe de forma urgente, ao mesmo tempo carinhosa. Entregou-se ao beijo, não dando importância para o lugar onde estavam e nem para as pessoas que com certeza olhariam torto para eles.

Nada disso importava, a única coisa que importava era poder sentir o sabor do outro e tentar guardá-lo o máximo que conseguisse consigo, memorizar aquele que seria o último beijo em um longo período que ficariam separados.

Ao sentirem o gosto salgado de suas lágrimas misturar-se ao beijo, ele foi partido por ambos.

- Eu sei o que você iria dizer e eu também te amo.

Jared só pôde sorrir em meio as suas lágrimas.

- Sei que sabe, mas eu gosto de dizer. Eu te amo, Jensen Ross Ackles.

Jensen sorriu e deu mais um beijo, rápido, em Jared.

- Agora está na hora de você ir ou irá perder o vôo.

- Então, tch...

- Não diga! Da ultima vez você não se despediu de mim e mesmo assim eu te esperei. Vamos fazer igual, eu prometo que irei te esperar, assim como fiz da última vez.

- E eu prometo que irei voltar. Voltar pra você como fiz e sempre irei fazer. Por que meu lugar é ao seu lado, Jensen.

oOo

O tempo que passaram distantes foi uma verdadeira tortura para os dois. Logo no primeiro dia Jensen sentiu falta do moreno ao seu lado na cama que agora eles dividiam. Abraçou o travesseiro do moreno, sentindo-se ridículo por estar fazendo isso. Pegou o desenho emoldurado ao lado da cama e sorriu. Antes de dormir pensou que aquele tipo de comportamento combinava mais com Jared do que consigo e dormiu com um sorriso no rosto.

E realmente Jensen estava certo. Quando Jared estava tirando suas coisas da mala e guardando-as de volta em seu armário ele encontrou uma camisa de Jensen. Sorriu e sentiu o cheiro do loiro nela, dando-se conta de que já sentia muitas saudades dele. Com ela em seus braços que o moreno adormeceu. Os dois repetiam isso pelos próximos dias.

O tempo passava, os dias passavam e a saudade apenas aumentava. Jensen tinha vontade de pegar o primeiro avião e ir até Jared, mas não podia largar o seu emprego assim num ato impulsivo. Jared tinha o mesmo desejo de voltar para Jensen o tempo todo, mas sabia que não poderia largar as aulas da faculdade e que mesmo se o fizesse, Jensen iria no mínimo lhe dar um olho roxo por ser tão irresponsável.

Se comunicavam o tempo todo por sms, msn ou vídeo-chamadas quando estavam queriam muito se ver. Sem contar nas inúmeras ligações que sempre faziam a qualquer hora do dia ou da noite. Qualquer coisa que amenizasse a saudade que sentiam.

Já era mais de duas horas de uma madruga de sábado. Jensen havia ficado durante horas conversando com Jared numa conversa via webcam, e teria ficado mais se conseguisse, se seu notebook não tivesse quebrado justamente naquela hora. A sua raiva era tanta que teve vontade de jogar o notebook na parede, ou ainda melhor, pela janela. Mas se conteve e apenas ficou deitado em sua cama esperando o sono chegar, mas ele não vinha.
Virou para o lado e viu o desenho que fez de Jared. A reação foi imediata e logo sentiu as coisas se animarem no meio de suas pernas. Sentia muita falta do namorado, e também sentia falta do corpo dele. Aquele desenho de Jared nu era sua salvação e ao mesmo tempo sua perdição. Olhar para ele só fazia que o libido aumentasse, algumas vezes teve que saciar-se com as próprias mãos, masturbando-se enquanto olhava para o desenho e lembrando do dia que o fez. De ter o corpo de Jared todo para si.

Estava apenas de boxer, a noite estava quente e o calor só aumentou com os pensamentos que estava tendo. Adentrava a mão em sua boxer, buscando a sua ereção, quando o seu celular tocou. Gemeu em frustação por ter que parar justo naquela hora e quando pegou o aparelho e viu quem estava ligando gemeu de novo, ao ver o nome daquele que habitava seus nada puros pensamentos.

- Jensen, eu não consegui dormir só pensando em você, eu sinto tanta sua falta, tanto. Eu não vejo a hora de esses seis meses passarem logo para que eu posso voltar pra você. – Jared começou a falar, desesperadamente quando o telefone foi atendido, bem ao seu modo falador de sempre. Jensen não teve tempo de falar nada, e na situação em que se encontrava não sabia se seria possível.

- Jensen, eu... Jensen? – Jared perguntou ao notar que o loiro não disse nada desde quando atendeu ao telefone.

- Jensen?

- Jared... – Jensen falou rouco e languidamente.

- Jensen, você está... Bem?

- Eu estou duro, Jared. – O loiro falou e arfou quando segurou sua ereção por dentro da boxer. – Eu estou duro por você.

Jared engoliu em seco diante da declaração direta do mais velho. Aquelas palavras ditas naquela voz rouca e extremamente sensual do loiro também deixou Jared duro, instantaneamente.

- Eu sinto falta de você, Jay, do seu corpo. Muita falta. Já fazem dois meses.

- Jensen, não fale assim, eu também sinto muito sua falta, do seu corpo. Do seu cheiro, do seu toque. – O moreno nesse momento também já manipulava a sua ereção.

- Eu estava olhando para o seu desenho e fecho os olhos e posso lembrar cada detalhe daquela cena. – Jensen fechou os olhos ao falar. – De suas costas e dos seus músculos iluminados pela luz da lua. Eu me lembro desse seu traseiro empinado e... Deus! Fico tão duro só de pensar nele, de lembrar o quando ele é apertado e quente que sinto como se o meu pênis fosse explodir.

A voz de Jensen excitava demais o moreno. Ele sentia seu membro pulsar em sua mão e seus pêlos arrepiarem-se somente com a voz rouca do mais velho do outro lado da linha.

- Eu preciso de você, Jared. Eu queria poder estar aí pra... Quero você agora.

- Jensen, estamos a milhares de quilômetros...

- Agora! – Jensen o interrompeu, falando firme. – Eu quero você agora.

- Você está falando de... – Jared não terminou de falar, mas sabia do que Jensen estava falando. Nunca havia feito sexo por telefone e nunca se imaginou fazendo. Mas naquele momento seria capaz de fazer qualquer coisa.

- Sim, eu estou falando disso. Como você está?

- Apenas de boxer e com uma ereção enorme. – Jared respondeu de olhos fechados e sorrindo minimamente ao se dar conta do que iriam fazer.

- Ótimo! Tire sua boxer, fique pelado para mim, Jared, assim como estou para você. – Jensen o instruiu. Mesmo não vendo, Jared tinha certeza que o loiro tinha aquele famoso sorriso de canto em seu rosto.

- Está pelado, Jared?

- Sim!

- Muito bom. Agora segure o seu pênis, Jared e o bombeie bem devagar. – Jensen o instruía e fazia a mesma coisa consigo, com o seu membro.

- Feche os olhos e imagine a minha mão no seu pênis, Jared, e faça tudo o que disser. Estou te masturbando, bem do jeito que você gosta. Ah, Jared, como eu gosto de te sentir na minha mão. Tão grande e tão quente... – Jared fazia exatamente como o loiro falava, imaginando que era ele que estava manipulando-o, que sua mão era a mão do namorado.

- Estou apertando agora o seu pênis, Jared. Sentindo-o pulsar na minha mão e você não tem ideia do quando gosto de senti-lo assim tão grosso e quente… - Jensen arfava entre uma palavra e outra e isso excitava ainda mais o moreno que não parava com os movimentos.

- Sem parar de te masturbar eu uso a minha outra mão para subir pelo seu corpo. Sentindo esse seu abdome definido, subindo... Até que encontro o seu mamilo. – Jared fez o caminho em seu corpo com sua mão, imaginando que fosse Jensen que estivesse a lhe tocar. Do outro lado da linha Jensen fazia o mesmo, tocando-se e imaginando que estava tocando Jared.

- Estou apertando entre meus dedos, sentindo o seu mamilo enrijecer, estou apalpando o músculo do seu peitoral. Ah, Jay, como eu queria poder mordê-lo... Você está gostando do que estou fazendo?

- Oh sim, você sabe que adoro quando você me toca assim, Jensen.

Jared falou tão languido, com tanto prazer na voz que Jensen não pôde evitar sorrir, imaginando o rosto corado do moreno com a boca entreaberta, arfando enquanto se tocava.

- Agora estou refazendo o caminho no seu corpo com a minha mão. Descendo, passando pela barriga, pela virilha, passando pelas suas bolas e apertando-as enquanto ainda te masturbo com a outra mão.

- Ah, Jensen... – Jared gemeu.

- Você gostou quando apertei suas bolas, não é? – Jensen provocou.

- Sim, gostei muito.

- É, eu sei que gosta... – Jared pôde ouvir Jensen falar em tom divertido. – E gosta quando desço a mão pelo seu períneo e toco a sua entrada, não é? Assim como estou fazendo.

- Jensen... – Foi a única coisa que o moreno conseguiu dizer quando tocou-se como o namorado estava falando.

- Estou colocando meu dedo em você, Jared... Sim, você é tão quente, tão apertado.

O moreno se tocava da forma que era dita pelo namorado, penetrando-se com o seu dedo, tirando-o e colocando-o ao mesmo tempo em que gemia o nome do loiro. Jensen, do outro lado da linha, se masturbava imaginando a cena do mais novo se tocando daquele jeito.

- Estou colocando outro dedo, você gosta, Jared?

- Sim... – O moreno arfou enquanto colocava mais um dedo dentro de si.

- Isso... Agora estou tirando e colocando meus dedos. Fodendo-lhe com eles, movimentando-os dentro de você, procurando por aquele lugar que você vai...

- Ah... Jensen... – Jared gemeu alto ao sentir os seus dedos tocarem sua próstata.

- Acho que encontrei, não é?

- Sim, encontrou sim... Porra, você encontrou.

- Ótimo, agora eu vou aumentar a velocidade com que estou te fodendo com meus dedos, entrando e saindo. Acertando aquele ponto dentro de você.

- Eu... Jensen, se você continuar assim eu vou... – Jared estava de olhos fechados, penetrando-se com seus dedos, mas imaginando que fosse Jensen a fazê-lo. Ambos imaginavam isso.

- Você não vai gozar ainda, Jared... Não enquanto não estiver dentro de você.

- Eu quero você dentro de mim, Jensen... Eu quero e... – Jared abriu os olhos, voltando a realidade e dando-se conta do que estava falando.

- Como você pretende fazer isso, Jensen? Eu posso colocar meus dedos e imaginar que é você, mas não consigo me penetrar com o meu pau. Seria bizarro demais e impossível de acontecer.

- Que imaginação que você tem, Jared. – Jensen não pode evitar rir do comentário do namorado.

- E como vamos fazer, Jensen?

- Nós vamos usar... aquilo.

- Aquilo o quê?

- Aquilo que te dei antes de você viajar.

Fez-se silêncio do outro lado da linha e Jensen segurou a risada ao imaginar o constrangimento de Jared e o rosto totalmente corado como ele deveria estar.

- Jensen, eu não... Eu não vou usar... Aquilo. – Jared falou sem jeito.

- Por favor, Jared. Faça isso por mim, por nós... Ninguém vai saber e eu prometo que será a única vez.

- Tudo bem! – Jared bufou levantando-se. – Mas você vai ficar me devendo – Falou um tanto zangado.

- Eu sabia que você faria, amor.

- Cala a boca! – Jared falou contrariado.

O moreno andou até o seu closet e pegou sua bolsa de viagem, abriu-a e pegou um pênis de borracha que havia lá dentro. Olhou de canto de olho para o objeto em suas mãos. Jensen lhe deu um dia antes de sua viagem de volta para a faculdade, o loiro usou aquilo como uma forma de zombar de sua cara, dizendo que ele, Jared, iria precisar nas horas em que sentisse sua falta.

Nunca cogitou usar aquilo e nem usaria se não fosse um pedido de Jensen e, acima disso, se ele mesmo não estivesse com uma grande ereção no meio das pernas. Ele precisaria dar um jeito naquele "problema" ou se não poderia ter outro problema mais dolorido, que seria o tão conhecido blue balls.

Com aquilo em mãos, Jared voltou para a cama e deitou-se. Olhou novamente para o seu amigo de borracha e um sorriso se formou no seu rosto. Se Jensen queria sacanear com alguém ele fazia bem feito, o filho da mãe ainda teve a cara de pau de escrever o próprio nome no pênis de borracha que deu para Jared.

- Pronto! – Jared avisou quando se acomodou na cama. Trouxe o "membro" e também um tubo de lubrificante.

- Eu sabia que você faria isso, amor.

- Sim, Jensen, você já disse isso. Agora continua antes que eu desista de uma vez de fazer essa loucura.

- Você está bravo, Jay? – Jensen não obteve resposta, apenas um bufar audível e sorriu, sabendo que o moreno estava sim, não com raiva senão ele não toparia fazer isso, Jared estava contrariado.

- Aposto que você deve estar fazendo aquele bico com esse seus lábios rosados. Ah, como eu queria estar aí para beijá-lo – Jensen voltou a falar roucamente. - Beijaria-o até que você perdesse o ar, desceria meus lábios para os seus mamilos, eu amo os seus mamilos, Jared. Você sabe, não é?

- Sei... – O moreno respondeu ofegante enquanto eriçava seus mamilos com os dedos imaginando ser a boca do loiro a fazer o trabalho.

- Está se tocando pensando nisso, não é?

- Sim...

- Safado! – Jensen disse sorrindo.

- Continua, Jensen... Aaah!

- Tudo bem... Eu desceria meus lábios pelo seu corpo, ficando entre suas pernas... – Jared inconscientemente abriu as pernas nesse momento. – Iria segurar seu pênis e masturbá-lo.

- Ah, Jensen! – Jared gemeu.

- Está gostando, não é? Enquanto eu te masturbo, eu iria levar um dedo até sua entrada, contornando-a para depois entrar – Jensen escutou o moreno arfar, com certeza ao se penetrar com o dedo. – Entrando e saindo, alargando-o para me receber. Eu sei que você quer mais, Jared. Não quer?

- Quero.

- Então vou colocar outro dedo...

- Jen... Jensen... – Jared gemeu quando se penetrou com o segundo dedo.

- Isso Jared. Eu posso sentir em meus dedos o quanto você é apertado, eu ainda posso lembrar e não acho que poderia esquecer isso... – Jensen se masturbava imaginando o namorado se penetrando com os dedos.

- Estou pronto, Jens...

- Fica de quatro, Jay e... Trouxe lubrificante?

- Sim!

- Então você...

- Eu sei, pode deixar. – Jared espalhou lubrificante no pênis de borracha e logo após em sua entrada. – Estou pronto, Jens.

- Tudo bem, vou começar! Estou colocando a glande... – Jared colocou a ponta do "brinquedo" e esperou por mais de Jensen. – Estou entrando Jared, a glande está entrando, lentamente.
O moreno trincou os dentes, real ou não era um pênis a entrar em seu corpo e o desconforto existia.

- Continuando...Entrando e sentindo você me apertar até que... Aaah! Completamente dentro.
Jared também gemeu.

- Está tudo bem, amor? – Jensen perguntou preocupado.

- Sim, estou, é só...

- O quê?

- Ele não é quente como você.

Jensen sorriu, ele sabia, conhecia Jared bem demais para saber que o moreno estava corado após falar isso.

- Eu sei que sou mais quente e com certeza maior, mais grosso e...

- Jensen!

- O que foi?

- Pode... Mexer?

- Ok! Estou me mexendo, entrando e saindo de você. – Jensen voltou a se masturbar, imaginando o namorado usando o brinquedo. – Aumentando o ritmo, estocando você bem forte e...

- Jens... Jensen! Jensen! – Jared gemeu o nome do namorado quando sentiu sua próstata ser tocada.

- Achei aquele ponto de novo, não é?

- Sim, Jensen... Continue, foda-me mais forte.

- Eu vou mais forte como você quer, amor... Mais fundo, acertando e acertando seu ponto de prazer e... Jared, eu vou...

- Jens... Jensen...

Jared não pôde se conter mais e acabou gozando, seu liquido escorrendo pela mão que ainda segurava seu membro. Tirou o pênis de borracha do seu corpo e o jogou ao lado da cama. Deitou-se na cama com a respiração forte, sentindo a letargia da sensação pós-gozo.

- Jensen? Jensen?

- Sim. – O loiro respondeu também ofegante.

- Desculpe por ter sido tão rápido, é que faz tempo que a gente não faz e eu...

- Tudo bem, Jared. Eu também vim bem rápido.

Houve um silêncio entre a ligação e logo após Jared gargalhou, Jensen não pôde deixar de rir junto com o namorado.

- Jay? – Jensen o chamou quando pararam de rir.

- Hum?

- Você nunca mais vai usar isso de novo. – Jensen falou de maneira firme e autoritária.

- Você está com ciúmes do Jensen, Jensen? – Jared perguntou rindo. Lembrando-se do nome do namorado no pênis de borracha.

- Não estou brincando, Jared. Nunca mais outra coisa além da minha coisa, real, vai entrar em você!

- Seu babaca! – Jared o xingou.

- Idiota! – Jensen rebateu. – Eu te amo, Jay.

- Eu também te amo, Jens, e sinto sua falta.

Depois disso Jared nunca mais usou aquilo, mas o moreno o guardou para usá-lo com Jensen em uma deliciosa vingança.

oOo

Finalmente se passaram os seis meses de Jared na faculdade, e para ele e Jensen foram os seis mais longos meses de toda a suas vidas. A saudade que sentiam do outro era algo sem tamanho, eles não viam a hora de se encontrarem novamente cara a cara e não mais por conversas via webcam. O dia da formatura seria o dia do reencontro dos dois, Jared estava nervoso, o seu namorado viria para vê-lo e com ele também viriam seus pais e os pais dele.

Os formandos ficavam em uma parte separada dos familiares, por isso Jared não conseguiria falar com Jensen ou seus pais antes da cerimônia dos formandos terminar. A distância não o impedia de olhar para Jensen, que estava com a barba loira levemente rala, óculos escuros para aquele dia de tempo aberto, camisa branca social e calça também social. Jared deu um suspiro ao olhar para o namorado, imaginando como Jensen conseguia ficar cada vez mais lindo. O loiro sorriu e levantou o braço acenando para Jared que devolveu o aceno sorrindo.

- Ainda bem que o Jensen veio, não aguentava mais suas lamurias por estar longe dele.

- Você diz isso por que o seu namorado veio junto com você. - Jared disse olhando feio para Chad.

James realmente veio junto com Chad quando o loiro voltou para a faculdade. James alugou um apartamento próximo ao que Chad dividia com Jared, já que o loiro disse que não deixaria o amigo sozinho. Ele cumpriu com o que disse e não se mudou, embora passasse muito mais tempo no apartamento de James do que no que dividia com Jared.

Não que Jared estivesse reclamando, ele até achava bom, afinal James com certeza foi a melhor coisa que aconteceu na vida de Chad, tirando-o da vida louca de vadiagem e sexo sem compromisso noite sim noite não.

- Por falar no seu namorado eu vejo que ele veio também e está muito empolgado conversando com aquele casal.

- Sim, são meus pais. – Chad respondeu revirando os olhos.

- Mas eu pensei que você não mantivesse contato com eles. – Jared disse surpreso.

- E realmente eu nunca tive, mas eles resolveram mudar isso. Deixaram a empresa e as viagens de negócios para seus funcionários e agora estão tentando recuperar o tempo perdido. Que é muito, pra falar a verdade.

- Você guarda mágoa deles, Chad?

- Não, na verdade não. Já guardei muito durante a minha adolescência quando fazia coisas para chamar a atenção deles, mas com o tempo eu deixei isso pra lá. Se ainda sentisse eu não os deixaria participar desse dia da minha vida e nem estarem ao lado do meu namorado. Eles querem tentar reparar seus erros e eu estou disposto a ajudá-los com isso. Vamos ver no que vai dar, né? – Chad sorriu para o amigo.

- Espero, sinceramente, que dê tudo certo. – Jared colocou a mão no ombro de Chad. – E quanto a James? Eles não foram contra ou algo assim?

- Como disse antes, eu sempre aprontei muito para chamar a atenção deles. Transar com um garoto na cama deles quando eles estivessem em casa foi uma delas. – Chad sorriu travesso e Jared riu, balançando a cabeça negativamente. – Eles sabem que sou gay, Jared, e ficaram feliz quando souberam que James era meu namorado. Disseram que finalmente alguém me colocou juízo.

- Eu concordo.

- Ah Jared, você também não comece. – Chad falou fazendo bico. – Já basta os meus pais ficarem babando em cima do meu namorado o tempo todo. Veja só, eles ficam paparicando ele. – Chad apontou para onde estavam seus pais e James numa conversa bastante animada.
- Está com ciúmes, Chad? – Jared provocou sorrindo.

- Cala a boca, Jade. – Jared parou de sorrir ao ouvir o apelido feminino que Jensen lhe deu e que ele odiava. Olhou para o amigo e agora era ele que sorria debochado.

- Como você...?

- Ouvi sem querer o Jensen lhe chamar assim antes de voltarmos. O que foi? Não gosta de ser chamado assim, Jad... AI PORRA! – Chad gritou quando Jared lhe socou, bem forte por sinal.

- Nunca mais me chame assim! – Jared falou com raiva olhando para o amigo, a mão ainda fechada pronto para acertar outro soco se Chad repetisse o apelido.

- Tudo bem, tudo bem! Nunca mais falo isso, prometo. – Chad falou enquanto massageava o seu braço. – Não sabe brincar. – O loiro murmurou.

Os dois se viraram para frente, pois a cerimônia de formatura iria começar.
E quando começou, tudo o que Jared mais queria era que ela acabasse logo de uma vez, ele só queria finalmente ficar a sós com Jensen, matar a saudade que sentia do namorado. A cerimônia se arrastou por muito tempo, ou assim Jared pensou que aconteceu, mas quando ela acabou, a primeira coisa que o moreno fez foi ir em direção a Jensen, passos largos, praticamente correndo em direção ao loiro que já lhe esperava de pé e um imenso sorriso no rosto.

Nada mais importava, nem mesmo ligava para quem estava ao seu redor, por isso quando chegou perto o bastante, Jared abraçou forte Jensen, sendo abraçado da mesma forma. Padalecki segurou o rosto do namorado e lhe beijou, um beijo que transmitia a ambos o tanto da saudade que sentiam. Separaram-se e trocaram um sorriso cúmplice.

- Whoa! Isso que é um reencontro cowboys. – Chad falou ao se aproximar junto a James ao seu lado. Jared olhou para o amigo e depois se virou para Jensen, mais especificamente para quem estava atrás do loiro, e só então se deu conta que havia beijado o loiro na frente de seus pais e dos pais dele. Sorriu para os mais velhos um tanto constrangido, sentindo seu rosto esquentar.
Jensen segurou a mão de Jared e o moreno sentiu-se mais relaxado, como se apenas a presença de Jensen ao seu lado lhe passasse segurança, e de fato era isso que acontecia. Foi levado para a mesa onde seus pais estavam por Jensen, que em nenhum momento soltou sua mão.

Jared estava feliz, olhou para frente e sorriu ao ver seu pai envolvido numa conversa fervorosa com o pai de Jensen provavelmente sobre algum jogo de futebol, já que torciam para times diferentes e rivais, nem pareciam que eles haviam brigado, e ele agradecia por esse fato agora pertencer ao passado. Ao lado dos dois, Sharon e Donna também conversavam e sorriam vez ou outra. Estava feliz por vê-los agindo assim tão harmoniosamente, como sempre foram e que nada mudou. Olhando mais adiante Jared viu Chad junto aos pais dele e James, o loiro mantinha uma cara de birra que logo foi desfeita e todos sorriram.

Sim, Jared estava feliz, feliz por sua família e seus amigos, acima de tudo o seu maior motivo de felicidade estava ao seu lado, segurando a sua mão e era só Jared virar o rosto para lado que seria recebido por um sorriso de Jensen. E dessa vez não foi diferente, Jensen sorriu para o moreno, o beijou brevemente.

- Tenho um presente pra você. – O loiro sussurrou no ouvido do mais novo.

- O que você está aprontando, Jensen?

- Você vai gostar, ao menos espero que goste. – Jensen sorriu brincalhão e se levantou.

- Pai, mãe... Tio e tia Pada... – Jensen chamou a atenção dos outros que sorriam ao ouvir Jensen chamar os pais de Jared daquela forma que costumava chamar quando criança.

- Estamos todos aqui para celebrar essa nova etapa na vida do Jared. Seus pais estão orgulhosos de você Jay, e eu também estou. – Jensen falou olhando diretamente para o moreno. – Como disse antes, a partir de agora Jared começa uma nova etapa na vida dele e eu quero que você comece essa etapa de sua vida e muitas outras que ainda estão por vir, junto comigo...

- Jensen, o que você está querendo dizer com isso? – Jared perguntou um pouco surpreso e perdido nas palavras do namorado. Olhando para o lado viu quando Chad e James se aproximaram sorrindo, ouviu os gritos eufóricos de sua mãe junto à mãe de Jensen vindo do outro lado, seu pai e Roger apenas sorriam para si. Quando Jared voltou a olhar para Jensen o loiro tinha uma pequena caixa preta em mãos e se ajoelhava a sua frente. Jared prendeu a respiração, não acreditando no que estava acontecendo, no que Jensen estava prestes a fazer.

Chegou a pensar que estivesse sonhando, mas a voz rouca do seu namorado lhe fez ter certeza de que era real.

- Jared Tristan Padalecki, aceita se casar comigo? – Jensen pediu oferecendo uma aliança de noivado.

Jared olhou ao redor e todos estavam sorrindo esperando por sua resposta, seu olhar parou em seu pai e Gerald sorriu e fez um sinal positivo com a cabeça, afirmando o que ele disse que estaria sempre a lhe apoiar em suas decisões e pela forma que seu pai sorria, Jared só pôde deduzir que ele queria que Jared dissesse sim.

Jared sorriu para o pai e voltou sua atenção para Jensen, que ainda estava de joelhos, estendendo-lhe a aliança e esperando sua resposta. Pôde ver que o loiro estava nervoso, podia até estar pensando que Jared negaria o pedido.

Sorrindo, Jared segurou a mão de Jensen e o fez levantar, tirou a aliança da caixinha e colocou em seu próprio dedo.

- É claro que aceito me casar com você, Jens.

Jared ouviu os gritos de sua mãe junto à mãe de Jensen, assustou-se quando Chad gritou e assoviou atrás de si e assustou-se ainda mais quando ouviu palmas ao seu redor. Não soube quando eles apareceram, mas muitos dos seus colegas de faculdade estavam ali, presenciando toda a cena.

- Cara, eu deveria colocar a aliança no seu dedo ainda quando estivesse ajoelhado.

- Não sou uma mulher para você se ajoelhar aos meus pés. – Jared falou fazendo falso ar de ofendido.

- Não se trata de ser mulher e sim de romantismo, Jay. E você estragou com ele.

- Por que você não me mostra o seu romantismo me beijando bem romanticamente? Afinal, ainda falta o beijo.

Jensen sorriu para o mais alto e se aproximou, passando uma mão por sua cintura e a outra no rosto, colando seus lábios e o beijando apaixonadamente, romanticamente, como Jared queria. Ao fundo as ovações pelos agora noivos, apenas aumentaram.

oOo

Jensen e Jared não quiseram esperar para marcar o dia da união, em exatos três meses eles estariam casados. Dias antes da celebração, os dois viajaram até Nova York para oficializarem sua união no civil, era apenas um papel comparado ao amor que sentiam, mas optaram por fazer deste jeito, tanto que no dia ninguém estava presente, apenas os noivos estavam no cartório.

Voltaram no mesmo dia já que o dia seguinte seria o dia da cerimônia do casamento com direito a convidados e todo o restante do circo como era dito por Jensen. Ele não queria tudo aquilo, e nem Jared, eles queria apenas algo formal com a família e alguns amigos próximos. Mas suas mães estavam empolgadas com o casamento e combinaram que não casariam seus únicos filhos sem ser em grande estilo. Os dois aceitaram sem serem capazes de estragar a felicidades de suas mães.

Aceitaram, mas escolheram o local da cerimônia que era a clareira atrás de suas casas, local muito significativo para os dois. Obviamente houve adaptações para chegar até a clareira e a primeira delas foi fazer um grande portão na cerca detrás de suas casas. O caminho para chegar até a clareira também recebeu adaptações para que todos pudessem chegar facilmente ao local.

Foi trabalhoso, mas o resultado final foi gratificante, a vista era linda e todos gostaram. Jared e Jensen entraram juntos, ambos vestidos de branco encaminharam-se ao púlpito onde daria inicio a cerimônia. Não era uma cerimônia religiosa, apenas uma celebração à união com troca de votos.

- Jensen... – Jared segurou a mão de Jensen para dizer seus votos ao noivo. – Anos atrás eu fugi de você, fugi do amor que sentia por você. Tentei te arrancar do meu peito e te esquecer, mas o amor que sinto por você está enraizado no meu coração, não dá para retirar algo tão forte assim. Eu errei ao pensar que te esquecer seria o melhor para mim, o melhor para nós. Eu apenas sofri quando me afastei de você e também te fiz sofrer. Mas agora eu sei que o meu lugar é ao seu lado, para toda a minha vida. Você foi o meu primeiro amor e continuará sendo o único até o dia que eu parar de respirar e quando esse dia chegar, eu quero ainda estar ao seu lado, sendo somente seu...

Jared colocou a aliança de casamento no dedo de Jensen, levantou a mão do loiro, beijando-a.

- Jared... – Jensen segurou a mão do moreno. – Você também é o meu primeiro e único amor. Eu... Eu me apaixonei pelo garoto da casa ao lado. – Jensen sorriu carinhosamente para o moreno.

- Eu te amo desde quando você era um moleque alto, magrelo e desengonçado. Hoje você só não é mais magro por que de resto continua o mesmo. – Jared riu e todos os presentes também riram. – Mas essas são coisas que eu amo em você, que fizeram eu me apaixonar por você e a cada dia que passamos juntos eu me apaixono novamente e te amo cada vez mais. Quero continuar me apaixonando por você a cada novo dia e prometo fazer você se apaixonar por mim a cada novo dia também, te amar e te fazer feliz. Eu prometo te amar para sempre.
Jensen colocou a aliança no dedo de Jared, levantou sua mão e a beijou.

- Eu os declaro casados. – Jeffrey Dean Morgan, um amigo da família era quem conduzia a cerimonia.

- Agora beijem-se logo! – Chad gritou e todos riram. O loiro estava ao lado de Mackenzie que também estava presente na celebração. Eram os padrinhos de casamento dos noivos.

Jensen sorriu para Jared e ambos se aproximaram, selando sua união com um beijo.
Amigos de Jared da faculdade e de Jensen do trabalho estavam presente, apenas os mais próximos. Após a união feita pelo casal, começou a festa feita por suas mães. Apesar de não querer festa, Jensen e Jared acabaram se divertindo bastante.

oOo

Os recém-casados viajaram para o Havaí em lua de mel, Jensen tirou suas merecidas férias no escritório de engenharia, e Jared recém-formado em advocacia logo começaria a trabalhar também, o melhor é que seria em um escritório de advocacia próximo ao apartamento que dividia com Jensen, agora o seu lar e de seu marido.

Estavam felizes, mas tinhma em mente que ainda haveria provações ao longo de suas vidas, ainda haveria o preconceito para com a relação, mas eles estavam dispostos e de certa forma preparados para enfrentá-los.

Mas por enquanto, naquele momento eles estavam apenas curtindo o momento de felicidade que estavam sentindo junto ao outro. Em uma praia deserta do Havaí, sentados na areia e olhando as estrelas. Jared estava sentando atrás de Jensen, abraçando o corpo do loiro e tendo seu queixo apoiado no ombro do mais velho. Ao lado deles o caderno de desenho de Jensen e nele estava o seu modelo favorito, Jared.

Foi apenas uma cena, alguns segundos, mas foi o bastante para que Jensen guardasse em sua memória e passasse-a para o papel. A cena em questão era Jared saindo do mar, o corpo molhado, os cabelos compridos pingando sobre seu tórax perfeito, A imagem era luxuriosa demais, o desenho que Jensen fez era real e ousado demais, Jared notou isso ao olhar pelo canto dos olhos para ele.

Um sorriso se formou em seu rosto ao perceber que Jensen estava claramente obcecado em desenhar-lhe sem roupa e como estavam em uma praia deserta, Jared pensou que não havia nada demais em entrar no mar sem roupa. Ledo engano; seu corpo mais uma vez fora desenhado como veio ao mundo por Jensen.

- Você tem que parar de me desenhar pelado se não quiser que todos conheçam o segredo que o seu marido tem dentro das calças. – Jared disse sorrindo e beijou o pescoço do loiro.

- Sabe, eu estava lembrando... – Jensen falou como se não tivesse escutado o que o moreno dissera.

- O que você estava pensando, Jens?

- Que uma vez quando estávamos no meu quarto, na minha cama, você disse que iria me mostrar o que faria se fosse o meu namorado. A Kenzie chegou e você parou, nunca me mostrou o que seria e agora eu quero saber, Jay.

Jensen se afastou do moreno e virou de frente para ele.

- Sério, Jensen? – Jared perguntou sorrindo.

- Claro que é sério, você sabe o quanto sou curioso.

- Não seja bobo, Jen, nós acabamos de nos casar. Esse pedido soa um pouco estranho.

- Não soa não... – Jensen disse sorrindo e se aproximando do mais novo, abraçando-o pelo pescoço e passando as pernas pelo quadril do moreno. – Nós somos casados, mas seremos eternos namorados então sim, eu quero saber o que você faria como meu namorado. – Jensen perguntou com a voz rouca e mordendo a orelha do moreno. Friccionava seu quadril no abdômen de Padalecki evidenciando sua crescente ereção.

Num movimento rápido Jared virou o corpo de Jensen e o jogou deitado na areia, cobrindo o corpo do loiro com o seu e sorrindo maliciosamente para o mais velho.

- Tudo bem, Jensen eu vou te mostrar o que faria. Melhor dizendo, vou fazer tudo com você.

- Tudo? – Jensen perguntou já rendendo o seu corpo sob o do mais alto.

- Tudo, tudinho e mais um pouco... – Jared disse enquanto tirava o seu short e o de Jensen, as únicas peças de roupas que usavam.

- E eu vou gostar, Jay? – Jensen perguntou provocando.

- Ah, com certeza vai, Jens... – Jared sorriu e juntou seu corpo ao de Jensen, colando seus lábios ao do mais velho.

Não importava os erros do passado, tudo isso ficou para trás. Esperavam que o futuro trouxessem boas surpresas para eles, e com certeza traria. Mas para eles só o presente importava e nele, eles estavam juntos felizes e se amando. Como sempre quiseram estar e se dependesse deles, como ficariam para sempre.

FIM


RESPOSTAS AOS REVIEWS DESLOGADOS:

LULUZINHA: Pois é, quis dar um susto nos leitores com essa cena da Katie kkkkk! Ela acabou ficando louca, sua obsessão pelo Jensen causou isso. Na hora do desespero a gente abraça até o inimigo em busca de consolo e com a Lauren não foi diferente, ele viu a amiga no chão e se jogou no grandão *não era minha intenção rimar* Quem não queria alisar os músculos do peito do Jared né kkkkk? Obrigada por comentar, linda. Espero que tenha gostado do fim. Beijos!

DSW: O Gerald se arrependeu do que fez, eu deixei claro que ele não era um homofóbicos ao aceitar o Chad na casa dele, mesmo depois do Jared ter contado sobre ele pro pai. Ele teve um momento de surto e se arrependeu e o Jared o perdoou, o Jensen também. Eu nunca quis dar um final com uma morte trágica para a Katie, ela quebrou como você falou e agora está sendo cuidada pela família e pela amiga que se sente culpada pelo estado da amiga. Obrigada por comentar, beijos!

WILLIAN: Não, a Katie não morreu, não houve sangue, tadinha ela já ficou louca, basta isso pra ela :) Ainda não havia sido o final, mas espero que tenha gostado desse final. Obrigada por comentar, lindo. Beijos!