Autora: Naobi Chan (http : / / www . fanfiction . net/u/2023412/Naobi_Chan)

Tradutora: Luciana Michelluti

Beta: Lary Reeden

Link da fic original: (http:/ www . fanfiction . net/s/6006842/1/Vendo _recuerdos)

Sinopse: Bella teve que sair de Forks anos atrás, mas o casamento de Charlie a obrigou a regressar, regressar ao seu passado e enfrentar seus fantasmas, mas o que ninguém esperava é que ela voltaria acompanhada de seu maior tesouro. Todos Humanos.

VENDO LEMBRANÇAS


Disclaimer: Está fanfic pertence a Naobi Chan e os personagens são Stephenie Meyer. A mim LucianaM só cabe a tradução para o português. Lary Reede é a beta desta tradução.


04 de outubro de 2006 - Phoenix, Arizona

- "Tranquila Bells, tudo ficará bem", dizia Seth em seu ouvido.

- Dói, queixou-se em um gemido.

- Eu sei... Mas em breve passará e depois vai esquecer... aguente apenas um pouco mais, ele pediu.

- Vamos Isabella... Empurre com forçar- o médico disse entre suas pernas.

Bella respirou fundo e empurrou com toda sua força, pressionando a mão de Seth no processo.

- Uma vez mais e pronto... Teremos acabado- insistiu o médico.

- Eu não posso! Bella disse caindo na cama já sem forças.

- Você está fazendo tudo perfeitamente, venha Bolita... Eu sei que você pode fazer – ele disse de novo a encorajando.

- Não... Eu não posso- choramingou.

- O que Nick vai pensar de você quando lhe contar que nasceu por cesariana, porque você "não tinha força"? Seth perguntou ironicamente.

Bella gemeu e tirou forças de onde não tinha mais. Sentou-se devagar, tomou fôlego e empurrou novamente com toda a força. Sentiu que algo deixava seu corpo e depois um grito ecoou na sala de operação, um sorriso navegou nos lábios de Bella, enquanto uma lágrima caia de seus olhos.

- É linda bolita... Tem cabelos claros, não é como o seu, Seth cantou feliz.

.

Presente ...

.

- Bella... Tem certeza do que você vai fazer? Seth perguntou em um sussurro.

Bella levantou o olhar da roupa que tinha em suas mãos e olhou para seu melhor amigo. Ao longo do tempo Seth tinha se tornado o esteio da sua vida. Mesmo agora, quando teria que voltar no tempo e lembrar toda a dor que a levou até ali, ele estava ao seu lado aconselhando-a e ouvindo.

- Eu tenho que fazer... É o casamento do meu pai, eu não posso evitar voltar para Forks, ela disse colocando mais uma peça em sua mala.

- Se você quiser eu fico com Nick enquanto você vai e volta, ele ofereceu.

- Eu não vou escondê-lo como se tivesse vergonha dele, ela respondeu com uma careta.

- Eu digo isso para protegê-lo, tem apenas dois anos, ele disse.

Bella olhou com ternura os olhos negros do homem na frente dela e suspirou.

- É hora de Charlie saber de sua existência, ele tem o direito de saber por que deixei Forks assim de repente.

Seth também suspirou e sentou na cama ao lado da mala de Bella, segurando suas mãos nas dele puxou-a para seu peito abraçando-a. Seth era muito maior do que ela, embora fosse um ano mais novo, mas sua maturidade tinha ajudado muito a Bella no momento mais difícil da sua vida.

- Vou preparar uma mala para Nick- Seth sussurrou indo para longe dela e saindo do quarto.

- Coloque algumas roupas de frio... em Forks, faz muito frio! Bella gritou por cima do ombro.

E depois continuou colocando roupas na sua mala, enquanto ela se lembrava do dia em que fez a viagem em sentido inverso, quando saiu de Forks sem muito remorso e uma mala muito menor. Agora sua bagagem estava carregada de erros, "desculpas" que deveria suplicar as pessoas certas, embora houvesse algo que não se arrependia: seu filho Nick era o motor de sua vida.

Se fechasse os olhos era como se ainda pudesse voltar no tempo e lembrar daquele dia perfeitamente.

22 de fevereiro de 2006 - Forks, Washington.

A chuva caia torrencialmente. Bella andava sem rumo pelas ruas de Forks. A roupa molhada grudando no seu corpo, marcando todas as suas curvas. Seu cabelo caia descuidadamente bagunçado e molhado sob seus ombros e agarrando-se a seu rosto. Seus braços estavam cruzados sobre o peito e tremendo de frio.

Ela ainda levava o teste de gravidez caseiro em uma de suas mãos.

Positivo.

O que ela faria agora com um bebê? Ela tinha apenas dezoito anos...

Quase podia ouvir a voz de seu pai, "sua vida jogada fora, adeus a sua carreira e seus sonhos..." Renée, a mãe meio louca, a repreenderia por não ter tido mais cuidado, mas para ela não seria um problema, é só um solavanco na estrada que teria que superar. O mais provável era que lhe propusessem fazer um aborto, mas ela não sabia se ela estava disposta a fazê-lo.

Tinha muita coisa para pensar, muito a decidir, e era apenas uma adolescente começando a viver... Não era justo que isto estivesse acontecendo com ela. Mas ela tinha procurado, agora só teria que enfrentar as consequências de suas ações e ser responsável pelo que tinha feito.

Mas ele também deveria saber...

Olhou em volta para ver onde estava, descobriu que estava perto de sua casa, então apertando mais o teste de gravidez na mão esquerda, correu para o outro lado da rua.

Olhou para o relógio e descobriu que mesmo que já estivesse escuro não passava das sete da noite, há essa hora já haveria saído do trabalho estaria com Emma. Um sorriso cruzou seus lábios enquanto se lembrava da pequena Emma, aquela menina loira de olhos azuis como o mar que tinha ganhado o seu coração.

Viu a mansão branca ao longe e um caroço se formou em sua garganta, a luz na janela da sala indicava que, como suspeitava, ele já estava em casa. Seus passos vacilaram, mas foi para a sua porta de qualquer maneira. Ainda mais forte agarrou o teste de gravidez e com a mão direita bateu levemente à porta.

Segundos depois, os passos curtos e rápidos de Emma soaram do outro lado, a porta abriu apenas uma fresta e um nariz pequeno apareceu por ela. De repente, se abriu rapidamente e curiosos olhos azuis a olhava de cima a baixo.

- Bella... Você está bem? A menina perguntou timidamente.

Bella sorriu tristemente e abriu a boca para responder, mas não pôde porque a interromperam.

- Bella! O que aconteceu? Você está bem?

O som desta voz fez com que Bella fechasse os olhos apertados e abafasse um gemido de dor. Ela abriu os olhos devagar e olhou fixamente para os olhos azuis a sua frente, ansiosos, preocupados, expectante... À espera de uma explicação.

Mas ela não conseguia pronunciar uma palavra, havia ficado paralisada e muda... Não esperava encontrar ela ali, e assim todos os seus planos foram interrompidos. Agora ela não poderia dizer-lhe, agora não podia contar com sua ajuda...

- Tanya... Eu... Gaguejou fraca.

- Te convidaria a entrar... mas molhará o tapete novo- a mulher disse balançando a cabeça ligeiramente fazendo seus cachos louros saltarem graciosamente.

Bella afogou as lágrimas e balançou a cabeça

- Não importa... Eu acho que... "Que não foi boa ideia vir para cá", disse Bella com a intenção de virar e sair.

- Amor, algo acontece?

Aquela voz... Maldita voz...

Bella abafou um soluço e começou a tremer. Não aguentaria ficar perto dele novamente, não sem pular em seus braços e dizer-lhe tudo.

- Bella –falou surpreso- que aconteceu?

Bella engoliu em seco e tomou uma decisão. Improvisada, de última hora... Desesperada. Olhou fixamente em seu rosto... Queria lembrar de todas as feições de seu rosto perfeito, cada gesto, cada olhar. Em seguida, abaixou os olhos para as mãos e suspirou... Aquelas mãos viris e fortes, com dedos longos e finos. As mãos que a fizeram suspirar e perder-se nos prazeres proibidos, aquelas mãos que a instruíram em um momento de fraqueza e agora estavam quebrando meu coração em mil pedaços.

Deu-se conta do teste de gravidez ainda na mão e escondeu-o sob a manga do suéter... Respirou fundo e fechou os olhos com força.

- Eu só... Eu vim dizer adeus, disse debilmente.

- Você vai embora? Perguntou Emma fazendo beicinho.

"Para longe", pensou, mas Bella apenas amaldiçoou em voz baixa e se agachou para ficar da altura da pequena.

- Emmi amor... Eu tenho que ir para a cidade, falou em voz baixa.

Uma lágrima apareceu nos olhos da menina olhando para ela com tristeza.

- Você vai voltar em breve? Ela perguntou, enquanto fungava seu nariz.

- Eu não sei meu amor não depende de mim- Bella disse a duras penas.

- Você vai cuidar de outra criança, como Mary Poppins? , Perguntou inocentemente.

Bella riu com tristeza e sua risada misturou- se com um gemido... Quão perto da verdade estava aquela pequena.

- Eu não sei quando voltarei- Bella disse emocionada- mas quando eu voltar, eu prometo que voltarei para vê-la... Ok princesa?

Ela assentiu com a cabeça e se jogou em seu pescoço para abraça-la com força, Bella correspondeu a seu abraço firmemente fechando os olhos e deixando escapar algumas lágrimas furtivas.

- Emma meu amor- pronunciou ele – venha para dentro com a mamãe, eu tenho que falar com Bella.

Emma seguida por Tanya entrou na casa e fecharam a porta. Ele a olhou para um tempo, mas Bella estava olhando para o chão seus braços cruzados sobre o peito para proteger-se.

- Por que você está indo? Ele perguntou em um sussurro.

Bella queria rir, rir alto e contar-lhe tudo. Mas "ela" tinha voltado, já não poderia pedir- lhe nada. Se ao menos tivesse feito o teste alguns dias atrás...

- São motivos pessoais... –disse com um foi de voz.

- Bella eu... me desculpe ... Se naquela noite eu me portei mal ou fiz algo inapropriado... "Sinto muito", disse um pouco envergonhado.

Bella levantou o olhar para cravá-lo naqueles olhos verdes que a confundiam tanto, havia um verdadeiro arrependimento neles, mas não havia o que ela mais queria.

- Não se preocupe... Não aconteceu... Nada, as palavras queimaram em sua garganta, mas tinha que dizê-las, devia libertá-lo de sua responsabilidade mesmo que ele não tivesse a menor suspeita de nada.

- Você sabe que eu não posso acreditar nisso, quando eu bebo muito eu perco o controle e eu não sei o que faço.

Uma adaga direto em seu coração, teria doido menos. Bella sentiu a necessidade de encolher-se de dor e chorar descontroladamente, mas não podia fazer na frente dele. Teria que esperar até chegar em casa.

- Não tem problema... Esqueça que esse dia existiu - "embora eu não possa", continuou em seu coração.

- Eu não posso fazer nada para fazer você ficar? Ele perguntou. Bella negou fracamente com a cabeça- Emma sentirá muito sua falta... Ela precisa de você, você sabe como Tanya é com ela.

Bella bufou e cruzou os braços com mais força, começando a sentir o frio da roupa úmida na sua pele e seus dentes batendo sem poder controlar.

- Ela está de volta, não está? "Isso deve significar algo", disse ela com desdém.

Ele desviou o olhar envergonhado, mas voltou segundos depois.

- Se houver qualquer coisa que eu possa fazer para você não ir, você só tem que pedir, disse com convicção.

Bella olhou para ele atentamente, tentada a dizer-lhe de sua gravidez e pedir-lhe para deixar Tanya, poderia suplicar se necessário, mas não. Emma adorava sua mãe não podia separá-la dela assim.

- Não há nada que você possa fazer... Edward- seu nome queimou em seus lábios, e um arrepio percorreu sua coluna, enquanto falava adeus.

Bella virou-se sobre seus pés e começou a sair, uma mão agarrou seu braço com força e uma corrente a percorreu de cima e a baixo.

- Tem certeza de que não há nenhuma solução para você ficar? Edward perguntou muito próximo a ela.

Ela mordeu o lábio inferior para conter a necessidade de virar e se afundar em seus braços. Com um abraço e as palavras certas, ela teria se sentido segura e salva... Mas Tanya estava de volta, não havia lugar para ela, na realidade nunca existiu.

- Tenho que ir... Não há solução viável para o que está acontecendo, disse com uma voz quebrada pelas lágrimas que derramavam pelo seu rosto.

Soltou-se de seu aperto com um movimento brusco de sua mão e correu para a rua sem nenhuma direção aparente. Correu até que seus pulmões ardiam. Ela chorou até que seus olhos secaram. Gritou até sua garganta ficar sem voz. Perdeu o equilíbrio e caiu de joelhos na grama macia que cobria Forks e lá ficou, em lágrimas, coberta de chuva e desolação.

.

Presente...

Bella balançou a cabeça para remover a memória... Foi um dos dias mais tristes de sua vida. Aquele dia lhe ensinou a não acreditar no amor, que os contos de fadas de quando era uma criança eram apenas isso, histórias. Finais felizes não existiam mais do que nos filmes e histórias impressas.

A vida dia a dia e golpe após golpe tinham se encarregado de mostrar- lhe a dura verdade. Apesar de que todas estas lágrimas trouxeram algo de bom em sua vida. Um raio de luz que iluminou sua vida e lhe deu um sorriso no rosto todos os dias. Alguém com um nome: Nicholas Swan.

- Mami-Uma pequena voz de criança sussurrou.

Bella sorriu no meio de toda a dor que aquela fatídica memória deixou em seu corpo. Ela engoliu sua tristeza e colocou a máscara da alegria e da serenidade que sempre era colocada na frente dele, ele merecia ser feliz e ela faria tudo o possível para conseguir.

- Diga-me carinho- ela disse com voz doce.

- Me epere e não vaibora- disse de novo o menino.

Bella o pegou e o abraçou beijando a sua cabeça uma vez e bagunçando seu cabelo desgrenhado e cor de bronze enquanto suspirava.

- A mamãe nunca vai te deixar sozinho... ainda que eu vá, você sabe que eu sempre volto... Ela prometeu mais uma vez.

- O que é ito? Ele perguntou apontando para a pequena mala.

- Vamos ver o vovô Charlie... então, vá para o seu quarto com o tio Seth que está preparando sua mala- Bella o colocou no chão e ele saiu correndo.

- Se quiser levar o McQueen*, você arruma um lugar! Ele gritou do outro lado do quarto.

*Brinquedo do Relampago McQueen do filme Carros.

Bella sorriu e balançou a cabeça... Olhou para a foto de seu pai em sua cabeceira e sentiu como se um buraco estivesse sendo aberto no peito... O que ele vai pensar dela quando soubesse toda a verdade? Como tratará Nick? O assumirá como neto ou o renegará junto com ela?


N/A: Mereço tomates ou reviews?

Naobi