[...] – um tempo sem pensar.

Tento entender


Eu não sei... Quantas vezes já me achei uma idiota. Quantas vezes pensei depois que poderia ter feito isso ou aquilo naquele momento. Quantas vezes já adiei algo que nunca mais pode ser concertado. Quantas vezes quis agir com razão e reagi com o coração. Quantas vezes eu queria te odiar e só te amava mais.

Eu admito que sempre tive medo se nunca te encontrasse depois daquele dia na estação. Medo de nunca mais sentir seu toque no meu rosto. Medo de nunca mais sentir o toque dos seus lábios contra os meus.

Posso tentar ficar com outro, mas no que vai adiantar se não tiver nem um pouco atraída por essa pessoa ou se eu ainda estou presa ao passado. Posso deletar suas mensagens, e-mails e nunca mais falar contigo o meu amor não some. E eu sinto raiva de não poder te odiar, te esquecer. Quantos anos nós ficamos sem nos falar e quantos anos sem poder se tocar, sem se ver... Nem de longe.

Podem dizer que até é besteira eu ainda te amar dessa maneira possessiva, mas elas não sentem aquilo que eu sinto. E também quando acho que estou ficando longe de você e estou ficando um pouco melhor, um assunto sobre você aparece ou alguém que você conheceu e então eu vejo que só estava tentando fingir para mim mesma que eu estava ficando bem.

[...]

Motoharu Yano... Você pode mudar seu nome, mas sempre será o meu Yano. Eu não me importo se o seu novo sobrenome for de família "poderosa" ou não. Nunca liguei para isso mesmo. É incrível como você parece que nunca muda, mas quando percebemos mais de perto você cresceu e como cresceu, mas continua andando para trás para de repente dar um grande passo.

O engraçado é que normalmente estou andando para trás quando o assunto é você. Posso fazer tudo certo na vida e ter boas escolhas, mas quando chega em você... Só tem passos largos para trás e acho até que parei de andar para trás no dia em que cheguei à estação de trem novamente. Acho que foi nesse dia em que minha vida só teve um rumo: reencontrar-me com você.

Agora que isso aconteceu, eu não consigo mais fazer aquilo que queria, pois... Eu não consigo lidar direito com suas escolhas, pelo menos a maior parte delas. Muito menos decidir as minhas.


Nota da autora: Eu realmente não acredito que está seja a primeira fanfiction deste fandom em português. Sinto-me honrada, haha. Enfim, espero que tenha agradado. Obrigada por ler. (empolgada)