N/T: Final de frozen. Tem alguém chorando aí? *sniff sniff*


Por Salieri

Tradu/adaptação por hime

Presente pra Bela e Chris

.

Capítulo Final

Snake In The Grass

.


Sem sequer hesitar, Sasuke empurrou a enorme porta e entrou no longo salão da cova do Sannin.

Sua expressão empalideceu quando viu a enorme cadeira no centro do local.

Parecia que essa era a sala do trono.

Ao lado do trono havia uma mão esculpida em pedra; um anel em seu dedo, o mesmo anel que Itachi usara até o dia em que morreu. Era o anel Akatsuki.


A porta se fechou e Sasuke deu alguns passos em direção ao trono.

- Eu não esperava sua visita tão cedo, Sasuke-kun. - disse em uma voz rouca, que ecoou pelo local. Orochimaru definitivamente tinha uma fraco por entradas grandiosas. Então, o Sannin apareceu do nada e deu um passo em direção Sasuke.

- Não tenho medo de você, Orochimaru.

Os olhos esverdiados o fitaram com raiva por um momento, e depois recuperaram a compostura e após alguns segundo, disse calmamente - Está aqui para aceitar minha oferta?

- Por algum tempo, sua oferta realmente havia me tentado. No entanto, tenho que recusá-la. Eu só vim aqui pra dizer que eu nunca chegarei a você por minha própria vontade.

- Eu não vou te deixar partir.

Sasuke sorriu de canto. - Sim, você vai. Eu sei que você foi que enviou os ninjas do som pra matar a Sakura. E também sei que está planejando fazer isso de novo, embora agora já saiba que você estará por trás do ataque.

- Bem, prefiro que você venha aqui para me matar do que não vir nunca. - Orochimaru admitiu.

- Eu não vim por vingança. - respondeu. - Ela sobreviveu. Só vim pra que saiba que você nunca me terá, não importa o que fizer. Se matar Sakura, eu vou te matar.

Orochimaru riu. - Isso era o que eu queria ouvir, Sasuke-kun.


Com uma calma que parecia confundir o sannin, Sasuke arregaçou a manga direita, revelando uma tatuagem em seu pulso.

Orochimaru fitou-a em descrença e Sasuke sorriu de canto. - Reconhece, não é? Afinal, foi você quem inventou esse jutsu proibido. - Orochimaru identificou o jutsu pela tatuagem; era a mesma havia ensinado à Anko anos atrás. A kunoichi deve ter ensinado a Sasuke e lhe mostrado toda a técnica proibida.

O lendário Sannin ficou completamente chocado. - Você, você não faria isso!

Sasuke assentiu triunfante. - Oh sim, eu faria sim. Você sabe o que isso significa. Ninguém pode remover ou pará-lo uma vez ativo. Um selo de mão simples e um pouco de chakra será suficiente para ativá-lo.

- Se fizer isso, você vai morrer também.

- Eu sei. E o Sharingan irá desaparecer junto comigo. Com apenas um selo de mão, posso destruir tudo num raio de vários quilometros, mas você sabe disso melhor que eu, certo? Afinal, há uma razão pela qual este jutsu é chamado de proibido.


A expressão de Orochimaru vacilou por um segundo, antes do sannin forçar um sorriso nos lábios. - Então veio para sacrificar sua vida e me matar?

- Não. - Sasuke o fitou para convencê-lo de que estava falando sério. - Eu só vim aqui pra te mostrar que estou falando muito sério. Se matar Sakura, eu vou te encontrar. E vou me matar e destruir a nós dois e acabar com sua existência de uma vez por todas. - O ódio em sua voz fez até mesmo alguém como Orochimaru vacilar; o homem acreditava que o Uchiha até então, estava blefando. - Não importa o que fizer, essa é a garantia de que você não vai obter o meu corpo ou o Sharingan. E eu estou pronto pra morrer aqui pra proteger a Sakura de você. Entendeu?


O sannin não disse uma palavra, apenas o fitou em descrença absoluta.

Sasuke desviou dele, tentando sair do salão.

Rapidamente, Orochimaru apareceu na frente do Uchiha e o fez parar. Mas sasuke já esperava por isso. Orochimaru precisava de uma atitude um pouco mais convincente de que ele estava realmente falando sério.

- Você não vai partir, Sasuke-kun! Esperei por esse momento por muito tempo, por isso não vou deixá-lo partir agora. - sussurrou.

- Quer testar minha determinação? Se não sair do meu caminho, vou usar o kinjutsu e eu vou matar a nós dois.

Orochimaru não fez nenhuma tentativa de se afastar.


Ainda completamente calmo, Sasuke fez um único selo de mão.

Ambos ficaram em silêncio.

Orochimaru só podia acreditar que isso não passava de um blefe, mas Sasuke estava determinado a passar por isso se significasse manter Sakura segura.

Nesse momento, ao ver o brilho no olhar do Uchiha, o sannin percebeu que tinha perdido.

Se não deixasse Sasuke ir, o jovem mataria a ambos.

E se ele o deixasse ir, o perderia para sempre.

Se matasse Sakura, Sasuke iria voltar e, na melhor das hipóteses, se mataria e levaria os segredos do Sharingan para a sepultura, ou, na pior das hipóteses, levaria Orochimaru junto consigo.


Depois de deliberar os cenários possíveis, Orochimaru cedeu e desistiu.

Deu um passo para o lado. - Você venceu, Sasuke-kun. Essa foi uma jogada inteligente.

Sem olhar para trás, Sasuke saiu do salão principal de Orochimaru e garantiu que ele e Sakura ficariam seguros de agora em diante. E assim, Uchiha sasuke havia derrotado o lendário Sannin.

. . .


Exausto, Sasuke fechou a porta atrás de si e tirou as sandálias enquanto jogava a mochila num canto.

Uma voz amorosa cumprimentou-o. - Okaerinasai.

O moço fitou sua esposa, que estava junto à porta do quarto, fitando-o ainda sonolenta. Sakura aproximou-se e o abraçou. - Onde estava?

- Teve medo que eu não fosse voltar? - perguntou em vez de responder.

- Não. - Sakura desembaraçou-se do abraço e acompanhou-o até o quarto. Sasuke despiu-se e ela notou a tatuagem em seu pulso. - O que é isso? - perguntou espantada.

Ele se sentou na cama ao lado dela, Sakura imediatamente tomando a mão masculina nas suas.

Com a ponta dos dedos, tocou a tatuagem. - Essa é a garantia da sua segurança. - respondeu.

- Você foi ao Orochimaru, não foi?

Ele balançou a cabeça. - Tenho a certeza que ele vai deixá-la em paz a partir de agora.

- Tsunade vai te matar. - disse. - Ela estava com muita raiva porque você saiu da Vila sem permissão, de novo. - Sasuke encolheu os ombros e deitou-se na cama. Sakura inclinou-se sobre ele e descansou a cabeça em seu peito. Ele fechou os olhos e ouviu-a dizer. - Você vai ficar comigo pra sempre, certo?

Lentamente, ele abriu os olhos.

Ela o fitava em expectativa. – Sim. - E colocou a mão sobre o rosto alvo e continou. - Se você ainda quiser, é claro.

Com um sorriso quase triste, Sakura respondeu. - O que você acha? Não me deixe sozinha, nunca mais. Isso é o que eu quero.


Ele não podia deixar de lembrar-se como a havia tratado desde o primeiro dia de seu casamento. Feriu-a tantas vezes e ela aceitou todos os maus tratos e ainda assim o amava.

Por que tinha sido tão estúpido para não perceber o quão maravilhosa ela era?

- Sakura. - disse.

Curiosamente, ela se sentou e olhou para ele. Ele puxou o colar sobre a própria cabeça, colar esse onde havia duas alianças; ele não tinha tido a chance de dar o anel de casamento de volta para ela.

Abriu o colar e pegou o anel menor.

Pegou a mão dela e tentou colocá-lo no dedo feminino, e foi quando se lembrou que ele, provavelmente, deveria dizer alguma coisa. - Sabe ... Eu não sou bom com palavras, não tenho muito a dizer. Mas, quero que saiba que sinto muito por tudo o que fiz com você. Eu te dei esse anel pelas razões erradas. - E o colocou no dedo da moça e mesmo que este tivesse sido um gesto lamentável para compensar um casamento terrível e uma proposta de casamento péssima, ainda assim Sakura já podia sentir lágrimas em seus olhos. - Vamos começar de novo, Sakura.

Ela apenas balançou a cabeça, incapaz de dizer qualquer coisa.

Isso foi atípico dela, ele começou a perceber que sua esposa geralmente tinha uma resposta para dar. Seu olhar desviou ao chão e, inesperadamente, lágrimas escorreram pelo rosto.


Sasuke não tinha idéia de que as pessoas podiam chorar quando estavam muito felizes também.

Preocupado, agarrou os ombros dela e perguntou. - Sakura, você está bem?

A kunoichi enxugou o rosto e tentou sorrir. - Só estou feliz.

Aliviado, ele a abraçou. - Eu te fiz chorar de novo. - Ainda era um pouco estranho tê-la tão perto de si, mas era bom tê-la em seus braços. Ela era sua verdadeira fraqueza, mas ele estava disposto a aceitar uma fraqueza se tal o fizesse sentir-se dessa forma... quente e confortável.

- Sasuke? - a ouviu dizer.

- Hn?

- Poderia dizer de novo?

- Dizer o quê?

- Você só me disse que me amava uma vez. - respondeu. - Quando me encontrou no nosso apartamento depois do ataque.

- Eu pensei que você fosse morrer nos meus braços. - disse. E ele nem sabia o porquê, mas dizer 'eu te amo' ainda era algo difícil.

Ela suspirou. - Tudo bem, tudo bem. Fico feliz que você tenha dito ao menos uma vez.

Ele não respondeu.

Um monte de coisas tinha acontecido e ela o havia mudado, admitindo ou não, Sakura o havia mudado.

Mas ele ainda não poderia resistir; Sasuke ainda não havia usado a palavra "amor" em anos. Para ele, tal palavra deixava um gosto amargo na boca. Ele o diria novamente, mas não agora.

. . .


Cuidadosamente, o moço verificou seu uniforme e as armas que estava planejando trazer consigo.

Hoje trajava o uniforme típico Anbu.

Sakura amava quando ele o vestia, ele se sentia um pouco estranho naquilo, mas no momento não queria provocar Tsunade. A velhota não tinha estado muito satisfeita com a sua 'viagem' para 'visitar' Orochimaru e não tinha atribuído a ele quaisquer missões pelas três últimas semanas.

Mas agora, a Anbu não poderia ficar mais sem ele. Sorrindo de canto, ele pegou a máscara.

A porta do quarto abriu e Sakura parou para observá-lo.

Ela estava vestindo apenas uma camisa, a camisa dele, para ser exata, e à essa visão ele desejou que pudesse voltar às últimas três semanas que tiveram de férias para aproveitar um com o outro.

Sakura sorriu. - Vai embora tão cedo? Deve ser uma missão importante.

- É sim.

- E você provavelmente vai arriscar a vida mais uma vez, certo?

Ele balançou a cabeça uma vez, - Acho que sim.

Ela caminhou até ele e o abraçou. - Não importa quantas missões saia ileso, eu nunca vou parar de me preocupar com você. Cuide-se e volte pra casa em segurança.

Ele a beijou. - Não se preocupe. - Hesitante, ela o soltou e ele caminhou até a porta.

Como sempre o fazia, Sakura foi até a janela para poder vê-lo se afastar rumo à missãoque tinha em mãos.

Sasuke sentiu um calor inesperado ao fitar sua esposa. Era bom ter alguém que se preocupava consigo e esperava por seu retorno em segurança.

E sorriu. Esta era a liberdade que Itachi queria para ele.

Isso era tão bom.

Sasuke deixou o apartamento e, mas antes de fechar a porta, disse num quase sussurro. - Eu te amo ...

. . . F I M . . .


n/t:

Certo, agora a voz é de vocês:

Gostaram dessa história?

O que acharam da visão-Salieri do casal SasuSaku?

Deixem suas impressões sobre a história aí embaixo nessa "caixinha mágica" ;D

. .

Bom, flores, vou-me indo,

amanhã teremos The Window,

bjito

Hime.