Disclaimer: Essa história pertence à vickitori303, os personagens pertencem à Stephenie Meyer e a nós pertence a tradução!


Capítulo 25 – O casamento não é fácil, mas você luta pelo amor

Tradução: Ju Martinhão

~ Agosto 2016 ~

Bella POV

Eu não diria que eu era uma mulher de sorte. Claro, eu estava contente com a vida que eu vivia, eu tinha ótimos amigos, uma família que me amava e um trabalho que eu gostava de ir a cada manhã, mas no fundo eu sabia que havia sempre algo que faltava. Eu não sabia o que era até cerca de oito anos atrás, quando um homem entrou na minha vida e a virou de cabeça para baixo, um homem que acabaria me fazendo sua esposa e mãe de seus filhos.

Edward e eu estávamos casados havia cinco anos, durante os quais nós amamos, rimos fizemos bebês, brincamos, discutimos e fizemos as pazes. Nosso casamento não era perfeito, mas a nossa relação enquanto nós namorávamos também não era.

Eu continuei a trabalhar na New Moon Rising, aceitando uma promoção como gerente do lugar quando Leah abriu outro centro do outro lado da cidade. Trabalhando através de uma gravidez e meia com o estresse da nova posição foi um pouco difícil, mas eu continuei a perseverar, isso simplesmente significava levar o trabalho para casa no final do dia, o que era horrível para os nossos filhos.

Eu dei à luz ao nosso primeiro bebê em 05 de janeiro - um menino chamado Tristan Anthony, quase nove meses depois de Edward e eu nos casarmos. A médica nos informou que eu concebi na semana do casamento e ela poderia identificar a data exata, mas nós não quisemos saber. Nós preferiamos pensar que estávamos casados e Tristan foi concebido na Itália durante a nossa lua de mel, em vez de dias antes de nosso casamento em um banheiro no Salish Lodge. No entanto, isso era incrível e quente.

Nosso segundo filho, uma menina chamada Emma Rose, nasceu em 25 de junho, dois anos depois, cinco dias depois do aniversário de Edward. Ela foi uma bênção disfarçada - ela conseguiu que Edward desacelerasse e passasse mais tempo em casa com a sua família.

Edward ainda estava trabalhando no hospital infantil, embora nós tenhamos conversado sobre ele sair e abrir a sua própria clínica; ele não estava pronto para deixar aquele ambiente ainda. Eu apoiava a sua decisão, mesmo que eu odiasse sua agenda e a quantidade de tempo que ele estava longe de mim e nossos filhos. Os pacientes, as crianças no hospital, eram a razão pela qual ele entrou na pediatria.

E isso também explicaria por que eu estava sentada do lado de fora de um campo de baseball em um dia terrivelmente quente, sentindo-me como uma baleia encalhada com a minha barriga redonda. As coisas que fazemos para mostrar nosso apoio e amor.

As equipes de todos os hospitais de Seattle se uniram para organizar um torneio de softball para caridade, todo o dinheiro arrecadado iria para a escolha da caridade da equipe vencedora. Cada hospital formulou sua própria equipe e esteve treinando pelas últimas semanas.

Eu mencionei que este torneio também colocou pai contra filho?

Nós estávamos no Woodland Park desde as nove da manhã. Alexis, Tristan, Emma e eu tínhamos assistido oito equipes jogarem entre si, até que finalmente estávamos na 'série mundial' – Northwest contra Infantil de Seattle. Carlisle era o capitão da Northwest e Edward era o capitão do Infantil de Seattle. Deixe a conversa de tapas começar.

"Você sabe que vai cair, Edward." Carlisle disse, apontando um bastão em seu rosto.

"Ah, vamos lá, velho, meu time é mais jovem e mais rápido. Nós vamos chutar sua bunda".

"Eu estive observando vocês jogarem e acho que Lexi poderia fazer um trabalho melhor de balançar esse bastão do que alguns dos seus homens." Carlisle provocou, balançando o bastão como se estivesse batendo uma bola.

Edward esperou alguns segundos antes de responder. "Sim, você está certo, mas a minha filha está na equipe de estrelas, o que você esperava?" Ele deu de ombros, rindo.

Alexis era uma menina feminina 90% do tempo, até que ela entrasse no campo de softball, então ela se tornava a criança competitiva que arrebentava enquanto usava suas chuteiras cor de rosa e capacete. Sua equipe tinha vencido múltiplos campeonatos estaduais. Embora Edward tenha perdido alguns dos seus jogos nos últimos quatro anos, tanto ele como eu estávamos muito orgulhosos das realizações dela.

"Mamãe, papai e vovô são maus. Sem biga." Emma repreendeu, colocando as mãos nos quadris.

Ela olhou para mim com seus olhos cor de chocolate. Edward dizia que ela era quase uma réplica exata de mim, com exceção do seu cabelo, que era da cor do de Edward com os meus cachos, e poderia ser a razão pela qual ela o tinha enrolado em seu dedo mindinho.

"Oh, querida, eles estão apenas brincando. Não estão, rapazes?" Eu questionei severamente, estreitando meus olhos para eles.

Os corpos tanto de Edward como de Carlisle enrijeceram e eles olharam timidamente para nós.

"Sua mamãe está certa, Emma-Bell." Ele disse, pegando-a e beijando sua bochecha. "Nós estamos tendo um pouco de diversão".

"Vocês dois precisam ter cuidado ao redor dela. Vocês sabem o quanto ela fica sensível".

"Desculpe, Emma-la." Carlisle se desculpou, dando um beijo molhado e desleixado em sua bochecha.

"Eca, Vovô, nojento." Ela disse, franzindo o nariz e enxugando sua bochecha com sua mãozinha enquanto nós ríamos.

"Ow." Eu assobiei, colocando a mão no meu abdômen.

"Você está bem, amor?" Ele perguntou, erguendo as sobrancelhas.

"Sim." Eu me encolhi, empurrando a minha barriga e mudando minha posição nas arquibancadas. "Ele está muito agitado hoje".

"Você tem certeza? Porque parece que você está com dor, amor".

Eu estava com cerca de cinco semanas da minha data de parto e estava ficando cada vez mais desconfortável a cada dia que progredia. Eu estava feliz, no entanto, por eu ser capaz de sair depois de estar em repouso na cama por causa das dores de parto falsas do mês passado, a minha médica disse que eu estava fazendo muita coisa. Quando eu estava grávida de Tristan e Emma, eu ainda estava andando e trabalhando neste período. Liam estava definitivamente me fazendo reconsiderar ter mais bebês com Edward.

Esta gravidez não foi planejada como as duas primeiras. Não, isso era o que acontecia quando você fugia do controle de natalidade, não chegava na farmácia a tempo e seu marido chegava em casa de uma conferência parecendo sexy como o inferno em uma camisa e gravata.

Enquanto eu estava feliz em ter outro filho, eu estava preocupada que eu seria deixada em casa sozinha, cuidando de três filhos pequenos.

"É por isso que eu não queria que você viesse, linda. Eu sabia que era muito cedo para você sair da cama. Além disso, tenho certeza que esse calor não está ajudando." Ele passou Emma para Carlisle, em seguida, colocou as mãos na minha barriga, pressionando delicadamente. "Você tem bebido muita água?" Ele então pegou minha mão e beliscou a pele, eu levemente a bati para fora.

"Pare de ser um médico, eu não sou sua paciente." Eu ordenei, e 90% de mim quis dizer isso.

Edward tinha sido mais Médicoward do que Papaiward e Maridoward durante o último ano e meio, esse assunto era um dos motivos pelos quais nós discutíamos depois que as crianças estavam na cama, na maioria das noites... isso era só se ele estava em casa. Ele esteve passando cada vez mais tempo no hospital, lutando por uma promoção que ele alegou que permitiria que ele passasse mais tempo com a sua família. Eu não estava segurando a minha respiração. Você não deveria ter que trabalhar tanto para conseguir trabalhar menos. Isso simplesmente não fazia sentido.

Edward inclinou-se para perto de mim, seu rosto a apenas alguns centímetros do meu. "Você é sempre minha paciente, amor." Ele sorriu antes de beijar meus lábios.

Eu balancei minha cabeça, tentando evitar um sorriso se formando. Embora eu estivesse brava com ele pela maior parte do tempo ultimamente, eu ainda gostava de ver o seu lado namorador, vendo e ouvindo que ele ainda me queria, mesmo grávida. Eu estaria mentindo se dissesse que o pensamento de ele me traindo com uma enfermeira jovem e mais magra não tinha passado pela minha cabeça pelo menos uma vez; esse pensamento começou a formular quando a nossa vida sexual levou um golpe com esta gravidez.

"Mãe!" Eu ouvi alguém gritar. "Olha quem está aqui!"

"Oh, você é um idiota, Dr. Cullen." Eu comentei, revirando meus olhos.

Virei minha cabeça de Edward, que suspirou, e vi Alexis caminhando em nossa direção com Esme, que estava carregando Tristan, Emmett, Rosalie e seus três filhos, seguidos por Jasper, Alice e seus dois filhos, Brandon e Jackson. Emma gritou e se contorceu para sair dos braços de Carlisle, ele a colocou no chão e ela correu para Jackson. Eles eram melhores amigos, já que tinham cerca de um mês de diferença de idade. Alice e eu conseguimos ficar grávidas por volta do mesmo tempo, com ambas as nossas gestações.

"Nós perdemos? Eles ainda não começaram, não é?" Emmett perguntou ansiosamente.

Esme deixou Tristan nas arquibancadas antes de caminhar até Carlisle e saudá-lo com um beijo casto. Ele passou um braço em volta da cintura dela quando eles se separaram e a segurou perto do seu lado.

"Não, eles ainda estão se aquecendo." Eu respondi quando Edward sentou ao meu lado.

"O bebê tá chutando?" Tristan me perguntou.

Ele estava fascinado com a minha barriga, ainda mais quando eu disse a ele que ele teria um irmãozinho. Ele não ficou feliz quando dissemos a ele sobre Emma. Ele queria permanecer o bebê e não se importava de ter uma irmã mais nova. Lembro-me de entrar no berçário inúmeras vezes para colocar Emma para o seu cochilo e Tristan estar sentado lá, chupando o polegar com seu cobertor de dinossauro. Mesmo agora, ele tendia a empurrá-la por aí e tentava colocar a culpa nela pelas coisas.

"Por que meu pai e Edward estão parados aqui enquanto todos os outros se aquecem?" Rose questionou.

"Eles acham que são bons demais para isso. Não é, querido?" Eu o provoquei, dando um tapinha no interior da coxa de Edward.

"Só porque você está grávida não significa que eu não vou puni-la." Edward sussurrou, inclinando-se para a minha orelha.

Sim, não haverá nenhuma punição até depois de eu ter este bebê, isso é certo.

"Ei, pessoal." Jasper acenou, aproximando-se das arquibancadas com água, refrigerante e cachorros-quente.

Eu cumprimentei Alice quando ela se sentou ao meu lado e ajudou Jasper a entregar comida para todos.

"Vamos jogar bola!" O juiz anunciou.

"Vá chutar alguns traseiros, querido." Esme aplaudiu, esfregando as costas de Carlisle.

Dei um beijo em Edward para dar boa sorte e ele correu para o banco de reservas com Alexis, porque ela era a garota dos bastões das equipes. Todo mundo tomou um assento nas arquibancadas, Tristan ficou entre as minhas pernas, inclinando-se um pouco contra o meu estômago redondo.

Nós assistimos ao jogo por cerca de 25 minutos, torcendo para os dois lados para ser justos, quando Rosa perguntou, "É bom vê-la fora de casa. Como você está se sentindo, mamãe?"

"Estou desconfortável hoje. Acho que ele está pronto para nos agraciar com a sua presença, pela maneira como ele está se movendo por aí." Respondi com um rosto sombrio.

"Você tem certeza que não são contrações Braxton Hicks*?" Alice perguntou, juntando-se a conversa.

*Contrações Braxton Hicks são comuns durante o terceiro trimestre de gravidez, podendo surgir menos frequentemente durante o segundo. Ao contrário das contrações do trabalho de parto, essas não são ritmadas, sendo imprevisíveis.

"Sim, estas são diferentes." Eu respondi, tomando uma respiração profunda e pressionando minha mão contra o meu estômago. "É triste, você acharia que por agora eu saberia se estou em trabalho de parto. Não é como se esta fosse a minha primeira gravidez".

"Você deveria ir para casa, B." Alice comentou, parecendo preocupada.

"Eu me sentia muito bem esta manhã. Isso começou cerca de quatro horas atrás, mas eu acho que você está certa. Você se importaria de me levar, Alice? Eu não me sinto confortável dirigindo. Podemos pegar meu carro e Edward pode pegar uma carona com Jazz depois do jogo?"

"Sim, é claro. Eu vou levá-lo. Esme tem cadeirinhas que Jazz pode pegar emprestadas? Esme." Alice chamou do outro lado da arquibancada em direção a ela.

"Sim?"

"Vou levar Bella para casa. O calor está começando a ser demais para ela. Pensamos em deixar as crianças aqui e Jazz vai levá-los para casa com Edward, mas ele precisará pegar cadeirinhas emprestadas do seu carro".

"Oh, sim, isso não deve ser um problema. Elas estão sempre no carro, apenas no caso dos meus netos decidirem que querem passar algum tempo comigo." Ela sorriu. "Você precisa de alguma coisa de mim, Bella?"

"Não, eu só preciso deitar. Obrigada, porém".

"Tudo bem, melhoras, querida." Esme beijou minha bochecha e esfregou minha barriga. "Cuide-se".

"Diga a Jazzy que eu levei Bella para casa quando ele voltar do banheiro com Tristan?" Alice pediu a Rosalie, que assentiu.

Tanto Alice como Rosalie estenderam suas mãos e me ajudaram a levantar, eu usei a mão de Emmett para descer da arquibancada enquanto todos me desejavam boa sorte. Comecei a gingar para o estacionamento com Alice e quase não consegui passar o banco de reservas quando Edward veio correndo até a cerca.

"Para onde você vai?" Ele perguntou, levantando seu boné de baseball e enxugando o suor da testa com as costas da mão.

"Eu estou quente e cansada, então Alice vai me levar para casa." Eu parcialmente menti, andando em direção a ele. "Desculpe, eu não posso assistir o resto do jogo".

"Bella, não minta para mim, por favor. O que está realmente errado?" Ele perguntou, preocupação evidente em seus olhos.

"Eu estou tendo contrações e só quero deitar, descansar um pouco, você sabe." Eu expliquei, ficando com lágrimas nos olhos enquanto eu olhava em seus olhos cor de esmeralda. Ah, como eu sinto falta do homem por quem eu me apaixonei. Eu sei que ele está lá em algum lugar.

"Eu voltarei para casa com você." Ele sugeriu, preparando-se para pular a cerca.

"Não, você fica. Tudo o que eu farei é dormir. Você estará em casa antes que saiba e, se alguma coisa grande acontecer antes, eu ligarei para a sua mãe".

"Bella." Ele suspirou.

"Edward, se eu achasse que era do nosso interesse." Eu comecei, esfregando meu estômago para que ele soubesse que eu eu estava falando sobre Liam também. "Eu teria você vindo comigo".

"Você não está brincando comigo, está?"

"Não, não sobre isso. Eu sei o quanto você se preocupa com a nossa saúde." Eu respondi, séria. "Eu o verei em breve." Dei-lhe um beijo rápido, então corri minhas unhas pelo seu cabelo, coçando seu couro cabeludo, sabendo que isso normalmente aliviava sua preocupação. "Vá ganhar algum dinheiro para o câncer infantil".

"Eu te amo, e fique bem, por favor".

"Eu também te amo, e eu ficarei." Com um último beijo, eu o deixei na cerca, observando-me caminhar para longe, ou, mais precisamente, gingar para longe.

"Mamãe, onde você e tia Ally vão?" Tristan perguntou, aproximando-se de nós quando nos aproximamos do carro.

"Para casa. Você quer vir?" Eu perguntei, pegando sua mão para que pudéssemos atravessar o estacionamento.

Tristan tinha um lugar especial no meu coração. Ele era um mini-Edward da cabeça aos pés; não havia um pedaço de mim em suas características físicas, o que tornava muito difícil para mim discipliná-lo, ou dizer não. Também ajudou que ele foi o nosso primeiro, um pedaço de Edward e eu, o fato de que ele foi concebido por volta do nosso casamento tornou ainda mais significativo.

"Eu posso?" Ele perguntou animadamente.

"É claro que você pode vir conosco." Eu disse.

Quando chegamos no carro, eu abri a porta para ele e Tristan entrou no banco de trás, afivelando-se na sua cadeirinha. Alice e eu seguimos suas ações e fomos para casa, eu enviei uma rápida mensagem para Esme para avisá-la que Tristan estava comigo.

~ Três horas depois ~

Eu me agitei quando senti um toque quente esfregando para cima e para baixo pelo meu braço.

"Ei, amor, como você está se sentindo?" Edward sussurrou antes de gentilmente beijar minha bochecha.

"Eu ainda estou cansada." Eu bocejei.

"Como estão as contrações?"

"Elas ainda estão aí, mas eu estou lidando com elas. Eu só sei que preciso descansar o máximo possível enquanto espero pela minha bolsa romper".

"Bem, pelo menos você não estava dormindo sozinha antes de eu levá-lo para a cama." Edward comentou, apontando para o travesseiro vazio ao meu lado com um amassado ainda sobre ele.

"Sim, ele quis voltar para casa comigo, então eu disse que sim. Ele adormeceu antes de mim. Ele teve um grande dia tentando acertar a bola como você com seu pai." Eu sorri, lembrando como Tristan assistia Edward sempre que ele estava disposto na posição de rebater e praticava o balanço exatamente depois que Edward fazia. "Onde estão Emmy e Lexi?"

"Alice ofereceu para levar Emmy para a sua casa para que ela pudesse brincar com Jackson, e Lexi quis passar a noite com a minha mãe e meu pai. Espero que esteja bem eu ter dito sim para isso".

"Não, isso está ótimo. Obrigada." Eu disse agradecida, colocando um simples beijo em seus lábios. "Quem ganhou?"

Quando ele sorriu, eu já sabia a resposta antes de ele responder. "Minha equipe, por três corridas. Meu pai não foi um perdedor ruim sobre isso, no entanto. Ele ofereceu para nos levar para jantar em comemoração após o bebê nascer e estar em casa. Falando em comida, você quer alguma coisa? Você não comeu muito hoje".

"Eu sei, e não, eu só quero ficar deitada aqui com você." Eu admiti sonolenta, agarrando a mão dele para puxá-lo para mais perto de mim. Eu queria sentir seu corpo atrás do meu, o que era um sentimento raro assim tão tarde e eu não estava prestes a dispensá-lo.

"Eu gostaria que você comesse alguma coisa. Você vai precisar da sua força, amor." Ele mencionou, mas ficou confortável debaixo das cobertas.

"Mais tarde. Agora, eu só quero dormir. Mm, é bom sentir você tão perto." Eu murmurei.

"É bom ter você me querendo tão perto." Ele murmurou contra o meu pescoço, onde ele colocou beijos leves.

Senti meu corpo ficar rígido com as suas palavras. Eu sabia que agora era o momento de conversar com ele sobre os sentimentos que eu mantive guardados por tanto tempo. Então, eu lentamente manobrei meu corpo para o meu outro lado, de modo que eu ficasse de frente para ele. Coloquei minha mão no lado da sua bochecha e acariciei sua pele áspera.

"Eu sei que não tem sido fácil para você nos últimos oito meses, e por isso eu sinto muito. Eu quero dizer que são apenas os hormônios, mas eu estava perdendo a conexão entre nós, Edward. Eu sinto sua falta." Eu confessei.

"Eu estive bem aqui." Ele respondeu, avaliando meus olhos à procura de pistas sobre o que eu estava falando. "Eu tenho tentado reconectar com você por meses".

"Seu corpo tem tentado, mas isso." Eu disse, cobrindo o seu coração. "Isso nos deixou. Eu sei que você me ama e aos nossos filhos, mas há algo faltando e eu não sei o que é. É como se você estivesse procurando isso no trabalho, com a quantidade de tempo que você gasta lá. Eu quero que você descubra isso, no entanto. Eu quero que você conserte isso porque eu não quero trazer um bebê para isso".

"O que é isso?" Ele perguntou confuso.

"Eu não sei. Eu apenas sinto que há essa distância entre você e eu, e então entre você e as crianças. Eu não quero que isso continue. Eu quero que o Edward por quem eu me apaixonei volte para mim, aquele que nos colocava antes do trabalho e sua família em primeiro lugar. Eu não sei mais quem você é." Eu expliquei, lágrimas acumulando nas minhas pálpebras e escorrendo pelas minhas bochechas.

"Bella." Ele suspirou, beijando minhas lágrimas.

"Também não ajuda que quando nós falamos sobre essas coisas, você não lida com isso, você só me acalma... beija aqui e ali. Nada é feito. Você está ouvindo o que eu estou dizendo?"

"Eu estou, Bella. Eu não sei o que você quer que eu diga." Ele reconheceu. "Eu sei que não tenho estado muito ao redor por causa do trabalho, mas eu estou aqui quando posso. Eu brinco com as crianças, eu as alimento e passo tempo com você. Eu estou ouvindo você, mas eu não entendo o que você quer de mim".

"Eu não sei." Eu rosnei em frustração. "Eu só sei que no meu coração há algo errado. Você está com medo de alguma coisa? É por isso que você está se distanciando?"

"Claro que eu estou assustado, Bella. Como posso não estar?" Ele perguntou, erguendo sua voz ligeiramente. "Eu não sei o que vai acontecer. Quero dizer, inferno, com Tristan você teve uma reação alérgica e vocês dois poderiam ter morrido. E então, com Emma, no momento em que a levamos para o hospital, você estava muito longe no processo para obter algum tipo de droga e, antes que soubéssemos, ela estava em seus braços. Preocupa-me que algo dê errado com este e eu perca você, especialmente com o quanto esta gravidez tem sido difícil. Eu não posso criar essas crianças sozinho, eu simplesmente não posso. Eu fiz isso uma vez e não posso fazer isso de novo." Ele resmungou.

"Oh, Edward." Eu chorei, passando meus braços em volta do pescoço dele e o puxando tão perto de mim quanto possível. Senti água gotejar no meu ombro nu enquanto eu o segurava.

Eu não sei quanto tempo se passou sem qualquer um de nós dizer nada, mas eu fui a primeira a quebrar o silêncio.

"Veja, estas são as coisas que você precisa me dizer." Eu sussurrei em seu ouvido. "Eu não sou uma leitora de mente, Edward. Eu preciso saber que você está com medo sobre a gravidez e que você ainda está preso sobre o que aconteceu com Tristan".

"Eu não queria colocar esses pensamentos em sua cabeça." Eu dei de ombros. "Ou adicionar aos temores que você criou para si mesma".

"Sim, eu tenho certeza que não teria ajudado." Eu murmurei.

"Do que você tem medo, Bella?" Ele perguntou, alisando meu cabelo do meu rosto.

Imediatamente, o pensamento me fez chorar mais forte do que eu já estava e eu balancei minha cabeça.

"O que é isso, Bella? Por favor, diga-me... eu disse o meu a você".

"Preocupa-me que eu ficarei aqui sozinha, cuidando de três crianças pequenas e Alexis enquanto você está sentado no trabalho com belas enfermeiras ao seu redor esperando para ajudá-lo a tirar a pressão sanguínea de um paciente, ou a temperatura. Você se preocupa que eu não estarei aqui para ajudar, mas acho que é mais difícil saber que você está por perto, mas não aqui." Eu soluçava.

"Bella, eu nunca nem jamais vou traí-la com qualquer dessas mulheres, ou qualquer mulher, neste assunto".

"Eu sei disso, Edward, é apenas algum pensamento louco que meus hormônios da gravidez criaram no meu cérebro." Eu funguei.

"Eu nunca deixarei você, amor. Esse pensamento nunca passou pela minha cabeça, desde o dia em que te conheci, eu sabia que você tinha que ser minha".

"O sentimento foi... é mútuo, Edward." Ele agarrou minha mão esquerda e deu um beijo no meu dedo inchado onde minha aliança de casamento uma vez esteve. Ela já não cabia.

"Eu vou corrigir isso, Bella, eu prometo. Esse medo que você tem de ficar sozinha, eu farei o meu melhor para eliminá-lo. Eu estarei fisicamente aqui para você e nossos filhos depois que o bebê nascer".

"Eu quero acreditar em você, Edward, eu quero, mas as suas ações falam mais alto que palavras." Eu admiti.

"Eu farei isso direito, de alguma forma. Agora, durma. Conversaremos mais tarde." Ele deu um beijo na minha testa e começou a cantarolar, sabendo que isso facilmente me colocaria para dormir.

Acordei algumas horas mais tarde sentindo a umidade entre minhas pernas.

"Edward!" Eu gritei.

Em poucos minutos, ele veio correndo para o quarto.

"Está na hora?" Ele perguntou, esperançoso.

"Sim." Eu assenti.

"Tudo bem, deixe-me pegar sua bolsa, acordar Tristan e levá-lo na casa ao lado. Vista-se e eu já volto".

"Ok." Eu disse, arrastando-me para a beirada da cama e sentando. "Eu acho que nós precisamos comprar outra cama".

"Bem, nós nos preocuparemos com isso depois." Ele disse, pegando a bolsa e indo para a porta. "Agora, eu preciso que você se vista".

Eu troquei para uma calça de ioga confortável e uma camisa solta que cobria minha barriga, e depois deslizei em uma havaianas e comecei a fazer o meu caminho para as escadas. Encontrei Edward no caminho. Ele estava reclamando sobre uma pequena briga que teve com Tristan sobre permanecer com Alice e Jasper.

Ele agarrou minha mão e levou-me para o carro, ajudando-me a entrar nele. Quando ele recuou, eu notei Alice vindo correndo da sua casa com Tristan.

Depois que Alice teve Brandon, ela queria se mudar para os subúrbios e, sorte para todos nós, a casa ao lado estava à venda. Estávamos apenas esperando pela outra do outro lado ser colocada à venda para que Rosalie e Emmett pudessem se mudar e ter Jacob comprando o terreno vazio que acabou de aparecer para que pudéssemos ser todos vizinhos.

"Eu sinto muito, eu sei que vocês estão tentando sair daqui, mas ele queria dizer algo a Bella." Alice explicou quando Edward abriu a janela.

"Está tudo bem, Alice. O que você precisa dizer para a mamãe, Tristan?" Edward perguntou docemente.

"Você tá tendo bebê agora, mamãe?"

"Sim, eu estou".

"Boa sorte e eu te amo".

"Obrigada, querido. Agora, seja um bom menino e vá dormir para a tia Ally. Talvez quando você acordar, você terá um irmãozinho. Como isso soa?"

"Yaye! Tchau." Ele acenou antes de soprar-me um beijo como Edward ensinou a ele tantos anos atrás.

~ Centro Médico Sueco ~

No momento em que chegamos ao Centro Médico Sueco na Broadway, as contrações estavam ficando piores e mais próximas. Edward pegou a primeira cadeira de rodas que conseguiu encontrar e me colocou nela, e depois me levou para o elevador e para o nono andar. Você pensaria, pelo jeito que ele estava agindo, que este era o seu primeiro filho, e não o seu quarto.

"Oi, minha esposa, ela está em trabalho de parto. A médica dela, Dra. Koala, deve estar a caminho, eu liguei para ela do carro." Ele explicou para a enfermeira.

"Acalme-se, Dr. Cullen." A enfermeira riu quando levantou e se inclinou sobre o balcão. "Oi, Sra. Cullen, que bom vê-la aqui novamente. Já está na hora? Você não está um pouco adiantada?"

"Ei, Ashley. Sim, eu acho que está na hora e eu sei que está adiantado. Estou de apenas 35 semanas, mas as contrações estão vindo com cerca de oito minutos de intervalo".

"Vamos estebelecê-la em um quarto enquanto aguardamos a sua médica chegar aqui. Você terá parto natural, certo?"

"Eu planejo isso, a menos que algo dê errado e eu tenha que fazer uma cesariana".

Eu vi Edward estremecer pelo canto do meu olho e lembrei da nossa conversa sobre os seus medos, eu tive que ter uma cesarianda de emergência com Tristan. Agarrei a mão dele e a segurei firmemente enquanto a enfermeira me levava para um quarto.

"Você pode ficar aqui, ou fazer uma caminhada pelo corredor até a sua médica chegar. Algumas mães dizem que uma caminhada ajuda a acelerar o processo." A enfermeira sugeriu.

"Nós faremos isso, obrigado." Edward sorriu.

Edward puxou-me da cadeira e levou-me de volta para o corredor; ele estava muito mais calmo agora que estávamos no hospital e dentro do alcance de uma enfermeira. Nós caminhamos de um lado a outro no piso de linóleo algumas vezes em silêncio, o único ruído vindo de uma TV, ou uma máquina bipando de dentro de alguns dos quartos. Eu estava concentrada na minha respiração e em passar através das contrações; Edward parecia como se estivesse contemplando algo.

"Então, eu acho que descobri uma maneira de corrigir este problema entre nós e eu queria falar com você antes de tomar qualquer decisão." Ele disse, quebrando o silêncio.

"Ok." Eu arrastei as palavras, um pouco nervosa para ouvir o que ele tinha a dizer.

"Eu liguei para o chefe depois que você adormeceu. Tenho certeza que conseguimos organizar um cronograma onde eu estarei em casa à noite e nos finais de semana".

"O quê?" Eu perguntei, puxando a sua mão quando parei nossos passos. "Como você conseguiu que ele concordasse?"

"Bem, eu meio que disse a ele que eu me demitiria se ele não me desse isso. Quero dizer, eu tenho trabalhado pesado para eles, trabalhando sempre, preenchendo para quem quer que seja nos últimos quatro anos, eu mereço isso".

"Então, você estará em casa para jantar, banhos e hora de dormir?" Eu perguntei, ainda não acreditando nas palavras que saíam da boca dele.

"É isso mesmo, amor." Ele balançou a cabeça, um sorriso lento aparecendo em seu rosto. "E isso deixa muito tempo para nós nos reconectarmos por meio de conversas, banhos, abraços, sexo... o que você quiser".

"Eu não posso acreditar que isso está acontecendo... que você está verdadeiramente fazendo isso." Eu disse, mais para mim mesma enquanto descansava minha mão na parede para não cair pelo choque.

"Vamos levá-la de volta para o quarto para discutir isso melhor." Ele propôs, envolvendo um braço ao redor da parte inferior das minhas costas e nos levando de volta para o nosso quarto privado, fechando a porta atrás de nós. Sentei-me ao lado da cama e ele entrelaçou nossos dedos, tomando um assento ao meu lado. Eu podia sentir meu corpo tremendo. "Bella, eu notei que você estava mais temperamental, eu apenas coloquei a culpa nos hormônios, não na minha falta de presença em casa. Sinto muito por ter levado tanto tempo para perceber o que eu precisava fazer. Eu quero trabalhar em ser um pai melhor e um marido para você. As coisas vão mudar para melhor, eu prometo".

"Obrigada. Obrigada, Edward." Eu sorri, pressionando meus lábios nos dele por um breve segundo.

"Eu realmente tenho sido um mau pai e marido?" Ele perguntou timidamente.

"Você é um pai incrível, Edward, nossos filhos são a prova disso. Você apenas se desviou ao longo dos últimos cinco anos. Você coloca o hospital antes da sua família".

"A única coisa que eu jurei que nunca faria. Você sabe, Emmett uma vez me disse que eu tive sorte porque meu pai estava sempre por perto para todos os meus jogos, mas ele perdeu muitos dos dele. Eu entendo o que ele estava dizendo agora. Eu devo a eles um pedido de desculpas, especialmente a você. Eu sinto muito, Bella, por ser um pai ausente, mas, acima de tudo, um marido." Ele confessou, segurando minha cabeça nas palmas das suas mãos.

"Eu te amo, Edward Cullen. Eu te amo e eu não trocaria você por ninguém." Eu assegurei.

Inclinei minha cabeça para cima levemente e senti o calor dos seus lábios contra os meus mais uma vez. Normalmente eu o teria beijado por alguns segundos e depois me afastado, mas eu queria aproveitar isso. Pela primeira vez em meses, senti o desejo de me perder nele, de ser consumida pelos seus lábios. Fechei minhas mãos atrás do seu pescoço, segurando-o para mim. Ele grunhiu, mordendo meu lábio inferior forte, provocando um gemido meu.

"Agora, sério?" Ele resmungou, não separando de mim. "Estamos falando de um mau momento".

Ele não estava brincando sobre mau momento; uma contração bateu e foi brutal.

"Merda!" Eu amaldiçoei, inclinando para a frente, tentando diminuir a dor. "Isso dói".

"Continue lutando através disso. Você está quase lá." Edward apoiou.

Mais alguns segundos e eu estava sentada ereta novamente.

"Essa foi dura." Eu reclamei.

Minha médica entrou pela porta logo depois, enquanto Edward esfregava círculos suaves em minhas costas. Fui convidada a me trocar para um vestido e, uma vez que eu me troquei, ela verificou meu colo, eu estava dilatada cinco centímetros.

"Ok, Bella, eu vejo que você teve uma reação alérgica à lidocaína na peridural com o seu primeiro filho e você foi de parto natural com o seu segundo. Você está procurando algo para aliviar um pouco a dor desta vez?" Dra. Koala perguntou, olhando o meu prontuário.

"Eu gostaria de algo para anestesiar a dor um pouco. Sei que não será tão eficaz quanto uma epidural, mas vendo como minhas opções são limitadas, vamos fazer isso." Eu balancei minha cabeça para segurança.

"Tudo bem, eu avisarei o nosso anestesista que você receberá um anestésico local e em breve".

"Obrigado, doutora." Edward disse.

"Eu estarei por perto se você precisar de alguma coisa".

Tivemos que esperar mais cinco horas antes de qualquer coisa poder começar a acontecer. Durante esse tempo, Edward ligou para os nossos amigos e familiares para dar-lhes as atualizações. Tentei dormir, já que era tarde, mas foi difícil com os enfermeiros entrando constantemente para nos verificar e as contrações. Eu recebi a minha injeção, vi Edward dormir sem jeito em uma cadeira, mastiguei cubos de gelo, passei por ondas de calor e frio, e até mesmo me encontrei chorando enquanto eu repassava nossas conversas anteriores na minha cabeça. Edward ficou ao meu lado, a mão pronta para quando eu precisava apertá-la.

Eu não poderia ter ficado mais feliz quando a Dra. Koala atravessou as portas depois de uma enfermeira ter acabado de sair e me informou que era hora de trazer o bebê Liam ao mundo.

"Tudo bem, Bella." Ela disse, colocando as luvas. "É isso. Precisarei que você se sente um pouco. Edward, venha para o lado esquerdo dela e agarre o pé dela para que ela possa pressionar contra a sua mão. Ashley ficará do lado direito fazendo a mesma coisa que você. Na contagem de três, Bella, eu precisarei que você nos dê um grande empurrão".

Edward ajudou a sustentar os travesseiros atrás de mim, já que eu era incapaz de fazer isso sozinha. Ele então pegou minha mão com a sua direita, deu um beijo no topo da minha testa emaranhada de cabelo e segurou meu pé com a esquerda, o meu outro descansando na mão de Ashley. Estribos caseiros, eu pensei.

Eu me preparei mentalmente para a dor e exaustão que estavam para vir no meu corpo. Eu fiz isso pelo pensamento de Liam, segurando-o em meus braços, vendo-o nos braços de Edward...

"Um, dois, três, empurre, Bella!" Dra. Koala ordenou.

Agarrei nos meus joelhos, cerrei meus dentes e empurrei. Eu gemi e tentei respirar pelo nariz, até que se tornou demais e eu tive que respirar pela boca. Era como se nada se movesse, como se meus esforços fossem sem nenhuma razão, porque o que estava lá dentro não queria sair.

"Muito bom, Bella, relaxe um pouco e depois faremos isso de novo".

Esperamos pelo que pareceu 30 segundo em minha mente, mas provavelmente foi mais como três minutos, antes de eu estar empurrando contra os meus estribos improvisados , grunhindo e empurrando ao mesmo tempo.

Eu podia ouvir Edward dizendo-me o quanto eu estava indo bem, para continuar a empurrar; eu amava o homem, mas, naquele momento, eu só queria que ele se calasse. Ele não era aquele sentado em uma cama de hospital, empurrando como se a sua vida dependesse disso. Ele não era aquele que teve que carregar uma criança de 2,5 ou três quilos nos últimos oito meses, sim, claro, ele não foi sempre tão pesado, mas, ainda assim, quanto mais pesado ele ficava, mais quente o clima ficava lá fora. Clima de verão e estar grávida não andam de mãos dadas.

Quando a pressão contra o meu pé diminuiu, eu percebi que era hora de descansar novamente. Este processo durou cerca de duas vezes mais, na terceira vez, a Dra. Koala nos disse que podia ver a cabeça.

"Você sabe, por que todos os filmes mostram que é sempre um máximo de três empurrões e, pronto, você tem um bebê. Isso é tão não verdadeiro, falsa publicidade." Eu resmunguei, sem fôlego.

"Só mais dois bons empurrões, Bella, e seu filho estará fora".

"Você está fazendo um trabalho incrível, linda." Edward adicionou.

Eu me abracei contra Edward e as mãos de Ashley, apertando a mão livre de Edward até que os nós dos meus dedos ficaram brancos e senti um pouco de sangue em meus dedos e empurrei com tudo o que eu tinha em mim. Edward continuou a me apoiar e suas palavras de amor sobre segurar o nosso filho realmente ajudaram-me dessa vez. Antes que eu percebesse, eu estava ouvindo choros do meu bebê, 'parabéns' das enfermeiras e 'Eu te amo, eu te amo' do meu marido, enquanto isso eu chorei, emocionalmente e fisicamente exausta quando deitei minha cabeça contra o travesseiro maçante.

Liam Charles Cullen nasceu às 04hs43min em 14 de agosto. Ele pesava três quilos e media 42 centímetros.

"Edward, você gostaria de cortar o cordão umbilical?" Dr. Koala perguntou.

"Claro." Ele encolheu os ombros. Ele pegou as tesouras na mão e cortou onde a médica lhe disse.

Enquanto eu esperava pelo meu bebê ser limpo e enrolado em um cobertor, eu era supervisionada e cuidada pela médica, que estava se certificando que eu não estivesse sangrando mais do que o necessário. Finalmente, uma enfermeira colocou Liam gentilmente embalado em meus braços. Eu não pude evitar o sorriso que apareceu no meu rosto, vendo o meu lindo menininho se aconchegando ao meu peito, sua boca em forma de 'o'.

"Ele é adorável, olhe, ele tem o seu nariz e uma cabeça cheia de cabelo castanho escuro." Edward mencionou.

"Nosso filho está aqui, Edward, e ele é tão perfeito." Eu chorei feliz.

Fiquei olhando para ele, memorizando tudo o que eu podia sobre ele através dos meus olhos embaçados - contando seus dedos das mãos e pés, traçando seu queixo, seu nariz e os lábios quando ele de repente começou a ter dificuldade em respirar.

"Algo está errado! Ele está com falta de ar!" Eu exclamei.

Uma enfermeira levou Liam dos meus braços, colocou-o em sua caixa de plástico e começou a dar-lhe oxigênio através de uma pequena máscara enquanto um médico e outra enfermeira corriam pela porta. Eles me informaram que ele tinha que ser levado para a UTI neonatal e que voltariam para me dar uma atualização.

"Oh Deus, Edward." Eu soluçava. "Ele é prematuro, e se os pulmões dele não estiverem totalmente formados?"

"Vai ficar tudo bem, amor. Ele é um Cullen, o que significa que ele é um lutador e ele vai superar isso." Edward disse calmamente, salpicando beijos em minha cabeça.

Nós ficamos em silêncio, ambos perdidos em nossos pensamentos enquanto esperávamos alguém voltar com novidades. Uma enfermeira tentou entrar para mudar a roupa de cama, mas Edward a enxotou. Dez minutos mais tarde, uma médica entrou.

"Dr. e Sra. Cullen, Liam está melhorando. Nós o colocamos no oxigênio agora e vamos mantê-lo na UTI pelos próximos dias para manter um olhar atento nele. Ele está respondendo muito bem, então não deve haver nada para se preocupar." Eu balancei a cabeça e ela nos deixou sozinhos.

"Obrigado, doutora." Edward disse atrás dela. "Viu, ele ficará bem, Bella".

"Eu sei, eu estou repetindo as palavras da médica na minha cabeça." Eu funguei. "Eu só quero segurá-lo em meus braços novamente. Foi apenas por um segundo".

"Você vai, mas agora, ele precisa de cuidados. Você provavelmente será capaz de vê-lo em um par de horas." Ele tentou me tranquilizar. "Você está cansada?" Ele perguntou quando um bocejo escapou.

"Estou, mas estou muito doente de preocupação para dormir agora".

"Por favor, tente, por mim e Liam. Nosso filho precisará de você para alimentá-lo, o que significa que você precisará da sua energia".

"Você está certo".

"Deixe-me chamar a enfermeira para que você possa obter alguns lençóis limpos e possa dormir mais confortavelmente".

Edward voltou com uma enfermeira, que fez um rápido trabalho de mudar os meus lençóis.

"Agora, descanse um pouco. Eu ligarei para os nossos pais, vou avisá-los o que está acontecendo. Tenho certeza que Charlie vai querer fazer planos para vir visitar, assim como os meus pais".

"Não são nem cinco da manhã. Deixe-os dormir um pouco. Você deve descansar um pouco também." Eu disse com os olhos caídos. "Junte-se a mim nesta pequena cama?" Eu dei a Edward o meu melhor olhar de cachorrinho e beicinho e ele cedeu em segundos.

Charlie e Sue decidiram esperar até Liam sair do hospital para visitar, não querendo se aglomerar conosco, mas Carlisle e Esme apareceram com Alexis por volta das nove da manhã de domingo para ver como estávamos. Alice trouxe Tristan e Emma na segunda-feira, ambos estavam animados em ver seu irmão mais novo, mesmo que fosse através de uma janela. Eu fui liberada dois dias após o nascimento.

Liam teve que ficar na UTI por cinco dias, ele foi alimentado através de um tubo até o quarto dia. Eu aparecia todas as manhãs e ficava até eles me expulsarem, bombeando o leite materno e fazendo um pequeno cuidado canguru. Edward se tornou o Sr. Mãe e tomou conta das crianças para mim enquanto eu focava minha atenção em deixar Liam mais forte.

~ Um Ano Depois ~

"Parabéns pra você!" Nós todos cantamos para Liam, que estava sentado em sua cadeira com um pequeno bolo na sua frente e gritando, com lágrimas escorrendo pelas suas bochechas.

"Ah, não chore." Eu disse através de uma risadinha, porque ele parecia totalmente chateado.

"Pai, eu chorei quando fiz um ano?" Tristan perguntou para Edward.

"Não, você na verdade empurrou suas mãos para a coisa antes que pudéssemos acender a vela." Edward riu. "Sua Vovó tem um álbum inteiro de fotos daquele dia".

"Oh, Vovó, posso ver essas fotos?" Tristan perguntou.

"A qualquer hora, Tristan. Digo a você, da próxima vez que você for à minha casa, vamos olhar o seu álbum".

"Legal." Ele sorriu.

"E quanto a mim, Vovó?" Emma perguntou, puxando a camisa dela.

"Eu tenho um para você também, Emma-la".

"Oh não, não faça isso." Eu disse, um pouco alto demais.

Liam ainda estava tendo um ataque e jogou sua cabeça no bolo. Felizmente, eu tinha tirado a vela antes que ele fizesse isso. No entanto, ele estava gritando a plenos pulmões agora.

"Edward, você pode levá-lo para se limpar, por favor." Eu implorei, enxugando a cobertura dos seus olhos e nariz, em seguida, movendo o bolo fora da bandeja dele.

"Claro." Edward manobrou seu caminho através da nossa família e amigos para a cabeceira da mesa. Ele colocou a câmera em cima da mesa e pegou Liam, mantendo-o a uma distância dos braços. "Vamos, homenzinho, vamos limpá-lo".

"Obrigada." Eu sorri.

As coisas tinham mudado para melhor em relação ao ano passado. Edward estava mais envolvido tanto em casa como com as atividades das crianças; ele até se tornou um treinador para a equipe de baseball de Tristan no início do ano e ajudava Alexis com o seu softball.

O primeiro par de meses com Liam em casa foi difícil, ele raramente dormia e eu simplesmente não tinha a energia como eu costumava ter. Eu teria ficado louca cuidando dele e das outras crianças sozinha se Edward não tivesse mudado sua agenda por nós. Ele provou dia após dia por que ele era um pai maravilhoso e uma das razões pelas quais eu me apaixonei por ele.

"Então, as coisas estão melhores com você e Edward, querida?" Sue perguntou, vindo me ajudar a cortar o bolo e limpar a bagunça que Liam criou.

Eu nunca expressei minhas preocupações sobre o meu casamento para ela, mas ela alegou que podia ver nos meus olhos e ouvir na minha voz quando as coisas estavam ruins.

"Sim, estão. O Edward que eu sempre conheci e amei está de volta e as crianças podem ver a diferença nele." Eu sorri.

"Estou feliz de ouvir isso. Algum pensamento de mais bebês para vocês dois?"

"Uh, nós realmente não temos discutido isso, mas eu estou meio que bem com os quatro que nós temos. Eu não tenho certeza que posso lidar com uma outra gravidez. Eu não sou tão jovem como eu era quando Tristan nasceu. Eu simplesmente não tenho mais a energia." Eu expliquei.

"Bem, eu diria que vocês deveriam ter mais alguns só porque eles são tão adoráveis." Ela sorriu. "Oh, você ouviu que Seth e Maggie estão esperando seu primeiro filho para o próximo ano? Eu amo este negócio todo de avó".

"Eu ouvi. Maggie me ligou na semana passada para me dizer. Estou tão feliz por eles".

Seth casou com Maggie, que ele conheceu através de Leah e Jacob, cerca de dois anos atrás, depois de namorarem por três anos. Eles agora moravam em Seattle - Maggie trabalhava no outro centro de Leah e Seth trabalhando com tecnologia de informação para alguma empresa. Maggie estava de três meses.

"Tudo bem, mamãe, eu estou limpo e o papai até trocou a minha fralda." Edward disse com uma voz de bebê, segurando Liam esticado na frente do seu rosto.

"Obrigada, papai." Eu sorri, dando um beijo em Edward quando peguei Liam dele.

Era para ser apenas um curto, mas Edward passou o braço em volta da minha cintura, puxou-me para perto do seu corpo e inclinou minha cabeça para trás quando aumentou a pressão contra os meus lábios, uma mão apoiada na lateral do meu pescoço.

"Mm, baby." Eu murmurei timidamente contra os seus lábios. Eu podia sentir a presença de Sue atrás de mim.

"Hum, você tem gosto de glacê." Ele murmurou, beijando-me mais uma vez e então parando ao meu lado, mantendo o braço em volta da minha cintura. "Você precisa de ajuda com alguma coisa?"

"Não, eu meio que gosto de você aqui ao meu lado." Eu disse, bicando seus lábios novamente. "Tudo bem, o bolo está pronto. Pessoal, venham buscar um pedaço e levem para fora. Charlie acendeu a fogueira para nós".

Emma foi a primeira a correr para o balcão; Sue pegou um prato para ela e a ajudou a levar para fora sem deixá-lo cair. Todos os outros seguiram o exemplo. Para o primeiro aniversário de Liam, nós convidamos a nossa família e os amigos para um churrasco e imaginamos acabar a noite do lado de fora, ao lado do fogo.

"Bella, eu posso pegar Liam um pouco?" Maggie perguntou. "Você sabe, para obter alguma prática?"

"É claro, obrigada." Eu respondi, entregando-o a ela.

Edward e eu fomos deixados sozinhos na casa.

"Você fez um trabalho incrível planejando esta festa, querido." Eu elogiei, colocando um beijo em seu peito... sobre o seu coração.

"Obrigado. Eu estava um pouco preocupado, sabe, chamando todos para o churrasco, conseguindo o bolo e as decorações de Pequenos Einsteins." Ele disse sarcasticamente.

"Cale-se." Eu ri, batendo levemente no seu peito. Edward passou seus braços firmemente em torno de meu corpo, então eu estava pressionada contra o seu peito; eu suspirei em seu abraço.

"Vamos, amor, vamos sair com a nossa família." Ele sugeriu.

Edward pegou minha mão e guiou o caminho para a varanda, onde todos estavam sentados ao redor da fogueira e batendo papo. Nós compartilhamos uma cadeira e nos juntamos à conversa, que tendia a girar em torno dos nossos filhos e suas atividades. Jacob e Leah estavam nos dizendo como eles encontraram pedaços de cabelo preto na lata de lixo, que pertenciam à sua filha de quatro anos de idade, que tinha recebido um corte de cabelo do seu irmão mais velho, Billy.

"Oh, isso soa como algo que Tristan faria para Emmy." Eu comentei. "Graças a Deus nós não tivemos isso acontecendo, apenas pintura na cara".

"O que há com irmãos mais velhos azucrinando suas irmãzinhas?" Leah perguntou. "Eu pensei que eles deveriam protegê-las".

"Nah, lembra como Mikey aterrorizava Julie em Olha Quem Está Falando Também?" Emmett lembrou, nos fazendo rir. "Quero dizer, ele arrancou a cabeça do animal de pelúcia favorito dela e jogou fora".

A hilaridade continuou por cerca de mais uma hora, altura em que as crianças estavam ficando irritadas e adormecendo em alguns dos nosso colos. Depois de dizer adeus a todos, nós subimos para colocar as nossas crianças na cama. Alexis nos deu beijos e abraços, Tristan esperou Edward ler um livro para ele, Emma se enrolou com o seu cobertor em sua cama de 'menina grande' e olhou para seu teto estrelado depois de ser aconchegada por nós dois e eu carreguei Liam para o seu berçário, onde eu o balançava para dormir.

Eu devo ter dormido com Liam na cadeira, porque acordei com Edward silenciando nosso filho choramingando enquanto o colocava em seu berço.

"Vamos levá-la para a cama, meu amor." Ele sussurrou, levantando-me da cadeira.

"Hum." Eu gemi, esfregando meu rosto em seu pescoço.

Edward me levou para a cama e deitou-me gentilmente. Ele mudou-se para ficar em pé, mas eu deslizei meus braços ao redor do seu pescoço e puxei seus lábios para baixo para os meus. Deixei meus dedos emaranharem em seu cabelo. Abri minha boca, permitindo que nossas línguas conectassem. Nossos beijos não eram apressados, embora nós dois soubéssemos que não tínhamos muito tempo sozinhos. Eu saboreava esses momentos tarde da noite ou no início da manhã, antes que nós dois tivéssemos que ser arrastados para cuidar da nossa família e ir trabalhar. Eu suspirei quando senti o peso do seu corpo no meu.

Eventualmente, as roupas foram eliminadas preguiçosamente e eu fui consumida pelo homem que eu amava, o homem com quem eu casei, o homem que era o pai dos meus filhos. Toques suaves e excitantes, beijos gloriosos, pequenas mordiscadas e lambidas aqui e ali com suspiros e gemidos suficiente até que ambas as nossas libertações oscilavam à beira do precipício, os músculos enrolando à espera de serem libertados. Suas estocadas moviam com uma nova força, um braço escavando sob as minhas costas e levantando meus quadris para fora da cama, batendo onde eu mais precisava dele. Minhas paredes apertaram em torno do seu comprimento e eu gritei em sua boca, meu orgasmo atirando através do meu corpo uma e outra vez, até que Edward grunhiu e ficou imóvel quando o seu clímax passou por ele. Nós montamos a onda juntos, sem fôlego e exaustos.

Edward nos rolou para os nossos lados, nossa pele molhada e pegajosa, e me segurou perto do seu peito.

"Você acha que as coisas serão sempre assim? Você acha que depois de 50 anos juntos, você ainda vai me querer tanto assim?" Eu perguntei curiosa.

"Eu sempre vou querer você, amor." Ele disse, mergulhando a cabeça e pressionando seus lábios nos meus. "Para sempre".

"Para sempre." Eu respirei, fechando meus olhos e me aconchegando mais perto dele.

Isso é o que eu estava perdendo todos aqueles anos sendo solteira... a sensação de ser inteira, completa.


Nota:

O que acharam desse final? Ainda bem que Bella e Edward conseguiram se reconectar e viver felizes com essa família, né?

Não esqueçam de deixar reviews! Existem mais de 130 pessoas com essa fic em alerta e apenas NOVE comentaram no último cap.!

Bjs,

Ju

AHHHHHHHHHHHH acabou finalmente. Gostaram? Sim? Não? Mais ou menos?

Como muitas de vocês colocaram a vickitori303 escreve de uma forma bem realista. E eu amei, sei que demorou mais que o normal, mas as coisas nem

Sempre são como queremos e é isso. Obrigado primeiramente a Vickitori, por ter permitido a tradução e ser tão simpática.

A Ju Martinhão que além de traduzir, betou a fic inteira e a Leili Pattz que também traduziu muitos dos capítulos.

E como sempre obrigado a você leitor que apreciou nosso trabalho e tirou um tempinho pra comentar.

É o fim dessa fic, da Lexi :3

Mas semana que vem vocês poderão conhecer a Emily, na nova fic com criança. *juro que vai ser postada bem rapidinho*

UM ÓTIMOOOOOOOOOOOOO ANO A TODOS.

Beijos Lary Reeden