Uma one-shot Naruto.

Classificação etária: M

Romance/Humor/UA

Shipper: Gaa&Saku

Autora: Cutecrazyice & tradução por K Hime

Do Original: "13 tips, 24 hours".

Sinopse: # 1: Não o culpe pelo que aconteceu. # 2: Não insulte sua areia. #3: Não… E a lista continua. O que mais precisa ser feito quando se está lidando com o mestre das areias em pessoa?


.

.

13 dicas, 24 Horas

.

.
Coisas para se fazer quando você está em uma situação inusitada em algum lugar ( em qualquer lugar ) com o uma vez conhecido (assassino mortal) – e Kazekage de Suna:

.

.

#1: Não o culpe pelo o que aconteceu.

.

- Isso é tudo culpa sua! – Sakura gritou com raiva, de seus olhos verdes saíam punhais afiados em direção ao moço ruivo que estava de pé ao lado dela, dentro daquele lugar subterrâneo maldito e rochoso no qual ficaram presos: Uma caverna, muito provavelmente, não que isso importasse agora, porque a questão principal era, eles ficaram presos. Ponto final. Fim da história.

E ele foi o único culpado.

.

Gaara, o Kazekage de dezessete anos de idade, Kage de Suna, apenas olhou para ela, uma expressão indecifrável no rosto. Seus braços estavam, como de costume, dobrados sobre o peito, como se ele não tivesse a intenção de ir a lugar algum.

O que provavelmente não iria acontecer mesmo.

Não que eles pudessem! Sakura pensou furiosamente.

Ela continuou olhando muito feio para ele, esperando provocar alguma reação no moço, mesmo que por apenas por um breve segundo.

Mas isso não aconteceu.

- E como isso é culpa minha? – perguntou, a voz fria e calma.

- Porque em vez de controlar a si mesmo, você não, tinha que ficar se mostrando e usar toda a sua areia pra derrotar aquele ninja estúpido, sabe, você poderia ter feito isso com apenas uma kunai! Agora olhe isso … estamos presos no meio do nada!

Silêncio.

- … Não estamos no meio do nada. Estamos no interior de uma caverna subterrânea.

- ARGHHH! Você é impossível! Essa frase é tão estúpida quanto sua areia estúpida! – ela resmungou, apontando um dedo acusador para o shinobi. – Estúpida, droga de areia estúpida!

.


#2: Não insulte a areia estúpid…er, a areia dele.

.

—Você não estava pensando direito e agora olha! Eles conseguiram enganar a todos nós, porque você estava apenas jogando sua areia estúpida pra todos os cantos como se fosse algum tipo de brinquedo! Foi irresponsável e poderia ter nos matado e …

- Haruno?

- O quê! – Sakura gritou, inspirando e expirando freneticamente após seu falatório incansável. Gaara apenas fitou-a estoicamente, ainda sem se mover.

- Não chame a minha areia de estúpida.

.


# 3: Não o insulte!

.

- Tudo bem, então você é o único estúpido aqui!

Silêncio.

A única coisa que fez Sakura perceber que talvez tivesse cruzado algum tipo de linha invisível foi que Gaara tinha se movido e parado de pé bem na sua frente. Ele a escorou … Contra a parede da caverna. Uma parede rochosa, úmida e fria E sem saída.

Oh, Kami.

Seu rosto ainda estava ilegível, mas, bem … assim era o Gaara. Quando foi que alguma vez ele mostrara alguma emoção?

Ele chegou mais perto. Ela quase hiperventilou com a proximidade.

- Haruno?

- Sim? – Foi tudo o que conseguiu ranger entre dentes.

- Você realmente deve aprender boas maneiras, sua mulher rude.

- E-u eu…

- E tentar ser útil. Faça uma fogueira.

Silêncio.

Então Sakura descobriu que não podia fazer nada, a não ser fitar para as costas do ruivo se afastando de si. Então seus orbes se arregalaram em completo estado de choque. Em seguida, ela se recuperou.

E então, lançou-lhe um olhar muito feio.

Ele basicamente a chamara de inútil!

Oh, esse cara iria pagar muito caro por isso.

Bem, quando ela recuperasse seu chakra, é claro.

.


# 4: Não comece conversas sem sentido.

.

Assim que Gaara tinha terminado de vasculhar o ambiente escuro e havia determinado que, sim, realmente não havia saída, ele voltou até Sakura, e viu que ela tinha acabado de fazer uma pequena fogueira com o auxílio de duas pedras.

Teria sido impressionante – é claro, se você não fosse um ninja.

.

Ficaram sentados em silêncio por um tempo.

Ele, silenciosamente, olhando para o fogo chamuscante e que trazia uma certa segurança dentre toda aquela escuridão daquela caverna fria. Ela, em silêncio, remoendo o fato de ter sido enganada (realmente deveria ter percebido que suas reservas de chakra estavam se esgotando!) Por intermédio dos truques de seus inimigos.

.

Eventualmente, o tédio beteu forte na kunoichi de cabelos rosa.

- Gaara?

- …

Ela nunca gostou de chamá-lo de Kazekage-sama porque era algo tão fora de moda, em sua opinião.

- Você acha que os ninja do som ainda estão lá fora?

- Hmm.

- Você acha que alguém está procurando por nós?

- Hmm.

- … Você acha que o nosso chakra vai voltar logo?

- Hmm.

- Você acha que vamos … morrer aqui?

- Não.

Ela piscou, com a mudança repentina de resposta. – Oh.

Silêncio.

-… Hum, Gaara?

- …

- Como poderemos tomar um banho aqui embaixo?

- …

- Ou como é que vamos comer?

- …

- Eu não posso ficar com essas roupas … Vou ficar fedendo!

- …

- Eu preciso fazer minha higiene!

Silêncio.

Então …

- Haruno?

- Sim? – ela respondeu, ansiosa por algum tipo de conversa - qualquer tipo.

- Como posso fazer você calar a boca?

Bem, tudo bem. Não esse tipo de conversa.

– Idiota. – Sakura murmurou, cruzando os braços e soltando um huff.

- Hmm.

Gaara apenas fechou os olhos.

.


# 5: Não comece a querer trocar calor humano.

.

- Gaara?

- …

Sakura suspirou e tentou novamente. – Gaara …

- … O quê?

- … Estou com frio.

Silêncio.

- … e daí?

Ela lhe enviou um olhar muito feio. – Muito frio mesmo, congelando. Você sabe o que isso significa, não é?

- … Que você vai estar cansada demais pra conversar?

- Não! – retrucou, embora a ligeira vibração de seus dentes. – Isso significa que … eu preciso de calor humano.

Silêncio.

- … Então use o seu próprio, idiota.

- Eu não sou idiota, você é que é! – Sakura gritou, avançando para onde ele estava sentado sobre uma rocha. – Eu quis dizer, eu preciso do calor do seu corpo!

-… Você quer fazer sexo comigo?

.

.

Houve uma pausa estrangulada, enquanto Sakura o encarava em pleno choque e horror.

- Como se atreve a sugerir isso! – balbuciou, ainda engasgando um pouco com as próprias palavras.

- Eu estava perguntando, não sugerindo. Você disse calor humano.

- O que significa abraçar!

- … O que leva ao sexo.

- Não! De onde você tirou essa idéia?

- … Shukaku.

- … Oh. Mas eu pensei que ele … havia desaparecido.

Gaara deu de ombros. – … Então? Ele estava certo, não estava? Sexo é calor humano.

Era irritante pensar que ele estava certo, mas ele estava.

- Sim.. – Sakura respondeu com relutância. – É … sim…

Silêncio.

-… Então você quer o calor do meu corpo.

- Sim, quero dizer não! – Sakura não podia acreditar, agora ela não somente estava com falta de ar mas também estava gaguejando! E tudo por causa … disso! – Eu quero calor humano!

- O que significa: sexo.

- Mas eu não quero sexo…

- O que é calor humano.

- Oh! Vamos acabar com essa conversa, seu pervertido! – gritou. Então se afastou, com o rosto vermelho e resmungando maldições bem baixinho.

- Haruno?

- O quê!

- … Você é estranha.

Talvez ela devesse apenas se matar e acabar logo com esta loucura. Fala sério!

.


# 6: Não mostre vulnerabilidade.

.

Uma hora depois.

- Gaara?

E ela já estava com medo que iria congelar até a morte.

- …

- Gaara … – chamou, em um tom de voz mais suave desta vez.

Ela tentou manter seus dentes estáveis tentando desesperadamente que eles não começassem a bater novamente, mas foi inútil, mesmo com os braços em torno de si mesma e a mochila ao lado… ela iria morrer se continuasse sentindo esse frio intenso.

Gaara olhou para cima, de onde estava do outro lado da pequena caverna. O fogo já havia apagado há muito tempo, restando apenas algumas pequenas chamas e brasas remanescentes. Mas era o suficiente para ambos poderem ver as silhuetas um do outro, embora suas expressões faciais estivessem completamente apagadas nas sombras.

- … O que é agora?

- Eu preciso de … calor humano.

Silêncio.

- Mas não sexo! – acrescentou , com bastante ênfase, caso ele tivesse a idéia errada (maldito Shukaku que fica enfiando essas idéias na mente dele!).

Silêncio.

- Por favor. – acrescentou mais uma vez, depois de um tempo. Ok, isso custou-lhe abrir mão do orgulho, mas o que era o orgulho, realmente, em comparação com os membros entorpecidos e uma possível hipotermia?

Houve um novo silêncio.

Em seguida, ouviu um suspiro. E viu a silhueta masculina movimentar-se e lentamente aproximar-se de si.

- Sem sexo. – repetiu, certificando-se que ele havia entendido a situação em si. Ele entendeu, certo? … Porque se não…

- Haruno?

- Sim?

- Apenas cale a boca e me deixe abraçá-la.

.


# 7: Não seja irritante perto dele.

.

Silenciosamente, eles concordaram em ficar juntos ao lado da quase-tão-logo-apagada fogueira. Sakura arrastou sua mochila consigo e tirou o cobertor que havia dentro – um fino, usado para embrulhar as ervas medicinais com segurança. E estendeu-o no chão frio.

Então ela se virou para olhar para ele.

Ou melhor, a versão borrada dele.

- Um … bem …

Gaara apenas balançou a cabeça. – Deite-se. Eu vou deitar ao seu lado.

Ela hesitou, um tanto insegura agora.

- Você não quer fazer isso, não é? – Ele, obviamente, viu (sentiu), a hesitação da moça.

Ela mordeu o lábio. – Eu sei que você não gosta de … contato humano.

Silêncio.

- Eu posso lidar com isso. – respondeu ele.

-… Mas se você realmente não quer…

- Eu não vou te matar durante seu sono, Haruno.

- Eu sei disso! – exclamou, incrédula pelo fato dele pensar que ela pensaria isso dele. – O que você acha que eu sou, estúpida por acaso? Eu sei que você não é mais um assassino!

.

Silêncio.

.

Então, ele suspirou.

- Deite-se, Haruno.

- Por que esse idiota só consegue me chamar pelo meu sobrenome. – murmurou baixinho.

- Deite-se, Sakura.

- Tudo bem, eu vou! – ela retrucou, olhando terrivelmente feio para ele. Com uma careta, a kunoichi se deitou no chão coberto pelo pano e de imediato, tremores percorreram seu corpo, estava tão frio!

Momentos depois, ela ouviu um farfalhar atrás de si, enquanto ele lentamente deitava-se ao seu lado. Ela estava de frente para o (quase) fogo, e ele estava de frente para suas costas.

Ela esperou. E esperou.

E nada aconteceu.

.

Com um huff indignado, ela chegou para trás até encontrar os braços do rapaz. E os puxou. E, finalmente, o peito dele colidiu com as costas femininas, proporcionando uma pontinha inicial de calor. Sakura continuou puxando os braços dele, com a intenção de envolvê-los ao seu redor. E conseguiu fazê-lo.

E foi então, para sua surpresa, que ela descobriu que as mãos do moço estavam congelando. Congelando mesmo.

Aparentemente, ela não era a única com frio ali.

Oh idiota, estúpido egoísta!

Como que num piscar de olhos, Sakura torceu a cabeça, abriu a boca para dizer-lhe exatamente o que ela achava de seu orgulho imbecil (especialmente depois que ela simplesmente havia abandonado o dela).

No entanto, ela parou.

Porque o rosto do ruivo estava a apenas alguns centímetros do seu.

Eles estavam tão perto…

Tão perto…

.

# 8: Não seja afetada pelo toque dele.

.

Seus lábios estavam quase se tocando e isso foi o necessário para Sakura se afastar um pouco alarmada.

Rapidamente, ela virou a cabeça para trás, até que ficara novamente olhando para o fogo. Que estava diminuindo gradativamente.

- Gaara, o fogo está… – começou.

- Deixa pra lá.

- Mas…

– Deixe. – repetiu, com mais firmeza neste momento.

E quando a abraçou pela cintura um pouco mais apertado, Sakura descobriu que não podia mais discutir, porque o calor do corpo dele estava de fato lentamente se infiltrando no seu próprio – foi aí que a moça percebeu que seus dentes já não estavam mais batendo e ela não estava mais tremendo.

.

Ficaram assim em silêncio.

.

Sakura fez o seu melhor para ignorar aquelas mãos quentes em sua cintura, os braços quentes em torno de si. Aquele hálito quente em seu cabelo. Ele era tão … quente.

Ela tentou não pensar sobre o fato de que seus lábios ainda formigavam. Tudo por causa daquele incidente do quase-beijo.

.

Será que ele estava ciente disso, de que havia acontecido um quase-beijo? Será que estava pensando nisso?

Ou estava apenas dormindo profundamente agora?

Caramba … será que ele dorme?

.

As perguntas cessaram quando o sono finalmente apoderou-se de sua consciência.

.


.

# 9: Não bata nele quando você acordar.

.

Horas depois, eles acordaram somente para encontrar-se em uma situação… embaraçosa.

Ela tinha se virado durante o sono e agora estava aconchegada no peito do ruivo, respirando o aroma masculino de seu pescoço. Seus membros completamente entrelaçados. Suas mãos o abraçando, repousadas calmamente nas costas do rapaz. E as mãos dele … estavam na parte da frente do torso da moça. Uma no estômago feminino, a outra … bem… er.. bem mais para cima.

Sob a blusa da kunoichi.

Logo abaixo da parte inferior dos seios da moça.

E ela estava sem sutiã.

- Pervertido!

.

Ela o chutou e o bateu e, em seguida, rapidamente desvencilhou-lhe dele, levantando-se e apontando um dedo acusador em sua direção.

- Pervertido! – repetiu, com uma carranca muito feia – tentando com todas as forças ignorar o formigamento súbito que percorreu por todo seu corpo, especialmente … lá .. embaixo..

Que coisa!

.

Gaara parecia confuso, mas apenas por um mero segundo e em seguida ele também se levantou e simplesmente olhou para ela.

.

Silêncio.

.

- O quê? – Gaara finalmente perguntou.

- Você estava … me tocando!

- É claro. Estávamos compartilhando o calor dos nossos corpos.

- Você estava… me tocando lá!

- Onde?

A moça quase começou a gaguejar novamente. – ! Você sabe onde!

Gaara deu de ombros. – Eu não. Estava dormindo.

- Você não dorme!

- Shukaku se foi. Eu tenho dormido há dois anos.

– E-u eu… – O que diabos deveria dizer quanto a isso?

Quase gritando em plena frustração, Sakura olhou para baixo e seus olhos se arregalaram quando viu quão claramente excitado … ele estava.

Muito, muito excitado.

Oh, Kami.

.


.

# 10: Não fale sobre sua excitação matinal…

.

Sem querer, ela apontou para lá.

- Mentiroso! – gritou num tom de voz um pouco triunfante.

Então, horrorizada que estava agindo triunfante sobre tal ponto de vista, sua face imediatamente corou num rosa brilhante. – Isso é a prova!

Gaara olhou para baixo.

Ela pensou que a expressão do ruivo ficaria arrependida, ou talvez pediria desculpas, mas oh, não.

Ele apenas suspirou.

- Isso é excitação matinal.

-O -o q-quê?

- Você sabe… a ereção que todos os homens tem…

- Eu sei disso! – A moça retrucou. – O que eu quis dizer é … E-eu. .. é … – De repente, ela não sabia o que queria dizer. O que deveria dizer quando nem mesmo conseguia se concentrar em nada, a não ser naquela excitação enorme, plenamente ereta e orgulhosa e …

- Sakura… por que você está olhando desse jeito pro meu…?

Sua voz era baixa. Quando é que se tornara tão baixinha assim?

.

Ele deu um passo em sua direção.

Ela recuou.

.

- Eu não estava olhando para ele. – disse a kunoichi na defensiva, tentando não olhar mais para lá.

Os olhos da moça pousaram nos dele, verdes encontraram verdes. Mesmo nas sombras, sua cor era tão clara.

E mesmo na escuridão, ela era adulta o suficiente para reconhecer a emoção naqueles orbes.

Ele deu mais um passo a frente. Sakura estava consciente da parede quase atrás de si, então em vez de dar mais um passo para trás novamente, ela colocou a mão no peito masculino para detê-lo na ação de avançar.

Ok, Talvez não devesse tê-lo feito. Porque agora sua mão estava tão de repentemente … quente.

.

Silenciosamente, ele pegou a mão dela, Sakura sentia como se a pele tocada fosse lava incandescente.

- E-eu…

- Você está tremendo, Sakura.

Talvez fosse sua imaginação, mas de alguma forma, a maneira como ele disse seu nome soou tão … íntima.

- Eu não estou. – ela murmurou. Ele deu um passo para mais perto, até que ambos estavam a apenas alguns centímetros de distância. O ruivo soltou a mão da moça e colocou a sua própria no pescoço dela. E trouxe-a para mais perto, até que seus lábios tocaram no ouvido feminino.

.

A respiração da kunoichi engatou.

.

- Você está tremendo. – repetiu ele. Ela pode sentir a respiração dele em sua orelha e aquilo foi o suficiente para nublar seus sentidos.

Haruno não podia falar.

- Você quer mais calor do meu corpo? – perguntou, num sussurro muito suave.

Ela ainda não podia falar.

- Eu poderia te dar mais. – murmurou. E gentilmente, lambeu a orelha feminina.

Ela não conseguia respirar. Kami!

Desde quando 'Gaara – o assassino' se tornara 'Gaara – o sedutor'?

– Pervertido. – afirmou, ignorando seu tumulto interior.

Ele lambeu o lóbulo de sua orelha novamente.

Ela estremeceu.

- Pervertido. – repetiu, sem muita convicção.

Ele passou os dedos em sua cintura.

Ela tremeu.

- Perv…

O shinobi não a deixou terminar a frase.

.


.

11: Não sucumba à tentação.

.

A próxima coisa que ela sabia é que estava presa – as costas contra a parede e ele em sua frente. A parede estava úmida e fria, mas ela não se importava.

Porque a boca masculina estava na sua e aquela foi a sensação mais intensa que já vivera.

.

Ele atacou os lábios da kunoichi, querendo abrir caminho adentro. Gemendo, Sakura cedeu e deixou que a língua masculina a penetrasse. E que língua maravilhosa. E tão quente.

Ele a estava deixando louca somente com seus beijos.

.

As mãos de Sakura entrelaçaram por seu cabelo ruivo. As de Gaara percorreram o caminho até a parte inferior do traseiro feminino.

Então, puxou-a para cima, trazendo-a para o mais próximo de si, as pernas dela instintivamente enlaçaram a cintura masculina. Ele a empurrou ainda mais contra a parede, até que sua excitação colidiu com a dela. Até que se encontraram. Ela tremeu mais uma vez e arqueou aproveitando-se daquele calor irresistível.

A kunoichi gemeu o nome dele, agarrando forte seu cabelo. Ele grunhia e mordiscava o lábio inferior da moça.

As mãos masculinas corriam pelo caminho até a bainha da blusa feminina, caminhando de volta lentamente para cima. Ela o deixou, desejosa pelo seu toque.

Será que isso estava acontecendo mesmo de verdade?

– Gaara… – tentou dizer entre beijos. Ele simplesmente a beijou mais forte, fazendo-a gemer de prazer. – E-uu-n-não- sin-to-mais-f-frio…

- Nem eu. – Sua voz era rouca. Quando foi que aquela voz ficou tão rouca e sexy?

- Temos que parar…

- Não.

.

Sem aviso, a mão dele viajou para cima, sentindo a parte inferior do seio nu da kunoich. Ela gemeu mais alto quando seu polegar acariciou-o.

Então, rápido como um relâmpago, suas bocas se desembaraçaram. E a dele foi parar sobre o seio da moça, sobre a blusa fina que usava.

Ela gemeu mais ainda alto, quando a boca masculina sugou um mamilo eriçado.

- Oh. Oh-Ga-a-RAAA …

Ela estava ficando louca.

Ele a sugava como se não houvesse amanhã, provocando uma sensação eletrizante que percorria por todo seu corpo. Tocando fogo em sua alma.

E depois … e depois …

Ouviu-se o boom de uma explosão.

.


.

# 12: Não diga adeus.

.

Veio de cima deles – instantaneamente quebrando pedras e fazendo com que o chão tremesse sob seus pés.

Sem pensar, Gaara moveu-se, levando Sakura consigo. Ele trouxe os dois para o chão, protegendo-a no processo.

O chão parou de tremer depois de um tempo. E, antes que percebessem, a luz do sol estava brilhando bem acima de si.

.

Além disso, havia vozes.

– Dobe. Isso foi a coisa mais estúpida a se fazer.

- Foi a única coisa que eu pude pensar, teme!

- Então você é um idiota.

Vozes realmente familiares.

.

Hesitante, Gaara se levantou, mais uma vez trazendo Sakura consigo. Eles fitaram as sombras acima, até que uma pulou para dentro da caverna.

Era Naruto.

.

- Naruto! – Sakura gritou. Imediatamente foi correndo na direção do loiro. Naruto tinha uma expressão surpresa de inicio, mas logo sorriu aliviado quando viu de quem era a voz. Ele correu também e ambos se reuniram em um longo abraço.

- Sakura-chan! – exclamou alegremente. – Gente, eu achei ela! Encontrei a Sakura-chan! – Ele olhou para cima e viu Gaara o fitando. – Gaara!

Gaara simplesmente assentiu.

E logo mais sombras saltaram na caverna. Kakashi. Sasuke. Sai.

E então seus irmãos também vieram.

- Oi, Gaara! Pensei que você não estaria vivo! – Kankuro gritou, sorrindo maliciosamente. Temari apenas olhou para ele, parecendo bastante satisfeita.

- É bom ver você, irmão. – disse ela.

Gaara permaneceu em silêncio.

Kakashi falou. – Fico feliz que vocês dois estejam bem … mas por que não usaram chakra pra sair daqui? Nós estivemos procurando por vocês por 24 horas …

- Nós fomos envenenados, Kakashi-sensei. – Sakura respondeu. E olhou para Gaara. Ele estava olhando de volta.

Ela ficou vermelha e decidiu ignorá-lo. Depois de um momento, ele a ignorou também.

- Precisamos ir a um hospital agora. – afirmou. – Nós não queremos que este esgotamento de chakra seja permanente.

Kakashi assentiu. – Tudo bem. Nós também, no caso de mais ninjas do Som aparecer.

.

Os ninjas se dispersaram, deixando Sakura e Gaara para trás. Antes de ir, eles olharam um para o outro novamente.

Ela, confusa. Ele, sem emoção como quase sempre.

Ela queria beijá-lo novamente. E ao mesmo tempo queria se afastar.

Qual era a escolha certa?

- Eu… Eu acho que estamos a salvo.

Silêncio.

- Isso não pode acontecer, você sabe… – murmurou a moça, tentando convencê-lo. Tentando convencer a si mesma. Era apenas … troca de calor humano. Impulso do momento. Nada mais. Ela não se importava com ele e ele não ligava para ela.

Ele nunca ligaria.

Silêncio.

- Eu preciso voltar pra Suna. – disse abruptamente. Sakura assentiu.

.

De alguma forma, ela sabia que ele diria isso. Isso significava que estava concordando com sua decisão silenciosa. Deixá-la ir (ambos irem embora).

Isso significava adeus.

Era o que ela queria. Certo?

- Adeus, então. – sussurrou.

Era o que eles tanto queriam.

… Certo?

.

Por que Sakura sentia vontade de chorar então?

.


.

# 13: Não se apaixone.

.

Lentamente, eles se dispersaram também e logo os ninjas começaram sua viagem de volta. Ela e seus companheiros de volta para Konoha e ele e seus irmãos de volta para sua terra natal, Suna.

Foi a decisão certa. A melhor decisão.

Porque Sakura não poderia ter sentimentos por ele, certo? Não, fala sério, não em apenas 24 horas.

Impossível.

.

Mas, enquanto a kunoichi lentamente se aproximava de sua Vila, não pôde deixar de perceber que seu coração se sentia um pouco vazio e sua mente um pouco triste.

E ela se perguntou se talvez, apenas talvez… tivesse cometido um erro deixando-o ir. Afinal…

Tudo era possível em apenas um dia.

Absolutamente tudo.

.

.

.

(Até mesmo apaixonar-se ;D)

.

.

.

.

Fin?


É isso aí, personas!

Bom, essa fic terá continuação ( esperemos até a Ice recomeçar a escrever a fic ok ;D)

vou-me,

bjitos,

Hime ;D