Bella POV


Meu nome é Isabella Marie Swan. Tenho 24 anos e sou formada em Letras. Sempre gostei dessa área literária e poucas pessoas sabem que eu "escrevo" pseudo-livros de romance. O problema é a falta de coragem de mandar pra alguma editora e o medo de tomar um não me desmotive a querer escrever mais. Eu escrevo pra me sentir bem comigo mesma e não pra virar um best seller. Alice, que é minha irmã um ano mais velha, sempre diz que meus livros são muito bons mas opnião de irmã não conta, né?

Minha família é meio "complicada" visto que meus pais se separaram quando eu era muito pequena. Minha mãe se casou com Phil, um jogador de beisebol que vive viajando o mundo por causa dos jogos. Eles vivem como eternos namorados. Dá até uma inveja branca da minha mãe por ter conseguido um homem tão bom na vida dela. Minha mãe nunca se estabeleceu numa profissão por ser muito indecisa. Ela já tentou mil coisas mas sempre abandonou nos primeiros meses. Sua profissão é "ser mulher do Phil" em suas próprias palavras. Vai entender a Dona Renée. Já meu pai se formou em Direito mas nunca exerceu a profissão, preferindo ser chefe de polícia em Forks. Sempre resmungava que queria ser Juiz pois queria colocar todos covardes na cadeia. Até um dia que resolveu fazer um concurso e passou. Foi uma alegria muito grande lá em casa e fomos sair pra comemorar. Eu e Alice estávamos nos formando no colégio na mesma época então nós e Charlie resolvemos jantar fora com alguns amigos da família. Foi aí que ele conheceu sua atual esposa, Sue. Sue é um a quileute alta e bem bonita. Morena de cabelos grandes com olhos de amêndoa bem pretos acabou conquistando Charlie. Um ano após se conhecerem e eles se casaram. Seis anos se passaram e o amor deles parece que nunca vai acabar. Sue também tinha filhos: Leah e Seth. Leah, de 27 anos, sempre admirou Charlie por isso decidiu seguir seus conselhos e se formou em Direito. Seth, de 16 anos, era um adolescente que só queria saber de futebol e vídeo-game e nada de estudos. Era uma perturbação na cabeça de Sue mas sempre respeitou Charlie como se fosse seu pai. Sue sempre tratou Alice e eu como suas filhas dando conselhos e broncas quando necessário.

Como presente de formatura, Charlie deu um apartamento pra eu dividir com Alice em Seattle próximo aonde ele morava. Sempre passávamos o domingo juntos contando as novidades da faculdade. Ele sempre insistia que a gente andasse com seguranças e andar com motoristas por causa das ameaças constantes que ele recebia. Eu e Alice sempre recusamos. Onde se teria liberdade com pingüins seguindo a gente? Eu ein! Como nosso apartamento era grande, chamamos Rosalie, nossa melhor amiga, para morar com a gente. Apesar de ser 1 ano mais nova do que as duas, sempre fui adiantada no colégio. Tudo o que fazíamos era seguido por regra pelas meninas mais novas. Eu, Alice e Rosalie éramos o trio ternura da Forks High School. Nós éramos amigas de colégio desde sempre. Cada uma escolheu uma profissão diferente. Alice se formou em arquitetura e sempre deixou claro seu amor pela decoração e afins. Qualquer festa que tenha de qualquer pessoa da nossa família ou amigos, ela organiza na maior felicidade, fazendo o que realmente gosta e mostrando que sabe o que faz. Trabalha numa empresa de decoração e arquitetura. Eu, formada em letras e uma wannabe escritora, trabalho por ironia do destino numa editora traduzindo livros para línguas estrangeiras (Italiano, Alemão e Espanhol). Já Rosalie, vindo de uma família de médicos, se formou em nutrição (Não sei como porque ela só come besteiras e tem um corpo maravilhoso.). Ela tem um irmão mais velho Edward de 27 anos que era neurologista e sempre morou em Londres estudando em colégio interno e depois cursando Medicina em Oxford. Eu me lembro de uma semana que ele passou quando concluímos o colégio. Rosalie levava ele pra cima e pra baixo em todos os lugares que nós íamos juntas. Rose sempre dizia que ele era muito ciumento. Mas também, não era pra menos, Rose tinha uma beleza anormal. Ela parecia a Barbie! Loira de olhos azuis e com um corpo de violão. Alice era uma morena com o cabelo picotado em todas as direções, baixinha e toda pequena com olhos castanhos como os meus. Com seu corpo mignon e seu rostinho angelical. E eu, Tenho cabelos grandes castanhos meio alourados com olhos cor de chocolate. Tenho um corpo digno de perfeição e aproveito bastante disso. Sempre que saímos é diversão e azaração garantida e fazíamos aposta de quem receberia mais cantada. Fútil mas era nosso momento de apertar o botão do foda-se e curtir a vida como adolescentes quase adultas. Todas nós sofríamos de síndrome do Peter Pan e não ligávamos para o que os outros falavam disso. Emmet e Jasper, 27 e 28 anos respectivamente, eram meus melhores amigos que fiz estando na faculdade. Eles eram irmãos e tinham uma empresa de engenharia civil. Sempre nos encontrávamos em choppadas e festas de fraternidade. Eu por estar cursando a faculdade e eles para azararem as meninas. Numa dessas festas em que Emmet e Rosalie estavam, Eles beberam demais, acabaram ficando e resolveram namorar depois de um tempo. Eu amava Emmet como um irmão. Ele era grande como um urso e lindo. Era maduro e tinha um coração bom. Ele estava do meu lado sempre que eu precisava e me apoiava em todas as decisões que eu tomava. Me dava conselhos e me zuava bastante também. Coisa de irmão. Quando saiamos pra dançar, ele sempre ficava no nosso pé não deixando ninguém se aproximar. Jasper era diferente. Sempre envergonhado, Ele dava um mole pra Alice discarado e ela nunca percebeu. Os pais de Jasper e Emmet eram amigos dos pais de Rosalie. Então eles sempre cresceram juntos. Jasper sempre tratou Rosalie como uma irmã. Já Edward esperava que ele cuidasse dela quando estivesse fora. Jasper só não sabia como contar para o melhor amigo que o irmão estava namorando a sua "lindinha". Ele deixou para pensar nisso quando Edward voltasse.

Todos moravam perto então isso era motivo de encontro lá em casa regada de pizzas, pipocas, Heinekens e filmes. Fazíamos isso constantemente. Quando Leah não ia para nossos encontros no meu apartamento, o clima de azaração entre Emmet e Rosalie/Jasper e Alice ficava pesado então eu me recolhia e ia escrever meus romances na paz do meu quarto. Não pensava em namorar tão cedo. Não depois do fiasco do meu namoro de 3 anos com Jacob que foi um atraso na minha vida. Ele não era um namorado companheiro. Não conseguíamos conversar sem ter nenhuma conotação sexual então eu terminei com ele depois de esperar 3 anos para ver se ele mudava. Precisava de alguém pra me fazer carinho, romântico e ser meu amigo. Ele não gostou do término e ficou atrás de mim por muito tempo até Emm bater nele. Eu não gostei disso, mas pelo menos ele se afastou de mim não sem antes falar que iria se vingar. Fiquei com muito medo sabe (er... não). Emmet até hoje se arrepende ate hoje de ter deixado aquele muleque entrar na minha vida.

Tirando o fator Jacob, tudo estava dando certo na minha vida. Até o dia 8 de Julho de 2010 quando recebi uma ligação do hospital dizendo que minha mãe havia falecido. Ainda não consigo acreditar no que aconteceu. Ela não sabia que suas dores de cabeça forte e desmaios tinham um motivo e como fumava demais acabou sendo o motivo para a ruptura do aneurisma que nem ela sabia que tinha. Agora estou aqui olhando pra um pedaço de mármore que irá representar minha mãe aqui na Terra. Ela era tão nova e apesar de não viver com ela há um tempo, eu sei que vou sentir muita falta das loucuras da Dona Renée. Tenho pena do Phill que sempre viveu aquele romance adolescente com minha mãe. Nota mental: Ligar pra ele pelo menos uma vez por mês. Ele sempre tratou eu e Allie como suas próprias filhas. Nesse momento de dor, era nossa obrigação ajudá-lo a superar essa situação. Eu e minha irmã estávamos acabadas por conta dessa notícia e estávamos nos despedindo de nossa mãe.

- Bells, vamos embora? choramingou Alice

- Já vou Allie, deixa eu me despedir da nossa mãe.

Ela foi me esperar no carro da Rosalie. Eu queria ficar ali olhando para aquele mármore e lembrando de todos os ótimos momentos que tive com a minha mãe. Todos os momentos que eu lembrava dela rindo seja de uma piada que o Phill tinha contado ou se ela tinha se estabacado no chão. Meu senso de equilíbrio era todo dela já que eu vivia caindo. Como Phill me dizia, eu tinha dois pés esquerdos. Eu ri daquela lembrança enquanto lágrimas não paravam de sair dos meus olhos.

- Bells, vamos pra casa assistir um filme? Preciso fazer algo pra alegrar você e Alice. - Rosalie me tirou do meu devaneio e me perguntou meio insegura. Rose estava sendo uma fofa e não sabia como lidar com isso e eu notei o seu esforço e a abracei forte.

- Vamos Rose. Tchau mãe, sempre te amei e sempre te amarei. - algumas lágrimas rolaram na minha despedida.

Eu, Rose e Alice fomos embora para nosso apartamento. Estava tão perdida em pensamentos que nem vi quando chegamos em casa. Todas estavam em silêncio. Combinamos no caminho que Emmet iria lá em casa para vermos um filme e comermos uma pizza.

- Oi Pequena. Oi Sininho. Vocês estão bem? - Emmet perguntou dando um abraço em mim e na minha irmã.

- Oi grandão, não estou bem, mas vou melhorar. Ver um filme com meus amigos vai me ajudar bastante. - Tentei dar um sorriso, mas saiu como se fosse uma careta e ele me olhou com cara de preocupado.

- Em, fica tranquilo que eu e Bells vamos ficar bem. Só precisamos tomar um banho. Vai passar com o tempo...

- Sim grandão. Já volto. Pede às pizzas que já já começamos a ver um filme. Pode ser qualquer um que você quiser. E pede as pizzas logo que eu estou com fome! - Eu ri e fui dar um abraço no meu amigo.

- Agora sim isso parece com a minha pequena! – Emmet riu e eu ri dele.

Eu e Alice saímos da sala para tomar um banho. Antes de cada uma ir para o seu quarto, nós demos um abraço forte e prometemos a nós mesmas que iria sarar a dor que estávamos sentindo em nosso peito. Choramos mais um pouco e seguimos para os nossos quartos. Acho que um banho cairia muito bem. Tirar aquela sensação de cemitério seria um alivio. Sentei na cama pra refletir um pouco sobre a minha vida. Um namoro que terminou de forma traumática e agora a minha mãe. O que mais poderia acontecer de ruim na minha vida. Sempre dizem que depois do mar revolto vem a calmaria. Queria saber quando a minha calmaria chegaria. Com esses pensamentos, fui tomar banho e torcendo para que minha vida seguisse em frente de forma normal.


Nota da autora: Oi gente! Tô me aventurando nesse mundo de escrever fics! Como nunca fiz isso, espero a ajuda de vocês pra saber se estou fazendo certo ou se tem algo que possa melhorar! Como ainda estou escrevendo, vou adiantar o máximo os capítulos, mas por enquanto, essa fic será atualizada de 15 em 15 dias. Depois mudo pra semanal! Espero que gostem ! :)