Play Dates

Título: Play Dates/Encontros Para Brincar
Autor(a):
SarahCullen17
Tradutor(a):
Leili Pattz
Beta:
Milena Mendes
Shipper:
Bella/Edward
Gênero:
Romance, Família
Censura:
T
Sinopse:
Bella é uma mãe solteira de um filho de cinco anos, Emerson. Edward é um pai solteiro de uma filha de cinco anos, Emmy. Eles desistiram de encontrar um amor a muito tempo até que seus filhos se tornam amigos no parque.

Disclaimer da autora: Eu não sou dona de Bella e Edward, ou qualquer outros personagens criados por Stephenie Meyer. No entanto, Emerson e Emmy são meus.

Disclaimer: A história pertence a SarahCullen17, Twilight e os personagens em sua maioria Stephenie Meyer, e a mim somente a tradução.


Capítulo 1 – Encontro

Bella PDV

"Mamãe! Mamãe! Mamãe!" Ouvi a minha voz favorita gritando enquanto a minha cama começava a saltar. Abri um olho sonolento para ver o meu homem mais importante pulando no pé da minha cama.

"Whoa, Emerson!" Exclamei assim que o meu filho de cinco anos, mergulhou em cima de mim. Eu ri enquanto passei meus braços em torno dele, aconchegando-o perto de mim. "Bom dia, baby. Você acordou realmente cedo, lindo.."

Ele beijou minha bochecha. "É sábado", afirmou.

Eu balancei a cabeça. "É." Eu estou bem ciente disso... por que as crianças têm de esperar por sua adolescência para começar a dormir?

"Então vamos para o parque?" ele perguntou esperançosamente.

Olhei para minha janela com cortinas. Luz do Sol. "Sim, querido. Deixe a mamãe levantar e se vestir."

"Ok!" Ele rolou para fora da cama e correu do meu quarto.

Estiquei e bocejei antes de me levantar. Eu era jovem, mas tinha há muito tempo abandonado à energia ilimitada que vinha com a juventude. Eu cochilei um pouco enquanto tomei um banho. Depois que a água gelou, eu sabia que tinha que sair e ir cuidar do meu homem mais importante. Arrumei o meu cabelo em um rabo de cavalo e vesti jeans e um suéter antes de entrar na cozinha. "Emerson!" Eu chamei. "O que quer para o café da manhã?"

"Waffles!" ele gritou enquanto corria para a cozinha.

"Sem gritos," Eu repreendi levemente antes de sorrir para ele. "E waffles soa muito bem. Você vai vestir pijamas do super-homem para ir ao parque?"

Seus olhos castanhos se arregalaram. "Posso?" ele perguntou animadamente.

Eu ri. "Eu não penso assim, Clark Kent. Por que você não coloca algumas roupas reais enquanto eu faço o waffles? Está frio lá fora, então use jeans e uma camiseta, querido."

Depois do café, nos preparamos para entrar no carro e ir. Arrumei uma bolsa, incluindo um romance grosso e uma garrafa de água para mim, e umas pequenas caixas de suco para Emerson. Ele já estava na porta, me esperando com impaciência.

Abaixei até sua altura e fechei o seu casaco antes de dar-lhe um beijo. "Onde está o seu boné?"

Ele revirou os olhos. "Mamãe..."

"Eu não posso correr o risco de você ficar doente," Eu disse a ele. "Vá encontrar o seu chapéu e as luvas no seu quarto e então podemos ir para o parque."

Eu abotoei o meu próprio casaco quando ele retornou com seu boné do Batman e luvas. "Obrigada", disse com gratidão como eu o ajudei a colocá-los.

"Podemos ir agora?"

"Absolutamente hun. Vamos."

Ele foi direto para o banco do passageiro do meu velho Toyota Corolla. "Nada de assento da frente", eu o lembrei.

"Ah, mamãe, por que não?"

"Porque o seu assento do carro é na parte de trás." Eu dei a volta e gentilmente o coloquei no seu assento de criança, colocando o cinto. "Onde está Buzz Lightyear?"

Emerson deu de ombros. "Eu não queria trazê-lo hoje. Eu trouxe o meu caminhão." Ele ergueu e fez um som como um motor.

"Ok", eu disse baixinho, fechando a porta e indo para o banco do motorista. Emerson tinha um ávido interesse em carros, caminhões, e qualquer outro meio de transporte. A maioria das mães não teriam se incomodado com isso, mas trazia de volta memórias dolorosas. Emerson tinha definitivamente herdado mais o interesse de seu pai em mecânica...

Enquanto eu dirigia para o seu parque favorito, eu lamentei mais uma vez na minha vida. Eu tinha 21 anos com um filho de cinco anos de idade. Se você fizer as contas corretamente, você vai descobrir que eu tinha apenas dezesseis anos quando eu tive Emerson. Era a história clichê de gravidez na adolescência – comecei a namorar Jacob Black, tivemos relações sexuais, eu fiquei grávida, e ele se recusou a ter qualquer coisa a ver comigo. Eu sempre imaginei que se engravidasse no colégio, eu imediatamente abortaria o bebê.

Mas Emerson foi automaticamente precioso para mim logo que vi o pequeno sinal rosa no meu teste de gravidez. Acho que foi porque nunca tinha tido uma mãe ao meu alcance, e talvez eu queria ser uma... De qualquer maneira, eu não estou chegando na psicologia disso. Tudo o que sabia é que não poderia dar o meu bebê.

E foi a melhor decisão da minha vida. Meu pai me ajudou tanto que dei ao meu filho o nome dele-Charlie Emerson. Ele me ajudou quando passei dois anos ainda indo a um colégio da comunidade, e então me ajudou a encontrar um emprego em Seatte... junto com um bom apartamento e um carro confiável. Charlie ajudou a me tornar uma boa mãe para o seu filho, mesmo que um marido não estivesse na imagem. Eu ainda tinha para viver moderadamente, com vale-compras e comprando marcas genéricas. Emerson não ganhava um monte de novos brinquedos, mas ele estava limpo, bem alimentado, saudável e feliz. E de verdade, isso era tudo o que importava no meu mundo.

Emerson e eu éramos muito dependentes uns dos outros. Ele era definitivamente o menino dos meus olhos, e ele amava muito sua mamãe. Embora eu fosse inteiramente muito jovem para ter um filho, sabia que era uma boa mãe. Isso era óbvio apenas pelo modo como ele me beijava e me abraçava todos os dias.

Eu dirigi até o parque e o ajudei a sair do carro, segurando sua mão enquanto caminhávamos para os brinquedos. Uma vez que chegamos à beira do cascalho, ele saiu correndo em direção as oscilações. "Emerson!" Eu chamei. "Cuidado!"

Fui ao meu banco habitual, surpresa ao ver alguém sentado no lado esquerdo dele. Quando cheguei mais perto, percebi que esse alguém era um homem realmente lindo. Ele tinha o cabelo cor de bronze desarrumado, um belo rosto esculpido, e dedos longos que estavam teclando em um laptop. Suas sobrancelhas estavam unidas em concentração.

Eu tentei sentar tranquilamente no lado oposto do banco sem perturbá-lo. Eu amava este banco, que estava sob uma árvore grande e me dava uma visão perfeita do parque inteiro para que eu pudesse manter um olho em Emerson.

Meu filho acenou para mim do topo do escorrega. Eu sorri e acenei de volta quando me sentei com meu livro. Era a minha cópia esfarrapada de O Morro dos Ventos Uivantes e um dos meus favoritos. Isso nunca ficava velho.

Comecei a ler, meus olhos olhando para cima com freqüência para verificar Emerson, e, ocasionalmente, olhando para o lado para ter um vislumbre do belo estranho ao meu lado. Percebi ao olhar o parque que Emerson estava brincando com a menina novamente. Viemos aqui tão frequentemente geralmente quando eu folgava no trabalho e quando o tempo permitia, e eu tinha visto essa menina algumas vezes. Qual era o nome dela que Emerson disse? Emma?

Ela era uma menina bonita, com o cabelo encaracolado de cor avermelhada e pele clara. Havia sempre um número de crianças que Emerson brincava, mas ela sempre se destacava para mim, porque ele brincava muito com ela. Eu me perguntei se era uma boba paixão de parque.

Sorrindo para o meu pequeno e lindo encantador, voltei para o meu livro. Não muito depois fui interrompida por Emerson.

"Mamãe", disse ele. "Posso ter meu suco?"

"Claro." Peguei uma caixa de suco.

"Posso ter dois?" ele perguntou. "Eu estou, hm, com sede."

Olhei para ele interrogativamente, mas dei de ombros. "Hum, ok. Você sabe que se desperdiçá-los, não estamos comprando mais", eu o avisei.

"Eu sei, mamãe. Vou bebê-los." Ele me deu um sorriso tranquilizador antes de tomar as duas caixas de suco e correndo para o playground. Dei de ombros e voltei para o meu livro, mas fui interrompida novamente.

"Desculpe", o belo homem ao meu lado disse. "É seu filho? Com o cabelo preto?"

"Sim", eu disse, virando para olhar o homem. "Por quê?"

Ele me deu um adorável sorriso torto de partir o coração. "Ele apenas deu uma caixa de suco para a minha filha."

Eu olhei novamente me concentrando, e podia ver Emerson e a pequena menina bebendo nos canudinhos.

"Oh," eu disse. "Eu não sabia que ele gostaria de compartilhar. Está tudo bem? Ela é alérgica ou algo assim?" A mãe em mim começou a surtar, e depois a mulher em mim se perguntou como no mundo este jovem poderia ter uma filha de cinco anos de idade. Ele não poderia ser mais velho que eu... mas eu definitivamente entendia que isso poderia acontecer.

Ele riu. "Está tudo bem. Eu só estou nervoso se é um gesto romântico. Você sabe como os pais são protetores. Sou Edward Cullen, a propósito." Ele me ofereceu a mão para apertar.

Eu ri e apertei sua mão, feliz. "Eu sou Bella Swan. E eu posso garantir que Emerson só tem as melhores intenções em mente. Ele foi educado para respeitar as mulheres."

Edward sorriu. "Eu tenho certeza. Ele é uma criança linda, por sinal. Ele se parece muito com você."

"Mais como seu pai, eu acho..." Eu meditei. Emerson tinha claramente as características de um nativo americano. "Mas obrigada. Eu posso ver a semelhança na sua adorável filha também."

"Obrigado", ele sorriu. "Emmy é o meu orgulho e alegria."

Emmy-era isso. "Eu posso notar," Eu assenti. Ele literalmente falou dela como se ela fosse sua religião.

"Emerson como Ralph Waldo Emerson*?" ele perguntou.

* Ralph Waldo Emerson foi um famoso escritor, filósofo e poeta estado-unidense. Emerson fez seus estudos em Harvard para se tornar, como seu pai, ministro religioso. Foi pastor em Boston mas interrompeu essa atividade por divergências doutrinárias sobre a eucaristia.

Corei e assenti. "Sim. Eu sou uma nerd em literatura, e passei por uma fase transcendental no ensino médio."

Ele riu. "Emmy é realmente apelido para Emily."

"Como Emily Dickinson*?" Perguntei a meio-provocando.

* Emily Elizabeth Dickinson foi uma poetisa americana, considerada moderna em vários aspectos da sua obra. Emily Dickinson, em toda sua vida, não publicou mais do que dez poemas, algumas vezes anonimamente, e teve sua numerosa obra reconhecida só após a morte.

Ele assenti e riu. "Sim. Eu sou um nerd de literatura também."

"Eu pensei que era a único que o nome do filho seria do meu escritor favorito" Eu sorriu para ele. "Isso ficou realmente entre Emerson e Langston. Como Langston-"

"Hughes*", Edward completou para mim. "O nome do meio de Emmy é Juliet, pelo meu amor de Shakespeare."

* Langston Hughes foi um poeta, novelista, dramaturgo, contista e colunista estadunidense.

"Isso é hilário", disse. "Eu nunca pensei que ia ter muito em comum com um homem num banco do parque. Acredito que sua esposa leia como você, de modo que ela aprovou o nome."

Ele balançou a cabeça. "Não tenho esposa. A mãe de Emmy saiu de cena à muito tempo atrás. Ela foi ao supermercado no meu carro com a minha carteira e deixou o bebê comigo. Eu nunca mais a vi, meu carro ou minha carteira novamente." Ele parou de falar e virou para olhar para Emmy com adoração. "No entanto, eu tenho que dizer que no fim fiquei com o melhor negócio."

"Eu também acho que você ficou. Porém ainda fico triste," eu disse.

Ele encolheu os ombros. "Está tudo bem. Emmy e eu estamos vivendo muito bem sem Tanya. Você não está usando um anel..." ele observou.

Ele olhou para verificar se eu era solteira? Eu me perguntei, lisonjeada. "Sim", eu murmurei. "O pai de Emerson está fora da cena também. E eu tenho que dizer que o respeito por permanecer na vida de Emmy. Toda criança deveria ter um pai carinhoso."

Ele suspirou. "Obrigado, Bella. No entanto, toda criança devia ter uma mãe cuidadosa. Ser pai solteiro não é fácil."

"Especialmente quando se é jovem", eu concordei calmamente, voltando meus olhos para Emerson. Ele e Emmy estavam nos balanços.

"Você pode dizer isso de novo", Edward disse baixinho.

Ele ficou em silêncio, então eu voltei minha atenção de volta para o meu livro.

Um bom tempo depois, ouvi um estrondo feio e depois um choro muito familiar. Em pânico, olhei para cima para ver o meu bebê deitado no chão na frente do balanço.

"Oh, Deus", murmurei, imediatamente soltando meu livro e correndo para ele. "O que há de errado, baby?"

"Ele pulou do balanço," Emmy me informou. "Será que ele vai ficar bem?"

"Shh, querido," Eu acalmei meu filho, virando-o. "Deixe a mamãe ver."

Ele levantou as calças, revelando um arranhão sangrento. Meu estômago rolou, mas cinco anos de ser mãe me impediu de passar mal. "Vamos lá, baby", eu disse a ele, o levantando. Ele era tão pesado...

Fiquei surpresa ao ver Edward bem atrás de mim. "Ele está bem?" o homem perguntou.

Eu assenti. "Apenas um joelho esfolado. Teremos que ir para casa para obter um Band-Aid".

"Eu tenho muitos Band-Aids", ele disse. "Traga-o para o banco."

Concordei e sentei Emerson no banco, enquanto Edward pegou kit de primeiros socorros. "Super protetor?" Perguntei com uma sobrancelha levantada quando comecei a limpar o sangue com um lenço de papel.

Edward apenas sorriu.

"Você está bem, querido", eu disse a Emerson, ainda estava fungando. Minhas mãos acariciaram seus cabelos carinhosamente e beijei o alto da sua cabeça. "Se você for menino grande sobre isso e ir brincar com Emmy um pouco mais, vamos tomar um sorvete depois." Mas só porque eu tenho cupom para uma bola grátis...

Ele assentiu e enxugou as lágrimas na manga.

Edward me estudou enquanto habilmente parei o sangramento, aplicado apenas um pouco Neosporin para que não ardesse, e depois coloquei o Band-Aid de dinossauro ao longo do machucado. Emerson ficou emocionado com o Band-Aid; o seu filme favorito era Em Busca do Vale Encantado.

"Parece o Ducky ", observou.

"Sim!" Emmy exclamou. "Tenho Sarah no meu cotovelo." Ela mostrou-nos o seu tricerátopo no Band-Aid.

"Oh, não", eu disse dramaticamente para Edward. "Você é um pai de Em Busca do Vale Encantado, também?"

Edward assentiu. "Sim, Emmy tem uma coisa com dinossauros. Acho que é melhor para mim do que princesas."

"Você está bem, pequeno?" Perguntei Emerson. "Você quer brincar mais um pouco?"

Ele assentiu, fungando.

"Ok", eu disse, beijando sua testa. "Tenha cuidado, baby. Você sabe que é tão desajeitado quanto eu."

"Tá bom, mamãe. Obrigado, Sr. pai da Emmy."

Eu ri. "Este é o Sr. Cullen", eu disse ao meu filho.

"Edward," meu novo amigo me corrigiu, dando-me um sorriso deslumbrante.

~x~

"Tia Rosalie!" Emerson gritou enquanto corria e pulou nos braços da minha melhor amiga.

"Oi, querido", disse Rose, beijando seu rosto. "Como você está?"

"Bem. Mamãe me levou para o parque e eu machuquei meu joelho, mas o novo amigo da mamãe, Edward, me deu um Band-Aid de dinossauro ". Ele apontou para o joelho.

"Amigo da mamãe?" Rosalie perguntou a ele, erguendo as sobrancelhas para mim.

"Sim", ele disse. "Tia Rosalie, quem é ele?" Emerson apontou para um homem grande e forte de pé atrás ela.

"Este é meu amigo Emmett," Rosalie respondeu. "Emmett, este é o meu lindo namorado Emerson."

"Esse é o garoto?" Emmett perguntou-lhe, oferecendo um bater de punhos. "Eu ouvi muito sobre você."

Emerson cruzou os braços e olhou para Emmett.

"Ok, Emerson," Eu riu nervosamente, corando. "Ciúme não é atraente. Olá, Emmett. Eu sou Bella."

"É muito bom finalmente conhecê-la", disse ele. "Eu ouvi muito sobre você também."

"Coisas boas, eu espero."

"Emmett," Rosalie sorriu para ele. "Você pode obter-nos uma mesa? Eu preciso ir retocar a maquiagem." Ela puxou o meu braço.

"Venha com a gente, Emerson," Eu disse ao meu filho.

"Ah, mãe, eu sempre tenho que ir para o banheiro das meninas", ele reclamou.

"Eu posso ficar com ele," Emmet ofereceu.

Hesitei, mas Rosalie disse que era uma ótima idéia, assim que eu permiti. Rosalie considerava Emerson como o seu próprio filho, então ela não iria deixá-lo com qualquer um.

Assim que estávamos atrás da porta do banheiro, Rosalie me ordenou, "Cuspa."

"Sobre o quê?" Eu perguntei incrédula.

"Seu amigo Edward, é claro."

Eu bufei. "Rose. Emerson tem uma amiga no parque chamada Emmy. Aconteceu de eu sentar no mesmo banco do parque que seu pai, e ele deu um Band-Aid para Emerson."

Rosalie me estudou com olhos oblíquos. "Não. Tem mais."

"Ugh, tudo bem. Conversamos. Ele é um pai solteiro, então nós conversamos sobre o quão difícil isso é."

"Ele fez qualquer indicação de que quer mudar sua condição de pai solteiro?"

"Não."

"Vamos, Bella. Jogue-me um osso. Ele é quente?"

Corei.

Seus olhos azuis se arregalaram. "Eu sabia! Aposto que ele é lindo."

"Eu não vejo como isso seja relevante", respondi secamente. "Mas da mesma forma, Emmett é muito quente e ele parece ser um cara legal."

Ela sorriu feliz. "Eu sei, certo? Eu acho que pode ser ele."

"Rose, você está saindo com ele por umas três semanas!"

Ela encolheu os ombros. "Eu só tenho um sentimento. Como eu tenho um sentimento sobre o Edward."

Revirei os olhos. "Precisamos ir. Você pode perder ambos os seus namorados, se não nos apressarmos."


Eles não são encantadores?

Esperem que gostem dessa fic tanto quanto eu. Emerson e Emmy ja conquistaram o meu coração. Tenho várias capítulos já adiantados, então é só postar para vocês.

Comentem dizendo o que acharam da fanfic!

Beijos

xx