NEW GENESIS

Capítulo 1

O sol havia nascido á algumas horas na cidade de Nova York. Meninos e meninas de várias idades andavam e conversavam em um pátio largo que se encontrava á frente de um prédio pequeno de três andares. Na frente desse prédio acinzentado ficava uma grande placa exibindo longas linhas onduladas, e grandes letras azuis destacavam-se: Windale High School.

— Hey! Nicole! Aqui! — Uma garota ruiva de cabelos ondulados acenava e corria, tentando chamar a atenção de outra que andava em direção ao pátio.

— O quê? — Disse ela confusa, ao ser rodopiada pela ruiva que passou correndo e parou em sua frente.

— Oi! Escute, eu não vi você no ônibus. — A garota dos cabelos ondulados disse. — Você se atrasou ou só queria me evitar mesmo? — Brincou ela, animada.

— Ah, eu perdi a hora sim. — Ambas usavam um uniforme branco, azul e cinza. — Pare com essa bobeira de te evitar, Mel! Você sabe que eu estou tendo problemas lá em casa...

— Desculpe — Respondeu a ruiva, de repente arrependida. — Mas e aí, e o seus pais? Já se decidiram?

— Ainda não... Mas você sabe que eu não...

Nesse momento, um sinal tocou perto dos portões da escola. Todos os adolescentes imediatamente começaram a se dirigir á porta, ansiosos e falando alto.

— Depois você me conta, Nikki! Vamos, eu estou animada para a aula hoje! — A garota de cabelos vermelho-caramelo segurou o fichário, feliz.

— Ah, eu nem imagino por quê... — A de cabelos castanhos e franja dos lados do rosto riu baixo. — Mas não fique assim tão animada. Temos prova de Química hoje.

— AAAH! — a outra gritou ao correr para dentro da escola. — Por quê você sempre acaba com a minha alegria? Não me lembro das fórmulas que o Prof. Roberts passou!

— Espere aí! Se você não fosse tão afobada não teria esquecido! Depois reclama que entra na escola sozinha! — E ela seguiu a amiga para dentro dos portões.

Algumas horas passaram naquele mesmo dia, e as duas garotas se encontravam dentro de uma sala de aula no segundo andar. Todas as paredes do prédio eram envoltas em árvores, portanto as janelas não mostravam muito lá fora além de outros prédios.

Muitos alunos estavam em seus lugares, inquietos, enquanto um professor alto, de cabelos castanhos escuros e óculos de aro cinza passava perto de suas carteiras com várias folhas de papel nos braços.

— Catherine Synthe? — Ele entoou ao passar perto de sua própria mesa.

Uma garota de cabelos negros na altura do ombro se levantou devagar e foi até o professor, que lhe entregou uma das folhas de papel que segurava. Enquanto ele citava outros nomes, a garota chamada Nicole rabiscava um pequeno papel amarelo no canto de sua mesa.

— Psiu. Ei, psiu.

Ela se virou em direção à amiga com um pequeno sorriso no rosto, que se sentava à sua esquerda.

— Nikki, eu me esqueci de te falar. Meus pais querem saber se você quer ir jantar lá em casa sexta-feira que vem. — Ela disse.

— Claro, eu só preciso falar com os meus pais... — Então ela parou, como se falar nos pais tivesse doído.

O professor parou em frente ao primeiro rapaz da fileira da Nicole, e disse:

— Melanie Laquere?

— Ok, a gente conversa disso com mais calma na hora se ir para casa. — Ela se apressou a dizer, se levantando da cadeira. — Aliás, boa sorte na prova! Se bem que sou eu que preciso...

— Tudo bem, Mel — Nicole respondeu sorrindo. — Boa sorte então. Só tente não colar.

— Eu não colo! — A garota ruiva que se chama Melanie disse antes de chegar perto do professor.

— O que foi, Melanie? — O professor falou a ela quando ela se aproximou.

Melanie se apressou a responder: — Ah, nada não, Professor Roberts! — E pegou sua prova depressa e voltou ao seu lugar.

Logo depois, Nicole foi chamada — "Nicole Evans?" — E então as duas moças, assim como o resto da classe, ficaram em silêncio e começaram a escrever em suas provas, ansiosas.

O sol já estava alto e o relógio no corredor indicava 3 horas e onze minutos quando Nicole e Melanie saíram da sala de aula, conversando.

— Eu não acredito que errei sem querer a questão nove... Eu sabia de cor aquela fórmula! — Nicole se queixava, com os livros nos braços.

— Ah, não se preocupa Nikki, o professor sabe que você entende esse assunto, ele vai entender. — Mel dava pequenos tapinhas no ombro da amiga.

— Mas foi uma burrada minha! Que vergonha! — Ela escondeu o rosto atrás dos livros.

— Ora, pare com isso antes que você bata em alguém! — Mel disse colocando as mãos na cintura, os livros embaixo do braço. — Ah não, espere! Continue assim, o Jack Mason está vindo, talvez você bata nele se tiver sorte.

— Meeel... — Gemeu Nicole ao tirar os livros da frente do rosto e se colocar na frente da porta de um armário de metal.

— Que foi? Eu estou falando sério, ele vem aí!

Nicole suspirou e girou a maçaneta de seu armário, puxando para fora a pequena porta de metal e revelando um pequeno espaço com diversos materiais organizados. Na parte de trás da portinha, havia várias fotos de um casal numa praia e uma menininha de olhos verdes no meio deles.

Mel fez o mesmo, mas no armário dela haviam várias revistas e pôsteres espalhados pelo pequeno espaço entre os materiais dela.

Nicole espiou dentro do armário da amiga, que era dois espaços à direita do dela. — Isso aí e o Johnny Depp?

— Não chame de isso! — Mel abraçou a porta do seu armário. — Veio na revista de ontem, você não achou que ficou lindo?

— Ai ai, claro que sim... — Nikki riu e voltou a atenção para o seu próprio armário, de onde ela tirou um caderno de capa verde e outro livro.

— A propósito, qual é a próxima aula?

Nicole receou e segurou a porta do armário com força. Aparentemente segurava um sorriso.

Depois de respirar fundo, ela disse ainda tentando esconder o riso:

— Biologia.

— AAAAAAAAAAAAH! — Mel exclamou alegre. — Finalmente! Minha hora favorita de toda segunda-feira!

— Você consegue não ser tão boba e tão entusiasmada?

— Pare com isso e venha logo pra sala! — E Melanie já estava longe no corredor.

Desta vez, Mel e Nicole estavam em outra sala de aula, sentadas com as mesas juntas em dupla, enquanto todos os outros alunos faziam o mesmo e conversavam animados. Sentado atrás da mesa do professor estava um rapaz alto, de camisa branca e cabelos loiros meio compridos. Usava óculos de aro preto e uma camiseta amarela por baixo da camisa. Não devia ter muito mais que 25 anos.

Melanie cutucava Nicole constantemente com o cotovelo e logo depois apontava para o professor.

— Eu sei Mel, eu notei como a camisa dele é bonita. — Dessa vez Nicole não parecia estar contendo a animação da amiga, parecia tão alegre quanto ela.

— Você viu o cabelo dele também? Está todo caprichado — Ela riu baixinho. Nicole também, mas ela prestava mais atenção, pois o professor se levantou e andou até a frente da sua mesa, arrumando seus óculos.

— Muito bem, acho que vocês todos se lembram das classificações dos animais invertebrados, sim? — Ele falou, sério mais sereno.

Ninguém se manifestou. Mas alguns garotos e garotas folhearam os cadernos procurando alguma coisa. Depois de um minuto, todos assentiram desconpassadamente, incluindo Nikki e Mel.

— Ótimo, agora podem me dizer quantas classificações estudamos até agora? — Ele perguntou mais uma vez, sorrindo para seus alunos.

Um garoto levantou a mão devagar.

— Sim, senhor Jones?

— Estudamos sete classificações, professor. A última foi dos Antrópodos. — O garoto respondeu.

— Muito bem. — Ele inclinou o rosto e assentiu, colocando os braços atrás do corpo. Olhou curioso para a mão de Melanie, que agora estava levantada.

— Mel, o que você...? — Nicole ia perguntar, mas a amiga piscou pra ela e fez um aceno de leve com o rosto em direção ao professor. Nicole riu e olhou para ela com atenção.

— Senhor William?

— Só me chame de professor William, Melanie. — O professor respondeu calmo, enquanto ele olhava a aluna.

Melanie continuou, abaixando ligeiramente o braço. — Acho que o seu óculos está sujo.

Surpreso, o professor levantou as sobrancelhas e disse, curioso: — É mesmo? — E pegou um paninho em seu bolso, logo depois tirando os óculos e revelando olhos azuis claros como o céu.

Imediatamente Mel e Nikki se entreolharam, sonhadoras e depois começaram a dar risadinhas entre si.

— Ele não é lindo quando está sem óculos? — Disse Melanie, sonhadora enquanto o professor limpava os óculos com uma mão e os segurava com outra.

— Ele realmente não devia usar óculos — Respondeu a de cabelos castanhos, apoiando o rosto com um braço e depois voltando a dar risadinhas com a amiga. Logo quase todas as outras meninas da sala cochichavam entre si e riam da mesma maneira que as duas.

Quando o professor recolocou os óculos, levantou uma sobrancelha e olhou confuso para as alunas.

— O que foi?

— Aaaah, o dia hoje foi tão bom, não foi, Nikki? Tirando aquela parte da prova... — A ruiva Melanie dizia enquanto olhava seu relógio de pulso que marcava: 17h15min.

— Foi sim Mel! Só me lembre de entregar aquela lição de Geografia semana que vem, não quero errar nada de novo...

— Nossa, que neurótica! — Riu-se Mel. O sol estava baixo e todos se dirigiam para casa. Estava quase ficando escuro. — Não se preocupe demais...

Nicole sorriu. As duas andavam pela calçada com arbustos e grama em volta, e gradualmente as luzes nos prédios e nas ruas se acendiam. Ficava cada vez mais escuro.

— Eu vou indo agora, Mel. Tenho que chegar logo em casa para resolver... Você sabe. — Nikki disse.

— Olha, Nicole... Tem certeza mesmo que não quer que eu vá com você?

— Tenho sim, não se preocupe. Eu sigo direto o caminho e logo vou chegar. Prometo.

Melanie parecia preocupada.

— Estou falando sério, pode ir. — As duas se abraçaram e se despediram.

— Então até amanhã, Nikki! Você sabe, mesmo lugar, ás 10:45!

— Sim, eu não vou esquecer, boba! Até amanhã! — E ela acenou para a amiga que começou a andar o caminho contrário que ela.

Nicole seguiu pelas ruas até chegar em uma esquina que dava a uma longa rua com diversas casas, que estavam todas com as luzes acesas. A garota acelerou e passo só que torceu os lábios, preocupada.

Espero que papai e mamãe não tenham brigado de novo enquanto eu estava fora... — Ela pensou, amargurada, enquanto entrava na rua e passava por baixo dos postes de luz, á noite.