E aí gente...agora que eu estou aparecendo por aqui, probleminhas técnicos me fizeram não deixar isso aqui tão bem arrumado pra vcs,

mas estou aqui e coloquei os detalhes que faltavam, nada que comprometa o capt mesmo assim se quiserem podem dar mais uma olhadinha ;D


Isso aqui como vcs devem saber faz parte do nosso projeto de tradução, nosso clubinho,rsrsrs

Adoro isso...que conta com: Kahli hime, Strikis, Bella21 (beta oficial!), J. Proudmoore, Ledger m e eu!

Estou amando a oportunidade de estar participando disso e espero que tenha muito mais de onde veio essa! Só pra lembrar que é uma

tradução e que nós temos a autorização da autora para o mesmo! E a história é muito boa...e tenho certeza que vcs vão gostar! Alguns

possíveis spoilers, eu acho nada relevante.

Aproveitem...


Classificação: T-rated

Romance/Drama

Shipper: SasuSaku

Disclaimer: Naruto não me pertence. Viu, eu sei reconhecer a verdade...

Autora: Elade-chan ;)

Sinopse: Uma serie de estranhos sonhos perturbam Sasuke, que não pode entender o seu significado ou porque sempre vem com ela. Eles se tornam mais frequentes quando ele finalmente regressa a Konoha e descobre algo que não esperava. SasuSaku

Aviso: Possíveis spoilers.

Beta oficial: Bella21

Não diga que foi um sonho

Traduzido por Chris96

"A marca de um sonho não é menos real que a de uma pegada." – George Duby

Capítulo 1 – O sonho

A névoa da floresta foi se dissipando lentamente a medida que ele caminhava. Banhada pelo Sol que sempre brilhou nesse lugar, estava a grande entrada da Vila Oculta da Folha. O mesmo arco com o emblema de Konoha gravado na parte superior e as mesmas portas de madeira verde, exatamente como se lembrava, que esperavam abertas por ele apesar do tempo que havia passado desde que ele tinha atravessado pela última vez... para ir embora.

Ele continuou andando pelo caminho da entrada da vila passando sob o arco com um passo tranquilo. Tudo estava deserto e em silêncio, mas não era um desses silêncios obscuros e tensos que faz seu cabelo ficar em pé e até o som dos seus próprios passos te assustarem. Esse era um silêncio pacífico que transmitia paz e combinava perfeitamente com a dourada e cálida luz do Sol que envolvia tudo.

Uma sensação de paz envolvia o rapaz. Ele passava pela vila correndo com seus olhos escuros cada centímetro da aldeia de sua infância, sentindo-se de novo em casa depois de tantas coisas, esquecendo todo rancor e ódio que possuía. Agora, esses pensamentos tinham ficado para trás, em outra vida, nem se quer lembrava porque tinha dado tanta importância.


A alguns metros de distância seus olhos captaram algo que o fez deter-se.

Em um dos bancos de pedra que tinha nos lados da estrada, uma garota com estranhos cabelos rosa descansava calmamente olhando para baixo e suspirando de vez em quando, como se estivesse esperando por algo.

Os olhos escuros do garoto brilharam focando-a. Sabia que era ele que ela esperava, estava esperando por ele. Ela permanecia no mesmo lugar que ele a deixou.

Ele retomou sua marcha até parar a poucos passos de distância dela.

- Tadaima – sussurrou o rapaz gravemente com a expressão típica que era usada quando se chegava a casa.

A rosada olhou para cima revelando cintilantes olhos verdes e sorriu calorosamente, com aquele sorriso que há um tempo ele tinha vontade de esquecer.

- Sasuke-kun – ela pronunciou seu nome com o sufixo que tanto odiava no passado, mas que, agora, parecia com nostalgia e lar.

- Sakura – respondeu o moreno com sua habitual seriedade – eu voltei... para casa.

A garota levantou-se do banco suavemente olhando para ele com algo que poderia ser identificado como tristeza em seus olhos verdes, sorriu novamente e então balançou a cabeça.

- Esse não é seu lugar Sasuke-kun – disse suavemente – ainda não.


Aquelas palavras soaram na cabeça do moreno como se alguém rachasse uma camada de gelo. Seus olhos pousaram nos da rosada tentando decifrar o por quê de suas palavras. No entanto, distraiu-se olhando para si mesmo e descobriu, com surpresa, suas mãos cobertas de sangue, sua roupa rasgada e suja e algumas feridas que sangravam como se tivesse acabado de sair de uma dura batalha que não conseguia se lembrar.

Ergueu a cabeça para Sakura com incompreensão nos olhos.

- Deve voltar – ela explicou gentilmente dando um passo na direção dele.

- Não – era tudo que poderia responder. Não voltaria para o local de onde tinha vindo, tudo que conseguia se lembrar do lugar era uma sensação de vazio, dor, angústia e confusão. Ele não queria voltar, queria ficar ali, nesse lugar onde seu coração se sentia finalmente em paz, em Konoha.

- Você deixou coisas a fazer lá – continuou Sakura, rindo um pouco.


Uma pontada de dor cruzou a cabeça de Sasuke forçando-o a contorcer um pouco sua expressão.

- Da outra vez... – o rapaz cerrou os dentes, a maldita dor não o deixava pensar direito - ...da outra vez, você me pediu para ficar.

Desta vez pôde ver a tristeza em seus olhos verdes antes dela se inclinar um pouco acima da sua orelha, sem nunca tocá-lo.

- Mas igual à antes, você não pode ficar e nem pode me levar com você. – disse suavemente.

Sasuke a perfurou com seus olhos escuros, mas então outra pontada de dor o fez se encolher levemente.

- A vida te reclama – murmurou à rosada.

- A vida machuca – replicou o garoto apertando seu maxilar.

Sakura riu ante esse comentário.

Sim – ela admitiu – mas estão esperando por você... em casa, sentem sua falta... acorde e volte para casa... volte para casa Sasuke-kun.

Nesse momento, antes que o Uchiha pudesse dizer qualquer coisa, a rosada soprou delicadamente em seu rosto ao mesmo tempo o vento começou a subir ao seu redor. Uma luz cegou o rapaz enquanto sentia que algo estava o puxando, mesmo assim, as últimas palavras de Sakura ressoaram em seus ouvidos "volte para casa, Sasuke-kun".

...Sakura...


Sasuke abriu repentinamente seus olhos e respirou ofegante, como se estivesse se afogando e saído abruptamente da água, sentiu como o ar queimava seus pulmões e todo seu corpo doía terrivelmente. Ele tossiu fazendo com que suas costas se mexessem com o movimento e soltou um gemido abafado.

- Sasuke-kun! – ele ouviu uma voz de mulher a seu lado gritar seu nome – Está vivo, Suigetsu! Acordou!

- Há! Eu te disse grandalhão ninguém pode acabar com esse bastardo! – disse outra voz, desta vez masculina, entre risos e evidente alegria.

O Uchiha levou a mão à cabeça que sentia a ponto de explodir.

- Karin, Suigetsu, eu acho que vocês deveriam parar de gritar, Sasuke-sama ainda está ferido. - disse uma terceira pessoa com um tom mais calmo.

- Claro, Juugo, mas já não vai morrer. – respondeu Suigetsu alegremente – isso já é um progresso.

- Hmp... – Sasuke se acomodou com esforço, ajudado pela mulher, Karin. – O que aconteceu?

- Ficou gravemente ferido, pensávamos que ia morrer. – disse a garota de cabelos vermelhos com apreensão.

- Diga-me sobre isso, cenoura. Eu estava pensando o quanto eu ia ficar cansado cavando um buraco suficientemente grande para enterrar seu enorme ego. – brincou o espadachim com seu típico humor negro.

Sasuke nem sequer rosnou ante o comentário, ainda estava muito confuso e dolorido. Sentia-se como se alguém estivesse perfurando seu cérebro com um canudo depois de ser pisado por uma manada de elefantes.

- Madara esteve perto de te matar, foi uma batalha muito disputada. – relatou Juugo.

- Madara? – murmurou Sasuke mais para si mesmo, com voz grossa.

- Qual é a ultima coisa de que se lembra Sasuke? – perguntou Karin.

De Sakura, esteve tentado a responder, mas felizmente foi capaz de morder a língua para não revelar o sonho estúpido que ele havia tido. Esforçou-se para lembrar até que pôde salvar alguma imagem de sua dolorida mente.

- A batalha contra Madara – disse franzindo testa – Aquele bastardo está morto?

Suigetsu mostrou um sorriso cheio de dentes afiados.

- É claro, ficou pior que você... ainda – terminou arqueando uma sobrancelha crítica pelo estado de Sasuke.


O Uchiha se deixou cair deitando de novo no chão com satisfação, o frio do chão de pedra foi bem agradável, ele estava em uma caverna? Isso não importava. Ele fechou os olhos, a única coisa que importava era que finalmente tinha acabado, tinha sido uma dura e longa estrada.

Primeiro Itachi, sua obsessão para matá-lo, ele abandonou tudo para conseguir e quando finalmente ele estava morto, a seus pés, seu mundo inteiro virou de cabeça para baixo tornando muito mais doloroso e angustiante do que já era para ele, ao conhecer a verdade sobre seu irmão.

Depois Danzou, aquele assassino disfarçado de líder digno, não se arrependia de nenhuma gota de sangue que derramou para acabar com ele. A fúria tinha o possuído naquela batalha até o ponto de não reconhecer a si mesmo, mas sabia que tinha valido a pena para vê-lo morto. Depois disso, Madara havia enchido a cabeça dele contra Konoha e ele poderia dizer que tinha funcionado, seu ódio se havia voltado contra a aldeia de sua infância e contra todos que nela habitavam. No entanto, depois as palavras do líder da Akatsuki soaram como manipulação, uma verdade distorcida para a conveniência, para que os objetivos deles também se tornarem os seus.

Sasuke sabia disso, talvez não no início já que seu ódio excessivo nublava sua mente, mas, de repente, as palavras envenenadas de Madara que deslizaram para seu ouvido já não eram tão convincentes, pouco a pouco se deu conta de que na realidade estava se transformando em seu fantoche, um dos quais não hesitaria em descartar quando tivesse cumprido sua função. Além disso, o rapaz não esquecia nem por um segundo que ele, o homem que enchia a boca para falar de sua vingança, tinha sido um dos participantes no massacre de seu clã e, certamente, não pelos motivos de Itachi.

Assim, o jovem Uchiha tinha decidido usar o mesmo método que usou com Orochimaru, aprender tudo que pudesse, conhecer suas fraquezas e quando ele já não o servisse mais, matá-lo. Completando assim a tão esperada vingança que ele tinha perseguido desde os oitos anos. Com ele morto, não existia nada mais relacionado com o extermínio dos Uchihas, já que Konoha tinha processado o conselho de anciões fazia alguns meses por alguma razão, Sasuke não conhecia os detalhes e nem lhe interessava.


- O que vamos fazer agora Sasuke? – perguntou Suigetsu.

- Hmpf – o Uchiha se limitou a grunhir, tudo que queria era dormir para que deixasse de doer tudo.

- Deixa-o em paz, tubarão – repreendeu a ruiva – Precisar descansar.

- Sinto ser eu aquele a te dar a notícia, cenoura – replicou o espadachim – mas estamos ferrados. Sem Madara, a Akatsuki vai à merda e se não tem Akatsuki, adivinha quem as aldeias perseguirão agora. Acertou! Nós, e se seu diminuto cérebro não consegue ver, nós não estamos no nosso melhor momento.

Suigetsu sempre olhava para o lado prático das coisas e que Kami o perdoe, mas não via o ponto em matar o cara que servia de proteção contra as grandes forças ninjas. Tudo bem, Madara não era particularmente um santo de sua devoção, em muitos casos tinha sido tentado a dar um golpe de espada e separar a cabeça do corpo, mas tinha que admitir que ter um poder de impedir ataques, tinha sua utilidade. Agora Sasuke e, junto com ele, sua equipe, tinham se colocado no centro das atenções, no topo das listas das organizações criminosas.

- Você é um sofrimento! – acusou Karin tensa.

- Desapareçam – disse Sasuke de repente, sem sequer abrir os olhos ou se mover – A Taka já serviu ao seu propósito assim já não tem nada que fazer aqui. As aldeias estão a minha procura. Desapareçam – repetiu com calma.

Sasuke estava tão cansado naquele momento que não ligava para o que aconteceria com ele, já tinha cumprido, agora não tinha nada pelo qual viver.

...Você deixou coisas a fazer lá...

Lembrou-se do estranho sonho que teve. O que foi aquilo? Tinha sonhado que voltava a Konoha e realmente tinha se sentido em paz, naquele lugar não existia nada que produzisse angústia e dor, nunca tinha se sentido assim, mesmo em sonhos. O mais bizarro de tudo, como imaginou Sakura? Em seu sonho a garota de cabelos róseos estava esperando no mesmo banco em que tinha deixado uma criança, mas ela parecia uma adulta como quando a viu no esconderijo de Orochimaru.

Seus companheiros de equipe Taka, tinham permanecido em silêncio depois de suas últimas palavras, mas logo mostraram suas reações.

- O que você tem Sasuke? – disse Suigetsu rindo como se o Uchiha tivesse soltado uma boa piada.

Karin balançava a cabeça sorrindo enquanto se curvava para consertar uma das faixas do braço do rapaz. Juugo por sua vez revirou os olhos e se sentou pacientemente no chão encostado na parede do abrigo. Porque o que para Sasuke parecia uma caverna, era na verdade um abrigo de pedra improvisado na mata que haviam tido a sorte de encontrar.

- Falando sério – disse o espadachim parando de rir – não vamos embora – o garoto sorriu de repente, um sorriso travesso e malicioso – E menos ainda antes de você nos dizer quem é essa tal de Sakura.

No mesmo instante, Sasuke arregalou os olhos se perguntando se ele tinha imaginado o que ele tinha dito, uma vez que segundos antes estava dando voltas no sonho.

- O quê? – perguntou o moreno com voz rouca soando como um grunhido.

- Vamos, não se faça de tonto. – continuou Suigetsu persuasivamente mostrando um sorriso gozador – Quando estava inconsciente não parava de repetir seu nome.

Karin o fulminou com o olhar, estalando a língua com aborrecimento.

- Eu não sei do que você está falando. – Sasuke respondeu secamente.

A única coisa que faltava era que Suigetsu começasse a ter ideias estranhas por culpa do estúpido sonho que provavelmente foi causado pela perda maciça de sangue que ele tinha sofrido na luta. Era só engraçado pensar que ele tinha sonhado com Sakura, sua irritante companheira genin que há séculos não via.

- Claro que não – concedeu o ninja deixando claro que não acreditava em nenhuma palavra – mas... seu nome soa familiar, tem certeza que não se lembra? – continuou perguntando só para irritá-lo.

Sasuke franziu o cenho e tentou se levantar, soltou um silvo de dor que o obrigou a se deitar de novo com um grunhido.

- Você deveria descansar Sasuke – interveio Juugo – Tanto quanto não gostamos, Suigetsu tem razão ao dizer que estamos em perigo. Quanto mais cedo nos mudamos daqui, melhor.

- Hmpf.


Sasuke surpreendeu a si mesmo ao pesar o pouco que se importava em estar em perigo. Depois de terminar sua vingança se sentia vazio, tanto fazia viver ou morrer, depois do dito e feito, o que a vida tinha para oferecer? Um caminho sem sentido, sempre fugindo, sem lealdade a nada e ninguém, sempre sozinho. Ele desejaria que não tivesse acordado, desejaria que pudesse ficar naquela visão de Konoha que tinha sonhado.

...Estão te esperando... em casa, sentem sua falta...

Era estranho pensar nas coisas que sua própria mente inventava na forma de delírios. Por quê? O que mais além de uma ilusão poderia ser para imaginar que podia voltar a Konoha? E Sakura, talvez explique porque ela estava na última lembrança que tinha da vila.

Alheios a Sasuke, a Taka continuava com a conversa.

- Temos que pensar em um lugar seguro onde estejamos protegidos de ataques... – Karin se interrompeu na metade da frase, virando bruscamente para a porta e abrindo muito os olhos.

- Talvez nós pudéssemos ter algo a dizer sobre isso. – disse uma voz entrando no refugio.

Os três ninjas da Taka ficaram tensos colocando-se em posicionamento defensivo ante os dois estranhos vestidos com capas de cor bege. Ao remover seus capuzes, reluzindo em suas testas podiam ver que levavam a bandana com o símbolo de Konoha gravado no centro.


Entãooo... o que vcs acharam? Quero muitas opiniões...reviews alegram o dia e trazem o capt mais rápido com certeza! Bem na verdade

nós ainda não temos um conograma de postagens, quando tivermos colocaremos no perfil, mas vcs podem coloca-la no alert se ficaram

muito curiosas! Bom como eu estou meio que "editando" ou detalhando ficaria melhor, como disse nada que vai modificar a história, já vi

algunss reviewss e vou responde-los esse fim de semana... Bom o esqueminha de deixar o e-mail para responder reviews anônimos, viu gente ;)


E gente eu Chris96, ainda pretendo postar algumas coisinhas no meu perfil, então podem ficar espertas quando aparecer por aí...

faço propanganda rsrs..estou bastante animada com esse começo, então fico esperando motivações!

Reviewss, bonitas...