Disclamer: Nenhuma serie da franquia Kamen Rider me pertence (uma pena…)

Kamen Rider Den-O, W e Gaim

Humanos usam os poderes dos Gaia Memory para espalhar terror pelo mundo. Nogami Ryoutarou terminara seus deveres como o Kamen Rider Den-O e dois anos depois ele encontra um jovem garoto gênio chamado Phillip e é salvo pelo mesmo. Ambos descobrem que precisam usar os poderes de Phillip para se tornar o Kamen Rider W para proteger sua cidade. Mas isso é apenas o começo e uma descoberta sobre a vida dos dois e a chegada de mais dois Riders mudarão o rumo dos acontecimentos e o destino do planeta. Ryoutarou N. – Phillip/Raito S. – Takatora K. – Yuuto S. – Ren K. – Ryuuji I.


- O Gênio da Terra e o Viajante do Tempo -

Lock 1: Começando...

Parte 1: Introdução

Eles não se conhecem. Um não sabe que o outro existe. Seres humanos? Sim. Humanos comuns? Não. O que de fato ligaria esses dois jovens? Que segredos eles escondem para não serem considerados seres humanos comuns? A resposta? Nenhum dos dois sabe. Mas o tempo fará com que eles descubram juntos. E depois disso... Nada mais será como antes...

Parte 2: Ryoutarou

Nogami Ryoutarou, um jovem de 18 anos sem muitos sonhos que perdeu os pais quando era pequeno. Seu hobby é ler sobre historias de detetive e trabalha em meio período em vários empregos diferentes para ajudar em casa e também na livraria-café de sua irmã, Nogami Airi. Ryoutarou possui um grande carma em sua vida: simplesmente tudo de ruim acontece com ele. O coitado parece até um para-raio de urucubaca. Ele está sempre se ferrando das formas mais inusitadas e esquisitas que alguém possa imaginar. Certo dia enquanto voltava para casa em sua bicicleta, ele sentiu um estranho vulto seguido por um vento forte passar por ele. De dentro desse "vulto" caiu uma espécie de passagem de trem com um símbolo circular semelhante a um relógio analógico envolta em uma embalagem preta. Como o rapaz tem um azar maior do que a torre do mestre Karin, a passagem acabou caindo na cabeça do pobre Ryoutarou, que, de quebra, levou um maravilhoso tombo de lata no chão. Ao perceber que alguém deve ter perdido o artefato, o jovem decide levar o objeto até a delegacia. Ao entrar no local, acabou percebendo que estava em uma espécie de dimensão alternativa. Não havia nada lá e no chão tinha somente areia. Ryoutarou levou um susto enorme quando um shinkansen (trem bala) parou bem na sua frente e de dentro dele saiu uma bela moça oferecendo-lhe café. O jovem pegou o café e saiu por onde entrou com uma cara de quando você pensa: "que porra é essa?", ou seja, ele entendeu tudinho... só que não. Paralelamente uma garota chamada Hana desce desse mesmo trem por outra porta a procura da passagem perdida, mas sem sucesso. Ryoutarou volta para casa e percebe que não entregou a passagem onde deveria e sai novamente para entregá-la. Durante o trajeto, um garoto é possuído por um Imagin. Esse Imagin possui um corpo físico, pois formou contrato com um humano em troca de um desejo e ele estava destruindo tudo e todos. Esse monstro chega até onde Ryoutarou está e quase mata o garoto de pancada até que Hana aparece e o salva da morte. Ela explica que o artefato que ele achou é uma passagem especial para o trem do tempo, DenLiner, e que com ela, ele pode se transformar em Kamen Rider Den-O. Ela o encorajou a se transformar, mesmo depois de muita hesitação do mesmo. Ele se transformou, mas mesmo assim não conseguiu lutar direito, por ser fraco e azarado. Ryoutarou aprendeu a usar os poderes do seu Den-O Belt ao pressionar seus botões coloridos e ir mudando de forma. Com muito esforço, Ryoutarou conseguiu derrotar os Imagins que ameaçavam a paz na Terra, mas algo bem pior ainda estava para acontecer... daqui a 2 anos...

Parte 3: Phillip

[Ano de 2009 – Agencia de detetives Narumi]

Narumi Sokichi é um famoso detetive que ganha a vida resolvendo casos ao lado de sua filha, Narumi Akiko, uma jovem de 20 anos esquentada e inconsequente. Ela trabalha como aprendiz de seu pai e sonha se tornar uma detetive tão boa quanto ele. A garota estava desfrutando de uma saborosa tigela de lamen quando...

- Akiko!

A garota se assustou tanto com o berro de seu pai que derrubou o caldo do lamen e gritava de dor quando a sua pele entrou em contato com o caldo quente.

- O que aconteceu papai? Eu estava comendo! Sabia que é muito indelicado interromper a refeição de uma senhorita?

- Deixa de palhaçadas Akiko. Vamos, temos trabalho a fazer. Hoje recebi um caso importante e decidi levá-la comigo.

- Está falando sério? AAAHHHH! Eu te amo papai! – Berrou a garota, abraçando o pai.

- Tá, tá. Vamos logo. – Rebateu o sério detetive.

A missão de Narumi Sokichi era resgatar um jovem das mãos de uma organização desconhecida que comercializa e distribui artefatos chamados Gaia Memory, objetos semelhantes a pen drives que tem poder para transformar pessoas em monstros chamados Dopants. A suspeita era de que essa organização estava usando os poderes especiais do garoto para produzir esses Gaia Memories. É dito que esse garoto é chamado de "o escolhido" ou "criança do destino" com todo o conhecimento da Terra dentro de sua cabeça. Ao chegarem ao local, foram recebidos por vários Dopants menores.

- Ei Akiko! Eu vou cuidar desses caras. Você espera aqui, entendeu? Não mova um maldito passo daqui!

- Tá. Entendi. Não vou sair daqui.

Sokichi estava ocupado com a luta, mas não havia problemas, exceto pela quantidade de Dopants. Enquanto isso, Akiko viu uma brilhante luz verde vindo de um quarto perto de onde estava. Lembrou-se das palavras de seu pai para que ela não saísse de onde estava, mas sua curiosidade foi maior e ela acabou indo em direção a bela luz verde brilhante.

Hum... o que será que tem lá dentro? Bem, se eu salvar o escolhido, posso provar ao meu pai que já sou capaz de executar missões mais importantes – Pensou ela.

Akiko adentrou ao local e deu de cara com uma plataforma repleta de Gaias Memories, um super computador, e a coisa que mais chamou a atenção da garota: deitado em uma espécie de mesa, havia um jovem garoto de pele alva vestindo nada mais do que um pijama branco e cabelos com as pontas para o lado com alguns fios de cabelo cobrindo-lhe o rosto. Ele parecia dormir profundamente e Akiko ficou fascinada com a beleza do garoto cujo rosto parecia o de um Anjo de tão frágil.

- Uau! Isso é muito melhor do que esperar meu pai voltar! Eu pensei que iria encontrar um moleque melequento de 10 anos choramingando e dou de cara com esse rapaz tudo de lindo! Com certeza ele é o escolhido. Hoje deve ser o meu dia de sorte. – Disse para si mesma.

Ainda ao lado da mesa onde o garoto estava adormecido, Akiko observava o local quando de repente sentiu algo gelado puxar seu braço.

- Estava me espionando? Eu não gosto de intrusos, nem de desconhecidos. – disse o garoto que aparentemente acabara de despertar.

- Como assim? Você não estava dormindo? – Perguntou ela, assustada com a abordagem.

- Eu senti a sua presença. Não é qualquer pessoa que pode se aproximar de mim sem ser notada. – Ele explicou, levantando-se da mesa.

- Não interessa o que eu estava fazendo, mas sim o que vocês estão fazendo. Olhe só pra todos esses Gaia Memories, foi você que fez todos eles?

O jovem nada respondeu, irritando a esquentada Akiko.

- Diga alguma coisa! Você faz idéia do que esses Memories que você faz estão fazendo com a cidade? – Perguntou.

- Quer dizer que alguém que trabalha em uma fabrica de armas é o verdadeiro vilão? É claro que não. A culpa é das pessoas que usam tais criações para o mal. – Rebateu ele.

- Cala a boca! Você é idiota?

Nessa hora, Akiko empurrou o rapaz que foi parar dentro de uma espécie de máquina e foi teleportado do local para o desespero da garota.

Sokichi ainda lutava quando percebeu que o jovem que tinha que resgatar estava dentro de uma máquina perto de si. Ele conseguiu roubar a espada de um dos inimigos e com ela libertou o garoto de dentro da máquina, sendo ferido com um tiro nas costas no processo. Akiko chegou logo depois e se desesperou ao ver a cena.

- Papai!

- Akiko...

- Papai! Não morra, por favor! Eu sinto muito ter desobedecido a sua ordem. Se eu não tivesse saído de onde estava isso não teria acontecido. – Lamentava ela.

- Escute Akiko. Eu sinto que vou morrer então, por favor...

- Não! Você não vai morrer!

- Escute! Esse garoto... Você precisa proteger esse garoto custe o que custar.

- Mas pai...

- Você precisa proteger o escolhido. Se os poderes dele forem usados para o mal por essa organização, o mundo inteiro poderá ser destruído.

- Mas papai, eu...

- Proteja o escolhido, Akiko!

Mal acabara de dizer essas palavras, fechou os olhos e morreu, sob os gritos de desespero de Akiko, sentindo pela segunda vez o toque das mãos gélidas do escolhido.

- O que pensa que está fazendo?

- Nós dois vamos sair daqui.

- O que?

- A missão de vocês era me resgatar, estou certo?

- Eh? Como soube?

- Narumi Akiko. Eu já pesquisei tudo sobre você. Não vi nada de interessante.

- Ora, seu...

- Então siga-me. Precisamos sair daqui.

- Olha só... Eu não costumo sair com caras vestindo pijama.

Sem nada responder, o garoto continuou arrastando Akiko pelo braço.

- Ele é um gato, mas o silêncio dele é irritante – Pensou ela.

- Ei. O que está fazendo? Por que estamos indo para o mesmo lugar onde estávamos?

- Eu não me importo com os outros Memories, mas há algo muito mais importante lá dentro que eu não posso simplesmente deixar para trás.

- Ora... Finalmente respondeu.

Ao voltarem para a sala de antes, o garoto pegou uma mala estranha de cor mais estranha ainda. Metade dela era verde e a outra metade preta.

- Que mala é essa? O que tem dentro? – Questionou Akiko.

- Você é extremamente curiosa. Isso é um tesouro que jamais poderia cair em mãos erradas. – Respondeu ele abrindo a mala.

Dentro da mala havia uma espécie de driver em forma de um "W" e um conjunto com seis Gaia Memories.

- Mas o que é isso...? – Perguntou Akiko, boquiaberta.

- Isso? Isso nada mais é do que a fonte de poder que vai salvar as nossas vidas.

- Posso te perguntar outra coisa?

- Pergunte.

- Qual é o seu nome? Você deve ter um, não é?

- ...

- O que houve? Por que não me diz o seu nome?

- Eu... Não tenho um nome. Pelo menos nenhum do qual possa me lembrar.

- Como pode alguém não ter um nome?

- Eu não tenho, mas... Pode se dizer que eu sou simplesmente o Gênio da Terra.

- "Gênio da Terra"?

- Logo você entenderá.

O jovem misterioso fugiu com Akiko da base da organização e ela o levou para a Agência de detetives Narumi.


つづく continua...