JUST ONE OF THE BOYS

Sinopse: Bella está morrendo para entrar no mundo musical, mas é frustrada em cada tentativa. Quando a boy band 5Point abre as audições, essa poderia ser sua grande chance. É claro que, primeiro, ela tem que convencê-los de que é um menino... E esconder sua grande paixão pelo vocalista dos sonhos.

Disclaimer: A história pertence a TKegl, Twilight e os personagens a Stephenie Meyer, e a mim somente a tradução.


Cena Extra 2 – E o Bebê Torna Cinco

(Tradução: Ju Martinhão)

~ Bella ~

Estar grávida é horrível.

Quero dizer, toda aquela conversa sobre brilhar e a antecipação e ser capaz de comer o que quiser?

Sim, praticamente um monte de porcaria.

Eu olho no espelho e tudo que vejo é um visível alargamento, não um brilho nos olhos.

A antecipação foi substituída por uma espécie de desespero de Oh Deus, isso algum dia acabará?

E quanto a comer o que eu quiser? Bem, com seis meses, o médico me informou que a minha pressão arterial estava muito alta, portanto, mesmo que eu almeje batatas fritas com sal e vinagre com uma paixão que beirava a insanidade...

Eu não posso tê-los. Nem um delicioso miolo salgado picante de gostosura crocante. Eu posso ter me enchido de lágrimas quando ele me disse.

O que o levou a outro pedaço de más notícias. Pelos três meses restantes da minha gravidez, eu ficaria em repouso na cama.

Agora, no início, eu estava meio animada sobre isso. Quero dizer, o pensamento de descansar o dia todo, ler e assistir televisão ruim... soou como umas férias relaxantes. E depois de meses de trabalho e turnês e entrevistas, a ideia teve seu apelo.

Por cerca de uma semana.

Em seguida, o tédio se estabeleceu. Seguido pela minha decisão bastante infeliz de procurar-me no Google.

Tudo o que posso dizer é que a Internet é um lugar assustador, meu amigo. Fechei meu laptop com uma batida, recusando-me a abri-lo novamente.

E depois de horas de televisão da realidade, ganhei um vício patético ao Jersey Shore.

Edward ameaçou desligar a TV a cabo se eu alguma vez novamente o chamasse de Guido, ou me referisse ao seu pênis - Deus me livre - como um suculento braciole*.

*Braciole: é o nome de um prato italiano. São simplesmente fatias finas de carne frita em seu próprio suco, molho de tomate, ou em uma pequena quantidade de azeite de oliva light. É servido com uma salada verde ou batatas cozidas.

O que seja.

Sim, então o repouso é uma porcaria também.

E a azia.

E o inchaço.

E sentir-me como uma fodida casa enorme.

E, sendo uma grande puta porque você está inchada e desconfortável e com fome o tempo todo (mas você não pode comer batatas com sal e vinagre), e morrendo de medo porque você terá três bebês – conte, três - e você está preocupada que será uma mãe horrível e os deixará marcados para a vida toda, ou estrelando em seu próprio reality show ficando bêbados e fazendo sexo com estranhos.

Edward diz que é quase certeza que isso não acontecerá, já que no momento em que eles forem velhos o suficiente, nós teremos holodecks* como em Star Trek e ninguém mais assistirá reality shows , de qualquer maneira.

*Holodecks: é uma instalação de realidade simulada localizada em naves e estações estelares, seria algo semelhante a uma 'sala de recreação'.

Eu posso ter jogado um sapato nele.

Depois de muita discussão, decidimos mudar para a nossa casa em LA pela duração da gravidez. Alice e Jasper moravam lá, e Emmett e Rose visitavam regularmente quando não estavam em viagem de negócios. Eu esperava que a luz do sol e a praia pudessem ser energizantes, mas, na realidade, isso me deixou suada e irritada... e se eu visse mais uma loira magra em um biquíni minúsculo, eu me preocuparia com a minha sanidade. Infelizmente, voltar para Nova York estava praticamente fora de questão porque, uma vez que fosse enviada para a minha cama, era tudo um ponto discutível, de qualquer maneira.

Eu tive que admitir que Edward foi um santo através de tudo isso - as mudanças de humor e mau humor e o Deus, eu estou tão gorda e feia. Ele era extremamente paciente e amoroso, trazendo-me chá de hortelã-pimenta e flores, esfregando minhas costas doloridas, ou pés inchados, ou deitando com o rosto perto da minha barriga, cantando baixinho para mim e os bebês.

After all this time, it's still you who makes me feel alive
Its you and me baby…
And baby…
And baby…
And baby makes five

Depois de todo esse tempo, ainda é você que me faz sentir vivo
Somos você e eu, e o bebê…
E o bebê…
E o bebê…
E o bebê torna cinco.

"Tem certeza que você está bem com isso?" Ele perguntou de novo enquanto amarrava os sapatos e vestia o paletó. "Eu poderia ficar." Ele ofereceu.

Eu acenei para ele. "Não, está tudo bem. Alice estará aqui em breve, e eu estou contente de ter algo para fazer".

Era a noite do Grammy Awards, e a 5Point se apresentaria, assim como seria homenageada com um Prêmio de Realização de Vida. Pessoalmente, isso me fez sentir com cerca de um milhão de anos, mas era uma grande honra, e os caras estavam realmente ansiosos por isso. Eu implorei ao meu médico para me deixar ir junto - mesmo apenas sentada na plateia - mas ele apenas balançou a cabeça e disse ofensivamente, "Você está com quase oito meses de gravidez de trigêmeos, Bella. Você teria chegar ao seu assento antes de deixar cair esses bebês como uma máquina de chicletes".

Eu mencionei que o meu médico era detestável? Sim. Eu acho que sim.

Então, em vez disso, eu estaria aparecendo via satélite do conforto da minha própria cama. Alice estava vindo para dar apoio moral - e para certificar-se que as pessoas do cabelo e maquiagem não me fizessem parecer mais inchada e gorda do que eu já sentia.

Ela disse que eu estava sendo ridícula. Eu não queria correr o risco. A câmera acrescentava cinco quilos, afinal, e eu precisava de toda a ajuda que pudesse receber.

"Não será o mesmo sem você." Edward disse com um sorriso suave, rastejando sobre a cama para me beijar duas vezes. "Eu gostaria que você pudesse estar lá".

"Eu também." Eu respondi, suspirando. "Mas, olhando por este lado. Tenho outro grande item para acrescentar à minha Lista de Culpa".

Eu realmente não tinha uma lista. Achei que viria a calhar quando as crianças se queixassem sobre tirar o lixo, ou limpar seus quartos.

"Sim, é verdade que o pequeno Johnny não tem que lavar os pratos, mas sua mãe não perdeu de receber o Prêmio de Realização de Vida porque estava em repouso na cama por três longos meses..."

"Talvez seja injusto para você ter que limpar a sujeira do cachorro. Talvez também seja injusto para mim ser capaz de usar um biquíni pelo resto da minha vida, graças a todas essas estrias".

Na realidade, eu sabia que nunca usaria A Lista. Mas me fazia sentir um pouco melhor acrescentar coisas nela de vez em quando.

Edward apenas sorriu com indulgência - ele fazia muito isso ultimamente - e me beijou novamente antes de rastejar para fora da cama para atender a campainha tocando. Um forte grito e um igualmente forte, "Alice, que porra é essa?" ecoou pela sala, e depois de um momento, ambos voltaram para o quarto, seguidos rapidamente pelo porco barrigudo de estimação de Alice e Jasper.

"Ele não pode ficar aqui, Alice." Edward resmungou.

"Bella não se importa, não é, Bella?" Alice perguntou esperançosamente, subindo para sentar-se ao meu lado na cama. "Ele está doente, e o veterinário diz que eu preciso dar-lhe seus comprimidos a cada duas horas. Eu não podia deixá-lo sozinho em casa".

"Bacon está doente?" Edward perguntou alarmado. "Ele não pode ficar perto de Bella!"

"Em primeiro lugar." Alice respondeu rispidamente, "O nome dele é Porky. E em segundo lugar, é um vírus e o veterinário disse que não é perigoso para os seres humanos." Porky espirrou, como se para enfatizar o ponto, e Alice rapidamente pegou um lenço de papel para limpar o nariz dele.

Edward piscou. "Ok, então. Acho que eu simplesmente vou." Ele olhou para Alice com cautela enquanto circulava a cama para me beijar novamente. "Eu a verei mais tarde, baby".

"Você será ótimo." Eu disse a ele. "Só não deixe Emmett monopolizar o palco".

Edward riu e saiu do quarto, desviando uma grande área ao redor do porco ainda espirrando.

~ E.C. ~

Eu estava meia hora atrasado para o Staples Center, graças a uma porrada de tráfego no centro da cidade. Aparentemente, a principal tubulação de água estourou perto do Universal Studios – o que era meio irônico, se você pensasse sobre isso - e causou uma espécie de estranho efeito cascata que fodeu o tráfego por quilômetros.

Quando eu finalmente cheguei, tive tempo apenas o suficiente para tirar o meu paletó e deslizar um microfone com fones de ouvido antes de começarmos a corrida final através da miscelânea que cantaríamos em apenas algumas horas. Era estranho se apresentar sem Bella, e nós continuamos tendo que parar e reajustar para o espaço vazio no palco. Após o ensaio, o produtor se encontrou conosco brevemente para explicar quando nós nos apresentaríamos, e como seria a apresentação do Prêmio de Realização de Vida.

"Adam configurará a parte dos bastidores primeiro." Ele disse, referindo-se a Adam Levine. Maroon 5 foi o vencedor do ano anterior, e era tradição que eles apresentassem o prêmio para o próximo homenageado. "Vamos executar a obra gravada - e haverá cortes de vocês na plateia, portanto, estejam cientes de que as câmeras estão observando – em seguida, ele os apresentará e vocês subirão no palco".

Ele apontou para uma grande tela à esquerda do microfone central. "A alimentação de satélite passará lá em cima – assim como nos dois monitores nas laterais do palco. Vocês podem dizer seus agradecimentos primeiro, e depois, E.C., você pode jogá-lo para Bella - brincadeiras para lá e para cá, blá, blá blá. Apenas certifiquem de prestar atenção para os sinais do tempo".

Eu assenti, prestando atenção em tudo, e fomos varridos para os bastidores para trocar de roupa antes de sair para caminhar no tapete vermelho. Ficamos grudados juntos, respondendo perguntas e falando sobre o quanto estávamos animados e honrados sobre o prêmio. Eu sorri e disse, "é claro" cada vez que alguém perguntou se eu estava animado, ou nervoso, ou emocionado, sobre me tornar um pai. Em seguida, fizemos o nosso caminho para o interior e - felizmente – tivemos tempo para algumas bebidas antes de fazermos nosso caminho de volta para o camarim para nos preparar para a apresentação.

Meu telefone tocou com uma mensagem de texto de Bella.

Você realmente não gosta daqueles Nikes verde com o cadarço roxo, não é?

Eu fiz uma careta, digitando uma resposta rápida.

Minha mãe me deu esses. Ela os customizou para mim. Por quê?

Hum. Nada. Tenho certeza de que o ranho do porco vai lavar.

Merda, Bella. Bacon espirrou nos meus tênis?

Dê-lhe uma pausa. Ele está doente. E é um porco. Ele tem uma vida difícil.

Eu bufei.

Aquele fodido porco tem o seu próprio quarto e uma jaqueta de couro, pelo amor de Deus. Isso é quase como uma forma estranha de canibalismo.

Não é. Couro é de vacas.

Ainda é estranho.

Tenho que ir. O cinegrafista está aqui. Vejo você na T.V.

Amo você. Mantenha essa porra de porco longe das minhas coisas.

Vou tentar, mas ele continua entrando em seu armário. Eu acho que ele realmente gosta de você. Isso é doce.

Eu responderia, mas, para ser honesto, eu não conseguia pensar em nada para dizer sobre isso.

A miscelânea ocorreu sem problemas, a multidão gritando e cantando, e depois nós corremos para os bastidores para nos trocar, encontrar o nosso caminho para os nossos assentos na primeira fila durante o intervalo comercial.

"Você pode acreditar nisso?" Jasper perguntou com um sorriso. "Realização de Vida. Eu não posso decidir se eu deveria estar lisonjeado, ou insultado".

"Eu sei." Eu murmurei de volta. "Acho que estamos encerrados agora, certo?"

Jake se inclinou. "Poderia muito bem trazer as cadeiras de rodas".

"Falem por si mesmos." Emmett interrompeu. "Estou apenas batendo o meu apogeu".

"Oh, sério?" Eu disse com um sorriso.

"Claro." Ele respondeu. "As mulheres amam homens mais velhos".

"Oh, sim, você é muito mulherengo, cara." Eu bufei. "Rose tem que bater nelas com uma vara".

Emmett revirou seus olhos. "Você só está com ciúmes".

"Ciúmes?" Eu ri. "Do quê?"

Ele flexionou seu bíceps com um sorriso desafiador. "Preciso dizer mais?"

"Vá se foder." Eu murmurei sob a minha respiração enquanto Jasper e Jake soltavam uma gargalhada. As luzes se apagaram e Adam Levine fez o seu caminho para o microfone, acompanhado pelo resto do Maroon 5. Eu estava um pouco surpreso que ele estava usando uma camisa. O cara ainda passava mais tempo nu do que qualquer um que eu conhecia.

"Estamos aqui hoje à noite para homenagear um grupo que se tornou conhecido como a última boy band. Eles balançaram o nosso mundo com canções como Eu Preciso Ter Você, Tanya Duas Caras e Caramelo".

A multidão gritou mais alto com cada canção mencionada.

"Esta noite, nós os agradecemos por mais de uma década de música incrível. Vamos dar uma olhada na magia da 5Point".

As luzes se apagaram e a peça gravada piscou na tela, clipes de shows e vídeos de música - pedaços de entrevistas antigas e por trás das cenas, imagens que me fizeram sorrir. Bella apareceu na tela, primeiro como Billy, depois como ela mesma, e eles ainda incluíram o clipe do Today Show, onde ela anunciou que teríamos trigêmeos.

E eu fodidamente desmaiei. Sim. Eu nunca viveria sem isso.

As luzes voltaram e Adam gritou no microfone sobre os gritos e aplausos, "Senhoras e Senhores, aceitando o Prêmio de Realização de Vida, aplaudam a 5Point!"

Nós galgamos os degraus, acenando para a multidão, e eu tive que admitir que fiquei um pouco sobrecarregado pelo momento. Por ser honrado assim, os fãs ainda nos amam depois de tantos anos? Sim. Foi muito legal.

Cada um de nós tomou um rumo no microfone, agradecendo Marty e Mikey, nossos amigos e familiares e entes queridos. Depois foi a minha vez, e eu sorri, esperando por uma pausa nos gritos e nos Eu te amo, E.C.!, antes que eu começasse a falar.

"Obrigado, pessoal. Realmente, muito obrigado." Eu comecei. "Isso significa muito para todos nós, vocês não têm ideia." Os gritos começaram de novo e eu ri um pouco, balançando a cabeça em reconhecimento. "Nós conversamos muito sobre as pessoas que nos ajudaram ao longo do caminho, mas, acima de tudo, queremos agradecer a vocês, os fãs. Sem vocês, nós não seríamos nada".

"Isso mesmo!" Emmett gritou para animados aplausos.

"E agora, nós temos um convidado especial." Eu disse, virando-me para olhar para a tela enquanto Bella aparecia. "Eu acho que vocês conhecem esta senhora".

A multidão foi à loucura, gritando e batendo os pés, e Bella corou, acenando com a mão. Quando a multidão se acalmou, ela disse, "Muito obrigada. Eu gostaria de poder estar aí com vocês, mas eu estou tão honrada e animada por aceitar este prêmio com os caras".

Eu me inclinei para o microfone. "Baby." Eu comecei, iniciando um coro de Ooooohhhs. Virei-me para a multidão. "Oh, vamos lá, ela é a minha esposa!" Uma onda de risadas voltou para mim, e eu me virei de volta para a tela.

"Eu sei que as pessoas aqui estão querendo saber como você está".

"Estou ótima." Bella respondeu, sorrindo amplamente. Eu era o único que sabia que era um pouco forçado. "Estou em repouso na cama, mas isso na verdade não é incomum com uma gravidez múltipla. Estou me sentindo ótima, porém, e quero agradecer a todos os fãs pelos cartões e cartas. Tem sido realmente incrível." Ela se encolheu um pouco, mas rapidamente cobriu isso com um sorriso.

"E devemos dizer a eles sobre os bebês?" Eu perguntei, piscando ao público um sorriso provocante. Gritos de Sim! e Conte-nos! Encheram o teatro.

"Eu não sei." Bella disse lentamente, juntando-se ao jogo, assim como nós planejamos. "Você acha que eles realmente querem saber?" Ela estremeceu novamente, mudando de posição contra os travesseiros. Suas costas provavelmente estavam incomodando novamente.

"Vamos, Edward, diga a eles." Jasper adulou, juntando-se ao coro.

"Ok, ok..." Eu levantei a mão. "Bem, nós teremos um menino..."

Bella sorriu. "... e uma menina..."

"E outro..." Fiz uma pausa dramática. "Diga a eles, baby".

Bella riu. "Ok, o terceiro bebê é um..." De repente, ela caiu para a frente, agarrando o seu estômago. "Merda!"

"Bella? Você está bem?"

"Um..." Ela se afastou da câmera, falando em sussurros por trás da sua mão. Ouvi Alice gritar, "O quê?" de fora da câmera.

"Bella? O que há de errado?" A multidão ficou em silêncio, e eu distraidamente notei o diretor acenando com a mão e falando rapidamente em seu fone de ouvido. Eu esperava que eles fossem para o comercial, mas estava preocupado que eles cortassem a alimentação de satélite antes que eu pudesse obter algumas respostas. "Bella?" Eu repeti, quase frenético e tentando aparentar calma.

Eu acho que falhei.

"Edward?" Ela disse através dos dentes cerrados, segurando sua barriga. "Eu acho que é melhor você ir para o hospital".

"O quê?"

"Está na hora!" Ela ficou tensa novamente, gemendo de dor.

"Mas é muito cedo!"

"Os bebês não parecem se importar!" Ela gemeu quando Alice entrou na tela, envolvendo um braço em torno das suas costas e dizendo a Bella calmamente para apenas respirar.

"Você tem certeza?" Eu perguntei, em pânico, meu coração martelando no meu peito.

Bella olhou para a câmera, assobiando por entre os dentes. "Sim, eu tenho certeza! Minha bolsa acabou de estourar toda sobre a porra da cama!"

A multidão irrompeu em um suspiro unificado, e eu corri a mão tremulamente pelo meu cabelo. "Ok." Eu murmurei. "Ok".

"Edward?"

"Ok." Eu disse, andando de um lado a outro. "Está tudo bem".

"Edward?" Bella se inclinou para frente, e parecia que ela pegou a câmera, gritando para ela. "Controle-se e vá para o hospital! Agora!" Ela largou a câmera. "Agora, desligue essa coisa!" Ela gritou, e a alimentação desapareceu.

"Ok." Eu disse de novo, virando os olhos frenéticos para os caras... que estavam olhando para mim com o mesmo olhar de pânico.

"Eu... uh..." Eu disse no microfone. "Eu tenho que ir".

Então eu corri os degraus da escada, pelo corredor e para fora do teatro, tão rápido quanto minhas pernas me levaram, a multidão me aplaudindo por todo o caminho.

~ Bella ~

"Eu não posso acreditar que isso está acontecendo." Alice murmurou, contornando a equipe de filmagem para jogar algumas roupas em uma mala. A tripulação se mexia ao redor, ocupada, mas não parecia realmente estar fazendo nada. "Vocês podem nos dar algum espaço, por favor!" Alice gritou, antes de tomar uma respiração profunda.

"Você." Ela disse para o cara do som, empurrando minha bolsa em seu peito. "Leve isto para o meu carro. É o vermelho na garagem. As chaves estão na bolsa na mesa da sala de jantar." Ela virou-se para o cinegrafista, passando por cima de Porky, que tinha decidido se espalhar no meio do chão do meu quarto. "Você. Tire essas coisas daqui, por favor. Preciso de espaço para manobrar a mulher grávida".

"Ei!" Eu gritei, censurando, mais que um pouco insultada. Eu não era tão grande.

Peguei um vislumbre de mim mesma no espelho. Ok, talvez eu fosse.

"Sem ofensa, querida." Alice disse com um sorriso indulgente antes de virar para o outro membro da tripulação. Eu não tinha certeza do que ela fazia, mas ela carregava uma prancheta e usava um fone de ouvido. "Você." Alice era mais uma vez toda negócios. "O número do médico está na geladeira. Ligue para ele, em seguida, ligue para o Cedars Hospital e avise que estamos no nosso caminho".

"Talvez eu esteja errada." Eu disse a ela, uma vez que estávamos sozinhas. "Talvez eu não esteja em trabalho de parto." Outra contração bateu e eu dobrei, minha visão embaçando por um segundo.

"Sim." Alice disse, aproximando-se para me ajudar a levantar. "Eu tenho certeza que você não está errada".

"Mas... mas..." Eu gaguejei enquanto ela me ajudava a colocar roupas secas. "Pode ser um falso trabalho de parto".

"Falso trabalho de parto não explica o rompimento da sua bolsa".

"Hummm..." Eu pensei forte, agarrando em palhas. "Talvez eu só tenha feito xixi na cama?"

"Eeeewwww!" Ela torceu seu nariz. "Bella, eu odeio dizer isso para você, mas você está tendo esses bebês".

"Mas eu não estou pronta!" Eu gritei, puxando contra ela enquanto ela tentava me arrastar para fora da porta. "Eu não coloquei as travas de criança nos vasos sanitários ainda!"

Alice olhou para mim como se tivesse nascido uma segunda cabeça em mim. "Eles têm travas de criança para vasos sanitários?"

Eu balancei a cabeça freneticamente. "Sim... sim, para que os bebês não caiam e se afoguem, sabe?"

"Como é que um bebê recém-nascido vai entrar em um vaso sanitário?' Eles não podem sequer engatinhar".

"Você não sabe isso." Eu disse teimosamente. "Talvez meus filhos serão - eu não sei – bem dotados, ou algo assim".

"Isso é um pouco assustador." Ela admitiu depois de um tempo. "Agora você me tem imaginando todos os seus bebezinhos se contorcendo e subindo nos vasos sanitários".

Eu bufei, ofendida. "Alice, meus bebês não são assustadores".

"Já ouvi falar de bebês que nascem com a cabeça cheia de cabelos... e dentes." Ela disse. "Você pode imaginar?"

Eu estremeci. "Isso não está ajudando".

"E eu vi este filme, onde um bebê saiu e realmente começou a falar." Ela acrescentou. "Com certeza, ele estava possuído pelo diabo, mas, ainda assim..."

"Hummm..." Eu estava despedaçada. Alice estava realmente começando a me assustar, mas, por outro lado, isso estava totalmente funcionando. Alice estava distraída e tinha quase esquecido de me tirar da casa. Eu não teria que dar à luz hoje, afinal.

Soco no ar mental.

Então eu fui batida com outra contração – uma ainda mais forte - e quase caí de joelhos de dor.

"Ok, então." Alice disse, ajudando-me a levantar e puxando meu braço por cima do seu ombro para apoiar meu peso bastante significativo. "Vamos, antes que seus bebês bem dotados engatinhem direto para fora do seu útero e comecem a recitar Shakespeare, ou algo assim".

~ E.C. ~

Quando saí da arena, parei abruptamente, sem saber o que fazer a seguir.

"Precisamos de uma limusine." Jasper disse, respirando pesadamente ao meu lado.

"O que vocês estão fazendo?" Eu perguntei.

Emmett sorriu. "Cara, você não acha que nós deixaríamos você nos deixar para trás, não é? Quero conhecer meu afilhado".

"Seu afilhado?" Jake empurrou. "Eu acho que você quer dizer meu afilhado".

"Agora, esperem um segundo." Jasper interrompeu. "Acho que eu seria um padrinho melhor. Quero dizer, eu tenho alguma experiência".

"Você tem um porco." Jake apontou.

"Gente..." Eu interrompi. Eles me ignoraram. Típico.

"O que diabos você tem contra Bacon?" Jasper encarou.

"Eu amo bacon." Emmett disse com ar sonhador. "Você acha que temos tempo para parar no Denny? Estou morrendo de fome".

"Nós não pararemos no Denny." Eu disse, aproximando-me da limusine mais próxima. O motorista estava encostado na porta, folheando uma revista.

"Com licença." Eu disse. Ele olhou para cima, piscando por um segundo antes de um sorriso enorme se espalhar pelo seu rosto.

"Eeeeiii..." Ele disse, a palavra grossa com um sotaque de Nova York. "É a 5Point! Como vão?"

"Bem, cara... bem. Olhe." Eu me inclinei. "Minha esposa está em trabalho de parto e eu preciso chegar ao hospital. Você pode nos ajudar?"

"Bella?" Ele disse, seus olhos arregalados. "Bella está tendo os bebês? Não é muito cedo?"

Eu pisquei. "Uh... sim. Um pouco".

"Não se preocupe." Ele disse sabiamente. "Não é inesperado com nascimentos múltiplos. Tudo ficará bem".

Perguntei-me como eu acabei recebendo conselho médico de um motorista de limusine. "Ok... então, uh... você acha que poderia..." Acenei para a limusine.

"Não diga mais nada, meu homem." Ele disse, colocando a revista debaixo do braço e abrindo a porta do carro. "Eu vou levá-los até lá".

Acenei para os caras, que correram, ainda discutindo quem deveria ser o padrinho.

"Estou apenas dizendo." Jasper disse quando entramos na parte de trás da limusine. "Que eu sou claramente o mais responsável".

"Eu tenho a maioria das crianças." Emmett disse com um encolher de ombros. "E, acredite em mim, eles não são nada como porcos. Bem, exceto pelas fraldas. E a comilança constante. E os guinchos. Ok, eles são como porquinhos." Ele admitiu.

"O que um padrinho faz, afinal?" Jake perguntou.

O motorista - Mick – entrou na conversa. "Se acontecer alguma coisa com os pais, é responsabilidade do padrinho educar a criança nos caminhos da Igreja".

O silêncio era ensurdecedor.

"Talvez Jasper seria melhor." Emmett ofereceu após um longo momento, tirando seu telefone para verificar seus e-mails.

"Eu?" Jasper disse, chocado. "Eu tenho um porco!"

Eu balancei minha cabeça. "Vocês são terríveis".

~ Bella ~

Oh. Meu. Fodido. Deus.

Todas aquelas mulheres que dizem que querem o parto natural? Elas são fodidamente loucas.

Eu quero os medicamentos.

Eu preciso dos medicamentos.

"Eu preciso dos medicamentos, Alice." Eu disse pela centésima vez. "Eu realmente preciso dos medicamentos".

"Eu sei, Bella." Ela respondeu com calma, ajudando-me a entrar no carro. "Mas tudo que eu tenho é algum Ibuprofeno, então eu acho que é melhor nós esperarmos até chegar ao hospital." Ela abriu a porta traseira e Porky entrou.

"Você está trazendo o porco para o hospital?" Eu perguntei, respirando profundamente através de outra contração.

"Bem, eu não posso deixá-lo aqui sozinho." Alice disse enquanto afivelava seu cinto de segurança. "Ele ficaria com medo sozinho. E quem sabe o que ele faria em todos os sapatos de Edward?"

Olhei para ela fixamente por um momento. "Você é uma pessoa muito estranha, Alice." Eu disse.

Ela sorriu brilhantemente, mas não disse nada.

Meu telefone tocou com uma mensagem de Edward.

A caminho. Você está bem?

Eu respirei através de outra contração.

Sim. Estou bem. Apenas saindo de casa agora. Encontrou uma carona para o hospital?

Sequestramos uma limusine. Espere uma perseguição policial em alta velocidade para sair a qualquer minuto.

A propósito, Emmett diz para pedir a medicação como a primeira coisa. Se você esperar muito tempo, eles não darão a você.

Meu coração parou com o pensamento. Isso seria...

Eu não podia nem pensar em uma palavra. Era inimaginável. Eu balancei minha cabeça, determinada a não deixar uma coisa tão terrível acontecer.

"Precisamos nos apressar, Alice." Eu solicitei, enviando ordens telepáticas para meus filhos evitarem a coroação a todo custo, ou, Deus me ajude, eu colocaria fotos de bebês nus na capa da revista People.

"Estou indo." Alice disse, mordendo o lábio e acelerando o motor. Voltei para o meu telefone.

Espere um segundo. Todas as crianças de Emmett são adotadas. Como ele sabe disso?

Ele assistiu aquele documentário sobre a gravidez de Lady Gaga.

Perfeito.

Ela acabou tendo que dar à luz naturalmente. Caramba, aquela mulher pode xingar.

Portanto, não está ajudando.

Desculpe.

Você não vai deixá-los esconder os medicamentos de mim, vai?

Claro que não.

Porque eu carreguei três humanos no meu corpo durante oito meses. Acho que eu mereço os medicamentos.

Claro que você merece.

Mesmo que fosse uma mensagem, eu podia sentir que ele estava brincando comigo.

É melhor você não estar tirando sarro de mim.

Nem pensaria nisso.

Nós puxamos para fora do nosso longo caminho e Alice pisou no acelerador, o carro desviando levemente antes de entrar em alta velocidade na rodovia. Segurei a maçaneta da porta, fazendo uma careta ligeiramente.

"Talvez devêssemos ter chamado uma ambulância." Eu disse.

Alice apenas balançou a cabeça, os olhos apertados na estrada com vento diante dela enquanto ela mudava de marcha. "Nós já estaremos lá antes que uma ambulância pudesse sequer chegar na casa".

Engoli em seco quando ela tomou um canto, as rodas guinchando. "Mas, pelo menos, nós chegaríamos inteiras".

Alice riu. "Relaxe, Bella. Eu sou uma excelente motorista".

Porky espirrou, depois peidou.

Eu abri a janela e fechei os olhos, contemplando a ironia de que eu era uma estrela do rock, com absolutamente nenhum acesso aos medicamentos decentes.

~ E.C. ~

"A dez está uma bagunça." Mick disse, mexendo com o sintonizador do rádio. "Eles têm construção em todo o lugar e é só uma pista. Nós teremos que percorrer a cidade".

"E quanto à 101?" Jasper perguntou.

"Bem, eles fecharam por conta do protesto".

"Protesto?" Folheei o meu telefone, à procura de um relatório de tráfego.

"Na Universal." Mick explicou. "Bem, deveria ser na Universal e então a tubulação principal de água quebrou, por isso eles estão se movendo para o Grauman".

"Por que no mundo alguém protestaria contra o Grauman?"

"Eles não estão protestando contra o Grauman. Eles estão protestando contra a Universal. Eles só tiveram que mudar para o Grauman por conta da ruptura da tubulação principal de água".

"Ok, então, por que alguém quereria protestar pela Universal?" Eu estava ficando com dor de cabeça.

"São os ruivos." Ele respondeu.

"Ruivos?" Notei pelo canto do meu olho que os outros caras estavam acompanhando nossa conversa como uma partida de tênis. Como um só, com a cabeça virada para Mick.

"Sim." Ele continuou. "Eles estão chateados por causa desse novo filme saindo – Melhor Morto do que Ruivo?"

"Isso não é sobre o comunismo?"

Ele deu de ombros. "Não sei. Só sei que os ruivos estão todos em pé de guerra sobre o assunto. Disseram que os pinta sob uma luz ruim. Enfim, eles transformaram em uma marcha de protesto, diretamente pela Hollywood Freeway. Os policiais tiveram que fechá-la para que ninguém se machuque".

"Merda".

"Sim. Acho que eles pensaram que isso faria uma declaração - você sabe, mais de 20 mil pessoas marcham no teatro".

"Isso é um monte de ruivos".

"Bem, para ser justo, não são todos ruivos. Eles têm amigos e familiares também. Você sabe, o apoio aos ruivos".

"É claro".

"E eu não sei se conta os ruivos não naturais".

"Não naturais?"

"Você sabe, ruivos pela tintura Miss Clairol?"

"Uh. Huh." Eu disse finalmente, imaginando como no mundo minha vida tinha chegado a isso. "Acho que sim, apenas me leve até lá o mais rápido que você puder, ok? Por favor?"

"Sem problema, Sr. Mazen".

~ Bella ~

Evite a 101. Fechada por causa da tubulação de água/protesto.

Eu pisquei, tentando entender.

Alguém está protestando contra uma ruptura da tubulação principal de água?

É uma longa história. Malditos ruivos. Basta pegar a Mulholland, em vez disso.

Ruivos? O que há de errado com ruivos? Você percebe que você é um deles, certo?

B, eu não sou ruivo. Meu cabelo é obviamente bronze.

Bronze? Quem já ouviu falar de cabelos cor de bronze?

É uma cor.

Estou ciente de que é uma cor. Apenas não é uma cor de cabelo. Seu cabelo é vermelho... e marrom...

Como eu disse. Bronze.

MPawero2834; ... anfwaasw234HER

?

Desculpe. Contração.

Apenas respire, baby. Eu estou no meu caminho.

Alice puxou um retorno um tanto assustador e aceleramos pela Mulholland em direção à Beverly Hills, o cenário piscando em um borrão ofuscante. Porky fungou no banco de trás e olhei para trás, só para pegar um flash de vermelho e azul pela janela traseira.

"Merda!" Eu murmurei. "É a polícia, Alice".

Ela virou os olhos ferozes para mim, quase maníaca. "Devo tentar ultrapassá-los?" Ela perguntou.

"O quê?"

"Porque eu acho que posso vencê-los." Ela disse, seus dedos se contorcendo na mudança de marcha.

Estendi a mão para pegar a mão dela, acalmando-a. "Alice, isto não é Thelma e Louise. Acho que provavelmente devemos encostar. A polícia vai entender".

Alice me olhou fixamente por um momento, seu rosto caindo. "Você tem certeza?"

"Ummm... sim".

Ela puxou para o lado da estrada, abrindo sua janela quando um policial se aproximou.

"Minha amiga está tendo um bebê!" Ela deixou escapar. "Bebês, na verdade. Três deles. Ela culpa o super esperma do seu marido, mas trigêmeos acontecem na família dela, então eu acho que, tecnicamente, a culpa é dela".

"Alice!" Eu silvei.

"Desculpe." Ela sussurrou de volta. "A polícia me deixa nervosa".

"Licença e registro." Disse o policial. "Você tem alguma ideia do quanto estava indo rápido?"

"Hummm..." Alice disse.

Eu gemi, respirando através de outra contração. O policial se agachou, olhando através da janela.

"Macacos me mordam!" Ele exclamou. "Esta é Bella Swan?"

"Isso é o que eu estou dizendo!" Alice disse com um olhar. "Ela está tendo os bebês!"

"Agora?" Ele perguntou. "Todos eles?"

Eu atirei. "Sim, todos eles. E eu vou tê-los neste carro, sem qualquer fodido medicamento, se não chegarmos ao hospital!"

O policial piscou para mim por um momento, e então enfiou a mão no seu bolso. "Você acha que eu poderia pegar um autógrafo para a minha irmã? Ela é sua maior fã".

Porky peidou. Todos nós estremecemos.

"Que diabos." Eu murmurei, quando a contração diminuiu. Eu escrevi meu nome no pedaço de papel que ele estendeu e ele sorriu, colocando-o de volta no bolso.

"Ok, então." Ele disse, todo negócios. "Para onde vocês estão indo?"

"Cedars-Sinai." Alice respondeu. "Você pode nos ajudar?"

O policial sorriu. "Basta tentar manter-se comigo".

Alice estava absurdamente alegre enquanto seguia o carro da polícia, luzes e sirenes em chamas. Eu acho que posso ter realmente a escutado rir enquanto nós nos esquivávamos entre os carros, uma vez que finalmente fizemos o nosso caminho para as ruas mais movimentadas da cidade. Antes que eu percebesse, nós paramos em frente à entrada da emergência do hospital Cedars e fomos ecebidos por duas enfermeiras empurrando uma cadeira de rodas.

"Sra. Swan, por aqui." Disse uma delas, ajudando-me a sair do carro. Elas olharam para Alice, então, para Porky.

"Você não pode trazer isso para o hospital".

Alice encarou. "Porky é ele, não isso. E ele é um animal de serviço." Ela colocou uma coleira em seu pescoço. Porky levantou uma perna para coçar sua barriga.

Os olhos da enfermeira se estreitaram com desconfiança. "Que tipo de serviço?"

Alice lançou-me um olhar suplicante. Eu gemi alto. "Por favor." Eu disse miseravelmente. "Podemos entrar agora?" As enfermeiras vibraram ao meu redor nervosamente, e Alice deslizou Porky para dentro do hospital sem dizer uma palavra.

Diga o que você quiser. Celebridades têm seus privilégios.

Nós fizemos nosso caminho para o quarto privado que estava esperando por mim e Alice me ajudou a me trocar para uma camisola antes de subir na cama. Porky se encolheu no canto e a enfermeira verificou meus sinais vitais e começou a intra-venosa.

"Ok." Eu disse, sem rodeios. "Hora para os medicamentos".

"Sinto muito." Disse a enfermeira. "Precisamos esperar a médica".

Meus olhos estreitaram. "Bem, onde ela está?" Eu perguntei. "Eu sei como isso funciona. Se esperarmos muito tempo, será tarde demais".

"Ah, ótimo." A enfermeira murmurou. "Outra que assistiu ao documentário da Gaga".

"O que é isso?" Eu perguntei acidamente.

"Nada." Ela disse com um sorriso. "O médico deve estar aqui em apenas um momento." Ela saiu dao quarto e eu enviei uma mensagem para Edward.

No hospital. Ainda à espera dos meus medicamentos.

Uau. Como vocês chegaram aí tão rápido?

Escolta policial. E Alice dirige como Mad Max.

Outra contração bateu e eu respirei através dela, agarrando a mão de Alice.

As contrações estão ficando mais próximas. Você está quase aqui?

Tentando. Eu estarei aí em breve. Não dê à luz sem mim.

Essas malditas crianças têm vontade própria. Nós teremos que estabelecer a lei.

Se eles saírem antes de eu chegar aí, eles estão muuuito ferrados.

Apenas os mantenha longe dos vasos sanitários.

?

Esqueça. Apenas se apresse.

A porta se abriu, e o homem mais bonito que eu já vi na minha vida entrou. Cabelo escuro polvilhado com cinza nas têmporas, vestindo uniforme azul e um jaleco branco, ele flutuou para dentro como um anjo, seu estetoscópio envolto em torno do seu pescoço.

Porra. Era George Clooney.

Ele colocou um par de luvas de látex e sentou-se no banco ao pé da cama.

"Espere um segundo." Eu protestei. "Quem é você? Onde está a Doutora McPherson?"

"Ela está de férias." George disse. "Eu farei o seu parto".

"O inferno que você fará." Eu gritei, cruzando as pernas sob os lençóis. Alice inclinou-se sobre a cama.

"O que há de errado?" Ela perguntou.

"Ele não pode fazer meu parto!" Eu sussurrei de volta.

"Eu asseguro a você, Sra. Swan, eu sou bastante experiente com nascimentos múltiplos. Vai dar tudo certo".

"Vê?" Alice disse, batendo no meu ombro. "Ele é experiente".

"Ele se parece com George Clooney." Eu silvei. George fingiu não ouvir.

"Então?" Ela disse com um encolher de ombros.

"Eu não posso ter George Clooney... lá em baixo!" Eu disse, um pouco alto demais. "É embaraçoso!"

Claro, meu corpo escolheu esse momento para ter outra contração, e George mergulhou entre as minhas pernas, anunciando, "Você está com seis centímetros de dilatação. Que tal ver sobre a obtenção daquela epidural?"

Eu posso ter me apaixonado por George Clooney.

~ E.C. ~

"Você tem que estar brincando comigo." Eu murmurei. A limusine rolou para o meio-fio e Mick saiu, circulando-a lentamente.

"Desculpe, Sr. Mazen. Nós temos um pneu furado".

Mick afirmou conhecer um atalho para o hospital, mas, de alguma forma, nós acabamos perto do Teatro Chinês de Grauman. As ruas estavam cheias de manifestantes gritando, "Claro que não! Ruivos não vão!", e carregando cartazes proclamando Ruivo ou Explosão! e Hollywood Odeia Ruivos! Nós mal tínhamos nos movido quando um baque alto nos obrigou a parar completamente.

Um pneu furado. Perfeito.

Saímos do carro, todos olhando para o injuriado pneu por um momento antes de ouvir um sonoro grito.

"Oh meu Deus! É a 5Point!"

Em poucos minutos nós estávamos cercados, os pedidos habituais para autógrafos e fotos gritados de todos os lados.

De repente, uma sirene soou, chamando a atenção de todos para um homem alto, magro e ruivo parado sobre uma plataforma improvisada na entrada do teatro. Ele falou através de um megafone, sua voz ecoando pela rua.

"Eu não posso acreditar." Ele disse. "É uma honra ter E.C. Mazen e a 5Point se juntando à nossa causa... dizendo a Hollywood que nós não aguentaremos a vilanização dos ruivos por mais tempo!"

A multidão gritou, e nós nos encontramos sendo levados em direção ao palco.

"E.C., você gostaria de dizer algumas palavras?"

"Hummm..." Eu gaguejei, ainda um pouco desorientado.

"Como um próprio ruivo, tem que ser desmoralizante ver como nós temos sido tratados".

Eu fiquei boquiaberto para Jasper, que apenas deu de ombros em resposta. "Basta ir com o fluxo, cara." Ele disse. "Mick está tentando nos conseguir um táxi".

"Bem." Eu disse finalmente. "Tecnicamente, eu não sou realmente um ruivo".

O cara me olhou fixamente, seus olhos vagando até o meu cabelo.

Corri a mão por ele. "Quero dizer, é mais bronze, do que vermelho... na verdade. Não que haja algo de errado com o vermelho... ummm..."

"Bronze?" O cara repetiu em confusão.

"É uma cor!" Eu disse, exasperado. Quando ele apenas continuou a olhar para mim, eu peguei o megafone e virei-me para a multidão. "Olhem, eu sou um grande defensor dos ruivos, de verdade." Os manifestantes gritavam, acenando com seus cartazes, e eu levantei a mão. "Mas o fato é que minha esposa está em trabalho de parto e eu realmente, realmente preciso chegar ao Cedars-Sinai, tipo, agora. Então, se alguém puder nos ajudar, eu agradeceria muito".

Por um longo momento, ninguém se moveu... ninguém falou... nada aconteceu. Em seguida, a multidão se afastou, abrindo um caminho do palco para a rua.

"Obrigado, pessoal!" Eu gritei, jogando o megafone de volta ao líder do protesto.

"Abram caminho para o táxi, pessoal!" Ele gritou através do megafone, enquanto Mick acenava para nós em direção a um táxi estacionado na metade do caminho na calçada. Jasper, Jake e eu nos empilhamos na parte de trás, e Emmett subiu ao lado do motorista.

Mick sorriu. "Boa sorte, Sr. Mazen. Cuide daqueles bebês." Ele bateu a porta e, milagrosamente, os manifestantes saíram do caminho do táxi, abrindo um corredor alinhado de ruivos diante de nós. Emmett me observava com curiosidade do banco da frente.

"O quê?" Eu perguntei.

"É vermelho, você sabe".

"Oh, pelo amor de Deus!"

"Apenas dizendo." Ele deu de ombros, voltando-se ao redor.

Meu telefone tocou.

George Clooney está me dando medicamentos.

George Clooney? Tem certeza de que você já não está usando alguma coisa?

Ainda não. Ele diz que em breve, no entanto. Muito em breve. Eu acho que eu o amo. Onde você está?

Um pequeno desvio. Devo estar aí em breve.

Desvio? Emmett não o fez parar no Denny, não é?

Eu bufei.

"Está tudo bem?" Jake perguntou.

Eu assenti. "Sim." O táxi balançou, jogando-me contra Jasper. "Ei, você pode ir mais rápido?" Pedi ao motorista.

Ele sorriu para o espelho retrovisor. "É isso aí".

~ Bella ~

Merda.

Merda. Merda. Merda!

Eu silvei através dos meus dentes no tempo com o treinamento de Alice, focada em um ponto na parede.

Isso não estaaaaava ajudando.

Eu me virei para olhar para o monitor, observando a pequena linha indicando que a contração estava chegando ao fim. Tomei uma respiração profunda e Alice deu-me alguns pedaços de gelo. Eu os triturei ferozmente.

"Onde estão os meus medicamentos?" Eu gritei, possivelmente um pouco mais alto do que pretendia.

Alice fez uma careta para a enfermeira, que apenas ajeitou o travesseiro e respondeu calmamente, "O anestesista estará aqui logo, querida. Basta manter a respiração".

"Eu não quero manter a respiração." Eu gemi. Eu não podia evitar. "Eu quero os meus medicamentos!" Agarrei o braço de Alice. "George disse que me daria os medicamentos!"

"Eu sei, querida." Ela disse, acariciando-me gentilmente. "Eu darei mais alguns pedaços de gelo para você." Ela atravessou a sala, inclinando-se para tirar Porky do caminho, em seguida, puxando o telefone do seu bolso.

Eu suspirei, mudando para tentar ficar um pouco mais confortável. O que era tão provável quanto...

Bem, era praticamente impossível. Vamos deixar por isso mesmo.

Senti outra contração fechando e chamei por Alice. Ela me olhou distraidamente, colocando o telefone no seu bolso.

Eu comecei a respirar... hee hee ha... hee hee ha...

Alice parecia preocupada.

"Alguma coisa está errada? Eu perguntei.

Hee hee ha... hee hee ha...

"Hummm..." Ela disse hesitantemente. "Não é nada para se preocupar".

Hee hee ha... hee hee ha...

"Alice... hee hee... simplesmente, diga-me... ha..."

"Você... hee hee... não precisa... ha... se preocupar com isso..."

"Alice!" Eu rosnei quando a contração diminuiu. "O que diabos está acontecendo?"

Ela mordeu o lábio. "Bem, parece que alguém vazou a sua localização".

"Vazou?" Eu repeti, mastigando um pouco mais de gelo. "O quanto isso é ruim?"

"Hummm..." Ela foi até a janela, olhando através das cortinas para a rua abaixo. "Muito ruim".

Eu gemi. "Deixe-me ver." Eu disse, estendendo a minha mão. Ela relutantemente entregou seu telefone... que estava atualmente mostrando uma transmissão ao vivo do lado de fora do hospital com o slogan: Assista aos Bebês de Bella.

"Merda." Eu murmurei, entregando o telefone de volta para Alice.

"Não se preocupe, querida." A enfermeira disse, verificando minha pressão novamente. "A segurança está no lugar. Ninguém entrará aqui. Nós lidamos com situações como essa o tempo todo".

"Sério?"

Ela sorriu. "Bem, exceto pelo porco, é claro".

A porta se abriu e um homem baixo e calvo com um jaleco branco entrou. Empurrando os óculos no seu nariz, ele sorriu largamente para mim.

"Olá, Sra. Swan." Ele disse. "Eu sou o Doutor Morgan. Estou aqui para dar-lhe a epidural".

"Sério?" Eu disse, esperançosa.

Ele riu. "Sério. Você pode rolar para o seu lado, por favor?"

Ok, então isso era mais fácil dizer do que fazer, mas com a ajuda de Alice e da enfermeira, eu consegui. Ele limpou as minhas costas, então disse, "Ok... picadinha".

Eu posso ter dado risadinhas.

O quê? Eu estava nervosa.

"Desculpe." Eu murmurei.

"Acontece o tempo todo." Ele disse. Eu senti a picada da agulha. "Quase terminado." Ele murmurou.

E então...

E então...

Nada. Bem, não nada, mas a dor de cólica constante dissolveu em uma espécie de dormência feliz.

"Puta. Merda." Eu disse com admiração. Dr. Morgan levantou-se, seus olhos azuis brilhando.

"Melhor?" Ele perguntou.

"Foda-se George." Eu disse. "Eu acho que eu amo você".

Ele riu. "Eu recebo muito isso." Ele deu um tapinha no meu ombro. "Boa sorte com os bebês." Ele disse antes de sair do quarto.

Eu suspirei. "Eu já sinto falta dele".

Alice riu e jogou para Porky um pedaço de gelo.

Meu telefone tocou.

Está tudo bem?

Está tudo maravilhoso. A imprensa está aqui, a propósito.

Fodidamente ótimo.

ESTÁ ótimo. TUDO está ótimo.

Tem certeza que você está bem?

Dr. Morgan apareceu. Ele me deu os meus medicamentos.

Eu pensei que George Clooney daria a você os seus medicamentos.

Esqueça George. George está morto para mim. Eu me casarei com o Dr. Morgan e terei muitos bebês sem dor.

Você sabe que você já está casado, certo?

Tecnicalidades.

~ E.C. ~

Nós finalmente... finalmente chegamos ao hospital... apenas para ser saudados por uma multidão de fãs e paparazzi... e uma fila de vans de notícias via satélite alinhadas do lado da rua.

"Fantástico." Eu murmurei.

"Não se preocupe com isso, E." Jasper disse. "Vamos lidar com a interferência. Você simplesmente vai até Bella".

O táxi parou bruscamente na frente da entrada de emergência e um par de seguranças saiu para nos receber. Eu corri através das portas rapidamente, olhando por cima do meu ombro para ver os caras acenando para as câmeras. Emmett irrompeu em uma pequena dança e eu não pude deixar de rir.

Então eu ouvi um grito.

"Lá está ele!"

Eu me virei para ver um grupo de meninas correndo pelo corredor usando camisas da 5Point e carregando uma variedade de balões e ursinhos de pelúcia.

"Merda." Eu murmurei. "Eu realmente não tenho tempo para isso".

"Por aqui, Sr. Mazen." Disse um dos guardas, levando-me na direção oposta. Nós corremos pelo corredor... em torno de um canto e através de uma sala de operação. Ele me puxou em torno de um canto e nos achatou contra a parede atrás de uma fonte de água.

Os guinchos chegaram mais perto... e mais perto... o tamborilar de pés vestidos com AllStar ecoando no chão de linóleo.

O guarda segurou meu braço, apertando um dedo aos lábios. Eu assenti, segurando minha respiração. Elas passaram por nós e nós nos arrastamos para fora do corredor, olhando ao redor da esquina antes de decolar de volta pelo caminho que viemos. Nós disparamos em um elevador aberto, e o guarda apertou o botão para o andar da maternidade.

"Essa foi por pouco." Ele disse. Eu bati o pé nervosamente enquanto o elevador subia, então notei o guarda me observando de perto.

"Está tudo bem?" Eu perguntei, pânico correndo através de mim. "Bella está bem?"

Ele ergueu as mãos. "Ela está bem. Está tudo bem. É só que..." Ele hesitou apenas brevemente. "Minha filha é uma grande fã... você acha?" Ele estendeu uma caneta e um CD.

"Claro." Eu disse, pegando o CD. Eu ri, surpreso. "Espere um segundo, isto é Justin Timberlake".

O guarda encolheu os ombros. "Eu estava com pressa. Era o único que eu consegui encontrar".

Eu suspirei, escrevendo meu nome e o entregando de volta para ele quando as portas do elevador se abriram.

"Obrigado, E.C.! A estação de enfermagem é para a direita." Ele gritou quando eu corri para fora do elevador.

Corri pelo corredor, ganhando olhares de mais de uma enfermeira, e, finalmente cheguei ao posto de enfermagem.

"Por favor..." Eu ofeguei. "Minha esposa. Bella Swan." Eu estava encontrando dificuldade para formar frases completas, mas, aparentemente, eles estavam acostumados com isso.

A enfermeira sorriu. "Ela está bem, Sr. Mazen." Ela disse enquanto dava a volta na mesa e me pegava pelo braço. "Vou levá-lo até ela".

Nós tínhamos acabado de começar a andar pelo corredor quando uma porta se abriu e um porco correu para fora da sala, uma voz sobrenatural gritando, "Sim, é melhor você correr, sua fodida máquina de peidos!" Eu esquivei para a esquerda para evitá-lo, e Alice saiu correndo um segundo depois.

"Oh, graças a Deus." Ela disse, agarrando meus ombros enquanto balançava. "Vá em frente. Eu tenho que alcançar Porky." Ela saiu correndo pelo corredor atrás do porco guinchando e espirrando.

"Que diabos...?" Virei-me para a enfermeira.

Ela encolheu os ombros como se fosse apenas mais um dia no trabalho e empurrou a porta aberta, assim que aquela voz horrível gritou, "Pelo amor de Deus, tire isso! TIRE ISSO!"

Eu entrei, pensando quem estava sendo torturado.

Foi quando eu percebi que era Bella.

Ela virou os olhos frenéticos para mim. "VOCÊ!" Ela silvou, fazendo uma maldita boa impressão de Linda Blair em O Exorcista. "Isso é tudo culpa sua!"

Eu pisquei, congelado do lado de dentro da porta.

"Está tudo bem." A enfermeira sussurrou. "Ela não quer dizer isso. Ela precisa de você".

Engoli em seco, caminhando hesitantemente até a cama e percebendo, pela primeira vez, quantas pessoas estavam realmente no quarto. Enfermeiros se movimentavam ao redor, tirando os sinais vitais e preparando instrumentos. O médico - que na verdade se parecia muito com a porra do George Clooney, por sinal - estava encolhido no canto conversando com outra médica, uma pequena mulher asiática que não parecia velha o suficiente para estar fora da escola. E, no meio da sala, Bella estava enrolada na cama - pequena e gemendo, e toda fodidamente barriga.

Ela gemeu.

"É isso, Bella." Outra enfermeira disse encorajadoramente. "Quase pronta com isso. Mantenha a respiração".

Obedientemente, Bella tomou algumas respirações profundas.

A enfermeira olhou para mim. "Vá em frente." Ela disse, balançando a cabeça para o punho firmemente fechado de Bella. "Pegue a mão dela".

Eu estendi a mão, nervoso e engolindo profundamente, e toquei a mão de Bella. Ela gemeu, sua mão voando e agarrando a minha...

Forte.

Muito. Fodidamente. Forte.

Eu estremeci.

"E é isso." A enfermeira disse, olhando para o monitor. "Você está indo muito bem, Bella".

Bella suspirou, depois olhou para mim, quase em surpresa. "Ei." Ela disse lentamente. "Você está aqui!"

Eu olhei para ela com cautela, mas não havia nenhum sinal de Linda Blair.

"Uh... sim." Eu disse baixinho, inclinando-me para beijá-la na testa. "Como você está, baby?"

Ela bocejou, seus olhos tremulando fechados. "Cansada".

"Você está indo muito bem." Eu disse, beijando-a novamente. "Eu te amo pra caralho".

Um pequeno sorriso levantou seus lábios. "Eu também te amo".

"Bella?" Eu olhei para baixo para encontrar o médico posicionado entre as pernas de Bella. "Estamos chegando perto. Vou falar com você através das próximos contrações e avisá-la quando é hora de empurrar".

Bella acenou cansada e o monitor do outro lado da cama começou a apitar.

"Aqui vamos nós." Disse a enfermeira.

Bella gemeu.

Seus olhos se abriram.

Ela apertou minha mão.

Muito. Fodidamente. Forte.

Então ela olhou para mim e eu juro que sua cabeça girou em torno quando ela rosnou, "Eu NUNCA vou perdoá-lo por isso! Você e seu MALDITO super esperma!"

~ Bella ~

Onde estava aquele belo Dr. Morgan com os olhos azuis cintilantes e linda cabeça calva brilhante?

Eu precisava de mais medicamentos.

Muito mais medicamentos.

Estava tudo bem entre as contrações. Eu poderia meio que relaxar... era quase... pacífico.

Mas então, exatamente quando eu estava prestes a cair no sono...

Parecia que alguma coisa... ENORME... estava empurrando o seu caminho para fora de mim, rolando e empurrando ao redor do meu estômago e prestes a estourar da minha vagina.

"Ok, Bella, você está coroando." O médico disse.

"Coroando?" Eu repeti. Isso soou legal. As coroas são legais, certo?

Princesas têm coroas.

Eu poderia ser uma princesa.

Porra.

Coroar NÃO é legal. Coroar está queimando e rasgando e, Oh-meu-Deus-estou-rasgando-nas-costuras!

Olhei para Edward, que estava segurando minha mão e parecia que estava com dor.

Ah, claro, ele estava com dor. Ele não era aquele prestes a disparar três fodidas PESSOAS do seu útero.

Eu olhei para ele.

Ele engoliu em seco nervosamente. Sim. Ele sabia.

Ele sabia que era tudo culpa dele.

Estúpidos super espermatozóides.

"Você está indo muito bem." Ele disse fracamente, escovando o cabelo da minha testa. "Basta manter a respiração".

Basta manter a respiração?

Sério?

Isso é tudo o que ele tinha?

Eu estava deitada aqui, inchada até duas vezes o meu tamanho normal e pronta para dar à luz três, conte-os, três bebês - que estavam aparentemente segurando uma correspondente gaiola no útero para ver quem sairia primeiro - e tudo o que ele poderia dar-me era apenas Basta continuar respirando?

Eu silvei através dos meus dentes.

"Isso mesmo, baby".

"Não me chame de baby!" Eu rosnei. Estrela do rock estúpido, quente e sexy que me engravidou com três fodidos bebês.

Ele levantou a mão aos seus lábios. Eu distraidamente notei que seus dedos pareciam meio brancos e esmagados. A contração apertou. Eu apertei sua mão com mais força.

Eu acho que ele choramingou.

"Você está indo muito bem." Ele disse, sua voz embargada.

"Eu NÃO estou indo muito bem!" Eu gritei, incapaz de segurar a dor. "E pare de olhar para os meus FODIDOS PEITOS!"

A contração diminuiu, finalmente, e o médico disse, "Ok, Bella, na próxima contração, eu vou precisar que você empurre".

Empurre?

Empurre?

Oh, merda.

Eu olhei para Edward, com lágrimas nos meus olhos. "Estou com medo." Eu sussurrei.

Ele apenas arrancou sua mão da minha, flexionando os dedos um pouco antes de ligá-los novamente.

"Está tudo bem." Ele disse, beijando-me suavemente. "Eu estou aqui".

~ E.C. ~

Eu juro que não estava olhando para os peitos dela.

Eu estava olhando para a minha pobre mão certamente quebrada.

Quem diria que tal pequenina e minúscula mulher poderia ser tão fodidamente forte?

"OhmeuDeus, OhmeuDeus, OhmeuDeus, OhmeuDeus." Ela cantou, sua voz subindo de tom. "OH. MEU. DEUS!"

"É isso mesmo, Bella." O médico incentivou. "Agora, empurre!"

Ela enrolou-se para a frente e eu apoiei suas costas de um lado, a enfermeira do outro.

"Você pode fazer isso, baby." Eu disse, um pouco tonto com a enorme dor em seu rosto. Sua boca se contorceu em uma careta quando ela apertou os dentes, deixando escapar um gemido excruciante, baixo e com raiva, todos os músculos do seu corpo tensos.

"Isso é bom, Bella." O médico disse. "Relaxe por um segundo. Eu vejo a cabeça".

Sério? Curioso, eu tentei espreitar sobre a pequena parede de lençol me separando da metade inferior de Bella, mas eu só podia ver seus joelhos, e a cabeça do médico espreitando entre eles. Olhei para Bella, cujos olhos estavam fechados e parecia estar relaxada, e dei um passo mais perto do pé da cama.

"Oh, merda." Eu respirei. Era realmente o topo da cabeça. Saindo... da... você sabe... de Bella...

Porra. Eu não conseguia desviar o olhar.

"O que é isso?" Bella perguntou.

"Não empurre, está tudo bem. Não empurre." O médico disse.

"Edward?" Ela disse, sem fôlego. "Está acontecendo de novo".

Eu hesitei, dividido entre observar o que estava acontecendo lá embaixo, e o rosto suplicante de Bella. Eu peguei a mão dela, esfregando suas costas.

"Está tudo bem, baby".

"Eu quero empurrar".

"Não empurre, Bella." O médico disse. "Apenas respire através disso".

"Eu não posso. Eu preciso empurrar." Ela gemeu.

"B, olhe para mim." Eu pedi, esgueirando mais uma olhada no bebê antes de olhar em seus olhos. "Você pode fazer isso. Apenas respire comigo. Assim como nós praticamos." Eu comecei a respirar, lento e calmo, e, depois de um minuto, Bella se juntou a mim.

"Isso mesmo. Isso é bom." Eu disse suavemente.

Ela suspirou, inclinando-se para trás.

"Ok, Bella. Você está indo muito bem." Disse o médico. "Esta próxima contração, eu quero que você empurre tão forte quanto você pode, ok? Isso é tudo".

"Tudo bem." Ela disse fracamente.

"Aqui vamos nós." Ele disse. "Agora, Bella. Empurre!"

Bella sentou-se, sem fazer barulho. Cada pedaço da sua energia estava focada em uma coisa - conseguir que o bebê saísse.

"Isso é bom, baby." Eu disse, esticando-me para olhar.

Puta merda!

"Você está indo muito bem." Eu murmurei, hipnotizado... tão de repente, com um pequeno slurp, um bebê deslizou nas mãos à espera do médico.

"Porra!" Eu exclamei.

"Edward!" Bella disse em tom de censura.

"Desculpe".

O médico entregou o primeiro bebê - o menino – para a pequena médica adolescente, que correu com ele para uma pequena mesa, ouvindo seu coração.

"Ele está bem?" Eu perguntei.

Mas não havia tempo para uma resposta, porque Bella sentou-se novamente.

"Aí vem o número dois." O médico disse.

Bella empurrou.

E um tornou-se dois...

Em seguida, três.

Puta merda.

Eu era um pai.

~ Bella ~

"Que tal Campbell?"

"Soa como sopa".

"Chandler?"

"Friends".

"Eu gostava de Friends." Edward murmurou. "Ei, que tal Joey?"

Eu torci meu nariz.

Estávamos finalmente sozinhos. Os bebês estavam dormindo, um de cada lado de mim, e um nos braços de Edward enquanto ele folheava um livro de bebê. Nós tínhamos decidido o nome para um dos meninos, Riley... e sabíamos desde o início que a nossa menininha seria chamada de Sophie, mas estávamos sem ideia do que chamar o Bebê Mazen Número Dois.

Nós já tínhamos esgotado os nomes com as letra estávamos quase acabando através dos C.

"Coleman?" Edward ofereceu.

"Lanterna".

"Ei." Ele disse depois de um momento. "O que você acha de Cullen?"

"Cullen?" Eu repeti. "Meio pretensioso, você não acha?"

"Eu acho que é legal".

"Cullen." Eu considerei isso, deixando-o rolar no meu cérebro. "Cullen Mazen".

"Bem, tecnicamente é 'Masen'." Ele corrigiu.

"Cullen Masen." Eu disse. "Não é ruim".

Sentei-me um pouco. "Cullen Masen, traga a sua bunda aqui agora e tire o lixo!"

Edward riu. Eu sorri.

Ele pousou o livro do bebê e levantou-se da cadeira com cuidado, movendo-se para sentar ao meu lado na cama. Ele olhou para o menino em seus braços.

"O que você acha, amigo?" Ele perguntou. "Você gosta de Cullen?"

Ele bufou, esfregando seu nariz com uma pequena mão rosada.

Edward sorriu para mim. "Eu acho que isso é um sim".

Senti as lágrimas picando meus olhos.

"Baby?" Ele perguntou. "Você está bem?"

Eu balancei a cabeça furiosamente. "Hormônios estúpidos." Eu murmurei.

Ele se inclinou para me beijar suavemente, falando em meus lábios. "Você foi incrível. Obrigado".

Eu sorri. "Você ajudou, você sabe".

Ele sentou-se, os lábios curvando. "Eu sei. Eu e meu 'maldito super esperma'".

Eu estremeci. "Desculpe por isso".

Edward riu, beijando-me novamente, então olhando para os bebês. "Não foi tão ruim, realmente. Da próxima vez será mais fácil".

Eu fiquei boquiaberta para ele. "Você não pode estar falando sério".

"Você não quer mais?"

Eu olhei para ele com seriedade. "Leia meus lábios, Edward. Nós nunca. Faremos. Sexo. Novamente".

Edward parecia como se eu tivesse matado seu cachorrinho. "Nunca?"

"Você viu o que acabou de sair da minha vagina?"

Edward fez uma careta. "Ok, ponto anotado." Ele se inclinou para me beijar de novo, suavemente a princípio, depois com um toque da língua.

Meu corpo aqueceu. Corpo estúpido.

"Ok." Eu gemi. "Talvez não nunca".

Edward sorriu, vitorioso.

A porta se abriu e a cabeça de Alice espiou em torno do canto. "Podemos entrar?" Ela perguntou. Eu assenti e o quarto ficou repentinamente cheio. Os caras se reuniram ao redor, com Rosalie e Alice brigando para ver quem conseguia segurar um dos bebês primeiro. No final, Rosalie pegou Sophie, Alice pegou Riley e Mikey entrou e pegou Cullen, arrulhando para ele como um profissional. Porky encolheu no seu canto, fungando um pouco.

"Eles são lindos." Alice disse em reverência. "E tão calmos".

Claro, isso foi a deixa para Riley acordar, lamentando levemente antes da erupção em um choro alto. Cullen e Sophie assustaram acordados, rapidamente se juntando ao choro. A enfermeira entrou, carregando garrafas e fraldas, e Edward pegou Cullen, balançando-o ligeiramente com um olhar de pânico em seus olhos.

Sim. Paternidade. Somente mais 18 anos.

Porky espirrou alto, em seguida, peidou.

"Falando nisso." Emmett disse com um bocejo. "Podemos ir ao Denny agora? Eu estou morrendo de fome".


Esse outtake é muito hilário, morro de rir com o Edward correndo pro hospital, pq somente com eles a Bella iria entrar em trabalho de parto com ele longe... o porco da Alice lol Emmett sendo Emmett no final *-*

Vou sentir falta da fic, e com certeza vocês também.

Quero agradecer a Bruna e a Ju que traduziram a fic comigo, sem elas eu estaria mais embolada que tudo haha.

Obrigada a vocês que acompanharam a fic e comentaram! Adoro ver as reações das leitoras.

Beijos e nos vemos por ai

xx