Autoria:Celi Barbosa [CeliYep]
Título: Controle Título do Capítulo: Contato
Tipo: POV / Short / Romance / Humor / Drama. Classificação: T
[21-03-12]


Aviso 1: Puramente POV; ou seja, segue um ponto de vista, no entanto, não de Winston como na obra original.
Aviso 2: Utilizei alguns trechos da obra original, assim sendo, contém revelações sobre o enredo (spoilers).


IMPORTANTE: Os nomes das personagens utilizadas nesta narrativa foram retirados do livro "1984", da autoria de George Orwel. Os fatos mencionados a seguir seguem um ponto de vista oposto a obra original, mas com a utilização das personagens e trechos;


Controle

Capítulo 02 - Contato

"Às vezes eu mesmo me dou sustos
Às vezes minha mente prega peças em mim
Tudo isso continua se somando
Acho que estou pirando
Eu estou paranóico?"
[2ª estrofe / Basket Case – Green Day]

Trabalhara incessantemente na produção de novelas medíocres para entretenimento dos proles; e enquanto manuseava um caleidoscópios acabara por conseguir uma bela fratura no braço direito; agora era necessário mantê-lo envolto em uma ridícula tipóia, no mesmo tom azul de seu macacão.

Dera-se ao direito de alguns instantes de intervalo, mas somente para ir ao toalete e tentar a sorte de reencontrar Winston Smith...

Quatro dias havia se passado desde o instante em que o seguira...

Seguira-o ao fim do expediente e deparar-se-ia em um beco no bairro prole, diante de uma casa de quinquilharias... Quisera dizer algo mas assustara-se tanto ao ser notada que apenas seguiu por o caminho alternativo mais próximo.

Voltou a realidade ao erguer os olhos e para sua surpresa vislumbrar no extremo oposto do corredor bem iluminado...

A mesma silhueta masculina e esguia, que após "O Ódio" deslocara-se para o corredor do Departamento de Registros... Que não ousara seguir até o ímpeto de loucura... Que admirara desde o instante em que o vira inicialmente...

Apertou o pequeno pedaço de papel amarrotado na mãe esquerda e seguiu em frente.

Talvez a quatro ou cinco metros de distância, tropeçou, propositalmente, nos próprios pés e foi ao chão... Ficando estirada de bruços; de fato não se machucara, mas liberou o ar dos pulmões em um grito de dor. Viu então um par de sapatos encaminhando-se para si, prendeu então a respiração...

"Te machucastes?" indagara.

"Não é nada. Meu braço. Daqui a um instante está bom" disse ela tentando não parecer afetada com a proximidade, mas seus batimentos cardíacos a traiam... O sangue pulsava em suas orelhas e ele provavelmente notara... Talvez até empalidecera.

"Não quebrastes nada?" sim, sem dúvidas empalidecera...

"Não, estou bem. Doeu um pouco, mas já passou." De fato não era uma completa mentira; ela estava bem; não doera nada e a dor agora era em sua face, que a todo custo tentava controlar para não esboçar um largo sorriso.

Ele lhe ofereceu a mão e prontamente tomou-a com a esquerda, erguendo-se; talvez a brancura tenha dado lugar ao rubor...

Estrategicamente transferiu o papel para a mão dele, da forma mais discreta possível, sabia que ele não faria alarde, afinal, estavam diante de algumas teletelas.

"Não é nada" repetiu ela. "Apenas um baque no pulso. Obrigada camarada!" Endireitou-se e seguiu em frente pelo corredor.

Não sabia qual seria a reação de Wiston ao ler sua mensagem, se é que este o faria; sorriu-se internamente ao imaginá-lo desdobrar o papel e ler:

EU TE AMO

Em sua caligrafia então graúda e irregular.

De uma coisa estava concita: estas eram sinceras.

"Não estou nem ai
E acho que vou sair daqui
Eu sou odiado, um traidor
Não estou nem ai
G-L-O-R-I-A"
[6ª estrofe / Horseshoes And Handgrenades – Green Day]


N/A:

Estou felicíssima por poder contar com o carinho e generosidade daqueles que leram: Minha queridíssima Sadie, que de forma emocionável me agraciou com o primeiro comentário neste breve ponto de vista, a ela cabe minha gratidão em quantidade altíssimas. A outra pessoa fantástica, Krimhild, que além de possuir a capacidade admirável de por em palavras um final alternativo e mais que adequado a 1984, agraciou-me com a leitura de minha breve narrativa, mesmo esta não se encontrando em sua língua oficial. (como disse: "gracias una vez más, google translator, jiji").
Enfim, eu de fato não mereço tamanho carinho e generosidade, mas humildemente agradeço-lhes, de coração.