Disclaymer: Saint Seiya Não me pertence. Pertence ao Kurumada. E eu não ganho nadinha com isso. Nadinha mesmo... Nem um centavo... ú.u

Bom, se você não leu o segundo "capítulo" de Meu sentido de Ikarus está tilintando, você deve estar imaginando "Mas heim? O Ikarus ficou doidão? O.o"

O Ikarus é doidão. Mas isso não vem ao caso. Estou repostando Apocalypse por uma série de motivos que me deixaram descontente com a fic. Me foi sugerido disponibilizar o arquivo da fic original também se alguém estiver interessado a ler.

Como prometi se não estivessem conseguindo mandar review, eu deletei e estou repostando.

Beta: Black Scorpio no Nyx

Capítulo 01 - As Estrelas Malígnas se reúnem

Alex estava deitada em sua cama na sala de Atena. Os pesadelos da batalha contra Poseidon ainda a assombravam. A morte de Ikarus, o Cavaleiro de Ouro de Sagitário, a quem ela amava, ainda acometiam sua mente durante a noite. O peso de ser a Deusa Atena começava a machucar seus ombros, de forma que nunca machucou antes.

Ela não sabe explicar por quê, ao acordar sobressaltada gritando o nome dele, as lembranças de sua infância retornam ao fatídico dia em que Ikarus salvou ela e Rock do naufrágio do navio em que estavam. Claro que aquele foi o dia mais importante de sua vida, considerando a morte dos pais e a cortina de seu destino se abrindo. Mas por alguma razão, sua mente é atacada pela imagem de dois amigos de infância que até então, ela não havia pensado.

O último amigo de infância que reencontrou após aquele dia acabou se tornando Poseidon. Ela nunca havia pensado, no que havia acontecido a eles? Teriam sido mortos naquele naufrágio? Ou como Julian, ressurgiriam como uma nova ameaça prestes a causar-lhe mais dor.

Ao caminhar até a janela e olhar pra baixo, para as 12 Casas abaixo e saber que cada um daqueles Cavaleiro ali podem acabar mortos. Mortos como Ikarus de Sagitário. Segundo o Grande Mestre, Hades pode estar demonstrando sinais de que despertará em breve.

GM: Atena?

A jovem Alexandra se volta para a porta. Lá estava o sacerdote de Atena. Líder dos 88 Cavaleiros abaixo apenas da própria Deusa.

GM: Está bem? Ouvi barulho. Espero não estar atrapalhando.

ALEX: Não, senhor... Está tudo bem...

GM: São os pesadelos novamente?

Ela balança a cabeça informando que sim. O Grande Mestre suspira e adentra o quarto fechando a porta atrás de si.

GM: Não deve ser fácil pra você. Sei que era muito ligada a Ikarus. Mas infelizmente, nem mesmo os Cavaleiros com seu enorme poder, estão livres deste destino cruel. Ikarus não foi o primeiro a morrer em combate... Dante não foi o primeiro a se rebelar por achar que nós talvez não sejamos fortes o bastante pra evitar a morte...

ALEX: Por que eu não me lembro?

GM: Do que?

ALEX: De tudo isso que o senhor falou... Se sou Atena e se já estive neste mundo antes... Por que não me lembro destas coisas? De todas estas pessoas? Às vezes suspeito que não sou nenhuma Deusa... Apenas uma menina inútil com um peso enorme sobre os ombros... Maior do que qualquer um seria capaz de suportar...

GM: Eu não saberia dizer... Li registros sobre as reencarnações passadas da Deusa Atena que diziam que com o decorrer dos anos, mais e mais de suas memórias como Deusa despertavam... Então, é normal que esteja em dúvidas sobre si mesma... Questionar e duvidar de si mesma é o que a faz humana... Mesmo sendo Deusa, ao vir para o mundo, parece que não pode escapar disto...

ALEX: Como pode ter tanta certeza de que sou Atena? Sendo uma Deusa da guerra, eu deveria ser uma guerreira. Nunca lutei. O papel mais importante nessa guerra sempre foi travado pelos meus Cavaleiros...

GM: Isso não é verdade, Atena... Mesmo não participando ativamente da luta... Você os motiva a continuar lutando e continuar vencendo.

ALEX: E também a continuar morrendo... Se eu não existir, eles não...

GM: Não terão razão de viver. Pois Deuses como Hades, Poseidon e Ares estão sempre buscando uma forma de causar sofrimento e destruição a este mundo... Sem Atena, a Terra certamente estaria sob julgo deles há muito tempo...

ALEX: Como pode ter tanta confiança em mim...?

GM: Confiança não, Atena... Fé...

O Grande Mestre caminha até a porta.

GM: Só mais uma coisa, Atena... Você não precisa carregar o fardo sozinha... Lembre-se de que sempre haverão muitos de nós pra ajudá-la...

Era assim todas as noites. Procurando uma razão de existir. Sua razão de existir era Ikarus de Sagitário. Mas ele morreu, lutando por ela. No caos da perda de seus pais, jogada num mundo de loucura e predestinação, separada de seu amigo de infância, ele foi seu raio de luz em meio as trevas. O sorriso e o carinho dele, a fizeram esquecer de toda a dor, de todo o medo. As palavras dele a motivavam a seguir em frente.

Pela manhã, a bandeja com o café da manhã, servido pelas criadas do Grande Mestre, permanecia sobre a penteadeira ao lado da cama. Intocada. Alex só queria saber de chorar por meses desde a morte dele. E o Grande Mestre começava a se preocupar com a saúde dela.

No salão do Grande Mestre, Kurenai de Capricórnio se ajoelha diante do trono em reverência. O Grande mestre sinaliza para que ela se erga, e ela ergue apenas o rosto, encontrando seus olhos fixados nos dele.

KURENAI: O Senhor me chamou, Grande Mestre?

GM: Sim, Kurenai de Capricórnio... Eu a chamei por que tenho uma missão para você. É de suma importância e envolve Atena...

KURENAI: Algo de errado com nossa deusa, Mestre?

GM: De certa forma. Por isso, acredito que você seja a pessoa qualificada para cuidar do problema.

KURENAI: O senhor tem mais consideração por mim do que eu imaginava, Mestre...

GM: Deixe disso... Minha confiança em você, foi você quem construiu... Atena está reclusa em seu quarto. A razão é Ikarus de Sagitário. Eu acredito que ela possuía fortes sentimentos para com o Cavaleiro...

KURENAI: O que deseja que eu faça, Grande Mestre?

GM: Quero nomeá-la a nova tutora de Atena.

KURENAI: Sinto-me honrada, Grande Mestre. Mas, se me permite perguntar... Por que eu?

GM: Por que você também precisa se desapegar do passado... E eu creio que uma amizade seja a solução perfeita pra ambas no momento...

KURENAI: Eu compreendo, Grande Mestre... Obrigada pela honra...

GM: Não é necessário agradecer. Por favor, vá até Atena...

Kurenai se levanta e faz uma reverência, logo em seguida, partindo para o quarto de Atena. O Grande Mestre sorri. A capricorniana bate levemente a porta da deusa esperando, até que ela responde dizendo que pode entrar.

KURENAI: Com licença, senhorita...

Kurenai adentra o quarto e se coloca de joelhos.

ALEX: Pois não, Kurenai...

KURENAI: Sinto muito invadir, senhorita Atena...

ALEX: Está tudo bem...

Alex força um sorriso, mas Kurenai sabe que ela apenas queria ser gentil e não demonstrar seu sofrimento.

KURENAI: Desculpe-me incomodá-la, Atena... Mas... Gostaria de ter a honra de informar-lhe que o Grande Mestre me nomeou sua nova tutora...

Sem querer, o sorriso de Alex some. Sentiu-se culpada por demonstrar ao Grande Mestre que estava negligenciando seus deveres como Deusa. Não queria que ele se irritasse com ela.

ALEX: Ah, ok Kurenai... Vou avisar Nike que iremos treinar...

KURENAI: Na verdade, senhora Atena... Se me permite... Eu gostaria que deixássemos o treinamento para depois... Acho que poderíamos aproveitar o dia hoje... Não acha?

Alex não entende aquela proposta. Nunca fora permitida sair do Salão de Atena e isso piorou após a batalha contra Poseidon, e na ocasião, ela tinha uma escolta de Cavaleiros. Mas por fim, ela concorda. Talvez sair um pouco a ajude a espairecer.

ALEX: Ok...

KURENAI: Ótimo. Eu a esperarei aqui fora, senhorita. Tome o tempo que precisar para se arrumar...

ALEX: Obrigada...

-Coliseu-

Um jovem de cabelos negros acaba de chegar ao santuário acompanhado de Aghata de Aquário.

AGHATA: Você vai gostar daqui, Albiero. Fico feliz que tenha aceitado a proposta de Mirian. Você poderá aprender muito com os Cavaleiros que vivem aqui.

ALBIERO: Pensei que você fosse ser minha mestra.

AGHATA: Eu serei. Mas não se aprende apenas ouvindo. Treinará com outros Cavaleiros também, é claro... Oh veja, um treinamento está prestes a começar.

ALBIERO: Escuta. Aquele seu namorado idiota não está por perto, está?

Odin de Touro chega ao coliseu, trazendo o elmo nas mãos e sentando-se ao lado de Tidus. Os soldados do santuário se aproximavam para ver a atração. Aghata e Albiero se aproximam da arena e senta-se ao lado de Nebulae de Andrômeda.

ALBIERO: Quem são estes?

AGHATA: Aquele é o Cavaleiro de Pegasus. E aquela é a Amazona de Águia.

ALBIERO: Um cavaleiro de bronze contra uma amazona de prata?

AGHATA: Precisa entender que a armadura não é o mais importante, Albiero. Uma luta entre cavaleiros é sempre decidida pelo poder do cosmo.

ODIN: Parece que seus discípulos ficaram bem mais fortes, Tidus. Estava ansioso pra ver o quanto progrediram, desde que atravessaram as doze casas.

ALBIERO: Esses dois atravessaram as 12 casas?

Aghata acena pra Albiero. A distância, Selena observava Rock. O único que ela amou. Ela precisava esconder sua verdadeira identidade dele, pois tiveram uma desavença quando atravessaram as 12 casas. Rock desenvolveu um certo "desgosto" pela amazona de peixes.

ROCK: Então, TIfa? Vamos dar um show?

TIFA: Vamos.

Os dois elevam seus cosmos. A força de seus cosmos já são o bastante pra impressionar os presentes.

ODIN: Puxa. Que cosmo fenomenal. Nem se pode dizer que são Cavaleiros de Bronze ou Prata.

TIDUS: Eu sei treinar bem meus discípulos ou não sei?

ALBIERO: Quem são esses caras? Seus cosmos são muito fortes.

Rock, sempre o mais impulsivo, dispara contra Tifa que se desloca para a esquerda rapidamente. Rock se esquiva e bloqueia um golpe que a amazona desferira com o joelho, vindo da esquerda.

ROCK: Eu já conheço esta técnica, Tifa. Precisa ser mais original.

TIFA: Você não conhece essa.

Tifa se desloca para as costas de Rock, segura seu braço tentando imobilizá-lo. Rock gira o corpo, se livrando da imobilização, mas não do aperto da Águia que o joga contra a arquibancada. O pegasus teria se espatifado contra a pedra dura, mas ele apóia os pés na pedra e salta sobre a Águia, desferindo um chute que abre um buraco no chão. Tifa evitara o golpe por milímetros.

Tifa corre pra cima de Rock novamente e desfere outro chute. Os chutes de Tifa são mortais e Rock sabe disso. Treinou com ela a vida inteira e sabe de seus pontos fortes. Mas Tifa também conhece cada um dos seus. Tifa também já era uma amazona admirável quando Rock chegou ao santuário. Em experiência ela é mais forte.

YUN: Tifa! Tome cuidado com o soco rápido do Rock!

ROCK: Ei! De que lado você tá? Pensei que fosse meu amigo!

YUN: Claro que sou. Sou amigo dos dois... õ.o

TIFA: Obrigada Yun, mas eu estou ciente do soco rápido do Rock. E também estava esperando uma distração dele pra fazer isso!

Rock recebe um soco no rosto, Tifa dá um salto mortal pra trás, atingindo o rosto do amigo com um chute. Ela apóia as duas mãos no chão, gira o corpo desferindo outro chute. Rock bloqueia e contra-ataca com um soco que desloca o ar criando uma onda de choque. A Águia consegue se impulsionar para o alto evitando o golpe e desferindo mais um chute para baixo. Rock desvia e o pé da amazona pisa forte no chão, quebrando-o.

ROCK: Essa foi por pouco...

O pegasus limpa o sangue que escorre do supercílio e a amiga já está atacando novamente. Mas desta vez, Rock se antecipa e começa a desferir socos em velocidade super-sônica. Tifa teria sido golpeada centenas de vezes se não tivesse saltado por cima do companheiro. Quando ela chega ao solo atrás de Rock ela tenta aproveitar a abertura para atacá-lo, mas sente sua perna doendo absurdamente e incapaz de se forçar a atacar. Ela fora golpeada por Rock sem ver?

Rock se vira desferindo um soco contra o rosto de Tifa, mas se refreia.

ROCK: Eu venci desta vez, Tifa.

TIFA: Tem certeza?

Rock sente uma dor aguda no abdome. Tifa também desferira um golpe que ele fora incapaz de ver. As pessoas ao redor do Coliseu começam a aplaudir. Rock ajuda Tifa a se levantar. Ela estava mancando bastante e Yun vem ajudá-la.

YUN: Foi um ótimo treinamento, vocês dois.

ROCK: Valeu, amiguinho.

Rock vê Selena no topo da arquibancada observando a luta e fecha a cara. Yun vê Safira vindo em sua direção.

SAFIRA: Yun! Está muito ocupado treinando com seus amigos? Meu pai vai fazer uma fornada de pães doces pra gente hoje a tarde. Gostaria de ir?

YUN: Ah! Claro... Safira...

A cara do Yun não poderia estar mais vermelha. Albiero olhava impressionado para aqueles dois cavaleiros que lutaram de forma tão impressionante.

AGHATA: Se treinar bastante, você pode ser tão forte quanto eles, Albiero.

ALBIERO: Eu serei mais forte do que eles.

Alex e Kurenai caminham pelo santuário, ouvindo os sons da batalha. Elas caminham até um local isolado, onde tão poucos iam. Mas Alexandra parecia saber exatamente onde ir. Ela não questiona, é uma Amazona. Só não pode se distrair. Era Atena que estava ali. Alexandra se sentia constrangida. Não conhecia Kurenai tão bem. Estava acostumada a presença e ao carinho de Ikarus. Nossa, como sentia falta dele. Apenas pensar nele já marejava os olhos.

Ela limpou rapidamente a lágrima que escapou pelo canto do olho, fingindo não estar chorando e Kurenai fingindo não ter notado.

KURENAI: Senhorita Atena...? Pra onde estamos indo?

ALEX: Um lugar que me traz paz... Quando fui levada por Cavaleiros Negros, fui pega fora de meu quarto... Rock costumava me ajudar a escapar do quarto quando eu estava sozinha... E me trazia aqui...

KURENAI: Entendo...

Alex olha pra uma rocha onde havia uma marca de soco que Rock cravou na pedra.

ALEX: Talvez esta marca seja dele... Se parece com a mão dele...

KURENAI: Se me permite a indiscrição, senhorita Atena... Como você e o Pegasus se tornaram amigos?

ALEX: Somos amigos de infância... Se é que ele ainda se lembra de mim como amiga... Estávamos num cruzeiro com nossos pais. Antes de sequer sabermos da existência de Deuses e Cavaleiros... Rock me protegeu quando um monstro atacou o navio... Ikarus nos encontrou... Conheceu Ikarus, Kurenai...?

Kurenai acena que sim.

KURENAI: Foi... Um grande Cavaleiro... Ele e eu treinamos juntos. Éramos grandes amigos. Ele sempre me incentivara a me tornar cada vez mais forte. Dizendo que um dia, esperava que protegêssemos Atena juntos.

ALEX: Sim, ele foi um grande Cavaleiro...

Ali estava ela, vendo Atena chorar em segredo de novo. De costas pra que não visse as lágrimas, mas era difícil esconder. Kurenai não resiste e repousa uma mão no ombro dela. Alex esquece o recato e o orgulho e volta o rosto molhado de lágrimas pra sua Amazona. Kurenai se apieda da menina e a abraça. Alex enterra o rosto no frio metálico da armadura e sem se importar com mais nada, dá vazão as lágrimas. Kurenai limpa as lágrimas dela.

KURENAI: Não carregue peso no coração, Atena. Pesar e arrependimento são para os que se arrependem do que fizeram...

ALEX: E se eu me arrepender de algo que fiz?

KURENAI: Atena... Que arrependimento você poderia ter?

ALEX: Arrependimento da fraqueza... Da desonestidade para com meu coração... Desonestidade para com ele... Ikarus... Eu o amava, Kurenai... Eu o amava tanto... Que Deusa tola eu sou... Uma adolescente apaixonada... Incapaz de lutar... Todos estão lutando e morrendo por mim e pela Terra... E eu estou fazendo o que? Chorando! E sendo fraca!

KURENAI: Atena... Se me permite, não se puna por ter sentimentos... Como uma Deusa em forma mortal, este lado humano pode ser bem forte... Não se puna por agir como uma adolescente. Você é uma adolescente. Não se puna por ser humana, pois é o que nos leva a seguir a senhora em primeiro lugar...

Kurenai olha nos olhos de Alex.

KURENAI: Seguimos a senhora por que a senhora conhece a dor de ser humana melhor do que qualquer outro Deus. A senhora experimenta essa dor e a escolhe... De duzentos em duzentos anos, a senhora vem abraçar essa dor para mostrar aos outros Deuses quão preciosas nossas vidas são... E é por isso que lutamos, Atena... E eu não sei o que a levou a isso, mas eu tenho certeza de que em algum lugar no passado, tudo isso se originou do amor que você sentiu por nós... Esse amor é também o motivo de seguirmos a senhora... Era o motivo de Ikarus seguir a senhora... "O amor de Atena nos impulsiona", ele costumava dizer... Não se arrependa deste amor nem desta dor Atena... É por eles que Ikarus viveu e morreu... Sem arrependimentos...

Alex olha para Kurenai, estarrecida. E por um breve instante, tudo que ela queria fazer era abraçar aquela mulher.

ALEX: Obrigada, Kurenai...

As duas caminham até uma pilastra caída e se sentam.

ALEX: Obrigada por compartilhar minha dor, Kurenai...

KURENAI: Não tem de que, Atena...

ALEX: Se quiser compartilhar a sua dor comigo... Sou toda ouvidos...

Um arrepio percorre a espinha de Kurenai. Como ela pode dizer a Atena que ela treinou o homem que matou Ikarus? Seu único e verdadeiro amor. Ela treinou Dante de Capricórnio, o traidor do Santuário. Entregou sua espada a ele, para que o demônio desferisse um golpe tão severo em seu coração quanto o fio de sua espada.

KURENAI: Eu não posso... É minha vergonha, Atena... Eu não mereço essa armadura e só voltei a vesti-la para tentar me expiar de meus pecados...

ALEX: Nenhum pecado é grande demais para que não possa ser perdoado, Kurenai... Se quiser me contar...

KURENAI: Eu não posso, Atena...

Kurenai se levanta e já estava pra partir quando decide parar, olhar pra trás e se ajoelhar diante de Alex. Olhando pra baixo. Sem coragem de olhá-la nos olhos. Conquistaria ali o repúdio da Deusa Atena.

KURENAI: Eu sou a causa de sua angústia, Atena... Eu deveria ter sido a Amazona de Ouro de Capricórnio, mas devido a uma profecia dita por um Oráculo... Uma profecia que dizia que eu encontraria um dia um Cavaleiro Lendário, eu encontrei Dante... E depositei toda a minha fé nele... Eu treinei o maior traidor e assassino da história do santuário e causei um imenso sofrimento a você, Atena... Não mereço seu perdão! Não mereço ser sua Amazona...

Alex se ajoelha de frente para Kurenai e leva as mãos ao rosto dela. Retira a tiara de Capricórnio. E em seguida retira a máscara revelando o rosto da japonesa. Um rosto oriental lindo, manchado de lágrimas.

ALEX: Olhe pra mim, Kurenai...

A Amazona obedece, como se aquele ato fosse o mais doloroso da sua vida. Estava prestes a se deparar com o rosto amargurado de sua Deusa, mas deparou-se com um rosto cálido e sorridente. Se deparou com um beijo em sua face esquerda e um abraço ao redor de seu pescoço.

ALEX: Está perdoada... Eu te perdôo... Agora lave esse coração pra mim, ok...?

KURENAI: Atena...?

Agora é Kurenai que se entrega ao choro incontrolável, abraçando Atena. Sentindo o cosmo amoroso e imensamente poderoso emanando daquela menina tão frágil e gentil. "O amor de Atena nos impulsiona". Palavras de Ikarus. "É porque você conhece esta dor que a seguimos". Palavras dela. As duas sorriem após um longo tempo sem saber o que é sorrir. O Grande Mestre tem razão. Elas poderiam curar uma a outra. Elas poderiam curar o coração uma da outra. Alex ergue o rosto de Kurenai com as duas mãos.

ALEX: Lave este coração pra mim... Sem arrependimentos, lembra? Eu preciso de você Kurenai... Eu preciso que você se torne algo mais... Pra mim... Mais do que uma Amazona a meu serviço, mais do que uma tutora... Mais do que uma conselheira...

KURENAI: O que precisar de mim, eu farei Atena... Tem minha palavra...

ALEX: Eu preciso que você seja minha melhor amiga... Assim como ele foi... Pode fazer isso?

KURENAI: Claro, Atena... Será uma honra...

E enxugando as lágrimas com o torso das mãos as duas se levantam e sorriem.

E um pequeno brilho corta o ar aproximando-se das duas. Era uma pequena garota, com asas de anjo nas costas e um vestido grego, curto, com uma alça única do lado esquerdo do corpo.

NIKE: Alex! Você saiu sem me dizer onde ia! Estava morta de preocupação com você! Pôxa... Nem sabia se tinha escolta... Bom dia, Kurenai-sama... Não pode fazer isso, Alex!

ALEX: Foi idéia do Grande Mestre, Nike... Ele pediu a Kurenai que fosse minha nova tutora...

NIKE: Isso é verdade, Kurenai-sama?

Kurenai sorri e afirma com a cabeça, reposicionando sua máscara e sua tiara.

NIKE: Maravilhoso! Que honra será treinar com a mais poderosa espadachim do Santuário! Kurenai-sama! Bem-vinda a bordo! Quando começamos o treinamento?

KURENAI: Talvez amanhã, Nike... Hoje, será o dia de descansarmos e aproveitarmos este sol quente e este céu azul...

NIKE: Certo!

Nike bate continência para Kurenai.

NIKE: Então? Pra onde vamos primeiro?

ALEX: Sempre quis conhecer Rodório...

NIKE: Ótimo! Hoje tem feira em Rodório! E já provaram os pães do Padeiro Ikki? Claro que devem ter provado... O Grande Mestre manda os servos comprarem pães para o Salão diretamente dele. Ele faz cada coisa deliciosa! Nham!

ALEX: Ahahaha... Certo... Vá com calma, Nike... Temos o dia inteiro pra aproveitarmos...

E as três partem para Rodório, sorrindo e conversando. Com pesos removidos completamente de seus corações e substituídos por alegria.

-Alemanha-

Naquela noite, o céu estrelado parecia diferente. Como se todas as suas estrelas procurassem chover sobre a Terra. Num vilarejo distante da Alemanha, as ruas pareciam desertas. O castelo de Heinstein estava repleto de moradores do vilarejo. A capela do Castelo estava iluminada por velas, aguardando o momento do culto.

O senhor do castelo sobe ao púlpito trajando longas vestes negras, acompanhado de uma bela e jovem mulher também de vestes negras como seus longos e lisos cabelos. Aquelas pessoas, famintas por salvação se reuniram ali em busca de esperança. No altar, havia uma enorme estátua de Hades.

ADDLER: Bem-vindos, todos... Que a luz do senhor Hades esteja sobre vós...

"Senhor Addler! Abençoe-nos!"

ADDLER: Vocês vieram até mim, famintos e desesperados... Em busca de salvação... E eu os acolhi... Em breve este mundo será devorado pelas trevas, mas aqueles que vierem ao senhor Hades, receberão a vida eterna!

Um homem de longos cabelos brancos se aproxima do altar e se ajoelha.

ADDLER: Diga-me... Por que você deseja a salvação?

?: Eu... Sempre fui apenas um marionetista. Através das minhas marionetes, eu esperava construir uma vida melhor pra mim... Encenar vidas felizes... Mas o mundo está em completa desordem... Eu busco o senhor Hades para um dia ver com meus próprios olhos, como se constrói um mundo melhor com as mãos... As mãos do nosso Deus, Hades...

Addler sorri e entrega ao homem uma hóstia negra.

ADDLER: Tome... Por sua fé, você foi salvo...

Um homem de roupas nobres se aproxima do altar.

?: Eu sempre esperei que o mundo seria salvo pela riqueza... Que apenas os que possuem o poder do dinheiro podem salvar o mundo... O senhor me mostrou meu erro. Quero salvar o mundo com o poder de Hades.

Addler sorri e lhe entrega a hóstia.

ADDLER: Por sua fé, você foi salvo... Quem mais deseja a salvação?

Um jovem de olhos ferozes e roupas simples se aproxima e se ajoelha.

?: Eu creio na salvação através da força. Serei o mais forte. E o mais fiel seguidor do meu Deus, Hades. Serei seu cruzado, carregando sua vontade e derrotando seus inimigos... Eu quero ser a espada de Hades...

Addler sorri, se ajoelha e toca o ombro do jovem.

ADDLER: E hoje, terá seu desejo realizado...

O homem recebe a hóstia e a leva a boca. Assim que ele o faz, os três homens ajoelhados começam a emanar uma sinistra aura púrpura, sentindo-se cada vez mais fortes e mais poderosos. Erguendo-se ainda mais imponentes e confiantes. E sentindo ainda mais adoração pelo jovem diante deles.

ADDLER: Ergam-se como Templários que carregaram a vontade de nosso senhor Hades! Ergam-se!

As pessoas olham admiradas para o jovem Addler, ansiosas para receberem sua bênção.

ADDLER: Agora venham e recebam vocês também, a aliança com nosso Deus...

Continua...