THIS IS WHO I AM

Título Traduzido: Este é quem eu sou

Autora: pattyrose ( www. fanfiction u/ 1965286/ pattyrose )

Tradutoras: NaiRobsten e Ju Martinhão

Beta: LeiliPattz

Shipper: Edward & Bella

Gênero: Romance / Drama

Censura: +18

Fic Original: This Is Who I Am ( www. fanfiction s/ 5980177/ 1/ This_Is_bWho_b_bI_b_bAm_b )

Sinopse: Edward Cullen, executivo de negócios bem sucedido/playboy/bad boy por aí. Bella Swan, mãe divorciada/artista gráfica/relutante em confiar seu coração para alguém como Edward novamente. Ela dará a ele uma chance? Ele ainda merece uma?


Nota da Tradutora: Todos os personagens pertencem a Stephenie Meyer e a história pertence à pattyrose, a nós só pertence à tradução.

All characters belong to Stephenie Meyer and the story belongs to pattyrose, only the translation belongs to us.


Capítulo 1 – Primeiras impressões

Tradução: NaiRobsten

As primeiras impressões são uma constante na sociedade. No entanto, seu produto, o período que comprova ou desmente a sua validade, não é; as boas são agradáveis e duradouras, as más, longas e difíceis de refutar. - Diego Velasquez

~ Edward ~

"Shhh. Jesus, fique quieta!" Sussurrei rudemente no ouvido de Lauren. Seus gemidos estavam ficando irritantemente mais altos. Eu puxei seu cabelo curto branqueado em minhas mãos, tentando me comunicar sobre a necessidade do seu silêncio, mas isso só pareceu deixá-la mais excitada. Revirei meus olhos na luz fraca da sala de conferências fechada.

Verdade seja dita, eu estava tendo dificuldade em ver por que diabos ela estava tão excitada. Quero dizer, pelo amor de Cristo, estávamos ambos ainda completamente vestidos aqui. Com certeza, ela esteve se insinuando tentando ter-me sozinho nesta sala há meses, mas ela teria que se controlar, ou nós estaríamos afundados até o joelho em uma merda séria se fôssemos pegos.

"Desculpe!" Ela riu baixinho, suas mãos desajeitadas trabalhando nos botões da minha camisa com uma ânsia quase divertida. Eu tive que pressionar meus lábios para não rir alto. Suspirando, inclinei minha cabeça para trás contra a parede e a deixei continuar com seus esforços. Quando suas mãos chegaram ao último botão, ela olhou para mim triunfalmente e eu a premiei com o sorriso que eu sabia que deixava todas elas loucas. Atordoada, ela se atrapalhou com o botão, incapaz de obtê-lo aberto, e finalmente desistiu. Ela jogou os braços em volta do meu pescoço e avidamente atacou meus lábios.

"Oh Deus, Edward." Ela gemeu, puxando minha cabeça para frente. "Eu não posso acreditar que estou aqui com você!" Em sua falta de zelo, ela me empurrou contra a parede com um baque alto.

Agarrei seus pulsos e puxei seus braços de cima de mim. "Você seriamente precisa se acalmar, ou ambos estaremos fodidos." Eu silvei.

"Bem, essa é a ideia!" Ela riu novamente, enrolando seus braços em volta de mim mais uma vez. Seus lábios pousaram beijos desleixados em todo o meu rosto. Eu sorri e desisti, deixando-a me ter do seu jeito. Ela estava certa, afinal. Essa era a ideia básica aqui.

"O que diabos eu estou fazendo aqui?" Perguntei-me durante um breve momento de clareza. Emmett me castraria se descobrisse que eu estava trancado em uma das nossas salas de conferência com uma funcionária. Como um dos proprietários da Cullen, Cullen & Whitlock, ou CCW, para abreviar, a agência de publicidade que mais cresce entre as agências de propriedade privada na Costa Leste, havia certos padrões que eu deveria respeitar; certas regras e regulamentos a seguir. Ou assim Emmett e Jasper constantemente me lembravam. Eu tinha certeza que uma rapidinha com uma das Artistas Gráficas da agência em uma sala de conferência trancada não caberia em nenhuma dessas normas.

Mas, maldição, o que eu deveria fazer? Há meses Lauren esteve fazendo de tudo além de me assaltar fisicamente cada vez que eu cruzava seu caminho. Ela me dava o seu olhar 'por-favor-me-fode-agora' do outro lado da mesa de conferência durante as reuniões, inclinava-se e mantinha seus peitos para fora para pegar objetos invisíveis quando me via chegando. Inferno, recentemente ela começou a "acidentalmente" esbarrar em mim e empurrar suas meninas no meu peito. Quero dizer, merda, certamente havia um limite que um homem podia aguentar antes de parecer um maricas total.

Se qualquer coisa, eu estava fazendo a ela e à agência um favor aqui. A garota obviamente tinha apenas uma coisa em sua mente quando chegava ao trabalho todos os dias. Ao deixá-la finalmente ter seu caminho comigo, talvez ela finalmente parasse com os avanços menos do que sutis e colocasse sua bunda para trabalhar.

Uma situação onde todos saem ganhando, certo?

"Sim, boa sorte para conseguir que Em e Jazz vejam dessa forma." A pequena parte do meu cérebro que não está atualmente nas minhas calças bufou. Eles me enforcariam pelas minhas bolas por isso. Suspirei e fechei meus olhos, enquanto Lauren continuava suas ministrações. Esta merda valeria mesmo a pena?

Lauren deve ter confundido o meu suspiro com algum maldito sinal de incentivo, ou alguma merda. Suas mãos moveram até a fivela do meu cinto, e a pequena parte do meu cérebro que ainda estava na minha cabeça deu um rápido mergulho para o sul. Um sorriso torto se formou em meus lábios.

Oh, sim. Isso valeria a pena.

Mas Lauren ou tinha sérios problemas de coordenação, ou sua contínua ânsia continuava bagunçando com a competência dos seus dedos, e ela se atrapalhou com a fivela, seus dedos puxando e empurrando sem levar em conta o tilintar ruidoso do metal.

"Shhhh." Eu assobiei em seu ouvido, fazendo-a tremer e se atrapalhar ainda mais.

Revirei meus olhos e sorri. Sua ansiedade nos faria ser incrivelmente pegos.

E exatamente quando eu estava pensando isso, uma batida suave na porta tirou o grande sorriso do meu rosto. As mãos atrapalhadas de Lauren pararam imediatamente e, embora estivesse escuro como o inferno aqui, eu tinha certeza que o olhar de horror de repente retratado em seu rosto espelhava exatamente o meu.

"Porra!" Sussurrei asperamente em seu cabelo, levantando minhas mãos aos seus ombros para mantê-la parada. "Eu te disse para manter essa merda baixa!"

Cobri sua boca com a minha mão e esperei, sem ousar respirar. Após alguns segundos de silêncio, eu suspirei aliviado e rapidamente comecei a abotoar minha camisa e ajustar meu cinto. Mesmo no escuro, eu podia ver o sorriso irritado da Lauren SuperAnsiosa, como se eu tivesse acabado de arrancar um cookie das suas mãos. Atirei-lhe um olhar que dizia 'o que diabos é o seu problema?'

A garota era definitivamente louca. Ela estava tentando ficar desempregada neste tipo de mercado de trabalho? Ela trabalhava no departamento de Rosalie, e Rose colocaria sua bunda ansiosa na rua em um piscar de olhos se ela descobrisse sobre isso. E conhecendo Rose, ela não hesitaria por um segundo em dedurar-me para seu marido Emmett. Aquela traidora rapidamente esqueceria quem diabos os apresentou em primeiro lugar.

Carrancuda, a SuperAnsiosa ajustou suas roupas e alisou seu curto cabelo loiro-branqueado.

E então nós ouvimos novamente.

Knock, Knock, Knock.

Três pequenas batidinhas; como o som de minúsculas pedrinhas raspando contra a porta.

"Meeeerda!" Eu murmurei, nervosamente correndo uma mão pelo meu cabelo.

De repente, uma voz doce como mel chamou. "Olá? Quem está aí dento?"

Era a voz de uma criança; uma muito pequena.

O que diabos uma criancinha estava fazendo em nossos escritórios?

Eu fiz uma careta, olhando para Lauren. Mas em vez de parecer tão confusa quanto eu, Lauren tinha um sorriso irritado em seu rosto.

Knock, Knock, Knock.

Mais uma vez.

Se não estivéssemos 22 andares acima do chão, eu poderia ter considerado seriamente saltar para fora da janela.

"Olá? Deixei minha boneca Angie aí dento." A minúscula voz chamou timidamente. "Posso, pu favô, ter ela de volta? Sinto falta dela".

Minha carranca aprofundou. Minha confusão aumentou. Abruptamente, Lauren revirou seus olhos e chupou os dentes antes de caminhar em direção à porta. Assim que percebi o que ela estava prestes a fazer, segurei seu braço para impedi-la.

"Relaxe!" Ela sussurrou antes de virar a maçaneta da porta. "É a filha da funcionária nova. Eu cuidarei dela".

Antes que eu pudesse protestar, a luz do corredor entrou, cegando-me momentaneamente. Pressionei-me contra a parede, tentando me tornar invisível para quem estivesse lá fora.

"Oi, Macie!" Lauren arrulhou com uma voz doentiamente doce. "O que posso fazer por você?"

"Hum, oi, senhorita." A menininha respondeu timidamente. "Deixei minha boneca lá dento. Posso ter ela de volta, pu favô?" Seu tom de súplica quase quebrou meu coração, o que foi surpreendente, porque eu não tinha sequer conhecimento de que aquela merda funcionava.

Seu inquérito peculiar no entanto me fez fazer a varredura rapidamente da sala e meus olhos pousaram em uma pequena boneca de pano com duas tranças, bem no meio da mesa da sala de conferência. Engraçado como ela tinha passado completamente despercebida enquanto Lauren me tinha contra a parede.

Mas Lauren já estava respondendo à menininha.

"Não há nenhuma boneca aqui, querida. Desculpe. Agora, corra e vá brincar com o bebedouro. Há alguns copos lá que você pode encher de água e ficar toda molhada. Isso não parece divertido?" Ela ronronou.

A menininha ficou em silêncio por cerca de três segundos. "Pu favô?" Ela implorou em um quase sussurro. "Posso só pegar Angie? Sinto falta dela, e ela deve estar assutada." Sua pequena voz rachou no final.

E eu senti como se meu coração estivesse rachando junto.

Mas eu não tive tempo para examinar o significado daquilo porque, aparentemente, isso não fez nada para a bruxa sem coração na porta.

Lauren suspirou, irritada. "Olha, eu disse a você. Não há nenhuma boneca aqui. Agora vá e..."

Ela não teve a chance de terminar a frase. Em dois passos rápidos eu arrebatei a boneca da mesa e, olhando para Lauren com um olhar que dizia a ela a palavra que eu tinha sido ensinado pela minha mãe a nunca dizer a uma mulher, eu passei por ela e me ajoelhei em frente à menininha com a voz de anjo.

Com um sorriso encorajador, eu segurei a pequena boneca de pano, olhando em seus olhos.

Enormes olhos castanhos cor de chocolate presos nos meus, momentaneamente me surpreenderam. Eu nunca tinha visto um rosto tão pequeno com olhos tão grandes e expressivos. Algo apertou dentro do meu peito.

Mas, mais uma vez, eu não tive tempo para analisar o que isso significava, porque mais rápido do que eu poderia ter imaginado para um ser tão pequeno se movimentar, ela agarrou sua boneca e começou a correr.

Saí da sala de conferência, meus olhos presos na pequena coisa correndo a toda velocidade.

"Hei. Espere!" Eu chamei, precisando descobrir a quem a menininha pertencia.

Duas coisas aconteceram de uma vez então.

Uma morena que eu nunca tinha visto antes de repente virou a esquina, alívio colorindo seu rosto pálido quando ela avistou a menininha. Mas, antes que meus olhos e minha mente tivessem tempo suficiente para registrar totalmente aquela cena, pela minha visão periférica, eu vi Rosalie sair do corredor oposto. Fechei meus olhos e amaldiçoei sob a minha respiração.

Merda!

Eu teria que jogar com cuidado. Eu ainda estava de pé na frente da sala de conferência. Lauren estava logo atrás de mim, bem à porta. Meu escritório era um andar acima, entre os escritórios de Emmett e Jasper, e não havia realmente nenhuma razão para eu estar neste andar agora. Passei a mão frustrado pelo meu cabelo bagunçado, imaginando o quão bem eu arrumei minhas roupas antes de sair da sala de conferência.

Eu estava tão fodido. E não da forma que eu esperava estar alguns minutos atrás.

Mas então, a manhã já louca ficou ainda mais louca. Meus olhos caíram sobre a menininha - que tinha se virado quando eu a chamei - e quando seus olhos trancaram em mim novamente, um grande sorriso iluminou seu pequeno rosto, como se ela tivesse acabado de ganhar uma maratona de compras na FAO Schwartz*, ou algo assim.

* FAO Schwartz:é a mais antiga loja de brinquedos dos Estados Unidos. Fundada em 1862, é conhecida por seus brinquedos únicos, bichos de pelúcia gigantes e bonecas que parecem ter criado vida.

Mas isso não era nem sequer a coisa louca. A coisa louca foi a minha reação àquele sorriso. Aquela... aquela coisa dentro do meu peito apertou novamente, e eu juro que o senti dobrar de tamanho; como se eu tivesse acabado de ganhar um saco cheio de presentes dos cidadãos de Whoville*, ou algo assim. Eu não pude sequer evitar o sorriso largo que cobriu meu próprio rosto em resposta, independentemente do fato de que Rosalie agora estava parada a poucos metros de mim, suas mãos nos quadris e olhando-me desconfiada. Como um maldito diretor da porra de Alcatraz.

* Whoville:é uma cidade fictícia criada por Theodor Seuss Geisel, sob o nome de Dr. Seuss. É uma cidade encantadora, acolhedora e mágica.

Eu a ignorei naquele momento enquanto eu estudava a menininha. Ela era definitivamente uma beleza. Pequena - não mais do que cinco anos, eu diria, com um rosto de boneca de porcelana. Seus cabelos longos e castanhos fluíam quase até a sua cintura. Seus grandes olhos castanhos pareciam poças de chocolate derretido, e seu pequeno nariz de botão arrebitava um pouco no final, como um pequeno querubim. Eu de repente tive o estranho desejo de proteger essa menininha, de mantê-la segura de tudo e de todos que algum dia quisessem mexer com ela.

Abruptamente, ela pulou de volta para mim e parou a poucos centímetros de distância.

"Desculpa, senhô! Eu esqueceu de dizer obigada. Mas a minha mamãe estava pocurando por mim e eu não queria que ela ficasse peocupada. Obigada!" Ela exclamou, parecendo muito mais feliz do que tinha estado há apenas alguns segundos.

"De nada." Eu ri, ignorando a forma como os olhos de Rosalie estavam perfurando um buraco em meu cérebro. Naquele momento, eu não poderia ter me importado menos com a porra de merda que eu sabia que estava por vir.

O pequeno anjo abraçou sua boneca perto dela e deu a ela um beijo suave na cabeça, olhando para mim através dos longos e escuros cílios. Exatamente então, a morena chegou até ela.

"Maddie." Ela respirou, tanto alívio quanto censura em seu tom. "Eu disse para você ficar no meu cubo* enquanto eu ia até a sala da copiadora. Você quase me deu um ataque cardíaco." Ela ajoelhou-se e abraçou a menininha a ela.

* Aqui o termo seria 'baia', mas eu acho tão horrível esse termo que deixei cubo mesmo. Mas imaginem um escritório grande, com várias divisórias.

"Eu tive que pegar Angie, mamãe." A menininha explicou, sua voz abafada no cabelo da sua mãe. Cabelo que eu estava percebendo agora que era da mesma tonalidade exata do da sua filha. "O homem bom encontou ela para mim".

"Ele encontrou?" A morena perguntou, afastando sua filha o suficiente para que ela pudesse olhar em seu pequeno rosto. "Você o agradeceu?"

"Uhuh." Ela respondeu docemente, mas olhou para mim. "Muito obigada, senhô!" Ela repetiu.

"Chame-me de Edward." Eu encorajei, surpreso com a suavidade da minha própria voz. Eu não conseguia me lembrar de alguma vez ter usado esse tom. "Senhor é o meu pai." Eu acrescentei, e depois me arrependi imediatamente. Eu poderia tê-la escutado me chamar de 'senhô' o dia todo.

A menininha riu.

"Obigada, Edwood." Ela se corrigiu.

Minha boca escancarou em um sorriso. Esqueça. Eu podia ouvi-la me chamar de 'Edwood' o dia todo.

E então meu sorriso vacilou.

Rosalie decidiu abrir a boca.

"Edward. Emmett me disse que você estava de volta da sua prolongada viagem de negócios. O que você está fazendo neste andar?" Ela olhou incisivamente para mim, arqueando uma sobrancelha perfeita e então olhando atrás de mim para Lauren. Eu por acaso dei uma rápida olhada para trás e quase me encolhi com a expressão obviamente culpada de Lauren, como alguém que tinha acabado de engolir um canário.

Não teria feito diferença, de qualquer maneira. Havia muitos nomes que eu gostava de chamar minha cunhada Rose, mas 'estúpida' não era um deles. Ela tinha visto Lauren fazendo seus movimentos não tão sutis para cima de mim em algumas ocasiões, e eu podia ver as rodas girando em sua cabeça. Hesitei por apenas uma fração de segundo antes de me virar para encará-la.

"Tive uma reunião com Lauren esta manhã por causa da conta da Wheat-a-Bits." Eu menti tão bem quanto possível. Eu não consegui evitar a irritação que se infiltrou na minha voz, no entanto. Rosalie tinha uma curiosa maneira de esquecer quem era chefe de quem por aqui. É verdade, ela era casada com o meu irmão Emmett, e isso, combinado com o seu inegável talento e grandes bolas* dava a ela tanto poder quanto eu tinha por aqui. Mas, merda, a mataria pelo menos fingir me deixar estar no comando na frente do resto dos funcionários? Quero dizer, maldição, era o meu maldito sobrenome na placa da Agência no átrio do edifício.

* Uma mulher que tem coragem o suficiente para enfrentar qualquer marmanjo.

(Mas eu acho que era o dela também, por causa do casamento. Mesmo que ela fosse uma daquelas mulheres 'hífen', como Rosalie Hale-Cullen).

E, fiel ao personagem, Rosalie não estava disposta a decepcionar hoje.

"Sério?" Ela perguntou, arqueando sua sobrancelha incrivelmente mais alta.

Eu sempre me perguntei como as mulheres faziam isso.

Ela cruzou os braços na frente dela. "Bem, já que Lauren trabalha para mim, como é que eu não sabia nada sobre esta reunião?"

Oh, sim. Ela estava em busca de sangue.

E sendo o idiota que eu era muitas vezes acusado de ser (ou seja, por Rose), eu a deixei me tirar do sério e respondi com a pior resposta que eu poderia ter dado.

"Porque eu sou o chefe e não tenho que reportar minhas reuniões para você".

Lamentei as palavras assim que elas estavam fora da minha boca. Mas a morena ainda estava ajoelhada na frente da sua filha, e eu podia sentir seus olhos em mim. E por alguma estranha razão, eu não queria parecer um idiota na frente dela.

A sobrancelha de Rose ficou incrivelmente mais alta, quase fora da sua testa. Suas narinas queimavam. Não importava Emmett e Jasper. Rosalie mesmo me castraria. E provavelmente bem aqui, em frente à pequena princesa e sua mãe.

Tanto para não parecer um idiota.

Mas Rosalie sempre foi profissional, não importa o quê aconteça. Seus olhos ardiam de raiva, mas ela não disse nada. O que não me ofereceu nenhuma ajuda. Eu sabia por experiência que isso apenas significava que ela estava aguardando seu tempo, e que eu receberia o tratamento regiamente fodido por isso em algum momento num futuro não tão distante. Engoli em seco, mas de outra maneira mantive meu rosto vazio. Ela era como aqueles cães raivosos, você não podia mostrar a ela qualquer medo, ou então ela viria para matar.

"Hmph." Rose finalmente disse antes de reorientar sua irritação na direção de Lauren. "Os retoques daqueles elfos que enviei a você já estão prontos?" Ela latiu. Lauren pulou com o tom de Rosalie e eu tive que suprimir minha risada. A bruxa superansiosa merecia, depois do jeito que ela tinha falado com a princesinha.

"Hum... ainda não." Lauren respondeu timidamente. Sim, agora ela estavaa tímida. "Eles são os próximos na minha lista de coisas a fazer".

Rosalie sorriu. "Sim. Tenho certeza que eles estavam na sua lista de coisas a fazer." Ela disse com a voz arrastada, olhando de mim para Lauren. "Certifique-se de que você os tenha na minha mesa antes do meio dia." Ela exigiu. Lauren assentiu rapidamente e saiu correndo de volta para o seu cubo.

Rosalie se virou novamente para mim. Olhei para ela desafiadoramente, recusando-me a ser o primeiro a desviar o olhar. Mas então eu ouvi aquela voz doce de rouxinol novamente e, sem pensar duas vezes, minha atenção voltou-se para a princesinha, a minha curiosidade sobre o que ela estava dizendo tendo precedência sobre todo o resto no momento.

"Mamãe." Ela perguntou, seus grandes olhos castanhos olhando suplicantes para a bela morena na frente dela, "Eu posso ir com você para a sala de cópia? Eu quero fazer uma cópia da minha mão novamente".

A mãe da princesa levantou-se rapidamente e tomou a menininha pela mão. Seus olhos cintilaram momentaneamente para Rosalie e eu antes de virar-se com sua filhinha ao redor e tentando se afastar o mais rapidamente possível sem realmente arrastar a menininha. Alguém aparentemente havia dado a ela o memorando sobre correr para o outro lado quando Rose estava por perto.

"Hum, talvez mais tarde, bebê. Mamãe tem que terminar um trabalho primeiro." Ela sussurrou para a menininha enquanto a puxava junto.

E eu deveria ter feito uma corrida com elas também, tentado fugir de Rosalie antes que ela realmente se tornasse baixa e suja. Mas, por alguma razão, eu estava congelado em meu lugar e não consegui desviar o olhar da menininha e sua mãe.

"Bella, posso falar com você por um momento, por favor?" Rose chamou. Sua voz era autoritária, mas o veneno que esteve ali apenas alguns momentos antes tinha desaparecido. Ainda assim, eu poderia dizer pelo seu tom que ela queria ter algumas palavras sérias com a mãe da menininha, Bella.

Bel-la . Gostei da maneira como o nome fluiu em minha mente.

Bel-la parou em seu caminho ao pedido de Rosalie. Com suas costas ainda voltadas para nós, ela respirou forte antes de se virar com um olhar de derrota em seu rosto pálido.

E, mais uma vez, eu tive aquela estranha sensação avassaladora que eu tive apenas há poucos minutos pela princesinha. O desejo de ficar e proteger – mas desta vez foi dirigida à mãe dela.

O que diabos estava acontecendo comigo aqui hoje?

Aproveitei enquanto Bel-la se aproximou de Rose e eu cautelosamente e dei uma boa olhada nela.

Ela e sua filha compartilhavam uma semelhança impressionante. Ambas tinham o mesmo cabelo castanho comprido, mas enquanto o da menininha era liso, o de Bella era ondulado, espesso e brilhante. Elas tinham os mesmos marcantes olhos castanhos, um castanho suave e quente que me fez pensar em chocolate e noites quentes e apenas um sentimento geral de satisfação.

Que diabos?

A pele de Bella era mais pálida do que da sua filha, mas tinha um brilho saudável nela. E quando ela chegou até nós e parou diante de Rose ansiosamente, eu percebi exatamente o quanto ela era bonita. Não era aquela beleza evidente, como a que Rose tinha. Era uma beleza mais natural, uma beleza que não precisava de toneladas de maquiagem para se destacar. Uma beleza que você às vezes não aprecia plenamente até que esteja bem na sua frente.

Bem, estava bem na minha frente agora.

Rose olhou para a menininha primeiro, que estava segurando firmemente a mão de sua mãe.

"Ei, Maddie." Ela começou, com uma voz gentil que eu nunca a tinha ouvido usar em todos os dez anos que eu a conhecia, "Sabia que você pode ver quase todo o Central Park daquelas janelas ali?" Ela apontou para um conjunto de janelas a poucos metros de distância de nós. Os olhos de Maddie arregalaram de surpresa e ela balançou sua cabeça. "Bem, você pode! E um monte de Manhattan, e edifícios super altos, e se você olhar realmente bem, você até pode ver um pouco de Nova Jersey exatamente do outro lado do rio." Rose acrescentou em um tom hipnótico. "Por que você não vai lá e dá uma olhada e me diz o que você vê?" Ela persuadiu.

Maddie virou-se para sua mãe entusiasmada. "Posso, mamãe?" Ela pediu, olhando para a sua mãe com aqueles grandes olhos castanhos.

Sua mãe balançou a cabeça em aprovação. "Claro, vá em frente." Ela encorajou. Maddie virou-se e saltou alegremente para as janelas, enquanto nós três permanecemos lá sorrindo para sua forma de se retirar.

Assim que ela estava fora do alcance da voz, Rose virou-se para Bella e franziu os lábios.

"Bella, esta é a segunda vez esta semana." Ela começou, mas Bella a cortou.

"Eu sei, Rosalie, eu sei. Eu realmente sinto muito. Estou fazendo o meu melhor para resolver esse problema".

Perguntei-me qual era o problema.

"Ela não deveria estar na escola, ou algo assim?" Eu pensei em voz alta.

Os olhos de Bella voaram para mim assim que soltei as palavras, e ela lançou-me um olhar que me surpreendeu. Ele dizia claramente 'cuide da sua maldita vida, idiota'. Mas ela não disse nada e voltou-se para Rose.

"Ela não se adaptou bem às duas últimas pré-escolas que eu tentei. Ela não está acostumada a toda a comoção. Antes de nos mudarmos para cá, ela só tinha uma babá, e apenas por algumas horas a cada dia. Ela não está acostumada a ficar longe de mim por tanto tempo, ou com tantas pessoas".

Rose suspirou. "Bella, eu simpatizo, eu realmente..."

Olhei para ela e sorri. Como diabos ela poderia simpatizar com algo assim? Até onde eu sabia, ela não tinha filhos, e se ela tivesse, havia se esquecido de mencioná-los para o meu irmão quando eles se casaram.

Rose não quis ver o meu sorriso, ou preferiu ignorá-lo. "Maddie é uma fofura, e ela não incomoda quando está aqui. É só que se eu continuar a deixar você trazê-la, outros por aqui vão querer trazer seus filhos. E com os clientes entrando o tempo todo, como seria para a agência ter tantas crianças correndo ao redor deste escritório?"

Eu ri. "Ei, talvez nós possamos mudar o nome de Agência para Creche Cullen, Cullen & Whitlock?" Eu brinquei.

Desta vez, as duas mulheres abertamente olharam para mim. E enquanto eu estava acostumado a ser encarado por Rose, o olhar de raiva de Bella me fez desejar que o chão se abrisse e me engolisse.

Rose zombou de mim. "Bella, no caso de você não ter percebido ainda, este... senhor aqui" - eu revirei meus olhos para o seu tom sarcástico - "é o meu cunhado, Edward Cullen, um dos co-proprietários da agência. Ele esteve afastado por algumas semanas, então você não deve ter tido a chance de conhecê-lo ainda. Ele não costuma passar muito tempo em nosso andar," - ela sorriu - "então você provavelmente não estará em contato com ele demais, além de reuniões com clientes ou conferências. Conferências oficiais." Ela acrescentou sob sua respiração, apenas para eu ouvir. "Edward, esta é a nossa nova Artista Gráfica, Isabella Swan. Ela prefere Bella".

Bella se voltou a contragosto para mim. Suas bochechas de repente coradas com o tom vermelho mais surpreendente, mas sua expressão era impassível, seus lábios desenhados em uma linha reta. Ela se recusou a olhar nos meus olhos quando murmurou um educado, mas superficial, "Como vai?"

Naquele momento, eu sabia que ela sabia. Ela descobriu o fracasso inteiro na sala de conferência há poucos minutos, e o pequeno comentário de Rosalie há alguns segundos provavelmente confirmou isso. Por alguma razão, eu senti meu próprio rosto se inundar de vergonha e, por incrível que pareça... culpa.

Eu respondi nervosamente, "Prazer em conhecê-la." Eu não conseguia entender por que seu desagrado óbvio por mim me chateou tanto.

"Enfim," Rose continuou e, pela primeira vez, eu estava grato pelas suas interrupções, "como eu estava dizendo, você tem que encontrar-"

"Quantos anos ela tem?" Eu perguntei, ganhando um suspiro exasperado de Rosalie e outro olhar cortante de Bella.

"Desculpe-me?" Bella questionou com o cenho franzido.

"Maddie. Hum... sua filha." Eu esclareci. Eu não tinha certeza se ela queria que eu chamasse sua filha pelo nome. "Quantos anos ela tem?" Eu repeti.

"Ela tem quatro anos." Bella respondeu devagar, apertando seus olhos para mim com cautela. "Por quê?"

"Hum... bem, eu estava pensando," e assim que falei, eu realmente me odiei, porque eu NUNCA dizia 'Hum'. Tanto quanto eu estava preocupado, 'Hum' era uma sílaba reservada para idiotas e pessoas que não tinham nada interessante a dizer.

Mas, maldição se não era exatamente como eu me sentia agora.

"Ela tem que estar na escola?" Eu perguntei.

Bella estreitou os olhos para mim, mas não respondeu.

Rosalie, por outro lado, falou comigo em uma voz exasperada. "Edward, ela não pode vir para cá todos os dias, nós simplesmente não fomos criados para cuidar de crianças." Ela virou todo o seu corpo diretamente em minha direção e me lançou um olhar que claramente dizia, 'Eu sei que você está apenas tentando transar aqui, portanto, corte essa merda!'

Eu ignorei sua implicação e continuei falando, meus olhos em Rosalie agora.

"Porque se ela não tem que estar na escola ainda, Rosalie , talvez ela deva procurar uma babá?" Eu ofereci.

Bella respondeu rapidamente em um tom irritado. "Eu não consigo encontrar ninguém em quem eu possa confiar-"

"Rose, a Agência não mantém uma lista de profissionais qualificados que cuidam de crianças?" Eu não estava muito familiarizado com isso, mas eu pensei ter ouvido falar de algo assim um par de vezes ao redor do escritório.

Rose olhou para mim com desconfiança por uma fração de segundo antes de voltar sua atenção para Bella.

"Na verdade, ele está certo, Bella. Nós mantemos uma lista de profissionais qualificados que cuidam de crianças para ajudar nossos funcionários com famílias. Todo profissional que cuidadas crianças na lista teve suas credenciais totalmente verificadas pelo nosso Departamento de RH. O RH garante que os referidos profissionais na lista se mantenham atualizados com todos os treinamentos com crianças e outros cuidados relacionados, e até mesmo confeccionou uma lista de referências dos nossos próprios funcionários para cada profissional de cuidados infantis".

Os grandes olhos castanhos de Bella arregalaram ainda mais com a surpresa. "Eu... eu não sei sobre isso." Ela gaguejou, olhando entre Rose e eu.

"Por que você não vai até o RH e pede por ela?" Eu sugeri gentilmente, com medo que ela atirasse em mim outro olhar mortal.

"Hum... sim, eu acho que vou. Obrigada pela informação. Eu vou até lá no meu horário de almoço." Ela murmurou timidamente agora. Aquela inacreditável sombra de vermelho atravessou suas bochechas novamente enquanto ela falava, e ela olhou para longe de mim rapidamente e para o chão. Eu tive um impulso irresistível de levantar seu queixo em direção a mim para que eu pudesse ver quanto tempo aquela cor realmente ficaria em suas bochechas.

Naquele momento, eu também decidi que a palavra 'Hum' não poderia ser reservada apenas para idiotas e pessoas que não tinham nada interessante a dizer. Porque era óbvio apenas de olhar para ela que Bella Swan não era nada idiota, e eu encontrei-me extremamente curioso para saber o que ela tinha a dizer, sobre tudo e qualquer coisa.

"Na verdade, Bella," Rosalie interrompeu, "ainda é bastante cedo e deve ser um dia lento. Por que você não vai até lá agora, já que pode levar um tempo para você resolver tudo e entrar em contato com todas as referências que você quiser entra em contato?"

O rosto de Bella iluminou com gratidão. Ela deu um suspiro de alívio. "Obrigada, Rosalie. Estou muito ansiosa para dar uma olhada na lista agora." Ela confirmou.

"Não me agradeça muito, Bella." Rose riu em um tom que deveria ser intimidante, mas eu poderia dizer que ela não estava se esforçando tanto nisso como ela sempre fazia. "Eu só quero que esse assunto seja cuidado o mais rápido possível. Eu preciso ter certeza de que quando você está aqui, sua mente está cem por cento focada no trabalho." Ela terminou em um tom sério.

"Tentarei cuidar disso imediatamente, Rosalie. Eu prometo." Bella afirmou.

Ela se virou para sair, pronta para buscar a menininha da janela, mas então parou por uma fração de segundo antes de virar. Seus olhos castanhos focados em mim, e aquela coisa dentro de mim deu um salto assustado.

O que diabos foi isso?

"Obrigada mais uma vez... Edward." Ela ofereceu em voz baixa, suas bochechas ficando vermelhas de novo. Um calor estranho me percorreu com o som do meu nome saindo dos seus lábios.

"De nada... Bella." Eu consegui responder, minha voz tão baixa quanto a dela.

Pelo canto do meu olho, eu podia ver Rosalie olhando para mim com curiosidade, mas eu mantive meus olhos em Bella. Era uma visão muito mais agradável do que a minha irritante cunhada/colega de trabalho.

Bella se afastou de mim rapidamente. "Maddie, querida, temos que ir lá para cima ver uma coisa. Venha." Ela chamou em uma voz suave.

"Você quer dizer no evelador, mamãe?" Maddie perguntou animadamente, pulando de volta para sua mãe.

"Sim, querida." Bella respondeu, erguendo a mão para que Maddie pudesse pegá-la.

"Oba! Eu amo o evelador." Maddie exclamou.

Quando ela passou por nós com sua mão firmemente na de sua mãe, ela se dirigiu a nós educadamente. "Tchau, Senhorita Wosalie. Tchau, Senhô Edwood".

Rose sorriu para ela e eu ri com vontade. "É apenas Edward, princesa. E eu posso chamá-la de Maddie?" Eu perguntei, olhando entre ela e Bella. Bella deu a sua filha um sorriso e acenou com a cabeça.

"Com ceteza. É o meu nome." Maddie respondeu com um encolher de ombros, como se eu tivesse acabado de fazer a pergunta mais fútil. Todos nós rimos.

"Tudo bem. Vejo você mais tade." Ela exclamou enquanto sua mãe a levava em direção ao elevador.

Eu as observei desaparecer pelas portas do elevador, e então me virei para Rosalie.

Ela estava olhando para mim de novo com aquele olhar estranho, curioso dela.

"O quê?"

Rose pareceu debater para responder por alguns segundos, o que em si era estranho. Porque Rosalie nunca debatia se falava ou não.

"Nem pense nisso." Ela finalmente deixou escapar em uma voz baixa. "Ela não é o seu tipo".

Eu bufei. "Primeiro de tudo, eu não sei do que diabos você está falando. Em segundo lugar, o que você sabe sobre qual é o meu tipo?"

Rose deu um suspiro e apertou seus lábios, dando-me um olhar que dizia 'Sério?'

"Você sabe muito bem do que diabos eu estou falando. Não pense que eu não peguei você verificando a bunda dela enquanto ela se afastava." Eu ri culpado e comecei a caminhar. Era uma bunda muito bela, na verdade. "E com base em suas atividades esta manhã," ela continuou, "o seu tipo parece ter sido rebaixado para qualquer coisa com uma boceta disposta entre as pernas".

Eu parei em meu caminho e virei-me para encará-la. "Sério, você tem que ser a mulher mais estúpida que eu já conheci".

Rose sorriu e se aproximou mais, provocando-me. "De qualquer forma, acredite em mim, você não poderia lidar com alguém como Isabella Swan".

Fiz uma careta, olhando para ela com um olhar que normalmente intimidaria o mais duro dos homens. Mas Rosalie apenas se aproximou mais, dando-me seu próprio olhar intimidante.

"Confie em mim, querida cunhada, você não tem nenhuma ideia do que eu posso ou não posso lidar." Ela olhou para mim e deu-me uma risada dura, completamente imperturbável. Virei-me e comecei a andar novamente, e ela me seguiu ao meu lado, mudando para o modo promotor novamente. Eu suspirei e continuei olhando para a frente.

"Então, o que diabos foi aquilo na sala de conferência?" Ela silvou, virando-se para mim enquanto caminhávamos. Eu vacilei levemente e gemi internamente. Eu estive estupidamente esperando que ela tivesse esquecido o assunto. Continuei andando sem responder, esperando que ela simplesmente desistisse. Mas ela continuou caminhando junto comigo, recusando-se a me deixar ir embora.

"Aquilo não foi nada." Eu finalmente respondi em um tom baixo e uniforme.

"Besteira!" Ela silvou, baixando sua voz ainda mais. "Que porra é o seu problema, Edward? Você sabe o quanto aquele pequeno conluio poderia ter sido perigoso? Você tem alguma ideia do que poderia ter acontecido se qualquer outra pessoa que não fosse aquela menininha tivesse encontrado vocês dois lá dentro?"

"Maddie não viu nada." Eu silvei em resposta. Por alguma razão, o pensamento da menininha me vendo com Lauren fez meu estômago revirar. E então, por algum motivo estranho, eu imaginei a mãe dela sendo aquela parada do lado de fora daquela porta quando nós saímos. Eu de repente senti como se fosse vomitar.

"Esse não é o ponto!" Rosalie continuou. "Essa sua pequena façanha poderia ter colocado todos nós em uma porrada de problemas!"

"Você sabe, você é tão malditamente hipócrita!" Eu retaliei, na defensiva, mesmo sabendo que ela estava certa. "Você acha que eu não sei o que está realmente acontecendo quando você e seu marido fecham a porta para as suas reuniões de 10 minutos?"

Rose sorriu. "Isso é diferente, Edward, e você sabe disso. Nós só fazemos isso quando o resto dos funcionários já foi para casa, depois do horário. Você sabe que não importa o que aconteça, Emmett jamais arriscaria a reputação da Agência dessa maneira".

Mais uma vez, eu sabia que ela estava certa. Mas saber disso fez eu me sentir ainda mais um merda. Porque foi isso o que eu quase fiz. Eu quase arrisquei a reputação da empresa por uma foda rápida. E nós todos trabalhamos muito duro para chegar onde estávamos para eu chegar e explodir tudo assim.

"Quando você vai crescer, Edward?" Rosalie advertiu enquanto nos dirigíamos para o seu escritório. "Quando você vai perceber que você não é um mais um garoto de fraternidade? Você tem 28 anos de idade, pelo amor de Deus. Você comanda a Agência Top 10 da década de acordo com a Money Magazine. Você pertence a uma das famílias mais poderosas e bem respeitadas da Costa Leste. Ainda assim, você não consegue manter seu nome fora da Página Seis* e das manchetes dos tablóides. Quando você vai finalmente tirar a cabeça da sua bunda e perceber o seu potencial?"

*Página Seis é a coluna de fofocas do jornal citado por Rosalie. Ela não especifica o jornal, mas cita a página da coluna de fofocas.

Entramos em seu escritório e ela fechou a porta atrás de nós, caminhando até sua mesa e sentando-se como uma rainha em sua cadeira de couro preto.

Por que eu a segui até aqui? Por que eu estava me sujeitando a este discurso? Eu poderia ter simplesmente voltado lá para cima para o meu próprio escritório e me poupado desse inconveniente.

Exceto que, por mais pé no saco que Rosalie fosse, e por mais que batêssemos de frente e argumentássemos, no fundo - tão fundo que eu raramente reconhecia isso para mim, muito menos para qualquer outra pessoa - eu realmente amava e respeitava minha cunhada. E mesmo que ela estivesse me dando mais uma bronca agora, eu sabia que merecia isso.

Mas eu nunca reconheceria isso para ela.

Sentei-me em uma das suas cadeiras e coloquei minhas mãos atrás da minha cabeça, entrelaçando meus dedos juntos.

"Você sabe o quanto você soa como o meu pai agora?" Eu a provoquei. "Para alguém que tem apenas 27, você soa mais como uma pessoa de 50 anos de idade." Eu instiguei.

Seus olhos arderam e ela comprimiu seus lábios, sacudindo a cabeça para mim violentamente. "Você é um babaca de verdade. Estou tentando dar-lhe alguns conselhos aqui e você está sendo um idiota. Quando você finalmente vai começar a pensar com a cabeça em seus ombros, em vez de com a outra entre as suas pernas?"

Eu zombei dela. "Jesus, eu entendo por que você e Emmett ficaram juntos. Vocês têm que ser as duas pessoas mais vulgares que eu já conheci".

Ela bufou, muito grosseiramente. "Ah, sim... Porque você é o santo padroeiro da decência." Ela riu.

Eu tive que rir com ela sobre isso. Eu não tinha sido o menino de ouro dos paparazzi pelos últimos anos por nada. Eu estava nas páginas de fofocas de um ou o outro destes tabloides e revistas pelo menos duas vezes por semana. E mesmo que metade das coisas que eles imprimiam fosse besteira total, eu não poderia ter me incomodado menos. Não era da conta de ninguém como eu vivia a minha vida, de qualquer maneira. E todas as garotas que tiveram suas fotos tiradas comigo ao longo dos anos não pareciam se importar com a atenção. Claro, de vez em quando uma das minhas loucas façanhas me renderia uma bronca de qualquer um dos meus pais, ou um dos meus irmãos, mas, ei, eu era jovem e livre. Eu não tinha ninguém além de mim para responder. E por mais que Rosalie gostasse de dizer o contrário, eu trabalhei duro para ajudar a construir esta Agência e para chegarmos onde estávamos hoje, e todos sabiam disso. Eu coloquei meu coração e alma nesta empresa, e eu merecia ter minhas distrações.

De uma maneira rotunda, isso me trouxe para a minha próxima pergunta.

"Então me diga sobre a nova Artista Gráfica. Quando ela começou?"

Rosalie me observou com os olhos apertados antes de responder. "Ela começou duas semanas atrás, poucos dias depois que você saiu em sua última aventura".

"Qual é a formação dela? De onde ela vem?" Pensei em começar com o básico.

Rose inspecionou suas bem cuidadas unhas enquanto falava. "Ela é na verdade do Noroeste. Ela frequentou a Universidade de Washington. Esta é a sua primeira posição em uma agência de publicidade, mas seus desenhos me impressionaram. Mais alguma coisa?"

Eu olhei para Rose. "Casada?"

Rose suspirou dramaticamente, ainda inspecionando suas unhas. "Divorciada. Com uma filha, obviamente".

Eu cerrei meus dentes. "Merda, você realmente vai me fazer arrastar cada pedacinho de informação fora de sua boca, não é?"

Rose levantou o olhar para mim, um brilho de raiva em seus olhos agora. "Olha, eu já lhe disse tudo o que você é obrigado a saber como empregador dela. Ainda mais, na verdade." Ela se inclinou sobre a mesa. "Estamos terminado agora, chefe?" - ela sussurrou a última palavra sarcasticamente - "Porque eu tenho algum trabalho real para fazer agora".

Este foi o seu pagamento para o incidente do 'chefe' na frente de Lauren e Bella. Eu sabia que não conseguiria nada mais dela agora. Eu a encarei por alguns segundos, mas ela simplesmente sorriu para mim maliciosamente. Frustrado, levantei-me e saí do seu escritório, batendo a porta atrás de mim e caminhando em direção ao elevador.

Bel-la...

O nome ressoou na minha cabeça, repetindo-se como um coro. Aqueles grandes olhos castanhos tinham me intrigado, isso era malditamente certo. Mas enquanto eu pressionava impacientemente o botão 'subir' no elevador, percebi que não importava que Rose tivesse se recusado a me dar mais informações sobre a nova Artista Gráfica. Eu tinha reunido toda a informação que realmente precisava sozinho esta manhã.

Ela tinha uma filha. Maddie.

Embora a verdade é que, a criança era a menininha mais linda e doce em que eu já coloquei meus olhos. Mas ela ainda tinha uma filha.

Bagagem.

A última coisa que eu precisava era me envolver com alguém com uma criança. Isso simplesmente não era favorável ao meu estilo de vida. Eu gostava de festas, beber, ir e vir como e quando quisesse. Eu não era o tipo que deixava nada me amarrar, ou – Deus me ajude – comprometido a alguém. Apenas o pensamento me fez estremecer. E eu tinha certeza de que uma criança era a maior algema de todas.

De. Jeito. Nenhum.

Isabella Swan e seus grandes olhos castanhos e bochechas rosadas e cabelo ondulado brilhante estava definitivamente na minha lista 'não toque'. E mesmo que uma parte de mim tivesse uma vontade inexplicável de descobrir cada pedacinho de informação que pudesse sobre ela, eu não cederia. Ela não era o que eu precisava na minha vida.

Então eu ri uma vez para mim mesmo quando recordei aqueles olhares infestados de punhais que ela havia atirado para mim mais cedo. Eu tinha certeza que Isabella Swan não tinha vontade de me conhecer também.

E isso estava bom pra mim. Era uma agência suficientemente grande, onde os nossos caminhos não teriam que cruzar muitas vezes. Nós dois estávamos em andares diferentes, e ela respondia à Rose, não a mim.

'Basta ficar longe dela', eu disse a mim mesmo quando o elevador chegou de volta ao meu andar.

Quando voltei ao meu escritório, sentei-me pesadamente em minha própria grande cadeira de couro. Girei ao redor para olhar para fora pelas minhas janelas do chão ao teto, para a cidade lá fora. Nova York. A cidade que nunca dorme. Se você pudesse chegar até aqui, você poderia chegar a qualquer lugar.

O céu azul brilhante acima estava perfeitamente claro hoje, nenhuma nuvem poderia ser vista por quilômetros. O calor irradiando através das janelas para o escritório nesta manhã de final de agosto deveria vir do sol amarelo brilhando acima dos arranha-céus que me cercavam. Ainda assim, quando olhei para cima, não foi o céu azul, ou o sol amarelo que eu vi. Foram duas esferas marrons e quentes – brilhando com segredos desconhecidos - que estavam me enchendo com um calor inexplicável agora correndo em minhas entranhas. Elas me saturaram com um calor brilhante do tipo que eu nunca tinha sentido antes.

Que. Porra. É. Essa?


Nota da Autora:

Esta é uma história com todos humanos e eu tive toneladas de diversão com ela. É divertido brincar com Edward e Bella que não são tão perfeitos. E no caso de alguém não ter percebido, a pequena Maddie (e seu discurso imperfeito) foi inspirada na minha própria garotinha.


Nota da Tradutora:

Então, será que sou só eu que estou apaixonada pela pequena Maddie? Eu simplesmente adoro o 'discurso imperfeito' dela, como a própria autora gosta de chamar. Essa garotinha vai enrolar muita gente em torno do seu dedo mindinho...

Saberemos um pouquinho da vida de Bella no próximo capítulo!

Nai


Nota da Ju:

Olá a todos, aqui estamos com uma fic nova.

Agradeçam totalmente à minha nova parceira de traduções, NaiRobsten, que se ofereceu para me ajudar com as fics e tem feito um trabalho incrível, para vc´s terem uma ideia, ela já traduziu até o cap. 19 dessa fic!

Como vc´s podem notar, os capítulos aqui são grandes e a Nai teve bastante trabalho em traduzir, por isso, o mínimo que pedirei de vc´s é que deixem reviews!

Tb quero agradecer à minha amiga LeiliPattz por betar os capítulos! Obrigada, Leili! ;)

As postagens aqui estarão diretamente ligadas ao número de reviews, portanto, só depende de vc´s. O próximo cap. virá na semana que vem.

Deixem reviews e aguardem a pequena e fofa Maddie aparecer por aqui...

Bjs,

Ju