Foi tudo junto, foi a incerteza que a dominava desde o primeiro momento. Aquele instante em que decidiu que faria parte de uma guerra em nome de ideais que queria acreditar.

Supremacia. Superioridade.

Talvez esse fosse o sentimento com o qual todos seus colegas nasceram. Em meio a eles sentiu se oprimida, mas, no final, convenceu-se de que estar acima lhe era merecido. Os olhares admirados dos sonserinos mais jovens, o desprezo de pessoas que ela mesma desprezava.

Eram nesses momentos em que seu sorriso se alargava, a confiança lhe enchia e uma risada lhe escapava. Pansy finalmente se sentia merecedora do mundo.

Então, por que naquele instante ela se sentia suja? Naquele momento em que todos a olhavam, os babacas desprezíveis desesperando-se com o Lorde que batia à porta de Hogwarts, as crianças que não sabiam de nada e deixavam a lágrimas caírem no chão de pedra...Por que ela se sentia suja se só queria viver?

"Mas ele está aqui! Potter está aqui! Alguém agarre ele!"

Alguns lhe apontavam as varinhas, a ameaçavam porque ela parecia ser a única sensata a querer sobreviver. Pansy Parkinson gritou o que passara pelo canto mais remoto e instintivo da cabeça de todos, inclusive do próprio Harry Potter, ela tinha certeza.

Eles todos eram jovens, nenhum deles pensava nas consequências e essa era a beleza de ser irresponsável, só um aluno com senso de justiça apurado , ambição entalada na garganta e a idéia errônea de que estariam vivos até o final da noite.

Pansy sabia que era diferente, sabia que os sonserinos não eram ruins e que veria muitos deles nos corredores com as cabeças estouradas e os olhos sem foco. Ela sabia que nem todos os grifinórios eram corajosos e que os veria correndo enquanto tentavam escapar da morte vestida de comensal.

Pansy sabia que existiam clichês que nunca seriam mudados. Se Potter vencesse ela seria vista como uma traidora, um obstáculo no caminho da gloriosa vitória do escolhido. Um grito do lorde das trevas no meio dos salões da escola.

O menino que sobreviveu.

Pansy só não queria morrer naquela noite.