Uma fanfic Naruto - Trad autorizada pela autora, em 2012

Classificação etária da fic: Por enquanto, T-rated.

Shipper: Sasuke & Sakura

Gênero: Romance/Drama

Disclaimer: O Naruto não é meu.

Autora: Ebil Chameleon

Tradutora: K. Hime.

Do original de mesmo título

Sinopse: Ele não a amava. Não poderia amá-la. Não poderia criar laços. Mas seu coração o estava traindo. Criando amarras que agora pareciam dificeis de quebrar. Aquilo era amor.


Anteriormente...


Tsunade continuou. - O rapaz foi encontrado ao lado do cadáver de Uchiha Itachi …

Um suspiro escapou dos lábios de Sakura. Poderia ser? Seria ...? Não. Não seria. Se fosse ...

Tsunade abriu a porta e Sakura olhou para o quarto. Deu alguns passos pelo local escuro, as sombras envolvendo-a. - Sasuke-kun... - sussurrou.

. . .

- Se ele acordar ... o que eu duvido ... e tentar escapar ou ficar um pouco irritado, injete isso nele. Isso vai colocá-lo de volta para dormir. E certifique-se de me chamar se alguma coisa der errado, ou se você estiver tendo problemas com alguma coisa. Entendeu? - Sakura virou as costas para Tsunade e assentiu.

- Hai. Entendi, Tsunade-sama. - Tsunade colocou a mão no ombro da moça.

- Tem certeza que você vai ficar bem?

- Sim. Tenho certeza. - Sakura disse baixinho. Com um último sorriso, Tsunade saiu da sala para ver seus outros pacientes.

Sakura tomou fôlego e olhou para a cama atrás de si. Ele ainda estava lá.

Deixou-se cair sobre uma cadeira ao lado da cama e olhou para ele intensamente. Ela ainda podia jurar que isto era um sonho. Estendeu a mão, tocou-o levemente. Sim, era real.

Seu belo rosto estava exatamente como se lembrava de seu último encontro. Talvez ... as coisas fossem diferentes agora. Talvez tudo pudesse voltar a ser... normal.

Talvez ...

Apenas talvez.

..


Flow of Life

Capitulo II


Duas horas se passaram, mas para Sakura pareciam apenas alguns minutos.

Parecia que o tempo havia parado. Nada tinha mudado naquela penumbra das luzes vermelhas e o sinal sonoro monótono dos monitores.

A mão feminina levemente tomou a dele, o polegar acariciando a parte superior se da mão do rapaz.

Ele estava frio.

Mas ainda estava vivo.

E estava… E estava aqui ... na frente dela.

Podia não estar consciente, mas estava aqui.


Sakura usou esse tempo para explorar os próprios sentimentos.

Estava tão confusa, era difícil decifrar o que estava sentindo. Uma coisa que sabia sabia que sentia era frustração.

Ela estava frustrada e muito feliz. Feliz alem da conta por Sasuke estar de volta, mas frustrada pelo mesmo motivo. Por ele ter sido trazido. Mas Sakura sabia essa seria a situação provável, afinal, voltar por conta própria seria surreal. Sera que isso seria possível? Muito provavelmente não. Mas ela não sabia disso, nao tinha a certeza. E ele não estava acordado para que pudesse lhe perguntar tal.

Sakura se sentia terrivelmente irritada com ele.

Ele a deixou. Inconsciente. Em um banco. Pelo menos fora consciente o suficiente para deposita-la naquela superfície. Mas talvez… nao tivesse nem sido ele, talvez fosse outra pessoa e ninguém teve a coragem de lhe dizer, nao depois de tudo… Mas isso não poderia ter acontecido. A pessoa em questão teria dito, ao menos, para Tsunade.

Mas ela não podia evitar em se sentir feliz por ele estar de volta.

Mesmo assim, sua raiva em relação a ele era mais forte que a felicidade.


Não o tinha deixado desde entao.

Observou a respiração dele, a ascensão e queda de seu peito. Os monitores continuavam o "bip" incessante, mas tal passou despercebido pela garota de cabelos cor de rosa.

De repente, o rosto de Sasuke mudou, ele começou a mudar de posição. Sakura levantou imediatamente e viu-o contorcer-se. Podia sentir a mao dele apertar a sua e olhos verdes arregalaram.

Lentamente, começou a se acalmar, e uma vez que parou de tremer, ela voltou ao assento ao lado, soltando um suspiro em seguida.

Reunindo chakra na mão, Sakura colocou-a sobre o peito de Sasuke e o estômago. Felizmente não notou nada de errado. Devem ter sido espasmos musculares simples. Sakura transferiu um pouco de chakra calmante de suas mãos para o corpo masculino, afim de evitar novos espasmos.


Mas antes que pudesse se sentir confortável, um par de olhos de ônix começaram a abrir e sondar o quarto em volta de si.

Fitando seu rosto, ela percebeu que ele havia acordado e congelou. Orbes negros esquadrinharam o quarto em plena confusão. Não demorou muito para que ele fitasse a médica a seu lado. Olhos negros arregalaram.

Não sendo capaz de encontrar a propria voz, Sakura apenas observou o modo como ele se movia. Sasuke se apoiou sobre os cotovelos e tentou sentar-se.

- Sasuke, - o chamou e se aproximou para po-lo de volta na cama. Ele não disse nada e surpreendentemente permitiu que ela o acomodasse de volta ao colchão da cama de hospital. Fechou os olhos por um instante, e em seguida, reabriu-os e olhou em volta.

- Onde estou? - perguntou, a voz fria, seca. Sakura fez seu melhor para engolir o nó que se fez em sua garganta.

- Você esta ... no hospital. - disse. E ja podia sentir a própria voz tremular. - Um grupo shinobi da Folha te encontrou. Deitado no chão, inconsciente. - fez uma pausa. - Ao lado de seu irmão morto.

Surpreendentemente, Sasuke parecia não ser tão afetado por aquelas palavras.

Ele podia sentir o olhar dela sobre si e aquilo o estava deixando um pouco desconfortável. Lentamente, começou a sentar-se de novo; a dor veio novamente, mas a ignorou.

Sakura mais uma vez levantou-se e tentou empurrá-lo de volta para baixo. Ele simplesmente afastou a mão da kunoichi e continuou a levantar-se.

- Sasuke, o que está fazendo? Você tem que descansar! - disse, ao aplicar mais pressão sobre o ombro masculino. Ele só fez empurrar de volta com a mesma força, o que era estranho para alguém que estava ferido.

- Estou indo embora, - disse friamente, afastando-a de si. Sakura retrucou, empurrando-o em seguida, e ja podia sentir as lágrimas transbordando em seus olhos, mas se recusava a deixá-las cair. Em vez disso, o empurrou de volta para baixo com a ajuda de chakra e enviou-lhe uma carranca.

- Não, você não pode sair! Partiu uma vez e não pode partir de novo! Seu objetivo foi alcançado, por que quer partir novamente? - Ela estava gritando e não se importava se havia acordado outros pacientes. Mas, então, a voz começou a amenizar. - Por que precisa me deixar de novo?

O silêncio pairou no ar.

Sakura teria dado qualquer coisa para ele murmurar algo. Apenas uma razão pela qual queria ir embora. Ele matou seu irmão, não iria querer ficar na Vila novamente? A raiva em relação a esse rapaz começou a crescer novamente.

- Por quê?

O Uchiha fitou ao longe, o lado de fora da janela. - Não me querem aqui. - Disse e Sakura fez uma careta. Então, sera que ele não via que ela o queria ? Que Naruto queria seu amigo de volta? Eles não teriam passado tanto tempo tentando traze-lo de volta se não o quisessem!

- O quê? Ok, tudo bem. Se é assim que pensa. - Sakura soltou o enlace sobre ele. - Então vá. - E tentou manter a calma. Ele poderia ir se quisesse. Não iria afeta-la de forma alguma. Nem um pouco.


Então, Sasuke começou a sentar-se novamente.

Ele estava prestes a faze-lo.

Iria partir novamente.

O coração de Sakura estava batendo rápido, seu nervosismo apenas crescendo. Não. Ela não poderia se importar. Ele queria ir embora, ela precisava deixá-lo ir. Isso não importa. Certo?

Certo?


Antes que a kunoichi pudesse agir, a porta se abriu e uma sombra bloqueou a luz que se filtrava no quarto.

A figura veio com os braços cruzados, mas Sakura não foi capaz de ver quem era ainda.

- Ele não vai a lugar nenhum. - Era Tsunade.

A Hokage entrou no quarto de hospital, o cenho franzido.

Sasuke não respondeu, apenas a fitou com uma carranca. Mas foi recebido com um olhar tão ameaçador quanto.

- Você não vai sair desta vila novamente. E se tentar ... tenho certeza de que não quer me te perseguindo, certo. - Sakura engoliu em seco. Ninguém iria querer uma Tsunade raivosa no calo. Jiraiya teve a experiência de te-lo e o que lhe aconteceu não foi algo nada bonito. Essa semana no hospital foi um inferno com ele dando em cima de todas as enfermeiras.

- Agora sente seu traseiro de volta na cama e ouca bem. - Sasuke relutantemente deixou que suas pernas o levassem de volta a cama.

- Ótimo. Agora você deve ser capaz de andar e se locomover em cerca de três dias, mas seus movimentos não serão perfeitos. - Tsunade foi até o rapaz e verificou seu estado de saúde.

Observou como o rosto masculino começou a relaxar um pouco. - Você teve alguns ferimentos muito feios. Poderia ter morrido tão facilmente. - Tsunade deu uma risada.


Sakura observava Sasuke sendo curado por sua Shishou.

Ela não podia evitar em pensar o que teria acontecido. Talvez ele deveria ter ... não. Ela não podia pensar nisso. Ainda estava com raiva dele, mas ainda assim...

- E não é como se você não fosse querido aqui. Muitas pessoas provavelmente não te aceitarão no início, mas tudo vai voltar ao normal com o tempo. Será como se nunca tivesse partido. - Sakura duvidava disso. - Se ninguém te quisesse ... por que seus companheiros de equipe se esforçariam tanto para traze-lo de volta?

A médica de cabelos rosados deu um pequeno sorriso.

Tsunade era como uma leitor de mentes.

Passando a mão pelo cabelo, deu um bocejo enquanto a loira terminava de cura-lo.

- Sakura. Vá pra casa dormir um pouco.

- O que? Mas eu estou encarregada de monitora-lo! - a garota disse, confusa. Tsunade franziu a testa. Sua pupila precisava dormir.

- Você trabalhou tão duro ultimamente aqui no hospital e precisa de descanso. Quero que va pra casa dormir. Tenho certeza que não vai ter noites sem dormir agora que alguns problemas lhe aliviaram a mente. - disse, insinuando claramente o "Caso Sasuke". Mas ele sequer notou tal.

- Ok. Tudo bem. - Sakura cedeu e deu outro bocejo. - Te vejo amanhã.

- Não. Eu não quero te ver por três dias.

E fitando mais uma vez o ex-companheiro de equipe, Sakura então desviou o olhar para Tsunade. Uma vez que a loira acenou com a cabeça, a kunoichi caminhou lentamente para fora do quarto, sabendo perfeitamente que não iria dormir esta noite.


XxX


Três dias se passaram e Sakura estava ansiosa para voltar para o hospital.

Tsunade teria chutado-na para fora se fosse vista por lá antes desse prazo.

Ela ja estava do lado de fora do prédio quando seu nome foi chamado. - Oh! Sakura, graças a Kami te encontrei!

Mais uma vez Shizune sorriu calorosamente. - Tsunade-sama quer vê-la em seu escritório.

- Você sabe por que? - perguntou. E Shizune balançou a cabeça.

- Eu não sei todos os detalhes, mas acho que tem algo a ver com Sasuke.

- Obrigada, Shizune-san, - Agradeceu e saiu correndo para a torre Hokage.


XxX


Toc toc

Toc toc

- Tsunade-sama?

- Sakura, entre, - a voz da hokage soou. Sakura abriu a porta e fitou ao redor.

A Hokage esperou pacientemente Sakura aproximar-se de sua mesa. Havia uma coisa tambem... um Uchiha largado em uma cadeira em frente a mesa, com aquela cara que dizia claramente que preferiria estar em qualquer lugar, menos ali.

Tomando o outro assento, Sakura olhou ao redor, à espera de Tsunade falar.

- Sakura, encontrei uma punição para o nosso "fujao" - zombou, recebendo uma carranca de Sasuke. - E ele ja foi informado de tal.

Sakura assentiu. - E eu tenho uma parte nisso, como? - perguntou, sequer imaginado aonde isso a levaria.

Tsunade parecia pensativa no momento, estudando a ambos. - Se isso funcionar, você será uma parte muito importante aqui. Perceba, Sasuke aqui entrara, obviamente, em liberdade condicional. Nenhuma missao até segunda ordem. Não só isso, ele tambem será colocado sob prisão domiciliar, até segunda ordem. E só pode deixar a casa com a minha permissão e somente com um ANBU ou um jounin a tiracolo.


Sakura assentiu e esperou o que mais ela tinha para dizer, imaginando onde tomaria parte nisso tudo. Deveria ser sua acompanhante? Eh. Não é um trabalho pelo qual ansiava. Andar por aí com Sasuke por qualquer motivo. Não que não quisesse estar perto dele, mas sabia que levaria tempo para se ajustar a sua presença.

Mesmo depois de tanto tempo querendo-o de volta, gostava da sensação de te-lo por perto, mas sua raiva fazia querer afasta-lo.

- Já que está em prisão domiciliar e desde que eu não confio nele, é preciso dar-lhe um lugar para ficar antes que eu possa permitir que ele fique sozinho. E eu quero que ele fique com alguém que nao lhe seja estranho. Alguém de sua antiga equipe seria perfeito.

Olhos de jade arregalaram quando percebeu sua tarefa. - Tsunade-sama, não! Ele não pode ficar com ... com Naruto ou Kakashi? - perguntou freneticamente. Não! Ele não podia ficar com ela!

- Bem, Sakura, realmente não posso confiar nele na casa de Naruto. O garoto mal pode cuidar de si mesmo e comprar comida adequadamente. Como poderia sobreviver se não pode sair para comer alguma coisa que realmente alimente?

- Tudo bem. Mas ... e quanto a Kakashi!?

Tsunade balançou a cabeça. - Você sabe que ele divide o apartamento com Genma, não haveria espaço suficiente para três pessoas.

- Compre uma casa maior! Dois jounin cuidando dele é melhor que uma garotinha indefesa! - Sakura sabia que estava perdendo a batalha.

- Sinto muito, Sakura. Não vou comprar uma casa maior, não tenho dinheiro pra isso, eles não têm dinheiro pra isso, e eu não preciso de toda a Vila me inquirindo sobre como lido com as despesas publicas. Além disso, assim seria mais benéfico pra ele, ficar na casa de um ninja médico. Ele tem se curado bem, mas um médico por perto seria reconfortante.

- Mas, Tsunade-sama! - lamentou. - Eu geralmente estou no hospital, de modo que iria vê-lo... enquanto estou no trabalho?

- Um ANBU ou um jounin ira te ajudar. Ele vai ser chamado para interrogatório muito em breve também, por isso não há muito com o que se preocupar. - Sakura grunhiu. E ficou surpresa que Sasuke não o tivesse feito.


Fitou o rapaz estóico, que enviava uma carranca mortal para uma pilha de livros no chão do escritorio de Tsunade.

- Você não tem nada a dizer? - gritou com ele. Seu olhar negro se voltou para ela.

- Não é como se eu tivesse muita escolha, - resmungou, com calma. Mesmo que tivesse que ficar na Vila, teria gostado mais se pudesse voltar para o complexo Uchiha e permanecer lá. Mas ficou preso com uma garota que provavelmente ainda estava irada consigo e tão irritante, e fresca, e fraca, e ... tão parecida com a Sakura da qual se lembrava.

- Por favor. Não podemos simplesmente ...?

- Sakura, não. Eu sei que você não gosta disso e sinto muito, mas tenho que fazer isso, é minha única escolha. Se tivesse outra opção, ja a teria escolhido.

- Então, por que não começar com Ino ou alguém que se sinta mais confortável com a tarefa? - perguntou.

- Você sabe que Ino mora com Shikamaru. Não. Você é minha única escolha. Sinto muito.


Franzindo a testa, Sakura levantou abruptamente e saiu do escritório, fechando a porta (bem forte) atras de si.

Suspirando, Tsunade esfregou a ponta do nariz e fechou os olhos.

- É melhor você ir atrás dela, se não quiser viver na rua. - disse a loira.

E ouviu um suspiro irritado e os passos que o levaram à porta.

- Sinto muito, Sakura. Eu sei que isso te machuca, mas preciso de você nessa tarefa. É para o seu próprio bem também.

. . continua . .


N/T:

Hmmmmm, comlexo hein.

Sakura esta tendo dificuldades em lidar com o "assunto Uchiha"...

Morando na mesma casa entao, ai ai - risos.

.

Entao, meninas, gostaram?

Essa fic estava na lista de "A confirmar" desse mes.

Consegui terminar a tempo pra gente conferir mais um cpt ;D

.

Para ultimas atts desse mes, vide perfil da Hime ;D

.

Bjitos,

deixem aqueles comments bonitoes ;D

Hime.


Ps:

* Irei add, aos pouquinhos, as capas de algumas fanfics la no Facebook :)

** Tambem alguns detalhes sobre atts.

*** E provavelmente a agenda de posts de abril :)