Painsaku em 5 shots.

Classificação etária geral: M

(mas as duas primeiras partes são T-rated)

Romance/Drama/outros

Fandom: Naruto

Shipper: Pain&Saku

Disclaimer: Naruto não me pertence.

Autora: Korinara (neh, fallacy-chan, I'm just having soooo much fun translating your work =)

Do Original de mesmo título

Sinopse: Pain e Sakura. Porque... Bem, será que você não percebe? Ele não é um vilão. Apenas um anti-herói.

N/T: Essa fic foi escrita em 2007. Todas as infos que a autora pode recolher do manga/anime são referentes a esse período.


Such a Charming Veneer

Uma fachada Interessante*


# 01 - Caminhar

Ele era como uma caixa de equipamentos com todos aqueles anéis e pircings estúpidos por todo o rosto. Sakura observava o Líder Akatsuki ser escoltado ao Distrito Penitenciário de Segurança Máxima, um oficial ANBU a tiracolo envolvendo-lhe cada um dos braços, assim como vários outros que o rodiavam. Mas quando ele nem sequer fitava para qualquer lado que fosse, apenas diretamente para frente e para o caminho para o qual o carregavam, seus olhos sequer piscavam, Sakura notou que os piercings que atravessam a ponta de seu nariz poderiam ser até levemente ... cativantes.

# 02 - Valsa

Ele tinha um jeito só dele de caminhar – com um toque de graça em cada passo que de algum modo parecia muito masculino e o balanço de seus braços, o movimento casual de seu peito, algo que dispertou em Sakura uma certa curiosidade por horas e horas e horas ao observá-lo por atrás de um desses espelhos do qual a pessoa de fora não consegue mirar o que ou quem está do outro lado. Ela o obvervava porque aquele caminhar era quase como se ele estivesse dançando, e pouco depois de observar um pouco mais, Shikamaru se aproximou de si, dando-lhe um olhar preguiçoso e soltando um comentário mais preguiçoso ainda. - Sabe, ele não costumava fazer isso até notar que você o estava observando.

# 03 - Desejos

De todos os desejos que Sakura poderia ter escolhido até o momento, não foi o mais óbvio de todos — que Sasuke retornasse e ele, Naruto, e ela viveriam felizes para sempre, não, em vez disso, escolheu aquele que a tornava um pouco egoísta, mas que se dane, se alguém merecia ser egoísta, esse alguém era Sakura. —Estrela, estrela brilhante, a primeira estrela que vejo esta noite, por favor conceda o desejo que te peço esta noite. Por favor, faça o Líder-sama parar de me dar esses olhares realmente sexy, porque ele é meu paciente e meu inimigo e Ibiki me mataria se me visse corarando para aquele cretino.

# 04 - Imaginar

Ela realmente tinha que imaginar às vezes se esses mesmos olhares realmente tinham a intenção de lhe afetar e em caso afirmativo, se era de forma negativa ou positiva; um dia ele voltaria de sua seção de interrogatório todo espancado-sangrando-ferido - e iria olhar para ela novamente, de forma estranha, calculada, sem passar qualquer emoção, até que ela tivesse de desviar o olhar para longe e no dia seguinte ele iria olhar para ela com tanta raiva que ela poderia jurar que conseguira sentir o gosto de tal.

# 05 - Preocupação

—Não se preocupe. — murmurou baixinho, um pequeno sorriso pairando nos lábios ao tomar a mão dele e começar a curar-lhe uma de suas feridas. — Ibiki não vai te matar se você soltar alguma informação, ok?— antes que terminasse e pasasse levemente as pontas dos dedos sobre as feridas recém-curadas, que deixaram cicatrizes mínimas, ele virava a cabeça e lhe mostrara uma expressão que lhe dizia zombar do que ela acabara de dizer-lhe, mas Sakura não deixou de notar o jeito como ele mordeu o lábio inferior, tentando segurar-se para não deixar aparecer o blush que já queria fazer caminho até seu rosto— e Sakura pensou que era bom ter um paciente que não era um cretino sem emoção de vez em quando.

# 06 - Lunático

Ele era um lunático quando queria ser, especialmente quando não percebia que ela o estava observando através das câmeras de segurança quando os guardas o levavam para o quarto; ele suspirava profundamente, levantava as mãos ao ar, e simplesmente jogava-se em seu beliche e citaria uma passagem literária aleatória, somente para passar o tempo; Sakura particularmente gostava quando ele assumia diferentes sotaques para interpretar as diferentes peças teatrais e monólogos, porque isso mostrava o quão pouco toda essa "tortura" havia afetado sua persona real.

# 07 - Lixo / Wasteland

Ela não conversava com ele com frequencia, mas quando o fazia, ele sempre a oferecia uma conversa envolvente, falando sobre as terras que tinha visitado em suas viagens, quão ruim era a vida das pessoas dos países mais pobres e menores, quão distorcidas eram muitas das ideias e concepções de Konoha e quão equívocadas e fantásticas poderiam ser as coisas inventadas por mentes obcecadas com ordem e a capacidade de cegar os outros; é claro que Sakura não concordou com a maior parte do que ele lhe dissera, mas, de todo modo, ouviu atentamente, balançando a cabeça aqui, debatendo de lá, e ele nunca chegou a ficar com raiva de tal, apenas ... pensativo e frustrado.

# 08 - Wísque e Rum

Ela queria saber mais sobre este Líder-sama— ele era tão intrigante— então, saiu para almoçar com Ibiki, e depois de um uísque e dois tecos de rum, trocar idéias sobre seu interrogatório e como as coisas iam até agora, foi algo mais fácil. Ibiki comentou que, se Pain fosse apenas levemente cooperativo, poderia ser considerado como preso de segurança média daqui um tempo; Sakura decidiu não contar tal informação a seu mais novo paciente ainda, porque ela queria que ele visse o final da estrada pela qual seria levado por seu bom comportamento.

# 09 - Guerra

Houve uma guerra interessante de emoções que passou pelo rosto dele quando ela lhe sorriu, cumprimentando-o com um alegre "Olá, Pein!" na manhã seguinte; examinou-o, certificando-se de que seu chakra ainda estava drenado e que ele não tinha jutsus secretos ou qualquer outra coisa escondida nas mangas.

# 10 - Casamentos

—Então, você já foi casado?— Perguntou através do viva-voz do comunicador, já era tarde da noite e isso foi provavelmente cerca de uma semana depois; ele balançou a cabeça num não após dar uma mordida em seu sanduiche de manteiga de amendoim e geléia; lentamente terminou seu lanche antes de fitar logo acima de si, no teto, local onde ela se sentara numa plataforma suspensa e respondeu:

—Eu nunca tive tempo para contemplar a idéia.


N/T:

PainSaku nunca havia passado pela minha mente. Então veio a fallacy e escreveu Veneer. Eu me encantei. Mesmo.

Espero que vcs curtam tmb ;D

* Tradução Livre

(Beeem livre)


Como disse:

São 5 shots curtinhos em 50 "montinhos" de história.

Pra quem gosta de "casais alternativos" vale super a pena. Pra quem gosta de apenas um bom texto pra se ler, também. =D