Mulheres de Verdade Têm Curvas

Autora: Truefan20

Tradutora: Ingrid Andrad, Jacqueliny de Melo, Lary Reeden, MiliYLJJ, Solfiane

Inicialmente traduzido por Robcecada.


Esta fanfic pertence a TrueFan20e os personagens sãodeStephenie Meyer.A mimLary Reedensó cabe a tradução para o português.


Capítulo 1: Chegada

Tradutora - Robcecada

B POV

A chuva caía na janela, cobrindo as formas de árvores, pessoas e edifícios que estavam do lado de fora. Tudo se parecia com um sufocante borrão verde.

Então de novo, assim é como eu sempre me lembrei desta parte deslocada do país. Verde, sufocante e nebulosa. Minhas memórias do meu pai consistiam nele me levando em acampamentos molhados e viagens de pesca.

A pior parte sobre Forks era a pequena biblioteca abastecida com nenhum livro, obrigando-me a amontoar a minha enorme mochila com tantos livros quanto eu pudesse carregar, e só então arrumar espaço para algumas roupas.

É claro que todas as minhas roupas eram tamanho GG, as blusas eram de manga comprida ½, calças tinham que passar do meu joelho e eu tinha pelo menos meia dúzia de pares de calças de moletom. Qualquer coisa para cobrir o corpo que eu tinha tanta vergonha de mostrar.

Essa era a pior parte de viver em Phoenix. Ver todas as garotas vestindo blusas de alcinhas, biquínis e shorts curtos que eu nunca poderia ou iria ser pega dentro. Eu nunca me encaixei, simplesmente por causa desse fato. Eu sempre estava invisível, exceto quando alguém estava gritando algo como "Ei, bunda gorda! Saia! Você está bloqueando a vista!"

Eu aprendi a me sentar nos fundos, a não chamar atenção para mim mesma e a manter minha cabeça em um livro. Nesse ponto, eu provavelmente sou uma melhor leitora do que a maioria dos professores de inglês.

Eu nem preciso dizer que eu nunca tive distrações para os meus estudos, e quando eu digo distrações, eu quero dizer namorados, noites de garotas, atividades escolares e eventos sociais de qualquer tipo.

Minha mãe sempre tentou me dizer que eu sou linda do jeito que eu sou, que um dia algum garoto iria me enxergar por quem eu realmente era, que o meu peso não importava, que isso era apenas um número. Algo sentimental e menos sincero do que uma prostituta dizendo ao seu cliente que ele a deu o melhor sexo que ela já teve.

Eu não sou uma completa idiota. Eu sou gorda, eu sei disso. Nesse ponto, embora eu já tenha tentado de tudo para perder peso, isso nunca funciona comigo. Dietas, já fiz todas elas. Pílulas, tive mais do que Robert Downley Jr. (pré-desintoxicação). Exercícios funcionavam por uma semana, depois, nada. Isso tudo simplesmente não funciona e não importa o quão saudável eu coma, eu nunca perco peso.

Algumas pessoas dizem que é porque eu sou muito preguiçosa, mas a maioria diz que é porque eu estou acostumada a ser desta maneira e que, mudando, eu só iria estar arruinando o que eu tenho sido, que é ser uma leitora ávida invisível, coisa que combina comigo. Por agora, vou apenas continuar desse jeito.

"Hey, Bells. Estamos aqui." Charlie me tira do meu estado hipnótico. "Eu tenho algo para você, como um presente de boas-vindas, eu acho."

Ele me leva para a lateral da nossa casa, onde está a coisa mais terrivelmente espetacular que eu já vi.

Ter 17 anos e morar com Renée não era viver no luxo. Com todas as multas de excesso de velocidade e acidentes de carro que ela teria mensalmente, manter minha segurança e conseguir um carro pra mim nunca foi realmente uma opção, já que minha mãe quase não fazia o suficiente por mês para manter o dela. Bem, isso foi até ela encontrar Phil, mas aí é outra história.

Então, ver o monstro vermelho da caminhonete parado lá, piscando pra mim com a liberdade que todo jovem de 17 anos anseia por ter foi uma grande surpresa. Eu aceitei a caminhonete com tanta graça quanto um bebê passarinho tomando o vôo pela primeira vez poderia ter. Eu sou terrível aceitando presentes, especialmente se eu não tenho nada para dar em retorno.

"Sem problemas, Bells." Charlie grunhiu, "Apenas queria ter a certeza de que você tinha algo com que ir e voltar da escola."

"Obrigada," murmurei.

Tomamos nosso caminho de volta para a viatura para pegar minha mochila e bagagens de mão. Nós rapidamente deixamos tudo no meu quarto sem outra palavra ser dita.

"Bem..." Charlie soprou seu fôlego em curtos ritmos, então se virou e saiu sem dizer outra palavra. Eu amava esse homem de poucas palavras.

Eu sacudi a chuva do meu casaco, o pendurei na parte de trás da porta e continuei a desempacotar meus livros e as poucas peças de roupa de minha posse. Uma vez que eu tinha acabado, eu olhei ao redor do cômodo notando que as paredes ainda eram do triste tom de amarelo que eu me lembrava, a cama estava no mesmo exato lugar que ela sempre esteve, a estante, embora que agora sobrecarregada de livros, ainda tinha a sua falta de integridade estrutural e a escrivaninha que mantinha o idoso parecido com um computador estava mais empoeirada do que eu lembrava, mas ainda parecia web-digna.

Olhei para o relógio, 3:45. Tempo o bastante para que eu terminasse mais um par de capítulos no atual livro que eu estava lendo e então começar o jantar. Como uma garota que tinha uma relação de amor/ódio com a comida, fazia sentido que eu soubesse cozinhar.

Enquanto eu entrava no mundo de pessoas e lugares fictícios do meu livro, a chuva realmente caiu, me fazendo olhar para fora pela janela e rolar os meus olhos. Ah, Forks, você não mudou nada. E eu também não.


N/A - Esta história é um pouco diferente do que a maioria das histórias que eu li. Eu queria escrever algo que os fãs realmente não tinha tocado. Peso, assédio moral e auto-estima são coisas que têm afetado a mim, pessoalmente, e eu estou aqui para ajudar a espalhar a mensagem e tem meninas e mulheres que vão entender as repercurssões destas questões. Se você gostar dela, eu vou me sentir lisonjeada. Se você odiar, então desculpe, vá procurar outra fic.

TrueFan20

N.T- A fic foi inicialmente traduzida pela Robcecada, mas ela não posta desde dezembro de 2011 e após conversar com a autora ela me repassou a autorização. Como já deu pra perceber a fic fala sobre bullying e tenho certeza que muitos que vão ler, já passaram por algum tipo de transtorno. Espero que gostem, é uma fic bem longa... comentem, pois isso é o meu combustível para continuar.

Lary Reeden