PRÓLOGO

Era apenas mais um dia na movimentada cidade de Prontera. Os comerciantes de todo o Reino de Rune-Midgard bombardeavam os visitantes com ofertas e promoções. Os bares estavam cheios, as ruas muitíssimo movimentadas. Pessoas, de todos os lugares, circulavam pela cidade e, em apenas um lugar, havia certa quietude. A igreja.

A rotina seguia uma rotina que praticamente não mudava. Muitos noviços, sacerdotes e sumos-sacerdotes entravam e saiam da construção buscando conselhos dos bispos mais experientes ou apenas para rever velhos amigos. Várias outras pessoas também passavam: cavaleiros, buscando um momento de paz após uma difícil batalha. Sábios, buscando aprender cada vez mais sobre qualquer coisa que conseguissem. Até mesmo mercenários e algozes passavam pelo local, buscando o perdão pelos assassinatos cometidos. Os membros do clero ficavam sempre à disposição para aconselhar os viajantes e atender às deliberações dos membros da guilda local.

Porém, naquele dia, essa rotina foi quebrada por alguns momentos. A igreja estava em profundo silêncio quando a irmã Matilda, uma mulher que residia na cidade de Morroc, entrou, com um bebê no colo, chorando. Um bispo veio rapidamente em sua direção.

— Este é Ressei. Os pais dele morreram na grande batalha contra Satan Morroc há pouco mais de uma semana. Eles me fizeram jurar que seu filho chegaria até aqui em segurança caso o pior acontecesse a eles.

— E quem são os pais dele? — perguntou o bispo, olhando para o garoto. Não devia ter nem um ano completo ainda. Tinha olhos negros e cabelos no mesmo tom escuro. Usava um pequeno manto preto. A irmã Matilda sussurrou dois nomes ao ouvido do bispo, que colocou a mão na boca para segurar um gemido.

— É uma grande perda. Nós acharemos um lar para essa criança. Acompanharei o seu crescimento pessoalmente.

Agradecida, a irmã Matilda partiu de volta para o deserto de Sograt. Ao sair da igreja, ela sorriu: sabia que veria aquela criança mais uma vez em alguns anos.