Sailor Moon não me pertence.


N/A: Olá! Demorei um pouquinho, mas aqui estou eu de volta com mais um capítulo! Só queria deixar aqui meus agradecimentos às leitoras que comentaram essa história! Muito obrigada, meninas!

No mais, desejo a todos uma boa leitura!

Laarc!

O príncipe e a princesa

Capítulo 4

Seu corpo, de repente, perdeu as forças, uma dor violenta sendo sentida na sua cabeça e o deixando fraco instantaneamente. Suando frio, buscou apoio na parede mais próxima, pernas fracas cambaleando pelo beco, olhos desfocados pela súbita e intensa dor. Respirando fundo, levou uma mão ao peito, piscando inúmeras vezes até sua visão clarear.

Ele já tinha sentido aquela dor antes e, por já tê-la sentido antes, sabia com exatidão o que ela significava.

Aquela dor era um indício de que Sailor Moon estava em perigo, ou melhor, de que Serena estava em perigo.

Recuperando-se o mais rápido que pôde, virou a esquina e se pôs a correr. Claro que ele não fazia a menor ideia de onde ela poderia estar e, por isso mesmo, deixou-se ser guiado por seus instintos, seus pés se movendo quase que por vontade própria enquanto que a sua mente se concentrava apenas na moça de compridos cabelos dourados, dentes rangendo só por cogitar a possibilidade dela estar ferida.

E ele correu e correu, tão preocupado com a segurança da jovem heroína que nem notou quando a sua própria transformação teve início, sua roupa de frio sendo trocada magicamente pelo famoso terno escuro de Tuxedo Mask, seus belos olhos azuis, agora, escondidos atrás da enigmática máscara branca.

E continuou correndo... até que a viu.

Freou e, por um instante, ficou parado, imóvel, apenas analisando a situação. Sailor Moon, até onde conseguia deduzir, tinha acabado de ser golpeada pelo inimigo, uma criatura que era metade humano e metade aranha, a julgar pelas oito patas peludas que a sustentavam. A guerreira loira, caída no chão, ofegante, esforçava-se para levantar e voltar a enfrentar o enviado do Negaverso, mas, por algum motivo, ela não conseguia se pôr de pé.

"Sailor Moon!" Gritou assim que notou que o inimigo avançava em direção à jovem, aproveitando-se do estado indefeso dela. E, superando a inércia, forçou seu corpo a se mover, uma rosa vermelha se materializando em sua mão enluvada. Com rapidez, lançou a flor contra o monstro, impedindo-o de atacar Sailor Moon e conseguindo tempo suficiente para se aproximar da heroína e ajudá-la a se recuperar.

"Você está bem?" Perguntou, preocupado, erguendo-a do chão e segurando-a com firmeza em seus braços.

"Tuxedo Mask...?" A guerreira olhou surpresa para o seu salvador, seu coração palpitando alucinadamente ao se perceber abraçada por ele. "Eu... e-eu..." E ela engoliu em seco, sua boca abrindo e fechando dezenas de vezes.

Palavras morrendo em sua garganta milhares de vezes.

Ela não conseguia dizer nada.

"Você está ferida?" Ele tornou a perguntar, o silêncio dela o deixando cada vez mais aflito.

"Eu... eu estou be-"

"GYYYYAAAAHHHHHHH!" Um grito estridente e pavoroso chamou a atenção dos dois heróis, que se desprenderam do abraço e voltaram a encarar o furioso monstro.

Assumindo uma posição de luta, Tuxedo Mask materializou mais e mais rosas, lançando-as sem parar contra o inimigo, ao passo que Sailor Moon se preparou para atacar com o cetro lunar, concentrando todo o seu poder e atingindo o monstro com um raio de energia fulminante, pulverizando-o em segundos.

"Nós conseguimos!" Exclamou contente a loirinha, pegando o cristal colorido que surgiu no lugar onde o monstro tinha sido pulverizado. "Nós vencemos!"

"Sim, nós vencemos." Ele sorriu e se aproximou dela devagar, incerto do que ela faria dali para frente.

Temendo que ela fugisse dele... mais uma vez.

"Tem certeza de que não está ferida? Me pareceu que você tinha levado um golpe bem forte naquela hora!"

"Não, eu... err... eu estou bem! De verdade!" Apertando o cristal com força, virou seu rosto, evitando olhar para ele. "Obrigada pela ajuda, Tuxedo Mask... mas agora a batalha já terminou e-"

"O que está acontecendo, Serena?" Ele a cortou sem cerimônias, cansado do comportamento evasivo dela. Ele queria respostas. E as queria agora.

"Não entendi. O que quer dizer?"

"Você sabe do que eu estou falando."

A seriedade na voz dele a assustou um pouco, e ela deu um passo para trás ao notar que ele tentava se aproximar.

Ela não o queria por perto.

Não, não podia tê-lo por perto. A tentação quando ele estava ao seu lado era algo...

...imensurável.

"Você está me evitando. Está fugindo de mim."

"E você está imaginando coisas." Não, ele não estava e ela sabia muito bem disso. Mas, mesmo assim, continuou com a sua pequena encenação, olhos azuis atentos ao menor movimento do rapaz.

"Você mente muito mal, sabia?"

"Não estou mentindo! Não sou uma mentirosa!" Ela retrucou na hora, sobrancelhas franzidas. Se tinha algo que a jovem não gostava era de ser chamada de mentirosa.

Ele deu mais um passo em direção a ela e sorriu quando ela deu um passo para trás, recuando, apenas para que batesse as costas no tronco de uma árvore.

Agora, ela estava encurralada.

"Não foi isso o que eu disse. Não ponha palavras na minha boca, Serena."

A loira arregalou os olhos ao perceber que não tinha mais para onde fugir, afinal, estava presa entre ele e uma árvore – uma árvore que, por sinal, ela não fazia ideia de onde tinha surgido. "O que você quer, Darien?" Perguntou, por fim, derrotada, virando o rosto e deixando um suspiro cansado escapar.

"Você está fazendo isso de novo!"

"O quê? O que eu estou fazendo agora, hein?"

"Me evitando!"

"Te evitando? Como eu estou te evitando? Eu estou bem na sua frente!"

O rapaz deu uns passos para trás, frustrado. "Você pode estar bem na minha frente, mas está sempre evitando os meus olhos, o meu rosto, evitando a minha presença! E eu não consigo entender... eu não... eu não me recordo de ter dado algum motivo para você me tratar assim tão de repente!" Cansado, ele tirou a máscara e esfregou os olhos. "O que eu fiz de errado? É isso o que eu quero saber, Serena. Eu só quero... uma chance de poder me redimir. Eu só quero saber o que eu fiz de errado e... e eu quero ter uma chance de reparar o erro."

A expressão no rosto dele era terrível de se ver, e ela sentiu seu coração pesar de culpa. Sim, ela o estava evitando, e sim, ela precisava evitá-lo a todo custo, mas nunca chegou a pensar que isso fosse fazer tanto mal a ele. Nunca chegou a pensar que ele fosse se importar dessa forma, muito menos que ele fosse se... machucar tanto assim, e por causa dela!

"Darie-"

"SAILOR MOON!"

O coro de gritos chamou a atenção dos dois, e eles logo viram quatro sailors se aproximando.

"Salva pelo gongo, não é mesmo, Sailor Moon?" Ele colocou sua máscara de volta e tentou sorrir, mas falhou miseravelmente. "Algo me diz que você não contou a elas sobre aquela nossa conversa, não é mesmo? Elas ainda... acreditam que eu sou o inimigo?"

"Sinto muito, Darien."

"Entendo." A resposta dele foi séria e grave. "E algo também me diz que vou continuar sem a minha resposta."

Ela olhou apressada para trás, preocupada que as meninas estavam chegando cada vez mais perto. "Não. Você não vai!" Ele a encarou, surpreso, e ela prosseguiu com a fala. "Se você quer saber, você não fez nada de errado."

"Então, por qu-"

Ela ergueu a mão, um pedido silencioso para que ele se calasse.

E ele se calou.

"A única pessoa que errou aqui foi... fui eu." Ela viu a dúvida surgir no rosto dele e continuou. "Eu errei porque eu... eu me apaixonei por você, Darien, mesmo sabendo que você já pertencia a uma outra pessoa. Uma pessoa que é ninguém mais do que a princesa pela qual eu estou procurando. A princesa a quem devo proteger com a minha vida!"

E assim, sem mais nem menos, ela lhe deu as costas e correu em direção às outras guerreiras, e ele ficou ali, paralisado, tentando compreender as palavras dela. E quando as compreendeu, quando finalmente despertou do seu breve estado de estupor, percebeu já ser tarde demais. Ela já tinha ido embora... e pior, foi embora sem ao menos dar ao rapaz a chance de dizer que ele também tinha se apaixonado por ela e que, para ele, só existia uma princesa em sua vida.

Uma princesa chamada Serena Tsukino.

E ninguém mais além dela.