Meu coração batia acelerado; minhas mãos inquietas percorriam cada espaço ainda não explorado no corpo de Erin. Os dedos dela subiam por toda a extensão das minhas costas, descendo novamente pela espinha, moldando os seios e quadris ao meu corpo me fazendo tremer. O que eu sentia naquele momento era muito além de apenas excitação.

Ela se fundiu ao meu corpo, e lentamente as minhas mãos se moveram da cintura para os quadris dela, puxando firme contra meu corpo. Ela suspirou e agarrou-me mais forte. Minha boca deixou a dela, e quase que automaticamente tracei um a trilha de beijos por todo seu pescoço, garganta, e que continuava a descer. Carinhosamente, beijei entre os seios, e como resposta, ela deslizou suas mãos sobre meu cabelo. Assim, pude sentir as batidas fortes e ritmadas do coração dela, que provavelmente estaria tão rápido quanto o meu.

Retornei a boca dela novamente, beijando-a enquanto minhas mãos pressionavam suas coxas contra mim, mantendo-a perto.

– minha vez. – Erin sussurrou em meu ouvido, maliciosamente.

Ela se livrou dos meus braços, sentou-se sob mim e deslizou suas duas mãos por todo meu abdômen. Ela mordia o lábio inferior enquanto me olhava, como se tivesse se decidindo do que fazer primeiro. Ela foi em direção ao meu pescoço, e deu uma mordida intensa o suficiente para deixar alguma marca. Uma mistura de dor e prazer percorreu todo o meu corpo, deixando escapar um rouco gemido entre os dentes; fazendo Erin rir timidamente. Ela sempre sabia o jeito certo de me provocar. Rapidamente, rertonei para cima dela segurando- a pelo pulso, deixando Erin sem saída.

– Não sabe com quem está brincando Sanders... – disse, fitando-a fixamente.

– Quem aqui falou em brincadeiras, Logan? – ela questionou, franzindo a testa. – Tem certeza que quer continuar com tudo isso?

– Nunca estive tão certo em toda minha vida. –respondi decidido.

Com as mãos ela traçou o contorno dos meus braços e nas costas, fazendo movimentos circulares com as unhas. Eu a apertei contra mim com urgência, e quando minhas mãos deslizaram até seu "ponto exato", ela gemeu entreabrindo as pernas liberando espaço. Tornei a penetra - lá, desta vez mais profundamente. Depois, com um ritmo ligeiramente lento, comecei movimentos de vai-e-vem.

– Logan... – Ela ronronava, cravando as unhas em minhas costas, à medida que o movimento acelerava.

Eu respondia na mesma medida, alternando os movimentos. Nos nós beijávamos repetidamente, e Erin mordiscava meu lábio inferior, enquanto ela fazia pressão contra meu quadril. Atingimos o clímax depois de algum tempo e logo já estávamos se buscando novamente. Só depois de algumas horas paramos completamente satisfeitos. Com a respiração pesada, os corpos exautos e suados começaram a esfriar. Ela se aninhou em meus braços, e ficamos assim, juntos no escuro, trocando caricias, as respirações se misturando e os dedos entrelaçados.

– Já é muito tarde. – Eu disse. – Quer que eu vá embora?

A mão dela deslizou sobre meu peitoral, como se estivesse me prendendo ali.

– Eu quero que você fique... Se quiser claro.

– Seu desejo é uma ordem. – disse, rindo.

Então ficamos ali em silêncio, não era preciso dizer nada; O momento já falava por si só. Então Erin encostou a cabeça em meu ombro e logo depois, adormecemos juntos.