Ato 1

Concentrava-se nos papéis que segurava, soltou a respiração de uma vez.

- Minha rainha. – A voz baixa e cheia de respeito. – Ainda acordada?

Virou-se retirando os óculos de leitura com um pequeno sorriso, ainda usava o vestido da noite era de um vermelho puxado para o carmim com algumas aplicações e rendas um pouco mais escuras que o tecido. Os cabelos escuros já desfeitos do penteado pomposo que Elegante havia feito. Os olhos leves e brilhantes sorriram juntos com os lábios deixando as pérolas brancas amostra.

- Capitã Mason. – Curvou a cabeça cordialmente. – Veio conferir o estado de sua rainha?

- Eu sempre venho ver como você está. – Se aproximou calmamente. – E geralmente eu tenho que cobrir a minha rainha que se mexe mais do que uma criança pequena.

A rainha sorriu, observou a mulher que permanecia parada no meio do quarto. Estava vestida de maneira simples e confortável, a calça preta apertada nos lugares certos era reta, o sobretudo preto com o colarinho alto no pescoço escondia a blusa branca com a gola em V.

- Ouvi uma conversa entre a sua mãe e o senhor Elegante. – Mason cruzou os braços nas costas, fechando uma mão sobre o pulso.

- Mesmo? – A rainha havia recolocado os óculos e voltado sua atenção para os papéis.

- É sobre uma proposta de casamento que você recebeu. – Tornou a andar na direção dela. – Algum príncipe filhinho de papai, não me preocupei em gravar o nome.

- Sério? Carter, não temos mais 15 anos. – Rolou os olhos com um pequeno sorriso. – Pare com os apelidos.

Carter deu de ombros, olhou para a janela por onde o vento entrava sacudindo as cortinas de seda.

- Achei que você fosse esperar…

- O príncipe encantado? – Soltou uma risadinha. – Carter não era você que zombava das princesas de contos de fadas?

- Rosie…

- Carter. – A interrompeu de novo em tom severo. – Hoje eu fiz 25 anos, tenho que me casar e gerar um herdeiro.

- Então é por isso que você vai casar com o filhinho da mamãe?

- Eu tenho um dever e o nome dele é Fernando. – Levantou o rosto, Carter estava parada ao seu lado com os braços para trás. – E eu ainda estou considerando a proposta.

- Hn…

- Agora eu também ouvi algumas coisas sobre você hoje. – Rosie pousou os papéis sobre a mesa junto com os óculos. – Me ajuda com o vestido?

Carter levantou a mão e deslizou o fecho que tinha nas costas.

- Sobre?

- Minhas damas de companhia. – Deu de ombros, deslizou o vestido pelo corpo o deixando no chão, usava a lingerie da cor do vestido. – Elas te acham sexy.

- Mesmo?

- E ao que parece algumas já experimentaram a doce Carter Mason. – Se perdeu no closet.

Carter suspirou correndo a mão pelos cabelos, o vento gelado veio acompanhado por algumas gotas de chuva. Foi até a janela a fechando cuidadosamente.

- Então é verdade? – A voz de Rosie encheu o quarto.

Carter se virou para ela e sentiu a respiração engatar na garganta. Rosie usava um conjunto de shorts e uma blusa ambos feitos em seda cor de rosa e ligeiramente curtos.

- O que? – Engoliu em seco.

- Você realmente ficou com todas elas? – Arqueou uma sobrancelha indo até a cama.

- Que eu saiba não. – Se aproximou sentando na banqueta aos pés da cama, acrescentou em voz baixa. – E se eu bem sei fiquei com apenas uma delas e eu estava um pouco bêbada.

- Então você foi para a cama com ela? – Olhava para os lençóis da cama.

- Não, trocamos alguns beijos. – Deu de ombros. – Isso te incomoda?

- Deveria? – Arqueou uma sobrancelha levantando o rosto para ela.

- Você é a minha rainha. – Sorriu de lado. – Certeza que não vai esperar o príncipe encantado?

- Mais uma vez Carter. – Rosie suspirou cobrindo o rosto com o braço. – Você zombava dos contos de fadas e agora espera que eu acredite em príncipe encantado?

- Desculpa. – Sussurrou abaixando a cabeça. – Mais alguma pergunta?

- Você já… - Parou, passou a língua pelos lábios. – Você sabe… com alguém… daqui?

- Sim. – Respondeu sem hesitar, olhou para o carpete. – Mas nunca com alguém próxima a você.

- Quem?

- Na maioria das vezes com turistas, mulheres que iriam embora logo e principalmente por que elas nunca saberiam quem eu sou ou o que eu faço.

Rosie apertou os dentes, sentiu os tendões repuxarem e o sentimento ruim no fundo do estômago.

- Não quero. – A voz saiu baixa, quase num rosnado.

- O que?

- Não quero que você se envolvendo com ninguém do reino. – Sussurrou irritada. – Por que você não me disse? Nos conhecemos desde os 15 anos e você nunca me disse que era gay.

- Isso te incomoda?

- Me incomoda saber que você não confiou em mim. – Virou o rosto para longe de Carter. – Você deveria ter confiado em mim.

Carter abaixou a cabeça, soltou a respiração sentindo o coração acelerar dolorosamente, se levantou. Rosie balançou as pernas para fora da cama ficando sentada, levantou o rosto e pegou um resquício de dor nos traços da mulher.

- Não… - Rosie se levantou, segurou Carter pelos ombros forçando-a a ficarem frente a frente. – Quem é?

- Não sei do que você está falando. – Murmurou fixando seu olhar na porta.

O silencio pesou por alguns instantes até que um trovão distante chegou pelas paredes grossas. Seus olhos se trancaram em uma batalha intensa onde a emoção que parecia predominar era o receio. Receio de ouvir receio de falar e o principal era o de se machucar.

Engoliu uma quantidade considerável de ar, tinha tentado de todas as maneiras essa conversa. Lembranças passavam em flash pela sua cabeça, cada palavra que não havia dito martelava contra suas costelas.

- Por quem você se apaixonou? – Rosie pediu respirando fundo.

Carter deu um passo para perto dela, algo lhe gritava para não fazer aquilo, era errado. Era mais errado do que se deitar com todas aquelas mulheres querendo desesperadamente uma. A mulher que era proibida.

- Me desculpe. – Pediu fechando os olhos. – Eu não queria nunca quis, mas quando me dei conta eu já tinha me apaixonado. Juro que tentei matar esse amor, tentei esquecer, mas quando eu olho pra você, quando sinto teu cheiro ou quando você me toca todos os meus esforços são em vão. Quando você me olha eu me perco no meu caminho e sei que eu seguiria você a prova disso é que eu segui você até aqui. Eu sempre soube que no momento em que eu te contasse seria o momento em que eu teria que ver a nossa amizade mudar.

- Carter eu nunca iria te olhar diferente ou te ofender.

- Não é isso. – Esfregou o vinco entre as sobrancelhas. – Você não vai mais ficar confortável comigo perto.

Rosie fechou os olhos tentando respirar fundo e acalmar seu corpo, sentiu uma lagrima solitária escorrer pela maçã do rosto.

Uma lágrima, uma palavra ou o silencio. São as três coisas que machucam, não é uma dor física ela é mais interna não tem um lugar especifico. Alguns dizem ser uma dor na alma, mas quem sente pode achar que é a sua própria alma indo embora, parece uma mão que se fecha num aperto de ferro e arranca aquele sentimento puro.

Uma lagrima, uma palavra ou o silencio apenas isso.

- É melhor você ir embora. – A rainha sussurrou limpando o rosto, Carter olhava o chão. – Conversamos amanhã.

Carter olhou para Rosie e assentiu com a cabeça.

- Me desculpe.

Pousou a mão no rosto da mais nova e se aproximou lentamente. Seus lábios se encostaram timidamente antes de se afastarem brevemente, engoliu a saliva e voltou mais duramente. Enlaçou a cintura a puxando para mais perto.

- Me desculpe. – Pediu sob a respiração pesada. – Eu só precisava saber como era pelo menos uma vez.

Afastou-se indo para a porta.

- No sábado eu irei anunciar meu casamento. – Rosie deixou a voz sair, seus dedos tocando os lábios.

Fechou os olhos enquanto girava a maçaneta.

- Irei começar a procurar um novo Capitão da Guarda e um guarda pessoal para a senhora.

A porta bateu, Carter andou até a parede oposta encostando a testa contra a pedra gelada.

É só mais uma alma sendo arrancada, é só mais uma certeza se estilhaçando é apenas mais uma criança perdida neste mundo de pessoas cruéis. É a criança que procura o conforto nos braços de seu porto seguro, que apenas quer chorar baixinho enrolada na cama em sua casa.

A questão é que quando a sua casa e o seu porto seguro são os motivos de você perder a sua alma. As coisas ficam um pouco escuras por um bom tempo.