MY HOT MAMA

Disclaimer: A fanfic pertence a addicted-to-romione-bedward que me autorizou a tradução. Twilight e seus personagens pertencem a Stephenie Meyer.

Sinopse:Carlisle morreu. O que Bella pode fazer com um adolescente desobediente como Edward? O que acontece quando Edward sente algo por sua madrasta? Só o tempo pode dizer se há uma chance para seu relacionamento e se seria aceito socialmente.


Capítulo 7

Bella PDV

Puta merda!

Minha cabeça está latejando e eu acho que vou vomitar.

Tem muita luz no meu quarto.

Eu gemo enquanto me sento lentamente.

Quando paro de girar, eu levanto da cama apenas para irritar meu estômago e correr desesperada para o banheiro. Me ajoelho em frente ao vaso e vomito.

Eu nunca mais vou beber.

Oh, merda. Eu aposto que envergonhei o pobre Edward. Eu me sinto horrível.

Quando me sinto humana de novo, eu desço as escadas. Edward está assistindo TV e comendo de um saco de KFC*. Ele para de mastigar e me olha divertido; então inclina o milkshake para me saudar.

*KFC: é um fast-food que vende frango frito, hamburger, batata frita e etc.

Eu gemo e me afundo ao seu lado, caindo ao lado dele sem a menor cerimônia. Eu roubo algumas das suas batatas fritas.

"Você está bem?" ele sussurra, olhando para mim.

Concordo com a cabeça e deixo minha cabeça cair em seu ombro. Eu não me lembro de muito depois da minha segunda cerveja. Nós dançamos, conversamos... mas eu não me lembro de mais nada.

"Sinto muito, garoto. Eu não bebo muito... ou com frequência. O que eu fiz?" Eu pergunto.

"Nada muito ultrajante,", ele responde, então morde um sanduíche de frango. "Vedae," acrescenta.

"O que?" Eu franzo a testa. "Eu acho que você está velho demais para que eu diga para não falar com a boca cheia." Eu o repreendo.

"Verdade," ele diz alto.

"Então, eu não fiz nada muito vergonhoso?" Eu verifico.

"Não... até que você começou a se despir na minha frente," diz ele calmamente, atirando-me um sorriso enorme.

"O que?" Eu grito. "Eu tirei as minhas roupas... Oh, Deus, eu sinto muito, Edward!"

Aposto que meu rosto está todo vermelho.

"Não se preocupe, eu sai do seu quarto antes que você pudesse mostrar qualquer coisa." Ele pisca.

"O que você estava fazendo no meu quarto?" pergunto.

"Uh, eu estava tendo a certeza de que você estava na cama? Você estava muito bêbada, mas não se preocupe. Foi uma noite agradável."

Eu suspiro pesadamente. "Sim, isso foi bom."

Ele envolve o braço em volta de mim e me traz para mais perto, beijando minha cabeça. "Nós precisamos fazer isso mais vezes."

"Você está falando sério?" Eu pergunto surpresa.

"Menos você ficar bêbada."

"Sim, está bem. Mas... você gostou dessa... noite fora comigo?" Estou chocada.

"Sim." Ele sacode a cabeça e me oferece mais fritas.

Passamos o dia na frente da TV e, à noite, me entrego a ele em um jogo de xadrez – Edward insiste.

Três movimentos no jogo, ele me tem no xeque-mate. Como? Agora, essa é uma boa pergunta.

"Sério, mulher," ele geme, projetando o lábio inferior para fora. "Você não pode encontrar um jogador de xadrez decente nos dias de hoje."

"Eu sou uma merda," murmuro, movendo meu rei à distância, apenas para colocá-lo no caminho do seu cavalo.

"Você é uma merda mesmo," Edward concorda. Seu olhar pega o meu e há um brilho nele – eu não gosto. "Você é boa em algum jogo de Wii?"

"Não!" Eu grito.

Já joguei algumas vezes com ele alguns anos atrás, mas eu sempre perdia tudo o que estávamos jogando.

"Oh, vamos lá. Estou entediado," ele insiste.

"Você não tem lição de casa ou algo assim?"

"Eu vou fazer amanhã." Edward balança a mão com desdém. "Por favor? Um jogo. Você escolhe."

Eu olho sua coleção e escolho Need for Speed. Eu amo o jogo e me lembro de ganhar dos meninos em festas do ensino médio.

Edward esfrega as mãos enquanto inicia o sistema, sorrindo para mim.

"Pronto para ter a sua bunda chutada?" ele pergunta, me jogando um controle remoto.

"Acho que não," eu digo com confiança. "Eu costumava fazer meninos correr para longe com o rabo entre as pernas na escola."

Ele ri alto. "Eu aposto que você usou um PC na época."

Eu suspiro e soco seu braço. Ele nem sequer pestanejou. "Você me chamou de velha!"

"Você é," ele brinca.

"Quanto mais velho, mais sábio." Eu levanto meu queixo. "Eu vou vencer."

"Sorte," ele murmura rindo.

Cinco minutos de jogo, eu passo pelo carro dele, mandando-o para uma parede. Eu dirijo como uma louca e, assim que eu estou perto da linha de chegada, eu faço um círculo e para torná-lo perfeito, Edward bate em mim.

"Merda!" ele exclama, tentando deixar o carro certo, que está de cabeça para baixo.

Mesmo sem a minha barra de proteção, eu passo pela linha de chegada e começar a pular. "Agora, você é um merda!" Eu digo a ele infantilmente.

"Você quebrou o meu carro!"

"Revanche?" Eu provoco.

"Pode apostar!"

Nós jogamos até tarde da noite, quando eu finalmente o mando para a cama. Nesses últimos dois dias eu vi lampejos daquele Edward que eu conhecia e nós nos divertimos.

Eu queria que nos déssemos bem todos os dias, mas isso não é provável, considerando que ele é um adolescente impetuoso. Eu o deixei deslizar muitas vezes ultimamente pela maneira que ele está falando comigo, mas eu tenho que lembrá-lo de que eu sou a adulta aqui e não seu amigo de escola.

Estou muito feliz que ele pode ser ele mesmo perto de mim, mas mesmo assim – eu sou 13 anos mais velha.

Domingo, me arrastei para ajudá-lo com seu dever de matemática. Estou surpresa que ele até me pediu – ele nunca me pediu para ajudá-lo antes.

Os dias que seguem o nosso fim de semana de ligação, Edward está em casa mais do que de costume, ele se oferece para me ajudar na cozinha ou até mesmo insiste em arrumar a minha mesa quando um das minhas gavetas cai; quando eu o perguntei, esperando que ele não estivesse fazendo isso só para escapar de Kitty, ele me diz que quer fazer isso.

Na semana de Ação de Graças, estou ocupada com as malas, assar um peru decente, porque eu sei que Kitty não terá uma ave; assar biscoitos e trabalho.

Na tarde de quarta-feira, estou relembrando Jasper das suas funções no caso de alguma coisa acontecer enquanto eu estiver fora, quando uma enfermeira enfia a cabeça em meu escritório. Ela parece preocupada.

E agora? Eu penso agitada.

"Ei, o que há de errado?" Eu pergunto, pressionando os arquivos em minhas mãos no peito de Jasper.

"Uh, você vê... Eu não deveria dizer, mas..." Ela morde o lábio. "Edward está no Pronto Socorro..."

Eu suspiro, sentindo que estou sendo socada no peito. Eu não consigo respirar.

"Por quê? O que aconteceu?" Pergunto preocupada, passando por ela, correndo pelo corredor.

Quando eu chego perto do Pronto Socorro, eu posso ouvi-lo. Pelo menos ele está bem. Ele está gritando com alguém sobre esfaqueá-los no olho com um bisturi.

Típico de Edward.

Eu empurro a porta e olho para ele. Leva um segundo até que ele percebe que sou eu na frente dele, então o inferno começa.

"Quem diabos contou a Bella? Eu acho que fui claro sobre não contar a ela!" Ele olha em volta. "Onde está àquela pequena enfermeira estúpida! Ela te contou, não foi?" ele acusa, estreitando os olhos para alguém atrás de mim.

"Deixe-a em paz," digo-lhe com firmeza. "O que você fez?"

"Bati em um muro," ele responde secamente.

"Ha!" Eu exclamo, me aproximando. "Agora!" Eu exijo.

Seu lábio está cortado e há sangue escorrendo da sua sobrancelha esquerda, esse será um machucado feio em volta de seu olho.

"A escola nos deixou sair mais cedo... e você me levou esta manhã, porque meu carro estúpido não ligou..."

"E?" Pergunto.

"Em e eu decidimos que deveríamos ir ao cinema. Nós nos deparamos com Chato Collin e Tyler lá."

"O Collin de novo não!" Eu grito assustando o médico que está cuidando de seu olho.

"Eu não fiz nada, eu juro para você!" Edward grita, levantando as mãos.

Eu posso ver cortes em seus dedos e eu não acredito nele.

"Eu não fiz nada para ele em meses! Mas o merda contou ao Tyler e... ele estava em mim antes que eu percebesse que porra estava acontecendo. Tentei me defender." Ele me mostra a mão machucada. "Sério. Pergunte ao Emmett."

"Onde ele está?" Eu pergunto, suspirando pesadamente.

"Ele foi para casa. Sua mãe ligou quando ele me deixou aqui."

"O que eu vou fazer com você, Edward? Você não consegue ficar fora de problemas?" Eu gemo.

"Eu tento... mas o problema me encontra." Ele atira-me um pequeno sorriso, em seguida, faz uma careta.

"Dói muito?" Eu sussurro, avançando e tocando seu rosto.

"Eu vou sobreviver."

Eu odeio vê-lo ferido. Quando o médico fica de lado, puxando as luvas, abraço Edward com força, acariciando seu cabelo. Embora ele fique maior de idade em breve, ele vai ser sempre a minha responsabilidade. Eu prometi amá-lo como meu próprio e quando eu o vejo ferido, sinto que sou um fracasso.

"Eu estou bem, Bella," ele murmura, envolvendo minha cintura com os braços. "Não se preocupe."

Eu só corro meus dedos por seu cabelo macio, virando para o médico e levantando uma sobrancelha. Ele acena com a cabeça, eu posso levá-lo para casa.

"Vamos." Eu pego a mão de Edward e o levo ao meu escritório para pegar minhas coisas.

Ele anda silenciosamente atrás de mim, apertando os meus dedos. Eu gosto de sentir a sua mão ligeiramente calejada em torno de minha.

"Uau! O que você fez?" Jasper pergunta.

Por que ele ainda está no meu escritório?

"Bati em uma parede," murmura Edward amargamente. "E você?"

Jasper ri, balançando a cabeça. "Deve ter sido um inferno de uma parede."

"Jasper, pare com isso!" Eu digo. "Não o encoraje."

"Eu não estou. O garoto entrou em uma luta sem me contar," Jasper se defende.

Pego minha bolsa e depois de um último olhar mortal para Jasper, eu pego a mão de Edward e saio rapidamente do meu escritório.

"O quanto você está chateada?" ele sussurra quando saímos da clínica.

"Muito, mas não com você. Com a situação." Sinto as lágrimas de raiva reunindo em meus olhos.

"Se eu tivesse dito para Em não ir ao cinema, isso não teria acontecido," diz Edward amargamente. "Sinto muito."

"Não é sua culpa... mas talvez seja... um pouco. Se você tivesse me ouvido para não bater mais naquele garoto em cada chance que você tivesse, Tyler não teria tido um motivo para te machucar!"

"Então, a culpa é minha agora?"

"Não."

"Jesus, mulher. Você é confusa." Ele coça a cabeça. "Podemos não ir para a casa da vovó?"

"Edward, eu liguei para ela na segunda-feira. Ela está nos esperando. Ela parecia feliz."

"Foda-se. Por que você disse a ela? Poderíamos ter surpreendido... ela teria ficado tão chocada que..."

Eu pressiono minha mão em sua boca. "Eu sei que você não gosta dela, mas uma vez por ano, você não vai morrer por vê-la. Mesmo que você não goste dela, ela te ama. Ela sente sua falta."

"Ótimo. Vamos terminar com isso."

Reviro os olhos e deslizo para dentro do carro.

"Estou realmente feliz por você não ter ido para casa ou não teria qualquer biscoito sobrando," eu digo sem constrangimento.

"Você fez biscoitos? De qual tipo?"

"Do que você ama, mas você não poderá ter algum até amanhã."

"Isso é putamente cruel." Ele despenca em seu assento.

"Observe sua boca! Aposto que Kitty vai adorar ouvir você soltar a bomba P a torto e a direito," digo com graça.

"Sério? Legal. Eu vou ter certeza de soltar as bombas P em todos os lugares. Talvez ela nos mande para casa mais cedo," ele brinca, me cutucando com seu cotovelo.


Bella pouco se lembra da noite, e o Edward se envolveu em mais problemas. Ele é realmente um adolescente lol E no próximo vamos conhecer a vovó!

Meu Deus vocês sumiram dos comentários, vamos aparecer, quem sabe em breve em não faça uma postagem surpresa antes da hora hein?

Beijos

xx