ME AND MR CULLEN

Disclaimer: A história pertence à Catastrophia, Twilight e os personagens a Stephenie Meyer, e a mim somente a tradução.

Sinopse: Era apenas um fim de semana em Las Vegas, então como a estudante de Ensino Médio de 18 anos, Bella Swan, terminou casada com um executivo de cinema de 31 anos, Edward Cullen? Esta é a história de sua vida estranha.


Capítulo 27 - Nosso Primeiro Natal

(Traduzido por Mili YLJJ)

O voo de volta para Phoenix foi difícil. Cada minuto eram milhas que eu estava colocando entre eu e Edward, e isso estava quebrando o meu coração. Eu tinha feito o que precisava fazer, mas isso não fez doer menos.

Minha mãe e Eric estavam me esperando no aeroporto e eu corri para os seus braços, chorando.

Eric me segurou no banco de trás enquanto voltávamos para casa. Quando nos instalamos na sala de estar, eu disse a eles tudo o que tinha acontecido durante as semanas anteriores. Mamãe foi contemplativa enquanto Eric falava que Edward era um idiota e um imbecil. Eu não poderia encontrar em mim uma maneira de convencê-lo de qualquer coisa diferente disso.

Eu chorei até dormir naquela noite.

Na manhã seguinte eu acordei inquieta com uma enxaqueca. Minha cama não era mais o meu santuário. Eu tinha sido marcada por meu tempo em Los Angeles e vim a descobrir que nenhum lugar me fazia sentir em casa. Já era final da manhã quando sai debaixo das cobertas e fui até a sala de estar.

"Oi, querida," minha mãe disse do sofá, ligando o televisor. Sentei-me ao lado dela me recostando confortavelmente em seus braços abertos. "Por que você não vai se limpar e eu vou preparar o café da manhã. Assim, podemos conversar, como isso soa pra você?"

"O Phil não pode fazer o café da manhã?" Eu perguntei, olhando para ela. Ela suspirou e sorriu, seu olhar se movendo para cima.

Eu ouvi uma risada atrás de mim, junto com um puxão no meu cabelo. "Claro, garota."

"Eu não sou tão ruim assim, Bella," mamãe protestou.

"Sim, você é", eu e Phil dissemos em uníssono, rindo da expressão dela.

Eles começaram a brincadeira de puxar e empurrar, Phil a beijou antes dele desaparecer na cozinha. Parecia uma vida inteira desde que eu tinha rido. Parecia pouco natural, mas também muito refrescante ao mesmo tempo. Eles estavam tão felizes, e eu estava com inveja do relacionamento deles.

Depois de um momento do calor familiar da minha mãe, fui fazer a minha higiene matinal, retornando alguns minutos depois com o cheiro delicioso do preparo do bacon.

Eu derramei um copo de suco de laranja e me sentei à mesa, minha mãe já tomando uma xícara de café.

"Quanto tempo você acha que vai ficar?" ela perguntou, soprando sobre a bebida quente na mão.

"Eu não sei. Eu realmente não sei", eu respondi com um suspiro. "Eu posso nem mesmo voltar."

Mamãe respirou fundo, colocando sua caneca de volta na mesa e olhando para mim. "Todo casamento tem momentos difíceis, Bella. Se Phil e eu jogássemos a toalha na primeira vez que brigamos nunca teríamos ficado casados."

"Eu sei como o casamento é difícil, mãe!" Resmunguei, frustrada, com lágrimas se construindo nos meus olhos. "Mas eu não sei se aguento mais ser uma boneca para brincar de casinha. Eu quero que o meu marido seja como ele foi no primeiro mês, atencioso e carinhoso, não o idiota ausente que ele se transformou nas últimas semanas. Eu sinto que não posso nem falar com ele. É como se eu... se eu não fosse uma boa companhia. "

"Você o ama?"

"Sim."

"Então, vale a pena lutar", ela ressaltou. "Baby, eu não quero que você vá para a vida carregando um monte de 'e se'. Se você acabar com isso, se você se divorciar dele enquanto o ama, isso é tudo o que você vai ter pelo resto da sua vida. Pegue um par de dias longe e, em seguida, vá falar com ele."

"Por que você é tão inflexível quanto a nós?" Eu questionei com uma carranca. "Você tem sido assim desde o primeiro dia, por quê?"

"Oh, Bella, eu só não quero que você se arrependa de nada", ela disse suavemente, pegando a minha mão. "Você o ama, eu pude ver a conexão em Las Vegas, não desista disso, conversem e arranquem isso para fora e veja o melhor curso de ação a se seguir, para os dois. O Natal é em apenas dois dias; o que você quer?"

O que eu quero? Eu ainda não sabia. Eu estava tão confusa e magoada e irritada. Eu o amava, muito, mas e quanto a ele?

Passei o dia fora com a minha mãe, mas no início da tarde, fui me esconder no meu quarto. Eu olhei para o meu telefone pela primeira vez em horas: nenhuma mudança. Ele não tinha tentado entrar em contato comigo.

Eu deitei na cama me perguntando se isso realmente valia a pena, se o amor valia a pena. Se eu valia a pena. Eu me afastei dele há mais de vinte e quatro horas e nada. Ele não me queria, se ele quisesse ele teria feito algo. Lágrimas encheram os meus olhos e mais uma vez chorei até dormir, meu peito sentindo como se estivesse sendo esmagado.

Eric veio no dia seguinte para o nosso preparo dos biscoitos de gengibre*, já que eu estava na cidade. Havíamos passado a véspera de Natal preparando as guloseimas nos últimos anos, e era relaxante fazer algo "normal" da minha vida passada - a minha vida antes de Edward e de todo o drama de Hollywood.

*Aqueles que se enfeita no natal e presenteia as pessoas.

No quarto lote a campainha tocou, e minha mãe foi atender.

"Eu aposto que é Edward", Eric disse, apertando a massa sobre a mesa.

"Sim, certo. Já se passaram dois dias, e eu não ouvi uma palavra dele. Ele provavelmente está no trabalho agora, reformulando a sua agenda com a de Maggie," Eu zombei.

"Deus, eu odeio essa cadela!" Eric se irritou.

"Isso nos faz dois", eu concordei com um suspiro. "Embora, ela possa ter acabado com aquilo que nunca esteve destinado para ser em primeiro lugar."

Eric olhou para mim com os olhos arregalados. "Você não quer dizer isso, Bella."

"Não? Porque eu com certeza acho que quis."

"Não. Porque eu vi vocês dois juntos no jantar e quando estávamos assistindo o filme naquela noite. Sua mãe está certa. Quero dizer, ele machucou a minha melhor amiga, o que me faz querer socá-lo mais e mais, mas, ao mesmo tempo, eu nunca vi você olhar para alguém do jeito que você olhou para ele. "

"E como eu olhei para ele?"

Ele suspirou, balançando a cabeça. "Como ele fosse o seu mundo inteiro. E ele olhou para você da mesma maldita maneira. Isso me fez tão ciumento. Espero que um dia um cara vá olhar para mim assim."

Eu pensei sobre o que Eric disse, e me lembrei da sensação. Eu poderia ter isso de volta? E se minha mãe estivesse certa e nós valêssemos a pena de se lutar?

Eu fui retirada dos meus pensamentos por minha mãe voltando para a cozinha, com um biscoito pendurado para fora de sua boca e uma lata decorativa natalina em sua outra mão.

"Cookie? Marsha os trouxe," ela disse enquanto os oferecia.

Eu ri e olhei ao redor da cozinha. "Eu acho que estamos bem."

"Diga por você, jogue um mamãe!" Eric exclamou, abrindo a boca. Ela arremessou um e ele gemeu. "Muito bom."

A campainha tocou novamente e minha mãe soltou um suspiro exasperado. "Vocês dois, melhor acabarem com isso em breve, porque eu tive quatro vizinhos me oferecendo cookies nos últimos dois dias."

Todos nós rimos quando ela se virou para outra rodada de entrega de cookie.

"Então, lembra-se daquele cara da faculdade que eu estava falando?" Eric questionou com um sorriso.

"Sim?"

"Estaremos nos encontrando esta noite para jantar em sua casa", ele disse, sorrindo. "Eu vou conhecer a sua irmã!"

"Isso é incrível!" Exclamei e o abracei da melhor forma que pude com as minhas mãos cobertas de massa.

"Ele é tão quente e maravilhoso, e quente", ele disse com um suspiro sonhador.

"Fico feliz em saber que alguém está recebendo algo," eu notei, um leve azedume na minha voz.

"Bella..."

"Desculpe, eu não quis dizer isso para soar assim. Estou feliz por você, realmente estou. Ele parece ser ótimo e você merece ser feliz, especialmente depois do merda do Tyler."

"Ele é", ele disse sorrindo, "e eu não posso esperar para você conhecê-lo."

Sua declaração me fez pensar que eu faria isso. Se eu não voltasse para casa, eu teria tempo de sobra. A ideia de ficar fez meu coração doer, no entanto.

Meu nome sendo chamado agitou-me dos meus pensamentos e eu lavei as minhas mãos antes de ir para a porta da frente, perguntando qual vizinho tinha parado por agora.

Mas eu não estava preparada para o que me esperava quando eu dobrei a esquina.

"Edward! O que você está fazendo aqui?" Eu gritei quando eu olhei para o meu marido. Choque e confusão me encheram. Eric estava certo! Mamãe voltou para a cozinha para nos dar a nossa privacidade.

Eu não sabia se eu saltava em seus braços ou o chutava nas bolas e o mandava embora. E então, a opção de chutá-lo e em seguida, pular em seus braços pareceu melhor. De qualquer maneira a parte de chutá-lo pareceu que poderia ser divertida, e muito libertadora, mas apenas porque eu ainda estava com raiva dele.

Meus olhos o percorreram, e eu notei que ele estava me observando como eu reagia. Ele deu um passo para frente, e eu me mantive apoiada, com medo do poder que o seu toque exercia em mim.

"É Natal e eu quero passar com a minha mulher", ele disse baixo, sua voz se quebrando. Ele ergueu as mãos em sinal de rendição. "Por favor, não me diga para ir, baby. Por favor... eu... porra... eu preciso de você... você pode me escutar, por favor? Por favor, deixe-me falar com você."

Tentei piscar as lágrimas que se formavam, mas não consegui. Edward afastou uma lágrima que caiu com seu polegar e levou tudo em mim para não me entregar ao seu toque.

Do outro lado da rua, eu pude ver o vizinho notar o carro de Edward, eu o puxei para dentro, fechando a porta atrás dele e trancando. Eu me virei para olhar para ele, chocada ao vê-lo ali no meio da casa que morei por seis anos. Ele parecia tão fora do seu lugar, tanto como eu em sua mansão em Los Angeles.

"Você veio," eu sussurrei, sem querer dizer isso em voz alta, mas muito sobrecarregada para deixar isso preso dentro de mim.

"Eu tinha que fazer isso. Tudo ficou escuro e solitário sem você nos últimos dias", ele admitiu. "Você é o meu sol, apesar de eu nunca ter te falado. Eu nunca te disse um monte de coisas, Bella, sobre mim ou sobre a minha vida. Eu deveria ter, eu sei disso agora. Não era para esconder segredos, eu prometo, era mais para protegê-la, e talvez para me proteger um pouco. Mas isso saiu pela culatra, não foi? "

Suas palavras esmagaram meu coração, sua voz suave e cheia de saudade. Tive que me segurar forte, porque só o seu esforço de vir até mim, me deu vontade de desmoronar. Meus braços cruzados sobre o meu peito, me protegendo. "Existem coisas que são um pouco tarde demais, você sabe."

Seus olhos se arregalaram; pânico foi se estabelecendo em suas características. "N-não, por favor, Deus, Bella, não diga isso. Por favor! Baby, eu preciso de você. Por favor..." Um som gutural rasgou dele enquanto ele se agarrou a parede para se sustentar.

Isso me quebrou, ver ele assim, a emoção derramada dele era real e de coração. Ele se dobrou em si mesmo, suas pernas dobradas, caindo de joelhos.

"Por favor, Bella, por favor. Eu sei que eu fodi tudo", ele implorou, com lágrimas escorrendo pelo seu rosto quando ele inclinou a cabeça para olhar para mim. "Eu sinto muito. Eu te amo, muito, Bella, e eu fodi com isso." Engoli em seco com a sua declaração, mas ele não parou. "Por favor, não se divorcie de mim. Dê-me uma chance de fazer isso certo, por favor. Eu sinto muito."

Eu me deixei cair para baixo, incapaz de levar isso por mais tempo, e segurei seu rosto em minhas mãos. A umidade infiltrou em minha pele, meu toque o acalmando. Minha testa descansou contra a sua enquanto eu falava, "Shh, acalme-se." Sua respiração regularizou um pouco, mais uma respiração ainda estremecida rompia por ele. "Você disse que me ama."

"Eu amo", ele concordou com firmeza. "Eu não sou muito bom nisso, fui um desajeitado idiota até agora, mas eu prometo proteger o seu coração e não feri-lo de novo. Se você me der uma chance de provar isso, é isso?"

Olhei em volta e encontrei a minha mãe e Eric espionando da cozinha. Parecia que minha mãe estava segurando Eric, mas eu também podia ver as lágrimas nos olhos de Eric.

"Vamos, Edward." Puxei-o para cima. "Vamos para o meu quarto."

Peguei a mão dele na minha e o levei pelo curto corredor até o meu quarto, fechando a porta atrás de nós e a trancando. Ele era simples, apenas com meus móveis e algumas decorações, a minha mala no canto. Todo o restante estava em LA.

Subi na minha cama, dobrando as pernas conforme eu me recostava à parede. Eu queria dizer algo forte e contundente, como "Você tem cinco minutos", mas eu não pude. Havia muito em jogo nesta conversa, e ela não podia ser apressada. Além disso, ele tinha estado acessível, até agora, não havia a necessidade de pressioná-lo.

Ele olhou em volta do meu quarto por um momento antes de se sentar também, virando o seu corpo para ficar de frente para mim.

"Você faz o meu dia ser mais brilhante e cheio de amor. E sem você eu sou apenas um erro. Minha vida não está certa sem você", ele declarou, seus dedos se escondendo no punho da sua jaqueta em agitação nervosa. "Tornei-me tão envolvido com meu trabalho como eu costumo fazer com projetos deste tamanho, e isso me levou para longe da minha vida pessoal. Normalmente, não seria um problema para mim, mas isso era antes de você entrar na minha vida."

"Você me disse todas essas coisas, os seus sonhos e eu acreditei neles. E você foi contra eles. Para ir de me regar com carinho, amor, presentes, a quase me ignorar e isso foi demais. Então me diga por que eu deveria voltar a ser sozinha?"

"Não, eu não quero que você seja sozinha. Eu quero que você seja capaz de depender de mim para que eu esteja lá para você."

"Você não tem estado no momento", eu apontei.

"Eu sei", ele sussurrou, então bufou, olhando para o teto, em seguida de volta pra mim. "Agora eu vejo o quão terrível eu fui como um marido. Eu sou o mais velho, mais experiente no relacionamento, mas parece que sou um novato no amor. Eu fui um idiota. Sei que fui um idiota insensível. Eu pensei que podia afastar tudo, empurrar o passado, que eu poderia fazer isso por você."

"Diga-me por que eu não devo dar as costas para você e mandá-lo de volta para LA?"

"Porque eu amo você, eu vou fazer de tudo para fazer isto funcionar e melhorar o meu comportamento com você. E, eu não vou voltar sem você, Isabella, de jeito nenhum, não tem como."

"E por que o seu comportamento foi tão terrível?"

"Eu poderia te listar muitas desculpas e razões, mas a questão de fundo é, porque em vez de te dizer sobre os meus estresses, eu os afastei de você."

"E o que eram todos esses estresses, além da puta infernal e do fodido beijo, porque eu não vou tolerar a infidelidade, Edward?"

Ele deixou escapar um ruído irritado. "Ela cruzou uma linha e eu estou farto de ser o legal." Eu arqueei a sobrancelha para ele, e ele balançou a cabeça, continuando. "Primeiro de tudo, não a beijei, ela me beijou e isso surpreendeu o inferno para fora de mim. Antes que eu tivesse a chance de responder, de afastá-la, você estava lá. Acredite em mim, baby, prometo, eu tenho sido fiel, eu vou ser fiel". Ele respirou fundo, me olhando procurando a minha reação.

Eu suspirei. "Ok, eu acredito em você. Mas nunca mais, Edward, eu não acho que meu coração possa aguentar isso."

"Eu sei, sinto muito." Ele correu os dedos sobre o meu rosto. "Sabe aqueles lixos de revistas que você trouxe pra mim?" Eu balancei a cabeça. "Bem, aquilo vazou através de Maggie e um cúmplice. Esme e Angela estavam tentando conter aquilo durante semanas, mas algo sempre conseguia passar. Junte isso às suas tentativas incessantes de se colocar entre nós, fazendo uso do seu trabalho, eu cheguei ao meu limite".

"O que isso significa?"

"Isso significa, que Maggie está indo para baixo", ele ressaltou, um incêndio queimando por trás do seu olhar. Ela finalmente o empurrou longe demais.

"O que você vai fazer?"

"Estou esperando que seja o que nós vamos fazer. Eu estraguei tudo por não falar com você, não te contar as coisas, em parte porque você não está acostumada com isso. Ao meu mundo. Eu deveria ter te explicado melhor."

"Você deveria ter me explicado tudo", eu pontuei, uma pontada na minha voz que não passou despercebido por Edward. Ele recuou um pouco com o som.

"O golpe de publicidade de Maggie foi uma coisa boa para nós de uma pequena forma, porque isso desviou a atenção de você. Ela estava tentando me levar de volta para os seus braços, e provocar você, o que ela conseguiu. A sua reação... era o que eu estava tentando proteger você... nos proteger." Ele suspirou e segurou minhas mãos nas dele. Eu deixei, porque eu precisava de conforto também.

"Não é porque eu não quero que as pessoas saibam que estamos casados, ou porque você ainda está na escola. É porque eu quero ter tempo com você, para conhecer mais de você, continuar a me apaixonar mais por você. Nos solidificar antes que as odiosas mentiras tentem nos separar. Eu sei por experiência o dano que esses abutres do caralho podem causar ao se aproveitarem das celebridades; jorrando mentiras para venderem fofocas. Eles não se importam que nós também somos pessoas. Eles não se importam com quem eles machucam. E, acima de tudo, eles vão fazer de tudo para conseguir uma história, até mesmo arruinar vidas e destruir relações".

"A minha idade e o meu status tem alguma coisa a ver com tudo isso, você querendo admitir ou não."

"Porque isso me assusta, baby."

"O que eles vão dizer sobre você?"

"Não, o que eles vão dizer sobre você. Estou acostumado a essa merda, você não está. Isso não me afeta mais, mas eu sei o quanto isso poderia afetá-la. Você é uma pessoa doce e gentil. Você não tem a casca grossa necessária para deixar as mentiras deles do lado de fora. Ainda não."

Eu refleti sobre o que ele disse, e ele estava certo sobre uma coisa, eu não tinha o coração duro que você precisava ter em Hollywood. Eu podia ver como isso fazia sentido para ele, eu compreendi melhor o que me esperava quando as coisas saíram. "Então, o que mais você não vem me contando?"

Ele engoliu em seco e puxou uma respiração profunda. "Os atrasos de Rosalie quase me fizeram perder todos os futuros projetos com a Paramount Pictures."

"O que?" Eu questionei, minha voz se elevando uma oitava conforme eu me inclinava.

Ele acenou com a cabeça. "Foi um conjunto de fatores da porra, dinheiro voando para fora da janela a cada dia de não produção, e as pessoas à beira de perderem seus negócios futuros. O diretor não podia se aproximar dela, eu não podia, inferno, até mesmo o pai dela não podia. Quem fodidamente saberia que ela precisaria do Hulk em forma de coordenador de dublês para pegá-la e coloca-la na linha." Ele balançou a cabeça e sorriu, e eu sabia que ele estava se lembrando do primeiro encontro deles.

"Eu sabia que as coisas não estavam bem com base no seu comportamento, mas não sabia que elas eram tão ruins assim."

"Eu deveria ter deixado você saber o que estava acontecendo, de tudo isso. Tudo estava tão fora de controle e eu não conseguia por tudo de volta em sincronia. Foi enlouquecedor!"

Ficamos ali por alguns minutos em silêncio, enquanto eu processava tudo. Minhas emoções estavam por toda parte, sem saber no que acreditar.

"Se eu voltar com você, as coisas têm que mudar."

"Elas vão, eu prometo."

"Como? Você tem que me dizer como, porque se você está apenas dizendo que elas vão, mas você não tem nada sendo colocado para fora aqui, então porque eu deveria confiar nisso?"

"Eu estarei encerrando o filme de Maggie, será a primeira coisa quando voltarmos. Além disso, eu quero ter um encontro com Sam, só nós três. Ele acha que, finalmente, tem uma pista sobre como ela está ultrapassando os portões e entrando em casa sem ninguém saber. E nós vamos descobrir como nos livrarmos dela juntos."

"E o trabalho?"

"Bem, com um filme a menos em meus ombros, só me resta Rosalie, e então a promoção de Oz".

"Oz?"

Um tímido sorriso encheu seu rosto. "Você já viu os previews para a nova trilogia do Mágico de Oz?"

Isso me parecia familiar enquanto eu quebrava a cabeça, e então eu tive um clique quando me lembrei de quando Charlotte e eu tínhamos ido ao cinema. Eu me lembrei de ter pensado em como Edward iria adorar isso.

"Você o produziu?"

"Como eu não poderia? Fora isso, eu vou falar com Jasper e procurar por alguém. Cullen Entretenimento tornou-se mais do que eu esperava, e nós dois estamos inundados. Temos trabalhado duro nos últimos seis anos; eu acho que algum tempo familiar se faz necessário".

"E o tempo familiar seria...?" Eu pressionei.

"Estar em casa em um horário decente, apenas atendendo as chamadas de emergência depois de ter saído do escritório. Sem trabalho nos fins de semana a menos que seja para alguma filmagem ou uma emergência. E, acima de tudo, colocar a minha esposa e a nossa família antes do trabalho eu estou redirecionando as minhas prioridades de vida."

"Parece perfeito."

"Vou fazer o perfeito, ou o mais próximo que eu puder para aperfeiçoar."

"E sobre as pessoas saberem? Ser um segredo é realmente uma merda, especialmente quando eu entro em seu escritório e eles não sabem quem sou."

Seus polegares fizeram círculos suaves em minhas mãos. "Eu quero levá-la para um encontro, muitos deles, e conhecer a minha esposa do lado de fora da nossa casa. E eu quero nos anunciar para o mundo, mas eu realmente quero um pouco mais de tempo para apenas nós dois, e o passeio se dará em uma avenida que nós dois concordarmos."

"Eu gosto do som disso", eu admiti, verdadeiramente sorrindo.

Houve silêncio enquanto olhávamos um para o outro e eu tentei formar meus pensamentos em frases coerentes. Eu tinha algo que precisava fazer Edward entender.

"Eu sei que você está ocupado e trabalhando uma tonelada", comecei com uma respiração profunda. "Eu entendo e posso lidar com isso, mas eu preciso que você se lembre que fui desligada da minha vida e me estatelei na sua. Isso pode parecer nada para você, porque não mudou muito a sua vida. Mas a minha foi virada de cabeça para baixo e chocalhada, estado novo, casa nova, carro novo, novo nome, nova escola, novas pessoas." Corri minhas mãos pelo meu cabelo. "Inferno, as únicas coisas que eu tinha da minha antiga vida foram enviadas para mim em algumas caixas. Tudo é estranho e tão diferente do que eu conheço. Tenho caído e tropeçado quando eu realmente preciso de você para segurar a minha mão e me ajudar a atravessar isso, porque sem você eu estou perdida e fodida, te deixando irritado. Eu não sei o que estou fazendo no seu mundo. Há todas essas regras e eu estou pisando em ovos esperando que eu não vá quebrar um." Eu me encolhi lembrando sobre a nossa briga depois que invadi o seu escritório.

Ele suspirou. "Eu sinto muito por isso. Meus horários foderam com tudo. Parecia ser um plano brilhante em Las Vegas. Tudo o que eu conseguia pensar era a sensação que eu tinha quando eu estava com você e como eu queria mantê-la. Egoísta da minha parte, e então você disse que sim, e eu não me importei com mais nada, exceto que me casaria com você. Depois eu continuei a ser egoísta, e tomei as decisões e não levei em conta a sua opinião. Você, pode por favor voltar para casa e ser a minha parceira na vida?"

Meu peito se apertou. Eu sabia o que queria, mas eu também estava com medo. "Edward, eu..."

Edward esticou o braço e colocou a minha mão sobre o seu coração. "Eu quero te mostrar uma coisa, e espero que isso vá ajudar você a acreditar o quanto eu a amo e preciso de você, e do quanto eu quero você para sempre." Ele manteve a mão no local, puxando sua camisa para cima e sobre a sua cabeça. "Eu fiz isso quando eu estava no set na semana passada. Eu precisava ter uma lembrança sua perto de mim, comigo em todos os momentos."

Ele tirou a minha mão e eu ofeguei, os olhos fixos em seu peito. A área da pele acima de onde estava seu coração, em elegante escrita estavam as seguintes palavras "O Amor aconteceu", embaixo a data de 06/10/2012, e em baixo "Bella".

"Eu te amo".

Lágrimas transbordaram dos meus olhos e eu investi contra ele, envolvendo meus braços ao redor de seu pescoço. Ele ficou chocado, mas agarrou-me com força contra ele, aninhando-se no meu pescoço.

Ele me fez ser elemento permanente em sua pele, o nosso casamento, uma data que nunca seria esquecida.

Eu precisava confiar e acreditar que tudo que ele tinha dito era real e as coisas iriam mudar, e nós tínhamos que encontrar um equilíbrio confortável entre nós. Eu precisava de tempo para ver, mas eu também precisava de um momento fora se ele não o fizesse.

"Eu vou te dar um mês", disse séria, minha voz tremendo antes de ganhar força. "Eu te amo, Edward, mas eu não posso ser aquele tipo de mulher para você. Se as coisas não melhorarem, eu vou embora, e não vou voltar. A única vez que você vai me ver será quando estivermos assinando o divórcio". Minha voz tremeu com a última palavra.

Seus braços se apertaram em torno de mim, a voz firme, mas tão vulnerável. "Você não vai se divorciar de mim. Nunca. Vou fazer isso direito. Prometo que vou trabalhar duro para que você nunca pense em deixar o meu lado novamente."

"Eu vou cobrar isso de você." Eu me inclinei para trás para olhar em seus olhos.

"Você pode fazer isso", ele respondeu, passando um fio de cabelo pelo meu rosto. "Embora você possa fazer algo para tornar as coisas mais fáceis para mim..."

"O que?"

"Pare de deixar a porra daquele moleque Newton colocar a porra das mãos em cima de você", ele resmungou. Eu não pude deixar de rir. Por alguma razão, naquele momento, seu ciúme tinha sido bonitinho. Provavelmente, devido a sua expressão, parecendo uma criança dizendo-me que algum outro garoto estava roubando o seu brinquedo. "Não é engraçado!"

Eu ri mais, e logo me recompus "Eu sinto muito, de verdade, você pareceu tão bonitinho."

Sua testa franziu. "Normalmente, o meu ciúme a perturba."

"Isso é porque você fica geralmente irritado e isso me afasta," eu apontei, meus dedos brincando com o cabelo na sua nuca. "E eu vou ter certeza que Mike receba a mensagem."

"Bom", ele respirou, sua boca tão perto da minha. Eu lutei contra a vontade de capturar um beijo. "Porque você é minha." Ele resmungou a última parte antes de fechar a distância e bater seus lábios nos meus.

Eu gemi, paz desceu sobre mim com o seu toque. Suas mãos me percorreram, deixando trilhas de formigamento, acendendo o meu corpo. Fazia semanas desde que ele tinha me tocado, e eu senti tanta falta... O beijo se aprofundou, meus dedos agarrando-o em qualquer lugar que eu podia, a necessidade de estar perto dele assumia.

Minhas costas caíram sobre a cama, seus quadris se encaixaram entre as minhas coxas. "Whoa, lá," eu avisei, destacando os meus lábios dos dele.

Ele riu, beijando a minha testa enquanto ele relutantemente rolou ao meu lado, me puxando para perto ao mesmo tempo. "Desculpe, eu me empolguei."

"Sim, minha mãe e meu melhor amigo estão lá embaixo. Vamos segurar esse encontro até chegarmos em casa."

Nós voltamos, de mãos dadas, indo para a cozinha. Um sorriso estampado em minha face e esperança florescida em meu coração.

Hora de comemorar o nosso primeiro Natal.


Nota da Tradutora

Ownn que fofo, Bella praticamente aplicou um questionário de entrevista nele aqui, não foi!

Eu achei muito fofo ele dizendo que era Natal e queria passar com a sua mulher! Muito bem Edward fizemos uma evolução aqui

Coração da tradutora e das leitoras agradecem!

Bjos

Mili YLJJ


Tivemos aqui o começo da Bella sofrendo depois que foi embora e a conversa com a Renée foi muito importante. Ela ficou bem surpresa com o Edward aparecendo, mas feliz também, afinal ele deu um passo para resolver as coisas e mudar. E ele finalmente disse para ela que a ama awwwn *-* Ele chorando gente, ai não tem como ficar com raiva dele. Foram pouquissimas as leitoras que perceberam a parte da letras na pele que o Edward disse no capítulo passado, que se referia a tatuagem haha Agora tomara que o Edward faça o que se propôs!

Obrigada pelas reviews meninas! Volto com mais em breve.

Beijos

xx