N/A : AU dos tempos atuais.

Onde os desajustados se encaixam

1.

Nova York.

Em geral aquela era uma ideia que ele e Will falavam nos intervalos entre as aulas (nos dias que Will se incomodava de aparecer na escola pelo menos), algo que em geral Jem não considerava muito nos momentos em que Will começava a falar a respeito, porque a verdade era que ele gostava bastante de Londres, a cidade havia parecido um tanto estranha quando tinha se mudado pra lá após a morte de seus pais mas realmente tinha se tornado cada vez mais como um lar para ele ao longo dos últimos anos, e ele realmente não via muita diferença que haveria entre os dois lugares,ambas eram metrópoles e centros culturais, ambas eram cidades bem caras de se morar pelo que ele já tinha pesquisado, mas ainda assim era divertido falar com Will a respeito. Sobre achar um emprego qualquer e arranjarem um apartamento, sobre nas férias cruzarem o país de carro como Kerouac. E pelo o que o último ano indicava ia ser só uma ideia mesmo, porque quando ele disse que estava pensando em se inscrever em uma universidade londrina mesmo Will fez o mesmo, e as suas conversas sobre Nova York pelo resto do ano se tornaram mais a respeito de alguma viagem épica que eles fariam após se formarem na faculdade. Isso até o dia que as respostas das inscrições chegaram.

Jem estava na casa de Will quando ele recebeu a resposta da sua inscrição na faculdade, o envelope pequeno com a carta que dizia que ele não havia sido aceito. Will encarou a carta por um momento com uma intensidade que quase fez Jem acreditar que ele fosse chorar mas aí ele simplesmente deu um daqueles sorrisos irônicos amassou a carta de rejeição da universidade e disse "Foda-se" e depois formou uma bolinha e atirou na cesta de lixo do outro lado do quarto e fez uma referência e perguntou se não receberia palmas por tal feito. Jem ignorou a pergunta.

"Você está bem ?" Jem perguntou.

"Eu estou sempre bem, mais do que nunca agora, é bom que seja assim mesmo duvido que uma vida acadêmica combine comigo, e assim eu pego todo o dinheiro que eu ia usar nisso e gasto em algo que eu queira fazer de verdade"

"O que ?"

"Eu já te disse, deixar essa grande ilha e me mudar para uma menorzinha do outro lado do atlântico"

"Mas você não conhece ninguém por lá"

"Essa é uma grande parte do apelo. E sabe eu acho que essa é a minha idade de tomar algumas más decisões de vida pra me arrepender quando eu estiver velho e acabado"

"Isso não é engraçado Will"

"Claro que é. E não se preocupa cara, eu sei que você não vai comigo, se a carta na sua casa tiver chegado eu tenho certeza que ela vai dizer que você foi aceito, e sabe eu sempre falei da gente lá junto porque minhas fantasias idiotas sempre pareciam mais divertidas com você nelas mas eu sabia que não seria pratico você fazer isso mesmo quando acontecesse"

Jem não soube o que dizer, e antes que pudesse pensar em algo Will disse :

"Jem você sabe que você sempre é bem-vindo aqui mas agora que a minha partida é oficial eu vou ligar para algumas das minhas ex-namoradas e ver se eu consigo um pouco sexo de despedida essa noite, e acho que seria meio estranho pra você ficar aqui enquanto isso tá rolando, a não ser que você tenha algumas tendências ao vouyerismo e nunca me contou, se esse for o caso, se esse for acaso meu amigo secretamente pervertido eu te recomendo ficar por aqui porque você talvez tenha um show a sua frente"

"Eu vou embora"

"Puritano"

Jem decidiu ignorar o comentário.

"Eu pensei que todas as suas ex-namoradas te detestassem"

"Elas detestam. Mas talvez uma ou duas ainda queiram usar o meu belo corpo por umas duas ou três horas essa noite"

"Você se acha"

"Não conta como se achar se o que eu estou dizendo é a verdade"

"Até amanhã então"

"Até amanhã"

Jem saiu do quarto e depois da casa e trancou a porta (Will tinha feito uma chave da casa para ele há uns dois anos atrás, disse que estava cansado de ter que ir abrir e fechar a porta toda vez Jem aparecia por lá).

Jem já tinha se emancipado há alguns anos atrás e tinha algumas economias que seus pais haviam lhe deixado, então ele já tinha se habituado a chegar em uma casa vazia, mas ainda se sentia um tanto desconfortável trancando a porta e sabendo que estava deixando Will sozinho na dele. Os pais de Will ao contrario dos dele ainda estavam vivos mas estavam sempre viajando a trabalho e Will não tinha muito interesse em falar com eles e pelo que havia notado esse sentimento era mútuo. Jem sabia que Will tinha tido uma irmã uma vez, tinha a visto em uma foto empoeirada na sala da casa de Will, uma garota com cabelos negros com mechas roxas e olhos grandes e azuis como os de Will, ela já estava morta quando Jem havia chegado a Inglaterra.

Ainda está razoavelmente claro então ele decide voltar a pé para casa. Ele gostava de Londres, da arquitetura, dos caminhos que agora ele já conhecia de cor, da vibração que a cidade passava em geral. Mas lhe ocorreu que talvez Will não sentisse o que ele sentia naquele momento, que talvez houvesse peso demais naquele local, coisas demais que tinham acontecido com ele naquelas ruas. Porque mudar de uma cidade para outra não parecia tão diferente para ele, mas talvez fosse para Will, talvez fosse mais do que simples wanderlust. Ele sabia que Will lia O Apanhador no campo de centeio pelo menos uma vez por ano (embora não fizesse propaganda disso pra ninguém), e uma vez mexendo no caderno dele ele viu nas últimas páginas onde Will costumava fazer caricaturas dos professores que não gostava uma página com nenhum desenho e só uma citação de um daqueles escritores meio obscuros que Will gostava : "Nova York é o lugar onde os desajustados de encaixam"

Como Will havia previsto o envelope dele também tinha chegado na sua casa naquela tarde, e como também havia previsto era um de aceitação. Era uma boa faculdade, tinha cursos interessantes, e ele conseguia realmente se ver aproveitando os próximos anos, mas também toda vez que ele havia imaginado como esses anos de faculdade seriam ele imaginava Will lá com ele. Ele respira fundo e guarda a carta em uma pasta com outros documentos relevantes e liga para a casa de Will.

"Você estava errado sobre o que você disse mais cedo" Jem diz assim o telefone é atendido com toda a certeza que Will reconheceria a sua voz.

"Sobre você ser secretamente um voyeur ? Eu ainda não estou completamente convencido que isso não seja verdade"

"Okay, corrigindo : você estava errado sobre um monte de coisas que você disse hoje"

"Tá, tá, sobre o que você tá se referindo então ?"

"Minha carta chegou, eu não passei também"

"Droga, esses caras da comissão de admissão devem ser uns imbecis, me rejeitar já é uma estupidez mas você é pura sacanagem"

"Pois é, então eu estava pensando : eu sei que você disse que um dos apelos de Nova York é não conhecer ninguém e tal, mas se você aceitaria me ter como companhia ?"

Jem esperou que Will fosse dizer algo sarcástico e propositalmente casual, mas ele disse sem nem um pingo de ironia "Sim. Sim, eu aceito", e eles passaram o resto daquela noite no telefone falando sobre os preparativos que teriam que fazer para a viagem.

Jem gostava bastante de Londres, mas ele gostava de Will mais.

Obrigada por ler, reviews são sempre apreciadas.