Verdades

O Doutor , sua filha, havia lhe dito que aquela era a primeira regra e Amy já tinha experiência o suficiente para saber que aquilo era verdade. Mas também havia uma que ela suspeitava que talvez não seja percebida por muitos, que não importava o quanto ele mentisse, e se escondesse haveria um momento em que todas as mascaras cairiam e que ele mostraria tudo que era verdade. Em retrospecto ela considerou o dia do cemitério como sendo um destes. Por mais que ele tivesse passado os últimos anos dizendo que o lugar dela era com Rory naquela hora ele chorou implorando para ela ficar.

Uma parte dela quis, quis tanto que quase doía, mas Rory estava sozinho, e ela o amava e ele iria viver e morrer sozinho se ela não fosse. Então ela apenas fechou os seus olhos e deixou que o anjo a tocasse.

Rory as vezes pergunta se ela se arrepende de ter ido atrás dele. Para o passado, para longe do Doutor.

O Doutor era fantástico, mas Rory era um bom homem, o melhor que já tinha conhecido, ele não precisava saber que alguns dias ela duvidava, que as vezes enquanto ela dormia ela ia para o quintal de sua casa e ficava debaixo do céu estrelado torcendo para ele aparecer e lhe levar de novo, e que em alguns dias ela desejava que nunca tivesse voltado para Leadworth, que o resto de sua vida fosse numa série de viagens pela TARDIS vivendo o seu perfeito conto de fadas para sempre e todo dia com o seu amigo imaginário.

Então ao ouvir tal pergunta Amy lhe dá a sua expressão de Rory-você-é-um-idiota e diz que claro que não. Rory sorri e se sente confortado por mais um dia. Ela já tinha aprendido como executar aquela série de atos com perfeição.

O Doutor mente. Amy Pond mente também.

Obrigada por ler, reviews são sempre apreciadas.