Oi Meus Amores... Tudo bem com vocês? Espero que sim! Esse capitulo é lindo e ao mesmo tempo tenso... Se preparem para xingar muito Tah kkkk... Boa leitura... Nos vemos lá embaixo¬

Bella se olhou no espelho pela última vez, antes de acompanhar as primas para o salão de baile de lorde Castleigh. Aquela era sua última chance de alertar o conde Masen sobre Tanya.

Tinham se passado duas semanas desde que o conde estivera em sua casa, e não o vira desde então. No entanto, sabia que os proclamas haviam sido anunciados, e que os preparativos para o casamento estavam a todo vapor. A família estava tão ocupada que parecia nem notar a presença de Bella.

Ela fora deixada para trás quando o pai, a mãe e a irmã viajaram para Derbyshire para conhecer o marquês e a marquesa de Ravenscroft, pais de lorde Masen. Mas o pai a autorizou a ficar com Kate, e Bella então aproveitou para cavalgar todos os dias. Foi um período maravilhoso, mas curto.

Ao voltar, Charlie parecia ter desistido de arrumar-lhe um marido, e isso a deixava apavorada. O pai jamais desistia de algo com tanta facilidade. Na certa estava planejando alguma coisa terrível!

Bella arrumou seu novo vestido de seda branco e desceu a escadaria. Na verdade o vestido não era dela, era um dos que Kate usara na temporada anterior. O traje era a contribuição de Kate para o plano. Rose e Alice haviam ajudado com o restante, e naquele momento sorriam ao ver a prima descendo as escadas.

— Perfeito! Você está maravilhosa! Tah vai se morder de ciúme! — Rose afirmou, aplaudindo.

Bella a cumprimentou com um gesto de cabeça, e respirou fundo. O baile de noivado da irmã não estava lotado, mas a lista de convidados era enorme! Tinha de agir rápido, antes que todos chegassem, ou então se sentiria mal e não conseguiria concluir o que havia planejado. As mãos estavam frias, e o coração acelerado. Por que não podia apenas fugir, esconder-se e pronto?!

A despeito das palavras encorajadoras de Rose, Bella não se sentia bonita. Pelo contrário, parecia que todos estavam olhando para ela!

Mais convidados estavam chegando, e ela sabia que tinha que se juntar à família para recebê-los.

Alice deu-lhe um último aperto de mão reconfortante.

— Sabe o que tem que fazer!

— Tenho de fazer Tanya mostrar a verdadeira face para Masen.

— Isso! Então ele vai cancelar o casamento, e você continuará sendo a fundadora do nosso Clube das Solteironas.

Rose e Kate seguraram-lhe as mãos.

— Erga o queixo. Confie em si mesma!

Bella concordou com um gesto de cabeça e forçou-se a ir até o hall, onde já estavam à mãe, o pai, a irmã e os tios, cumprimentando os convidados.

— Agora resolveu ficar apresentável? O que está tramando? — Charlie quis saber.

A filha apenas sorriu, e fez uma mesura para um barão e sua baronesa.

Tanya foi à próxima a cochichar:

— Parece uma idiota, sabia? Está tentando ofuscar meu brilho?

Bella sorriu para ela.

— Ninguém vai olhar para mim, não se preocupe! — Cumprimentou lorde Alistar e a tia Renata, pais de Alice.

— Ninguém nunca olha para você — Tanya a provocou.

A irmã voltou o rosto para os convidados, bem a tempo de ver que Masen chegara.

Graças a Deus ele chegou! Foi à primeira coisa que Bella pensou e Como é bonito!, Foi à segunda. Nunca tinha prestado atenção de verdade aos homens, preocupava-se apenas em evitá-los. Alguns eram mais altos, gordos ou barulhentos que outros, mas eram apenas características da espécie, nada que despertasse seu interesse.

Edward, sim, despertava! Era difícil olhar para ele e não ficar absorta. O rosto, bem definido, com maçãs proeminentes contrastando com a testa altiva e o queixo largo, a boca macia, tudo aquilo a intrigava. Os cabelos, que até então achava compridos demais, eram perfeitos! Lisos, desciam até a curva do pescoço e contornavam a nuca como se fossem as asas de um gavião. Eram bronzes, da cor da terra pronta para o plantio, e brilhantes como o orvalho da manhã.

Então, Bella voltou a si. Não podia fitá-lo daquela forma, muito menos pensar nele daquela maneira! Se não tomasse cuidado, passaria a acreditar que estava apaixonada! Embora estivesse disposta a fazer de tudo para impedir que o conde se casasse com Tanya, pelo menos até conseguir um jeito de fugir, sabia que a cerimônia se realizaria mais cedo ou mais tarde. O que jamais aconteceria era um homem como o conde Masen se interessar por uma mulher como ela!

E ali estava ele, bem na sua frente, cumprimentando-a com uma mesura.

Bella se forçou a fazer o mesmo, e murmurou algo que desejava de todo o coração ser educado, mas Edward pareceu não ouvir. O conde permaneceu ali por alguns instantes, com um olhar tão quente e intenso que fez Bella estremecer. O plano das primas não ia funcionar! Decerto, ele a estava achando medonha!

— O que é isso que está vestindo? — interrogou ele, franzindo o cenho e mirando-lhe o decote pronunciado.

Bella olhou para o vestido, e depois de volta para os lindos olhos de Edward.

— Um... Um vestido, ora.

— Coloque um xale por cima, está revelando mais do que deveria!

E assim Edward se retirou.

Bella o observou cumprimentar Tanya. Embora o vestido da irmã fosse tão decotado quanto o dela, o conde parecia não ter críticas a respeito. Ele apenas sorriu e beijou-lhe a mão, o que fez com que Bella sentisse uma pontada no coração, como sentia quando era criança e a irmã pedia o pedaço de bolo que ela havia escolhido, ou a boneca com a qual sonhava, ou mesmo quando ganhava um beijo da mãe, enquanto Bella ficava apenas olhando.

Ciúmes.

Bella queria arrancar o próprio coração de dentro do peito. Não podia admitir aquela cobiça por algo que pertencia à irmã, em especial em se tratando de algo tão sem valor quanto um homem!

Edward e Tanya se retiraram, não antes de ela olhar para a irmã mais velha e dar um sorriso falso.

O restante da família também se afastou, até ficar apenas Bella no hall. Ela sabia que os casais logo começariam a dançar, então tinha de dar um jeito de induzir Edward a tirá-la para dançar, valendo-se do último resquício de coragem que ainda restava.

— Você está bem? — Rose perguntou, aproximando-se. — A multidão está lhe fazendo mal?

— Não, mas... Não quero continuar com isso.

— Você consegue, Bella! Sei que está com medo, mas...

— Não é isso. Bem, estou... — Agarrou a prima pelos ombros e a puxou para o canto. — Estou com ciúmes!

— Ciúmes de quê? Do vestido de Tanya? Os de Kate são muito superiores! Juro que você está tão linda quanto ela, até mais!

— Não Rose, não estou com ciúmes da figura de Tanya. Estou com ciúmes de... — Abaixou o tom de voz ainda mais. — Acho... Quer dizer, acho que sinto algo pelo... O problema é o conde Masen! Quero ele para mim!

Rose cobriu a boca com a mão e sufocou a sonora gargalhada que desejava dar.

— E quem não quer, Bella? Ele é lindo de morrer!

Então Rose também o desejava?

— Mas Rose, prometemos nunca nos casar!

— E só porque nunca vou me casar, significa que não posso nem olhar para um homem? Pois quando ficar rica como pirata, pretendo ter vários amantes!

— Meu Deus!

— Bella, não pode ficar parada aqui. Escaparemos assim que eu encontrar o mapa do tesouro, mas preciso de mais tempo. Minha missão é encontrar o mapa, a sua é se manter solteira enquanto eu cumpro a minha. Então se mexa!

Bella bateu continência, mas a prima a empurrou com delicadeza. Então ela entrou no salão, e deu de cara com Tanya e Edward dançando. Sentiu outra onda de ciúme, e uma boa dose de incerteza. Os dois ficavam tão lindos juntos, os cabelos bronzes e olhos verdes do conde em contraste com a beleza pálida da irmã... Por que precisava separá-los?

Um, dois, três...

De repente percebeu que a irmã lançava-lhe um olhar de desprezo, e então se lembrou de que tinha de salvar a si mesma e a Edward. Ele não era o verdadeiro alvo!

Bella esperou até que Tanya fosse dançar com outro cavalheiro, e se aproximou de Edward. Fez isso de maneira tão evidente, que não havia como a irmã não perceber. Enquanto ai ao encontro a ele, recebia acenos cheios de motivação das três primas. O conde estava sozinho pela primeira vez naquela noite, Bella sabia que seria sua única chance. Ao se aproximar, Masen nem a olhou direito.

— Milorde — ela o chamou.

— Srta. Swan. — A voz de Edward era fria e polida.

Bella seguiu o olhar dele, e percebeu que contemplava a noiva dançando. Não demonstrava nenhum ciúme, pelo contrário, quanto mais olhava, mais parecia satisfeito com o que via.

— Vejo que ainda pretende se casar com minha irmã.

Edward a olhou de soslaio.

— E a senhorita ainda pretende me fazer desistir.

— Eu tentei. Mas agora que somos quase irmãos, talvez pudéssemos começar do zero.

— Se é o que quer... — ele respondeu, sem tirar os olhos de Tanya, e em seguida ficou em silêncio.

Bella lançou um olhar apelativo para Rose, que estava do outro lado do salão. O que deveria fazer? Edward não a convidou para dançar, e nem parecia interessado em continuar a conversa. Tudo aquilo apenas serviria para deixar Tanya feliz, e não para provocar-lhe um acesso de raiva.

Rose mordeu os lábios e consultou Alice, que estava ao lado dela. As duas cochicharam enquanto Bella permanecia estática, torcendo para que ninguém se aproximasse.

O baile estava ficando cada vez mais cheio. Ela observava a multidão, e respirava fundo. Não podia entrar em pânico, não naquele momento. Respira, respira...

— A senhorita está bem? — Edward perguntou de repente.

O primeiro instinto de Bella foi dizer que sim, que estava muito bem. Sua família sempre zombava do pavor de multidões e locais apertados, mas naquele momento, em que havia conseguido a atenção do conde, queria mantê-la. O que Tanya faria em tal situação? Bella a observava flertar e fazer charme para homens há anos! Respirou outra vez e disse:

— Desculpe, mas não estou me sentindo bem. Acho que um pouco de ar fresco me faria bem...

Não precisou dizer mais nada, e já sentiu as mãos fortes em suas costas, conduzindo-a até a porta que levava para o gramado. Assim que saiu, reconheceu onde estava, e se lembrou de um banco de pedra bem perto dali.

— Se eu pudesse me sentar um pouco... — apressou-se em falar, antes que Edward saísse à procura de suas primas ou tias. — Acho que me sentiria melhor...

— Claro! — O conde a pegou pelo braço e a conduziu até o banco. Andava bem ao lado dela, e não fazia esforço algum para esconder a falta de vontade de estar ali.

Edward a fez sentar-se no banco e se colocou a uma distância apropriada, e Bella teve que pensar rápido em como fazê-lo se aproximar. Era imprescindível que a irmã os flagrasse conversando bem próximos, só assim ficaria com raiva e mostraria a verdadeira face.

— Muito obrigada por sua gentileza — agradeceu, num tom tão baixo que o conde foi obrigado a se aproximar para ouvir. — Já estou me sentindo melhor.

— É verdade, sua cor está voltando — ele concordou, embora com os olhos voltados para a casa.

Sem problemas! Não precisava prestar atenção a ela, apenas ficar ali em vez de cortejar Tanya. Havia algo excitante em tê-lo só para si. Em meio à penumbra e às sombras, a expressão dele era misteriosa, mas podia sentir sua presença e seu perfume amadeirado.

Bella fechou os olhos, e pensou na sensação da mão forte de Edward em suas costas. Quando voltou a abri-los, para sua surpresa, viu que ele a fitava.

Estavam tão próximos que seus joelhos se encostavam.

— Ainda pensa em não se casar, srta. Swan? — A voz de Edward estava mais baixa do que de costume.

— Penso não, tenho certeza!

Ele a encarava, e Bella desviou o olhar. Tinha medo do que poderia acontecer se não fizesse isso.

Tomando-a de surpresa, Edward colocou o dedo em sua face.

— Posso perguntar por quê? — questionou, sem se afastar. Na verdade, parecia ter se aproximado ainda mais.

— Eu... Não quero... Não desejo viver sob as ordens de um homem.

— Ah, então essa é a razão desta independência toda! Com certeza já se deu conta de que, se não se casar, viverá sempre sob as ordens de seu pai, não é?

Ela limitou-se a suspirar. Se tudo saísse como o planejado, logo estaria longe da maldade do pai, mas não poderia verbalizar seus pensamentos.

Edward se sentou ao lado dela e olhou para o gramado. Não falava nada, mas a perna grossa roçava na dela.

A respiração de Bella tornou-se ofegante, a simples sensação de tê-lo ao seu lado a fazia tremer. Queria sentir o calor daquele corpo, perder-se naqueles braços e, ao mesmo tempo, queria correr, escapar daquele homem e de qualquer outro.

— Está tremendo, senhorita. Devo oferecer-lhe meu casaco, ou já se sente bem para voltar ao salão?

Bella olhou para ele, e àquela distância conseguia enxergar-lhe o rosto muito bem. O olhar era de admiração, focado em seus lábios, e diante do calor daqueles olhos não conseguiu responder. Por que diabos a estava olhando daquela maneira? Os homens jamais a olhavam assim!

— Achei que tinha dito para colocar um xale!

— Disse, mas...

— Tarde demais. — Colocou um dedo sobre os lábios de Bella. — Agora não consigo mais resistir.

Ela tentou protestar, mas em vez disso e para sua própria surpresa, se viu rendida, fechando os olhos e sentindo a mão dele tocá-la na cintura, preparou-se para ser beijada.

— Edward, aí está você! — Uma voz estridente ecoou perto dali, interrompendo o momento mágico. — Procurei-o em todos os cantos do salão!

Bella abriu os olhos e deparou com Tanya correndo na direção deles.

Assim que percebeu o que estava acontecendo, o andar de Tah mudou de gracioso para brusco.

Bella retesou-se toda, preparando-se para o ataque que sabia que viria.

Edward ficou de pé e se afastou do banco.

— Tanya, querida, me perdoe por ter me afastado. Sua irmã não estava se sentindo bem.

Bella viu a raiva estampada no rosto bonito e desejou que Tanya mostrasse ao noivo quem era de verdade. Mas, em vez disso, a irmã a encarou e, de repente, como se tivesse percebido qual era a intenção por trás daquela cena, relaxou e sua expressão se transformou em uma máscara de preocupação.

— Ah, céus! Querida, você está bem? Quer que eu chame mamãe?

Bella arregalou os olhos. Onde estavam as acusações, o ataque de raiva? Mas Tanya era toda calma e preocupação. Sentou-se ao lado dela, e colocou a mão em seu braço.

— Oh não, de novo não... Pobre Bella!

Pobre Bella?! Desde quando ela falava daquela maneira?

— É uma bobagem — Tanya começou a explicar, olhando para o noivo —, mas Bella tem pavor de multidões. Mal consegue ir aos bailes sem ter um ataque histérico!

Bella fez um ar de riso diante do exagero, e a irmã cravou as unhas no braço dela.

— Em geral, precisamos levá-la para casa e colocá-la na cama. Edward, você poderia fazer a gentileza de encontrar minha mãe? Não quero deixar Bella aqui neste estado.

— Claro! Vou agora mesmo! — Edward correu para a casa, e a expressão de Tanya mudou, mostrando toda a fúria que pulsava dentro de si. Porém, por um instante, voltou a ficar serena, quando o conde olhou para trás para se despedir de Bella.

— Boa noite, srta. Swan. Espero que se recupere logo.

— Obrigada. — Bella agradeceu, antes de engasgar com a dor das unhas de Tanya fincadas em seu braço. Puxou-o com força, e percebeu as marcas que a irmã havia deixado, e as gotículas de sangue que começavam a aparecer. — Tah, isso dói!

Virou-se para ela, mas não rápido o suficiente para evitar o tapa. A mão de Tanya atingiu-a na bochecha, com tal força que a fez se desequilibrar. Bella gritou e tentou recuperar o equilíbrio, mas a irmã aproveitou a oportunidade para golpeá-la com as costas da mão, fazendo-a cair para trás.

Não se machucou, mas a falta de dignidade da situação era o suficiente para feri-la de morte.

— Isso é pelo que fez comigo agora e no baile de Beaufort! — Lentamente, Tanya se levantou e pisou no vestido emprestado de Kate. — Vagabunda! O que estava tentando fazer? Tirá-lo de mim?

Bella não respondeu, apenas olhou para a marca de sujeira das botas de Tanya sobre a seda.

— Como se um homem como Edward Cullen pudesse se interessar por uma bruxa feito você! Contente-se com sua condição de solteirona e fique fora do meu caminho! Se você se colocar no meu caminho de novo, eu a matarei.

— Tanya! — Ambas se viraram diante do grito do pai. — Já para dentro, antes que faça uma cena e estrague tudo!

— Mas papai, ela...

— Para dentro! O duque de Chawton acabou de chegar, e quando eu voltar quero vê-la dançando com ele!

Tanya lançou um último olhar para a irmã e, em seguida correu para a casa. Ainda no chão, Bella olhou para o pai, pensando se valia à pena tentar se explicar, já que de qualquer forma ele ficaria do lado da irmã.

De súbito, porém, os sapatos desapareceram. Bella olhou para cima, certa de que era algum truque, mas tudo o que viu foram as costas do pai. Ele estava indo embora, voltando para o salão.

Bella tentou se levantar, e então avistou gotas de sangue próximas à marca do calçado de Tanya. O vestido de Bella estava arruinado! Se voltasse para o baile naquele estado, a irmã diria a todos que ela tinha tropeçado, ou que o nariz sangrara. Edward ficaria com pena, e Bella sabia que jamais conseguiria se aproximar dele outra vez. Melhor mesmo era ir para casa, não havia mais nada que pudesse fazer, pelo menos por enquanto...


Como essa Tanya é maldita em? Meu Deus com uma irmã dessa não se precisa de inimigos... Mas ela a Bellinha será vingada meninas kkk... Essa Tanya não vai casar com o nosso Edward, essa invejosa... Esperem e verão!

Então meus Amores... Otimo Sabado para vocês... Fiquem com o papai do céu, e que ele abençõe cada uma de vocês e suas familias... Robsteijoosss

Até Domingo!